Linux Sistema operacional livre (Definição) Software livre são programas distribuídos livremente sem custo de adesão open source



Baixar 170,53 Kb.
Encontro26.08.2018
Tamanho170,53 Kb.
Linux

Sistema operacional livre (Definição) Software livre são programas distribuídos livremente sem custo de adesão open source (Codigo Aberto).

Open source não significa gratuidade mas sim a possibilidade de alterar seu código – fonte, modificações para melhorar o programa para que o mesmo se adapte a suas necessidades

Tipos de Licença

GPL

É a licença que rege os softwares livre, esta licença diz que o software deve ser distribuído incluindo seu código – fonte seja pago ou não.



BSD

E a licença mais aberta que a GPL, obriga a gratuidade do software, mas não obriga que o código – fonte esteja incluso.

Primeiro Linux

Desenvolvido por Linus Torvalds, tratava – se da tentativa de desenvolvimento de um sistema operacional UNIX – LIKE para rodar em computadores 80386 desde então o Linux recebe ajuda de milhares de programadores.



Distribuições

O Linux em si e somente o núcleo do sistema operacional (Kernel) com passar do tempo, varias pessoas e empresas, com ou sem fins lucrativos resolveram melhorar o sistema

Existem mais de 100 distribuições Linux atualmente os mais comum são


  • Debian

  • Red Hat

  • Slackware

  • Suse

  • Mandriva

  • Ubuntu / Kubuntu

  • CentOS

Vantagen Vs Desvantagens

Estabilidade Softwares Disponíveis

Segurança Drives

Custo – Beneficio



Sistemas de Arquivos

EXT2

Sistema de arquivos obsoleto, mas e o padrão do Linux



EXT3

Sistema de Arquivo EXT2 melhorado o boot mais rápido e suporta o sistema “Jornalling” que um sistema para proteção de arquivos em caso de falta de energia



EXT4

O ext4 trouxe, de acordo com seus desenvolvedores, alguns recursos que não existiam no ext3, mantendo alguns que a versão anterior já possuía. Na verdade são recursos que estavam tentando implantar na versão 3 do extFS (ext3), porém, devido a alguns problemas na implementação, lançaram essa nova versão com as características descritas abaixo.

O Ext4 apresenta inúmeros novos aprimoramentos quanto a desempenho, escalabilidade e confiabilidade. Mais especificamente, o ext4 suporta sistemas de arquivos de 1 exabyte.

Tem uma performance considerada muito boa, principalmente para o seu uso em máquinas de grande porte, como é o caso de várias máquinas de empresas. O EXT4 supera a capacidade de armazenamento do EXT3.

O novo sistema de Journaling do EXT4 melhora a quantidade de arquivos e processos suportados pelo linux. Apresentando várias vantagens do gênero em relação ao EX3.

Graças a alocação tardia, existe uma considerável redução de fragmentação, por ele melhorar nas decisões do sistema sobre o arquivo levando em consideração o tamanho do mesmo.

O Ext4 usa checksums no jornal para melhorar a confiabilidade, já que o jornal é um dos arquivos mais utilizados do disco.Esta característica tem um lado benéfico, que pode evitar com segurança um disco I / O esperar durante o processo diário, melhorando o desempenho ligeiramente.

O melhoramento na capacidade de armazenamento: O EXT4 tem aumento na capacidade de suportar maior quantidade de atividades, maiores arquivos e maior quantidade de pastas.

Compatibilidade com Versões anteriores: o sistema de arquivos do EXT4 é compatível com as versões EXT3 e EXT2 o que ajuda muito no desempenho.

Apresenta riscos de ocorrência de perda de dados: Isso ocorre pelo uso da alocação tardia, que ajuda na redução da fragmentação e na decisão do que ocorrerá com o arquivo pelo seu tamanho.



XFS

O sistema de arquivos XFS também possui suporte a journaling. Foi desenvolvido originalmente pela Silicon Graphics e posteriormente disponibilizado o código fonte. O XFS é considerado um dos melhores sistemas de arquivos para banco de dados, pois é muito rápido na gravação.

XFS utiliza muitos recursos de cache com memória RAM, e para utilizar XFS é recomendado utilizar sistemas que possuem redundância de energia.

SWAP

SWAP é um espaço reservado para troca de dados com a memória RAM.

Em alguns lugares ele não é mencionado como um Sistema de Arquivos, mas resolvi descrever aqui pois faz parte deste artigo.

REISERFS

Criado por Hans Reiser e inicialmente mantido pela empresa The Naming System Venture (Namesys)[1] , o ReiserFS foi o primeiro sistema de arquivos com suporte a “journaling” incluído no núcleo Linux 2.4 . São seus patrocinadores as empresas Novell e Linspire, embora a Novell tenha anunciado em Outubro de 2006 que o sistema de arquivos padrão no Suse Linux passou a ser o ext3.

ReiserFS usa árvores balanceadas para tornar o processo de busca de arquivos, informações sobre segurança e outros metadados mais eficiente. Para arquivos muito pequenos, seus dados podem ser armazenados próximos aos metadados, então, ambos podem ser recuperados com um pequeno movimento do mecanismo da "cabeça" de leitura do disco. Essa propriedade vai contribuir para um melhor desempenho caso uma aplicação necessite abrir muitos arquivos pequenos rapidamente.[5]

No caso de um desligamento incorreto do sistema, o ReiserFS é capaz de recuperar a consistência do sistema de arquivos em pouco tempo e a possibilidade de perda de pastas ou partições é reduzida. Em compensação, os arquivos que eventualmente estiverem sendo gravados no exato momento em que acabou a energia ficarão com seus dados corrompidos, haverá acesso aos arquivos normalmente, mas o conteúdo estará truncado ou incompleto.

Uma desvantagem do ReiserFS é o seu consumo de CPU muito elevado. Utiliza no mínimo 7 por cento da CPU, chegando a usar até 99 por cento, quando a actividade de disco é elevada.[carece de fontes]

O futuro do ReiserFS é atualmente dado como incerto , em virtude da prisão em 10 de Outubro de 2006 de Hans Reiser, seu criador, e sua condenação em 28 de Abril de 2008 pelo assassinato de sua mulher no início de Setembro de 2006. Atualmente, devido à paralisação das atividades da Namesys, o projeto ReiserFS está armazenado em kernel.org .



VFAT

O sistema de arquivos VFAT é também conhecido como FAT32 (M$ Windows).

O sistema de arquivos VFAT não possui suporte a journaling. É utilizado normalmente para transferir dados entre sistemas M$ Windows e o Linux instalados no mesmo disco, pois pode ser lido e escrito por ambos os sistemas operacionais.

O sistema de arquivos VFAT está longe de ser um sistema de arquivos utilizado para Sistemas Linux, exceto para compartilhamento/compatibilidade entre o M$ Windows e Linux.

Se você utilizar VFAT no Linux, esteja certo de perder alguns atributos, tais como: permissão de execução, links simbólicos, entre outras coisas.

Ambos os sistemas de arquivos ext3 e ReiserFS são maduros o bastante para serem utilizados como padrão no Linux. Esses dois são os mais utilizados pelas distribuições Linux.



Partição Linux



Dispositivo de Armazenamento

HDA1

1 Partição (1º HD)

A Primary Master

HD Dispositivo



HDB2

2 Partição (2º HD)

B Secundary Master

HD Dispositivo



SDA

1º Disco



Sata ou Pendrive

SEQUENCIA DE EVENTOS DA INICIALIZAÇÃO DO LINUX



MÓDULOS

Modulos são como drives que controlan os dispositivos do computador



KERNEL

E o sistema operacional propriamente dito e a camada mais baixa do sistema operacional sendo responsável pelo gerenciamento do hardware como um todo

Versões do Kernel

Exemplo


2.4.16 = Versão de kernel estável

2.3.10 = Versão de kernel instável

2.4.18 = Versão de kernel estável porem mais recente que as anteriores

O numero central indica a estabilidade do sistema.



SHELL

Console modo texto, também conhecido como “interpretador de comandos” em modo texto (Sem ambiente gráfico).



SERVIDOR DE APLICATIVOS MODO TEXTO

Modo texto com suporte a aplicativos (Sem ambiente gráfico).



SERVIDOR X

Funciona como base para ambientes gráfico (tela cinza)

Interface gráfica (KDE ou GNOME)

As interfaces gráficas podem ser escolhidas, ou ate mesmo instaladas varias delas no mesmo sistema



KDE

Interface gráfica amigável, parecido com Windows, fácil de usar.



GNOME

Interface gráfica mais parecida com mac-os, fácil de usar.



Sistema de Arquivos

Quando formatos um HD para Linux utilizando o sistema de arquivo ext3,4 ou reiserfs e criado o seguinte esquema no disco.







  • Bloco de boot

Parte do disco onde é instalado o gerenciador de boot (lilo ou grub)

  • Super bloco

Parte do disco que contem informações sobre o mesmo como capacidade do disco numero de blocos de dados etc...

  • Inodes

Existe 1 inode para cada arquivo do disco, o numero de inode depende da capacidade do disco.

Quando salvamos um arquivo (no bloco de dados) um inode e dado a ele, no inode contem as seguintes informações sobre o arquivo.



Obs: o inode não armazena o nome do arquivo esta informação esta no bloco de dados em um arquivo chamado “Arquivo de Diretórios”.

Comparação Programas

Linux vs Windows

BR OFFICE MICROSOFT OFFICE
Writer Word

Calc Excel

Impress Power Point

Base Access

Draw Publisher

Outros Pacotes para Escritório


  • Libre Office

  • Open Office

  • Star Office

  • Supreme Office

Browsers

  • Konqueror

  • Iceweasel

  • Firefox

  • Google Crome

  • Opera

Gerenciador de E-mail

Linux Windows

Thunderburd Outlook

Mensageiros Instantâneos

Linux Windows

Ekiga Msn

Empathy Skype

JTISI

Pidgin


Tox

Mensageiros Instantâneos Para Empresa

Linux Windows

Spark Communicator

Lync


Skype for Bussiness

Designer Gráfico

Gimp Photoshop

Inkscape Coreal Draw

Librecad Autocad

Art of Illusion 3d max

Blender Zbrush



Multimedia

VLC Media Player

Kdenlive Movie Maker

K3B Ashampoo



COMANDOS LINUX CENTOS INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÂO

Instalação de Pacotes modo texto

Para alternar de modo gráfico para modo texto CTRL+ALT+F2 para voltar para modo gráfico CTRL+ALT+F1

COMANDOS DE INSTALAÇÃO

COMANDOYUM


Descrição: Este comando é usado para instalar pacotes (programas) no servidor. Use-o seguido da opção install e o do nome do pacote que deseja instalar. Também pode ser usado para atualizar os pacotes já instalados no servidor como kernel e outros.


Exemplo (instalar): yum install nome-do-pacote


Exemplo (atualizar): yum update nome-do-pacote


Exemplo (atualizar tudo): yum update

DIRETORIO DO LINUX

/ = Diretório raiz

/bin = Executáveis e comandos

/boot = Inicialização

/dev = Dispositivo

/etc = Arquivos de Configuração do Sistema

/home = Diretório de usuários (meus documentos)

/lib = biblioteca e arquivos essenciais

/mnt = ponto de montagem de dispositivo

/proc = informação sobre o hardware e kernel

/root = pasta local do super usuário

/sbin = Arquivos de Sistema (Somente root tem acesso)

/tmp = Temporário

/usr = documentação de sistema e outros tipos de arquivos de usuário como /usr/games

/var = variáveis de sistema

COMANDO LS

Também podendo ser usado para localizar um arquivo com o nome especifico



Exemplo

LS *. txt

Lista todos arquivos em formato “TXT”

LS = Lista arquivos em um diretório diferente do DIR do MSDOS ele vem colorido onde cada cor representa algo



LS COLOR

Cores Significado

Verde Arquivos executáveis

Azul Claro Link Simbólico (Atalho)

Azul Diretório

Vermelho / Branco Link Quebrado

Vermelho Arquivo Compacto

Rosa Arquivo não identificado

Branco Arquivos com conteúdo em ASCII

Amarelo Dispositivo

Marrom (Pipe) Arquivos de Módulos de Controle de E/S



LS –L

Exibe arquivos e suas permissões

Exemplo

DRWXR – XR – X 2 ROOT 112 2006-9-08 20:50 YAIRD



D = Tipo (D = Diretório = Arquivo)

RWXR = Permissão de dono

XR = Permissão de grupo

X = Permissão de outros usuários

2 = Nº de Links para o Arquivo

ROOT = Dono do Arquivo

112 = Tamanho KB

2006-9-08 = Data da Criação do Arquivo

20:50 = Hora de Criação ou Ultima Alteração

YAIRD = Nome do Arquivo



CAL

Exibe um calendário

Exemplo

Cal = Exibe o mês que estamos



Cal 2016 = Exibe o calendário do ano

CAT

Mostra o conteúdo de arquivo de texto

Exemplo

Cat centoos.txt



CD

Abre um diretório (Pasta)

Exemplo 1

Cd etc


Exemplo 2 (pasta com Nomes com espaço)

Tem que digitar direito o nome da pasta pois se não digitar não consegue entrar na pasta, pois as veses o nome da pasta tem acento

Cd “Área de Trabalho”

CLEAR

Elimina todo conteúdo visível deixado no terminal como se o sistema acabasse de ter sido acessado



DATE

Mostra à data e hora atual



DF

Mostra as partições usadas



DIFF Arquivo 1 Arquivo 2

Indica as diferenças entre dois arquivos

Exemplo

Arquivo Word Arquivo Excel



DU+ Diretório

Mostra o Tamanho de um diretório



FILE + Arquivo

Mostra informações de um arquivo



FIND + Diretório

O Comando FIND serve para localizar informações. Para isso deve – se digitar o comando seguido do diretório da pesquisa

NAME – Busca por nome

TYPE – Busca por tipo

SIZE – Busca pelo tamanho do arquivo

FREE

Mostra a quantidade de memoria RAM disponível.



HALT

Desliga o computador



HISTORY

Mostra os últimos comandos inseridos



PS –AUX

Lista softwares que estão em execução para ser alterado o seu processo

Exemplo

Diego 2270 11.0 0.1 110224 1144 pts/0 R+ 14:58 0:00 ps –aux



Diego = Usuário

2270 = PID

11.0 = % CPU

0.1 = % MEM

110224 = Tamanho

1144 = RSS

Pts/0 = TTY

R+ = Status

14:58 = Start (Hora de Inicio)

0:00 = Time (Tempo em execução)

ps –aux = command (processo)

TABELA DE STATUS

S = SLEEP (Descansando)

W = WAIT (Espera)

Z = ZUMBI (Finalizado)

R = RUNNING (Rodando)

T = Stop (Parado)

KILL +

Encerra processos em andamento



LS

Lista os arquivos e diretórios da pasta atual



IPR + ARQUIVO

Imprime o arquivo especifico



IPQ

Mostra o status da fila de impressão



IPRM

Remove trabalhos da fila de impressão



LYNX

Navegador de Internet Modo Texto

Instalação

yum install lynx

Para abrir o navegador e so digitar lynx

Para digitar o site clique na tecla G

Para Sair do Lynx Q e confirme Y

CP Origem + Destino

cp –r home/usuário/Área\ de\ trabalho\microcamp /home/usuário/documentos

ou

cp home/usuário/Área\ de\ trabalho\teste.txt /home/usuário/documentos



MV Origem + Destino

Move o arquivo ou diretório

Exemplo:

mv /home/usuário/Área\ de\ trabalho\microcamp /home/usuário/documentos

ou

mv /home/usuário/Área\ de\ trabalho\teste.txt /home/usuário/documentos



RM + Arquivo

Apaga arquivo especificado



RM –RF

Apaga arquivo + diretorio



RMDIR + Diretório

Apaga o diretório



MKDIR + Diretório

Cria um diretório (pasta)



ADD USER + Usuário

Criar Usuário



PASSWD + Usuário

Alterar a senha do usuário



HALT

Desliga o computador



REBOOT

Reinicia o computador



SHUTDOWN

Desliga ou reinicia o computador



Shutdown –r now reinicia o computador

Shutdown –h now desliga o computador

O parâmetro now pode ser mudado. Por exemplo digite shutdown –r +10 e o sistema ira reiniciar daqui a 10 minutos.


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal