Introdução o presente Manual de Estrutura e Apresentação de Monografias, Dissertações e Teses



Baixar 260,69 Kb.
Página1/4
Encontro16.03.2018
Tamanho260,69 Kb.
  1   2   3   4
Introdução


O presente Manual de Estrutura e Apresentação de Monografias, Dissertações e Teses (MDT) tem como objetivo orientar e definir a forma de apresentação de trabalhos científicos da UFSM, abrangendo os elementos gráficos de organização e redação de Artigos Científicos, Monografias, Dissertações e Teses (MDT). Este documento engloba também a orientação de outros trabalhos acadêmicos, tais como Trabalho Final de Graduação, Trabalhos de Iniciação Científica, Resenha Crítica e similares.

Na confecção deste Manual, foram consideradas as recomendações da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e, para os casos omissos, a Comissão apresenta algumas sugestões baseadas em experiências e contribuições daqueles que, no âmbito da UFSM, tratam desse tema.


A Comissão responsável pela revisão e publicação da 6a edição da MDT preocupou-se em oferecer ao leitor um manual prático e objetivo quanto à forma de tratar os conteúdos e regras metodológicas, pautado tanto pelas necessidades cotidianas e eventuais do ato de produzir conhecimento e de sua orientação, como pela atualização das normas referentes à apresentação de trabalhos científicos. Nesse sentido, foram introduzidas alterações e complementações às publicações anteriores com a preocupação de também oferecer orientações adaptadas de acordo com a área do conhecimento e a autonomia dos regimentos dos programas de Pós-Graduação e dos Cursos de Graduação.

Considera-se importante que a prática acadêmica da UFSM mantenha uma identidade e unificação de procedimentos de apresentação escrita de trabalhos científicos fundamentados na legislação nacional, na experiência das universidades brasileiras e nos parâmetros internacionais.

CAPÍTULO 1
Aspectos Básicos para a Apresentação Escrita de Trabalhos Científicos

A Universidade Federal de Santa Maria adota como idioma para a redação de MDT a língua oficial do Brasil, o português e permite a utilização de Artigos integrando o trabalho científico (MDT) em outros idiomas, conforme as regras dos periódicos aos quais foram submetidos, aceitos e/ou publicados (mais detalhes na página 21).

Os Trabalhos Científicos resultantes de pesquisa são definidos pela ABNT, da seguinte forma:
a) MONOGRAFIA – trata-se de um estudo que versa sobre um assunto/tema, seguindo uma metodologia, apresentado mediante uma revisão bibliográfica ou revisão de literatura. É mais um trabalho de assimilação de conteúdos e de prática de iniciação na reflexão científica. Esta Comissão sugere que a Monografia não exceda oitenta páginas (NBR).
b) DISSERTAÇÃO – é o resultado de um estudo no qual não há a preocupação em apresentar novas descobertas, como em uma tese de doutorado, mas expor novas formas de ver uma realidade já conhecida com rigor metodológico. A NBR 14724 define esse tipo de trabalho científico como:
Documento que representa o resultado de um trabalho experimental ou exposição de um estudo científico respectivo de tema único e bem delimitado em sua extensão, com o objetivo de reunir, analisar e interpretar informações. Deve evidenciar o conhecimento de literatura existente sobre o assunto e a capacidade de sistematização do candidato. É feito sob a coordenação de um orientador (doutor), visando à obtenção do título de mestre.
A Comissão sugere que esse tipo de trabalho não ultrapasse o número de cento e cinqüenta páginas.

c) TESE – a definição de tese, segundo a NBR 14724, é:

Documento que representa o resultado de um trabalho experimental ou exposição de um estudo científico de tema único bem delimitado. Deve ser elaborado com base em investigação original, constituindo-se em real contribuição para a especialidade em questão. É feito sob a coordenação de um orientador (doutor) e visa à obtenção de título de doutor ou similar.
A Comissão aconselha que o número máximo de páginas não ultrapasse trezentas.
d) ARTIGO CIENTÍFICO – "é um texto com autoria declarada que apresenta e discute idéias, métodos, processos, técnicas e resultados nas diversas áreas de conhecimento" (NBR 6022).
e) TRABALHOS ACADÊMICOS ou similares documento que representa o resultado de estudo, devendo expressar conhecimento do assunto escolhido, que deve ser obrigatoriamente emanado da disciplina, módulo, estudo independente, curso, programa e outros ministrados. Deve ser feito sob a coordenação de um orientador (NBR 14724).
f) RESENHA pode ser Crítica ou Científica e Informativa. A chamada Resenha Crítica ou Científica requer um conhecimento aprofundado da obra/autor e da temática por ela abordada por parte do resenhista. A Resenha poderá ser apresentada por meio de um texto único ou subdividido em partes, devendo constar (LAKATOS; MARCONI, 1999, p...): Nome e biografia acadêmica do(s) autor(es); Título e resumo da obra; Fundamentação teórica do(s) autor(es); Fundamentação teórica do resenhista; Metodologia adotada; Conclusão do(s) autor(es); Crítica do resenhista; Indicação do resenhista (para que área tal obra é sugerida). A Resenha Informativa é um breve comentário geral da obra, sobre o autor e para quem ela é indicada. Geralmente, tal resenha é usada pelas editoras ou periódicos de divulgação.
g) RESUMO CRÍTICO – é a síntese e análise das idéias do autor do texto (livro, capítulo, artigo, tese, etc.) feita pelo leitor.


    1. Estrutura física

A estrutura física de um Trabalho Científico, em sua caracterização geral, compreende três elementos :

a) pré-textuais;

b) textuais;

c) pós-textuais.
1.1.1 Elementos pré-textuais

São elementos que antecedem o texto com informações que ajudam na identificação e utilização do trabalho.




CAPA

Obrigatório

LOMBADA

Opcional

FOLHA DE ROSTO

Obrigatório

ERRATA

Opcional

FOLHA DE APROVAÇÃO

Obrigatório

DEDICATÓRIA

Opcional

AGRADECIMENTO

Opcional

EPÍGRAFE

Opcional

RESUMO E ABSTRACT

Obrigatório

LISTA DE ILUSTRAÇÕES

Opcional

LISTA DE TABELAS

Opcional

LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

Opcional

LISTA DE SÍMBOLOS

Opcional

LISTA DE ANEXOS E APÊNDICES

Opcional

SUMÁRIO

Obrigatório

1.1.2 Elementos textuais
Constitui o núcleo central do trabalho e é subdividido nas seguintes partes:


INTRODUÇÃO

Obrigatório

DESENVOLVIMENTO

Obrigatório

CONCLUSÃO

Obrigatório

O Desenvolvimento apresenta subdivisões diferenciadas de acordo com as especificidades das áreas de conhecimento que são abordadas, com mais detalhes, no Capítulo 3.


1.1.3 Elementos pós-textuais

São elementos que complementam o trabalho.




REFERÊNCIAS

Obrigatório

GLOSSÁRIO

Opcional

APÊNDICE

Opcional

ANEXO

Opcional

ÍNDICE

Opcional


1.2 Formas de apresentação gráfica geral
Quanto às formas de apresentação gráfica, esta MDT adota as seguintes recomendações da NBR 14724:
1.2.1 Formato e impressão
A impressão deve ser em papel A4 (21,0 cm x 29,7 cm) branco, em apenas uma das faces da folha, com exceção da folha de rosto que conterá a ficha catalográfica (opcional) no seu verso. A cor da impressão mais recomendada para redação de textos é a preta. Entretanto, as figuras podem ser impressas em cores.

A Impressão de trabalhos acadêmicos deve ser feita em impressoras jato de tinta, laser ou em padrão equivalente.


1.2.2 Margens
As FOLHAS devem apresentar as seguintes margens, conforme Figura 1:

a) esquerda: 3 cm;

b) direita: 2 cm;

c) superior: 3 cm;

d) inferior: 2 cm


Figura 1 – Margens para folha A4.
1.2.3 Fonte e espaçamento
Utilizar a fonte tamanho 12 para o texto e fonte tamanho 10 para legendas de tabelas e ilustrações, citações longas (mais de três linhas) e notas de rodapé. O tipo da letra é Times New Roman ou Arial e o espaçamento 1,5. As citações longas, as notas, as referências e os resumos em vernáculo e em língua estrangeira devem ser digitados em espaço simples. Deve ser usado um recuo de 4 cm partindo da margem esquerda para as citações longas.

Os títulos das seções devem ser separados do texto que os precede e que os sucede por uma entrelinha dupla (um espaço duplo ou dois espaços simples) e alinhados à esquerda, separados por um espaço antes do título. Os títulos sem indicativos numéricos (erratas, sumário, lista de tabelas, etc.) devem ser centralizados, conforme NBR 14724. Os títulos das partes e/ou capítulos (seção primária) são escritos em letras maiúsculas, fonte 14, em negrito, centralizado ou alinhado à esquerda. Os títulos das seções secundárias, ilustrações e tabelas também são em negrito, fonte 12 e escritos em letras minúsculas, excetuando-se a primeira letra que deve estar em maiúscula. Os títulos das seções terciárias e sucessivas seguem as regras da seção secundária, porém não são apresentadas em negrito.


1.2.4 Paginação
Todas as folhas de trabalho a partir da folha de rosto devem ser contadas seqüencialmente, mas não numeradas. A numeração é colocada, a partir da primeira folha da parte textual, em algarismos arábicos, no canto superior direito da folha, a 2 cm da borda superior, ficando o último algarismo a 2 cm da borda direita da folha. As folhas iniciais de capítulos e partes são contadas, mas não numeradas. No caso de o trabalho ser constituído de mais de um volume, deve ser mantida uma única seqüência de numeração das folhas, do primeiro ao último volume. Havendo apêndice e anexo, as suas folhas devem ser numeradas de maneira contínua e sua paginação deve dar segmento à do texto principal.
1.2.5 Numeração das seções
Deve-se adotar a numeração progressiva para as seções do texto. Os títulos das seções primárias (partes e capítulos), por serem as principais divisões do texto, deverão iniciar em folha distinta, segundo NBR 14724.

A seguir apresenta-se um exemplo da numeração das seções, segundo NBR 6024.



Exemplo:

Seção Primária

Seção Secundária

Seção Terciária

1

1.1

1.1.1

2

2.1

2.1.1

1.2.6 Numeração de ilustrações, equações, fórmulas e tabelas


A numeração de ilustrações, equações, fórmulas e tabelas devem ser feitas com algarismos arábicos, de modo crescente, fonte tamanho 10, podendo ser subordinada ou não a capítulos ou seções do documento.
1.2.7 Notas de rodapé
As notas de rodapé têm a função de informar as fontes de origem do documento, complementar idéias, traçar comentários, esclarecimentos ou explanações, apresentar traduções que não possam ser incluídos no texto.

As notas deverão ser digitadas dentro das margens, ficando separadas do texto por um espaço simples e por um filete de 3 cm partindo da margem esquerda. No Word podem ser criadas automaticamente no ícone Inserir, Notas, Notas de Rodapé.


1.2.8 Citações
São menções, no texto, de informações extraídas de outras fontes, de forma direta ou indireta (síntese das idéias). Podem ser:
a) CITAÇÃO DIRETA: transcrição literal do texto de outro(s) autor(es). Citações com menos de três linhas deverão ser escritas normalmente dentro do texto, entre aspas e com a indicação da fonte que deverá aparecer no texto, em notas ou em rodapé.

Exemplo:

Gonçalves (1995, p. 63) diz que “o papel de Pessoa na história da poesia é o exercício de extrema lucidez sobre as falácias do sujeito”.


Citações longas, com mais de três linhas deverão ser digitadas em Fonte 10, com recuo a 4 cm da margem esquerda, espaçamento simples, sem aspas, com indicação da fonte junto ao texto ou em nota de rodapé ou ainda em notas no final da parte ou capítulo.

Exemplo:

Assim como a condensação no trabalho do sonho, a estilização literária enfatiza o aspecto da convergência; o deslocamento onírico, assim como a paranóia, enfatiza os fatores de divergência. Os vários deslocamentos acabam, porém, se encontrando em um determinado elemento, isto é, aqueles fatores de divergência acabam redundando em convergências (Fonseca, 1997, p.100).




b) CITAÇÃO INDIRETA é o resumo ou a síntese das idéias de um texto/autor. Aparece em forma normal textual, porém a fonte de onde foi retirada a informação deverá ser indicada.

Exemplo:

Rocha (1997) analisa a proposta de Rui Barbosa, lembrando que há no Brasil uma tradição em debater questões do ensino superior.


c) CITAÇÃO DE CITAÇÃO: é a menção de um texto, a cujo original não se conseguiu ter acesso, mas do qual se tomou conhecimento por citação em outro trabalho. A indicação da fonte é apresentada pelo nome do autor original, seguido da expressão apud e do autor da obra consultada. Nas referências bibliográficas (no final do trabalho e/ou em rodapé) somente se menciona o nome do autor da obra consultada.

Exemplo:

Carmagnani (1994 apud CARVALHO, 1998, p.84.) afirma que.......

ou

" [...]..........................."(VIANNA,1988, p.164 apud SEGATTO, 1995, p.213.)



ou

As idéias desenvolvidas por Padoin (2000 apud CHIARAMONTE, 2001) sobre a Revolução Farroupilha vinculam esse fato histórico ao processo de formação dos estados nacionais no espaço fronteiriço platino e à influência do Direito das Gentes.




    1. 9 Formas de indicação das fontes das citações em notas de rodapé ou finais

A numeração das notas é feita com algarismos arábicos e deverá ter numeração única e consecutiva para cada capítulo ou parte, aparecendo, no caso de rodapé, na mesma página que trouxer o texto citado. A primeira medição de uma nota de fonte deverá apresentar todos os elementos essenciais da referência; nas indicações posteriores, utilizam-se os seguintes recursos:


a) Ibid. (na mesma obra): só é usado quando se fizerem várias citações de uma mesma publicação, variando apenas a paginação.

Exemplo:

1 CHIARAMONTE, 1998, p.145.

2 Ibid., p. 190.
b) Id. (do mesmo autor): substitui o nome, quando se tratar de citação do mesmo autor, mas de obra diferente.

Exemplo:

1 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 2001, p. 7

2 Id., 2002, p. 5.
c) Op. cit. (na obra citada): é usada em seguida do nome do autor, referindo-se à obra citada anteriormente, na mesma página, quando houver intercalações de outras notas.

Exemplo:

1 HOBSBAWN, 1999, p. 87.

2 ANDERSON, 2000, p. 73.

3 HOBSBAWN, op. cit., p. 91.


d) Loc. cit. (no lugar citado): é empregada para mencionar a mesma página de uma obra já citada, quando houver intercalações de outras notas de indicação bibliográfica.
Exemplo:

1 SPONCHIADO, 1996, p. 27.

2 SILVA, 2001, p. 63.

3 SPONCHIADO, loc. cit.


e) Passim (aqui e ali; em vários trechos ou passagens): usa-se quando se quer fazer referência a diversas páginas de onde foram retiradas as idéias do autor, evitando-se a indicação repetitiva dessas páginas. Indica-se a página inicial e a final.

Exemplo:

– THOMPSON, 1990, p. 143-211 passim.


f) Apud (citado por): é a menção de um texto a cujo original não se conseguiu ter acesso, mas do qual se tomou conhecimento por citação em outro trabalho.

Exemplo:

– Carmagnani, 1994 (apud CARVALHO), 1998, p. 23.


1.2.10 Abreviaturas e siglas
Sempre que aparecer no texto, pela primeira vez, a forma completa do nome precede a sigla ou abreviatura que deverá estar entre parênteses.

Exemplo:

– Associação Brasileira de Ensino de Engenharia (ABENGE).


1.2.11 Equações e fórmulas
Quando aparecem na seqüência normal do texto, é aconselhado o uso de uma entrelinha maior que abranja todos os seus elementos (índices, expoentes, etc). Quando apresentadas fora do texto normal, deverão ser centralizadas e, se necessário, numerá-las (item 1.2.6). Caso fragmentadas em mais de uma linha, por falta de espaço, devem ser interrompidas antes do sinal de igualdade ou depois dos sinais de operação.
Exemplo:

x2 + 2x + 4 = 0 (1.1) ou (1)



      1. Ilustrações

As ilustrações compreendem imagens visuais, tais como: mapas, fotografias, desenhos, organogramas, quadros, esquemas, diagramas, gráficos e plantas. São numeradas conforme item 1.2.6. A identificação da ilustração aparece na parte inferior precedida da palavra designativa (ex.: Figura), seguida de seu número de ordem, do respectivo título e/ou legenda explicativa e da fonte, se necessário.

A ilustração deve ser apresentada após sua citação no texto. Deixa-se um espaço de duas linhas entre o texto e a ilustração. Se o espaço da página não permitir, a ilustração deve aparecer na página seguinte, mas o texto prossegue, normalmente, no restante da página anterior. Após a ilustração, o texto se instala duas linhas abaixo da legenda. A chamada da ilustração, no texto, será feita pela indicação da palavra correspondente ao tipo de ilustração (Figura, Quadro, Fotografia, Mapa...), seguida do respectivo número e separada da legenda por travessão.

Exemplos:

Exemplo 1: Figura 25 – Numeração seqüencial ou (Figura 25)

Exemplo 2: Figura 3.1 – Numeração por seção ou (Figura 3.1)
1.2.13 Tabelas e quadros
A tabela é a forma não discursiva de apresentar informações, das quais o dado numérico se destaca como informação central (IBGE, 1993).

O quadro é outro elemento que contém informações textuais agrupadas em colunas, seguindo as regras da ilustração.



Exemplo:
Tabela 1 – Dados tratados estatisticamente

A

a

b

c

d




A

B

C

D

E

X

01

02

03

04




10

20

30

40

50

Y

05

06

07

08




50

60

70

80

90

Fonte: IBGE, Diretoria da geociência. Quadro 1.1 – Agrupamento de informações.
Na identificação de Tabelas, devem aparecer os seguintes dados: título, cabeçalho, fonte (caso seja outra que não o próprio trabalho), notas, chamadas. A estrutura da tabela, constituída de traços, é delimitada por linhas. Não se deve delimitar (ou fechar) por traços verticais os extremos da tabela, à direita e à esquerda. Deve-se separar o cabeçalho do conteúdo por linhas simples. Os traços verticais serão usados quando houver dificuldade na leitura de muitos dados.

As regras de numeração de Tabelas ou Quadros encontram-se no item 1.2.6.

O título da Tabela é colocado na parte superior, precedido da palavra Tabela e de seu número de ordem seguido de travessão, enquanto para Quadros, por tratar-se de ilustração o título é colocado na parte inferior, conforme o item 1.2.12. As fontes, quando citadas, assim como as notas eventuais, aparecem após o fio ou linha de fechamento da Tabela.

Tabelas e quadros devem ser na posição centrado e caso não couberem em uma página, devem ser continuada na folha seguinte, e, nesse caso, não é delimitada por traço horizontal na parte inferior, sendo o título e o cabeçalho repetidos na folha seguinte. Em razão das dimensões da Tabela ou Quadro, a impressão poderá ser feita em folha A3, para ser dobrada posteriormente, ou reduzida mediante fotocópia.



Capítulo 2
Caracterização de Elementos Pré-Textuais

Os ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS compreendem as seguintes partes de uma MDT: Capa; Lombada; Folha de Rosto; Errata; Folha de Aprovação; Folha de Dedicatória; Folha de Agradecimentos, Epígrafe, Resumo, Abstract, Folha Ilustrações; Lista de Tabelas e Quadros; Lista de Abreviaturas e Siglas; Lista de Símbolos; Lista de Anexos; Lista de Apêndices e Sumário, como observa-se na Figura 2.




Figura 2 – Da esquerda para a direita, seqüência dos elementos pré-textuais.


2.1 Caracterização dos elementos pré-textuais
Os exemplos da estruturação e distribuição dos elementos pré-textuais estão na página da UFSM (http://www.ufsm.br/) na linguagem RTF. Para a sua elaboração, os exemplos devem ser substituídos, mas os espaços e formatos devem ser mantidos.
2.1.1 Capa
A capa, padronizada pela UFSM, é obrigatória e deve conter as informações apresentadas conforme modelo no Anexo. O tipo de letra é a Arial ou Times New Roman e alinhamento centralizado.

O cabeçalho inicia a três espaços simples da margem da folha, redigido em fonte tamanho 14, maiúsculas, e em negrito, contendo os seguintes elementos: os nomes da Universidade, do Centro e do Programa de Pós-Graduação (ou do Departamento ou Curso).

O título da MDT deve ser posicionado a nove espaços simples abaixo do cabeçalho, escrito em fonte tamanho 18, maiúsculas e negrito.

A oito espaços simples abaixo do título apresenta-se o grau da MDT, em maiúsculas, negrito e fonte tamanho 14. O nome do autor aparece a 6 espaços simples abaixo do grau, em minúsculas, negrito e fonte tamanho 16.

O local e ano estão a três espaços simples em relação à borda inferior e são escritos em minúsculas, negrito e fonte tamanho 14.
2.1.2 Folha de rosto
A Folha de Rosto é o elemento que abre a MDT, devendo conter os dados básicos necessários à identificação do trabalho, descritos abaixo e apresentados no modelo em Anexo.

O título, que não deverá ultrapassar três linhas, fonte Times New Roman ou Arial, maiúsculo, tamanho16, negrito, centralizado e espaçamento entrelinhas de 1,5. Caso tenha subtítulo, este deve ser precedido de dois-pontos. Deve ser posicionado três espaços simples (sendo esses espaços de tamanho 12) abaixo da margem superior e o espaçamento entre linhas é 1,5. A seis espaços simples abaixo do título coloca-se o termo “por”, fonte tamanho 14, minúsculo e negrito.

O nome do autor, em fonte tamanho 14, minúsculo e em negrito, fica posicionado a quatro espaços simples abaixo do termo “por”.

Posteriormente, a quatro espaços simples abaixo do nome do autor, em fonte tamanho 14, minúsculo, espaçamento entrelinhas simples e em forma de texto centralizado acrescentam-se: a natureza, o objetivo, o nome da Instituição a que é submetida, a área de concentração e o grau, que deve ser grafado em negrito.

Na seqüência, a seis espaços simples abaixo, é colocado o nome do orientador.

Por último, é colocado o ano, deixando um espaço simples da margem inferior da folha. Um espaço simples acima do ano são indicados, em fonte tamanho 14 e minúsculo, o local (cidade, estado e país). Na Figura 3 pode-se ver o modelo e exemplo respectivamente.




Figura 3 – Folha de Rosto e registro de especificação do trabalho acadêmico.




      1. Ficha catalográfica

A ficha catalográfica deve ser elaborada por um bibliotecário, conforme o Código de Catalogação anglo-americano, e posicionada no terço inferior do verso da folha de rosto.




      1. Errata

É elemento opcional acrescido ao trabalho, depois de impresso, e inserido após a folha de rosto. Consiste em uma lista de páginas e linhas em que ocorrem erros, seguida das devidas correções.



Exemplo:

ERRATA


Página


Linha

Onde se lê

Leia-se

14

2

espacco

espaço

2.1.5 Folha de aprovação


Na Folha de Aprovação, o texto inicia a um espaço simples a partir da margem superior e apresenta-se centralizado, isto é, demarcado a partindo do eixo vertical da página – de cima para baixo. O corpo do texto contém os seguintes elementos: Universidade Federal de Santa Maria; os nomes do Centro de Ensino e o do Programa, Curso ou Departamento em que se realizaram os estudos e o trabalho. Todo esse texto deverá ser composto em letras minúsculas da fonte Times New Roman ou Arial, tamanho 14, negrito, entrelinha “simples”. Três espaços simples abaixo, deverá ser grafado com a mesma fonte e com o mesmo tamanho, com letras maiúsculas e minúsculas e espaçamento simples, porém não mais em negrito, a seguinte frase: A Comissão Examinadora, abaixo assinada, aprova a...(especificar tipo de MDT).

Três espaços simples abaixo, deverá estar escrito o título da MDT (no máximo com três linhas), em letras maiúsculas, com a mesma fonte, em tamanho 14, negrito e espaçamento simples. Dois espaços simples abaixo dessa informação, será grafada, não mais em negrito, mas em letras minúsculas, a expressão “elaborada por”. Na linha seguinte, aparecerá o nome do(a) autor(a), em tamanho 14 e em negrito. Os dizeres “como requisito parcial para obtenção do grau de...”(especificar o título Especialista, Mestre ou Doutor e o nome do campo profissional), aparecerão três espaços simples abaixo do nome do autor(a). Colocar a expressão COMISSÃO ORGANIZADORA dois espaços simples abaixo com alinhamento centralizado. Os nomes dos componentes da Comissão Examinadora aparecem a dois espaços simples abaixo, mantendo a mesma fonte, em tamanho 12 e em negrito. O primeiro nome é do presidente da Comissão que, obrigatoriamente, deve ser o orientador do trabalho. Os demais nomes da Comissão Examinadora serão relacionados abaixo, indicando-se a titulação e a Instituição de origem.

As palavras Presidente/Orientador devem ser escritas entre parênteses, logo abaixo do último nome do professor. Caso tenha havido trabalho de co-orientação, o mesmo procedimento deverá ser adotado para o segundo e terceiro nomes a figurarem na Comissão Examinadora. Na última linha da página, acrescentar, em fonte 14, o nome da cidade e a data (dia, mês e ano) em que a MDT foi apresentada/defendida.

No Anexo, é apresentado um modelo de Folha de Aprovação.




      1. Folha de Dedicatória

É um elemento opcional em que o autor presta homenagem ou dedica o seu trabalho.




      1. Agradecimentos

Elemento opcional dirigido àquelas pessoas/entidades que contribuíram de maneira relevante à elaboração do trabalho. Os agradecimentos devem ser curtos, sinceros, precisos, explicativos e hierárquicos.




      1. Epígrafe

É um elemento opcional, no qual o autor apresenta uma citação, seguida da indicação de autoria, com temática relacionada ao assunto da MDT. Podem também constar epígrafes nas folhas de abertura das seções primárias.




      1. Resumo

O resumo é a recapitulação concisa do texto do trabalho, no qual são destacados os elementos significativos e as novidades. É uma condensação do conteúdo e deve expor as finalidades, a metodologia, os resultados e as conclusões da MDT em parágrafo único.

É preciso que os resumos tenham, no máximo, 250 palavras para monografias (trabalhos de Conclusão de Curso de Graduação, Aperfeiçoamento, Especialização) e até 500 palavras para dissertações e teses. O ideal seria que todas as informações básicas referentes ao trabalho (título, nome do autor, nome do orientador, nome da instituição e centro de ensino, nome do curso ou programa, local e data de defesa e o resumo, propriamente dito) se alojassem em uma única página, apenas. Em face disso, o resumo poderá ser escrito, excepcionalmente, em letras de tamanho inferior às do corpo do texto e com entrelinhamento simples. Abaixo deste deverão constar, no mínimo, três palavras-chave. Ver modelo no Anexo.


      1. Resumo em língua estrangeira

O resumo em língua estrangeira, preferencialmente em inglês, é obrigatório e deve ter as mesmas características do resumo em língua vernácula, digitado em folha separada. Deve ser seguido das palavras-chave.




      1. Listas

O penúltimo item dos elementos pré-textuais são as Listas: Lista de Tabelas; Lista de Ilustrações; Listas de Reduções (siglas, símbolos e abreviaturas); Lista de Anexos; e, por fim, a Lista de Apêndices. A sistemática estabelece que se utilize uma página para cada lista, mesmo que, por exemplo, na página referente à Lista de Tabelas, haja uma só tabela.

O título Lista deverá ser escrito em letras maiúsculas, tamanho 14, fonte Times New Roman ou Arial, em negrito e centrado (ex. LISTA DE TABELAS), localizado nove espaços simples da margem superior do papel. Um espaço abaixo, deverá estar escrita a palavra que indica o tipo de elemento listado e o seu respectivo número (ex. TABELA 1), com tabulação, isto é, com recuo à esquerda de 1,0 cm, para que se possa dar destaque à informação tabelada. Em seguida é colocado o título do elemento listado, completando-se com pontilhado até a indicação da página, localizada junto à borda direita. Ver exemplo no Anexo.

Quando os indicadores de uma das Listas ultrapassarem os limites da página, usa-se o seu verso para a continuação. É preciso lembrar de dar créditos aos autores das fotografias, ilustrações, desenhos, tabelas, etc. apresentados no texto. Para tanto, devem ser descritas, na Lista, todas as informações pertinentes, inclusive as fontes bibliográficas das quais elas foram retiradas.


2.1.12 Sumário
O Sumário compreende a enumeração das principais divisões, seções e outras partes da MDT, na mesma ordem e grafia em que o conteúdo é apresentado, acompanhado do respectivo número da página. Os títulos principais são apresentados em letra maiúscula e em negrito. O subtítulo é em letras minúsculas e em negrito. As demais subdivisões do subtítulo serão em minúscula e não em negrito. O alinhamento de todas essas divisões e subdivisões será junto à margem esquerda. Os números das páginas serão alinhados pela margem direita superior. O título SUMÁRIO deve ser centrado, aproximadamente, a nove espaços simples abaixo da borda superior da folha, em letras maiúsculas, tamanho 14. Ver modelo no Anexo.
Capítulo 3
Elementos Textuais

Parte do trabalho em que é apresentado e desenvolvido o objeto de estudo, sendo composto de três partes fundamentais: introdução, desenvolvimento e conclusão. Essas partes devem apresentar uma proporcionalidade no número de páginas, considerando as subdivisões e importância de cada uma delas no documento.

Quanto à forma de redação dessas partes constituintes do texto, os especialistas têm, tradicionalmente, apontado três tipos: argumentativo, narrativo e descritivo. Para Abreu (1989), o modo argumentativo incide sempre sobre a relação tema/problema, em torno da qual o argumento é construído pelo desenvolvimento de tese e hipóteses. A narrativa, quando não for de caráter literário, pode resumir-se a um simples relato em ordem cronológica (é o que ocorre na redação de uma ata, de um relatório e/ou de uma experiência científica). Já a descrição não ocorre em estado puro: vincula-se, necessariamente, a uma narração ou a uma argumentação. Na verdade, uma descrição representa o momento em que o escritor transporta algo que existe em uma dimensão espacial para uma dimensão temporal – algo que surge “ao vivo em sua totalidade em um único tempo, nos aparece, na descrição escrita, aos pedaços” (ABREU, 1989, p.7).

Abreu observa que, no dia-a-dia, o modo argumentativo está muito presente e se manifesta sob a forma de redações escolares, monografias científicas, cartas, ofícios, relatórios, petições judiciais e editoriais de jornais. Justifica, no entanto, que, em situações concretas, “o texto argumentativo raramente existe em estado puro (...) [pois compõe-se], na prática, com o narrativo e com o descritivo”.

Aconselha-se que o texto da MDT seja redigido, preferencialmente, no estilo impessoal. Exemplo: Procurou-se, verifica-se, trata-se, etc. Com relação ao modo e tempo verbais, sugere-se:

a) modo: indicativo;

b) para literatura e resultados: tempo pretérito perfeito;

c) comentários: tempo pretérito imperfeito;

d) introdução/conclusão: tempo presente.
3.1 Introdução
É o primeiro capítulo da MDT, no qual deve constar a delimitação do tema, a problemática, os objetivos, a justificativa, o referencial teórico e uma síntese relacionando as partes constituintes do trabalho. Não deverá apresentar resultados nem conclusões.
3.2 Desenvolvimento
Parte principal do texto (não um capítulo) que contém a exposição ordenada e pormenorizada do assunto. Sua subdivisão varia em razão da forma de abordagem do tema e do método (NBR 14724/01).

O Desenvolvimento pode ser organizado e apresentado de três formas principais, de acordo com a área e/ou Regulamento do Programa:


a) Capítulos fixos – Nessa forma de apresentação, o Desenvolvimento é subdividido em três capítulos definidos: Revisão Bibliográfica, Métodos e Técnicas (Materiais e Métodos ou Metodologia) e Resultados e Discussão.

A Revisão Bibliográfica trata das questões de bibliografia que fundamentam a pesquisa, demonstrando que o autor conhece as formas como o tema em estudo foi e vem sendo conduzido, servindo de suporte para a metodologia e a discussão.

O capítulo Métodos e Técnicas diz respeito à(s) forma(s) de levantamento dos dados, sua classificação e análise, bem como os fundamentos de sua abordagem. Esse registro deverá conter, sobretudo, a descrição do objeto de estudo, os aparelhos, materiais ou fontes documentais utilizados e os procedimentos seguidos, de acordo com a especificidade da área de estudo.

O capítulo Resultados e Discussão apresenta os Resultados alcançados ao longo da pesquisa bem como sua análise e Discussão. A discussão e interpretação analítica dos resultados fundamentam-se em fatos amparados por conhecimentos científicos, em razão dos objetivos propostos, da problemática ou hipóteses estabelecidas.


b) Capítulos temÁticos – Nessa forma de apresentação de Trabalhos Científicos não há normatização geral que defina o número de capítulos. Sua divisão deverá valorizar os resultados e a discussão da problemática proposta bem como sua fundamentação e conhecimento teórico e específico. O primeiro capítulo ou capítulos iniciais compreende(m) a Revisão Bibliográfica, e os demais capítulos temáticos desenvolvem o aprofundamento do assunto, abrangendo a metodologia, os resultados e a discussão.
c) ARTIGOS CIENTÍFICOS – Compreendem artigos aceitos para publicação em periódicos indexados, conforme critérios específicos definidos nos Cursos/Programas de Pós-Graduação. Nesse caso, os elementos textuais são constituídos dos seguintes elementos:
– Introdução;

– Revisão Bibliográfica;

– Artigo(s);

– Discussão;

– Conclusão.
O(s) Artigo(s) deverá(ão) compreender uma cópia da publicação original ou versão aceita.

Sugere-se, para os níveis de Especialização e Mestrado, o mínimo de um Artigo Científico e para o Doutorado o mínimo de dois Artigos Científicos.


3.3 Conclusão
Parte final do texto, na qual são apresentadas as conclusões do trabalho e em que medidas os objetivos propostos foram alcançados. Poderá conter sugestões e recomendações para novas pesquisas.
Capítulo 4
Elementos Pós-Textuais

Os elementos pós-textuais complementam o trabalho. São constituídos por referências, glossário, apêndice, anexo, transcrição de elementos das referências bibliográficas e exemplos de referência.


4.1 Referências
Elemento obrigatório que consiste em um “conjunto padronizado de elementos descritivos retirados de um documento que permite sua identificação individual” (NBR 6023), mesmo que mencionado em nota de rodapé.

O sistema de ordenação das Referências, adotado por esta MDT, é o de ordem alfabética, sendo reunidas no final do trabalho (após o capítulo – CONCLUSÃO) em uma única ordem alfabética.

As referências devem ser alinhadas somente à margem esquerda do texto, de forma a se identificar cada documento, em espaço simples e separadas entre si por espaço duplo.
4.2 Glossário
É também opcional. Consiste em uma lista em ordem alfabética de palavras ou expressões técnicas de uso restrito ou de sentido obscuro, utilizadas no texto, acompanhadas das respectivas definições.
4.3 Apêndice
Segundo a NBR 14724, é um elemento opcional que consiste em um texto ou documento elaborado pelo autor, a fim de complementar sua argumentação, sem prejuízo da unidade nuclear do trabalho. Os apêndices são identificados por letras maiúsculas consecutivas, travessão e pelos respectivos títulos.

Exemplos:

APÊNDICE A – Avaliação de produtos cerâmicos
APÊNDICE B – Dimensões de produtos cerâmicos
4.4 Anexo
Elemento opcional que consiste em um texto ou documento não elaborado pelo autor, que serve de fundamentação, comprovação e ilustração. Os anexos são também identificados por letras maiúsculas consecutivas, travessão e pelos respectivos títulos (NBR 14724).

Exemplo:

  1   2   3   4


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal