IntroduçÃO À histologia



Baixar 1,63 Mb.
Página5/11
Encontro01.11.2016
Tamanho1,63 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11

Tecido cartilaginoso

É um tecido de consistência rígida, porém mais elásticos e menos resistente que o tecido ósseo. Juntamente com este, compõe o sistema de sustentação do organismo.

As cartilagens revestem as superfícies ósseas das articulações diminuindo o atrito entre essas estruturas na realização do movimento. Formam os discos intervertebrais, os meniscos dos joelhos, as cartilagens costais que articulam as costelas ao esterno e permitem a expansibilidade torácica. Estão presentes em estruturas como o septo nasal, os anéis da traquéia auricular.

Nos embriões o esqueleto é cartilaginoso e aos poucos vai se ossificando, a partir dos centros de ossificação que progridem gradualmente para formar o esqueleto ósseo.



A cartilagem é formada por substância fundamental, fibras colágenas e elásticas e as células típicas do tecido que são os condrócitos. É um tecido sem vascularização, dependendo do pericôndrio, um tecido conjuntivo denso adjacente, para sua nutrição que se faz por difusão. Nas articulações sinoviais e nutrição da cartilagem dependendo do líquido sinovial, secretado pela membrana sinovial.

Tecido Cartilaginoso

Tecido ósseo:

É o tipo de tecido conjuntivo mais rígido do corpo, caracteriza-se por conter a substância fundamental chamada matriz óssea, mineralizada o que lhes permite sobreviver à morte por muitos anos.

A matriz óssea contém uma parte orgânica, formada por água, proteínas e fibras colágenas, e uma parte inorgânica, formada por fosfato de cálcio, fosfato de magnésio e carbonato de cálcio. Os minerais conferem dureza aos ossos, enquanto as fibras colágenas lhes conferem flexibilidade e resistência.

No tecido ósseo existem três tipos de células: osteoblastos, osteócitos e osteoclastos. Os osteoblastos atuam na deposição dos osssos, sua modelação e reparação em caso de fratura, localizam-se na periferia do osso, entre o periósteo e o osso ou entre a medula e o osso. Sua primeira função é secretar as substãncias orgânicas da matriz óssea.



Os osteócitos são osteoblastos encarregados pela matriz óssea. O osteocito maduro não secreta mais matriz, porém está envolvido em sua manutenção. Sua nutrição é realizada pelo canais de Havers. Os osteoclastos são células maiores que os osteoblastos, também se localizam na periferia da matriz óssea e sua função é reabsorver o osso existente, impedindo-o de tornar-se excessivamente grosso ou pesado.

A deposição óssea depende de alguns fatores: de um suprimento basal de cálcio na infância e nas mulheres na menopausa, da vitamina D, que atua na absorção do cálcio, da pressão a que os ossos se encontram submetidos. Quanto maior a pressão, maior a deposição para compensar o constante processo de reabsorção óssea pelos osteoclastos. Os ossos sem uso tendem, portanto, a ser consumidos pela perda de massa óssea, por isso recomenda-se exercícios para prevenir a osteoporose.

A medula óssea pode ser vermelha ou amarela. A vermelha é formada por tecido hematopoiético e sua principal função é a formação de eritrócitos, leucócitos e outra células do sangue. Possui células em todos os estágios de desenvolvimento. A medula amarela é um tecido conjuntivo formado principalmente de células adiposas.



Os ossos são revestidos externamente pelo periósteo, uma membrana de tecido conjuntivo fibroso, inervada e vascularizada, com capacidade osteogênica, que se conecta ao osso por fibras colágenas. As superfícies articulares não são revestidas por periósteo, mas por cartilagem hialina. Todas as cavidades ósseas, incluindo a cavidade medular do osso longo, os espaços medulares do osso esponjoso e os canais haversianos (descritos adiante), são revestidos por uma membrana fina com capacidade hematopoiética e osteogênica chamada endósteo.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal