Introdução bronquite e bcp causas



Baixar 62,68 Kb.
Encontro15.09.2018
Tamanho62,68 Kb.
Escola Sophia Marchett

BRONQUITE PNEUMONIA
BCP
ESTADO MAL ASMÁTICO



Nome: Daniela Silva
Erica Rodrigues
Francielly Sabino
Karina Alves
Paula Priscila
Priscila Queiros
Talita Oliveira


Turma: 08

Sumario

  1. Introdução

  2. BRONQUITE e BCP

  • CAUSAS

  • SINTOMAS

  • SINTOMAS

  • DIAGNÓSTICO

  • TRATAMENTO

  • PREVENÇÃO

  1. PNEUMONIA

  • FISIOPATOLOGIA

  • FATORES DE RISCO

  • CAUSAS DE PNEUMONIA NA INFÂNCIA

  • EPIDEMIOLOGIA

  • SINTOMAS

  • DIAGNÓSTICO

  • TRATAMENTO

  • MEDIDAS DE PREVENÇÃO

  1. MAL ASMÁTICO

  1. CONCLUSÃO

  2. BIBLIOGRAFIA


Introdução

Em qualquer forma que se apresente, a respiração é uma das características básicas dos seres vivos. Essencialmente consiste na absorção pelo organismo de oxigênio, e a eliminação do gás carbônico resultante das oxidações celulares.

Como nós temos a glicose armazenada no organismo e obtida pela digestão, esta se une ao oxigênio mitocôndrias, produzindo assim a energia necessária para a sobrevivência, havendo assim a liberação de água e gás carbônico. Durante a produção de energia, também ocorre a produção de calor homeotermos.

BRONQUITE e BCP

Bronquite é uma inflamação dos brônquios, canais que conduzem o ar inalado até os alvéolos pulmonares. Ela se instala quando os minúsculos cílios que revestem o interior dos brônquios param de eliminar o muco presente nas vias respiratórias. Esse acúmulo de secreção faz com que eles fiquem permanentemente inflamados e contraídos.

A bronquite pode ser aguda ou crônica. A diferença consiste na duração e agravamento das crises, que são mais curtas na bronquite aguda, enquanto, na crônica não desaparecem, pioram pela manhã e se manifestam por três semanas ou mais durante pelo menos dois anos consecutivos.

A broncopneumonia é uma infecção pulmonar causada nos brônquios, bronquíolos e alvéolos, que se espalham pelo pulmão. Ela pode ser uma complicação da gripe ou resfriado ou ser causada pela entrada e proliferação de determinados micro-organismos nas vias respiratórias.



CAUSAS

A bronquite aguda é causada geralmente por vírus, embora, em alguns casos, possa ser resultado de uma infecção bacteriana. As crises também podem ser desencadeadas pelo contato com poluentes ambientais e químicos (poeira, inseticidas, tintas, ácaros, etc.), o cigarro é o principal responsável pelo agravamento da doença.

A bronquite crônica é causada de outras infecções respiratórias ex: pneumonia ou a doença pode instalar-se com a extensão da bronquite aguda.

SINTOMAS

Os primários são roncos e chiado no peito da criança, na forma aguda ela pode ser seca ou produtiva, na crônica é sempre produtiva e a expectoração clara no início pode tonar-se amarelada e espessa com a evolução.

Os sintomas da broncopneumonia podem ser:


  • Febre;

  • Dificuldade de respirar;

  • Suor;

  • Calafrios;

  • Tosse;

  • Batimentos cardíacos acelerados;

  • Pontas dos dedos e lábios arroxeados;

  • Catarro ou escarro com pus;

  • Cansaço e prostração.

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico feito pela pediatria leva em conta os sinais e sintomas da criança, o pedido dos raios-X é opcional, mas é pedido para diferenciar da pneumonia.



TRATAMENTO

Bronquite aguda o tratamento deve ser com uma boa hidratação, analgésicos, descongestionantes e inalação que faz com que o catarro seja eliminado mais facilmente para a criança poder respirar melhor.

Bronquite crônica o tratamento deve ser com uma boa hidratação, bronco dilatadores, antibióticos, muco líticos, antiflamatórios e inalação.

O tratamento de BCP, de uma maneira geral é:


. Antibióticos para controlar a infecção;
. Ingestão de líquidos para assegurar o controle hídrico e fluidificar as secreções;
. Administração de analgésicos se a dor pleurítica estiver acentuada;
. Fisioterapia se houver indicação.

PREVENÇÃO

Pode ser feita com: limpeza adequada do quarto da criança e tratamento adequado desde os primeiros sintomas. Além disso, muitos médicos indicam a natação para ajudar a combater a bronquite, pois ela melhora a respiração da criança e fortalece os pulmões, deixando-os mais resistentes as bactérias, vírus e outros agentes causadores de crises e de doença.



PNEUMONIA

Pneumonias são infecções das vias respiratórias inferiores, gerando um processo inflamatório que compromete alvéolos, bronquíolos e espaço intersticial.



FISIOPATOLOGIA

Uma reação inflamatória, iniciada pelos agentes infecciosos, ocorre nos alvéolos e produz um exsudado.



FATORES DE RISCO

Estado nutricional e imunidade, Faixa etária, Baixo peso ao nascer, Desmame precoce, Viroses respiratórias pregressas. Fatores Ambientais.

Áreas urbanas poluídas, Hábitos de fumo por familiares.

Fatores sócio-econônicos, Más condições de habitação e sanitárias, Dificuldade de acesso aos serviços de saúde, Insuficiência da cobertura vacinal.



CAUSAS DE PNEUMONIA NA INFÂNCIA

  • Viral

  • Bacteriana

  • Fúngicas

  • Protozoóticas

  • Inalação química

  • Migração larvária

EPIDEMIOLOGIA

Incidência anual em crianças menores de cinco anos é de 30 a 40 casos por 1.000 na Europa e América do Norte. Em países em desenvolvimento é 10x maior que quatro milhões de crianças, menores de 5 anos, morrem a cada ano por pneumonia nos países em desenvolvimento.



SINTOMAS

  • Febre de 38 a 39ºC;

  • Tosse com catarro;

  • Perda do apetite;

  • Dificuldade para respirar: a criança passa a respirar de forma mais rápida e curta;

  • Cansaço e prostração: a criança pode não querer brincar, preferindo ficar muito quieta, o que não é normal.

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico da pneumonia em crianças pode ser feito através da observação dos sintomas, ausculta pulmonar e através dos raios-X de tórax, mas o médico pode também pedir a análise das secreções do nariz para verificar o micro-organismo causador para indicar o melhor antibiótico.



TRATAMENTO

  • Antibióticos: Elimina e destroem os agentes infecciosos.

  • Broco dilatadores

  • Fisioterapia

  • Cuidados: Atentar para alergias.

Atentar para dosagem.

MEDIDAS DE PREVENÇÃO

  • Vacinar a criança com todas as vacinas indicadas no calendário básico de vacinação da criança;

  • Amamentar a criança exclusivamente até os seus primeiros 6 meses de vida;

  • Dar o suplemento alimentar de vitamina A e D no 1º ano da criança, segundo a orientação do médico;

  • Oferecer uma alimentação saudável e bastante variada quando a criança começar a comer alimentos sólidos;

  • Dar a vacina da gripe anualmente para evitar que a criança fique resfriada ou gripada;

  • Evitar as diferenças bruscas de temperatura;

  • Vestir a criança de acordo com o clima do dia;

  • Manter a criança longe da poluição e de pessoas fumando;



  • Evitar ambientes fechados, cheios de gente, principalmente no outono e no inverno;

  • Evitar o contato com indivíduos com gripe ou resfriado;

  • Se a criança apresentar sintomas de gripe ou resfriado levá-la ao médico se os sintomas agravarem-se.

MAL ASMÁTICO

Mal asmática é uma complicação da asma Asma é uma doença pulmonar causada pelo estreitamento dos bronquíolos que dificultam a passagem do ar provocando as contrações (bronco espasmos) que reduzem ou impossibilitam a respiração.



FISIOPATOLOGIA

Os bronquíolos são pequenos canais de ar dos pulmões (vias aéreas). Quando inflamados, há uma diminuição do seu diâmetro, provocando as crises de falta de ar. A asma pode ser causada por vários fatores, entre eles: alergia a poeira, mofo, pólen, pelos de animais; alterações climáticas, cheiros fortes, fumaça; infecções e viroses como gripes e resfriados, medicamentos, ingestão de determinados alimentos, aspectos emocionais e demasiado esforço físico.



SINAIS E SINTOMAS

As crises asmáticas são acompanhadas pela sensação de sufoco e ocorrem principalmente à noite. Além da falta de ar, outros sinais frequentes que caracterizam a asma são: tosse (com ou sem catarro), sibilância (chiado no peito), dor no peito, falta de ar. Os sintomas variam de pessoa para pessoa.



TRATAMENTO

O principal objetivo do tratamento é melhorar a entrada de O2 através do bronca dilatação. O tratamento é feito por meio de bronco dilatadores e/ou corticosteroides, usados na forma de comprimido, xarope, nebulização, ou dos nebulímetros, conhecidos como spray ou bombinha.

Bronco dilatador:

Dilatam as via aéreas, combatem o edema da mucosa brônquica e espasmos.

Ex: Aminofilina, Fenoterol, Sabultamol.

Corticosteroides: Reduz a inflamação e a bronca constrição.

Ex: Blecometasona, Budesonide, Fluticasona.

ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM


  • Promover um padrão respiratório eficaz;

  • Facilitar a limpeza eficaz da via aérea;

  • Reduzir a ansiedade;

  • Promover hidratação adequada;

  • Promover repouso;

  • Posicionamento;

  • Manter oxigenioterapia;

  • Manter acesso venoso;

  • Monitorar quadro hemodinâmico.


CONCLUSÃO

Respirar perfeitamente é importante para manter a saúde dos pulmões e dos organismos em geral. Praticar exercícios físicos estimula a respiração, aumentando a capacidade pulmonar, dessa forma, há uma maior oxigenação do sangue e, consequentemente, uma maior produção de energia nos adultos. Essa capacidade é de cerca de 5 litros de ar.

A inspiração deve ser feita sempre pelas fossas nasais, que contêm pelos que irão filtrar a poeira e os micróbios causadores de doenças. A saída desse ar deve ser feita pela boca. Sempre que possível, devemos procurar lugares onde o ar é mais puro (campo, praia, montanha).

BIBLIOGRAFIA

http://www.sbpt.org.br/downloads/arquivos/Revisoes/REVISAO_04_TRATAMENTO_CRISE_ASMA_PRONTO_SOCORRO.pdf

http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/HIMJ_protocolo_asma_1254773619.pdf

http://www.minhavida.com.br/saude/temas/bronquite

http://www.tuasaude.com/bronquite/

http://www.minhavida.com.br/saude/temas/pneumonia



http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?328


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal