Instituto brasileiro de terapia intensiva



Baixar 168,05 Kb.
Encontro16.06.2017
Tamanho168,05 Kb.



INSTITUTO BRASILEIRO DE TERAPIA INTENSIVA

ARACY FERNANDES MAGALHÃES FILHA
NECESSIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE UM PROTOCOLO ASSISTENCIAL PARA TRATAMENTO DE LESÕES DE PELE

Guanambi – BA

2016

ARACY FERNANDES MAGALHÃES FILHA

NECESSIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE UM PROTOCOLO ASSISTENCIAL PARA TRATAMENTO DE LESÕES DE PELE

Artigo científico apresentado como requisito de avaliação final do curso de Mestrado em Terapia Intensiva do IBRATI – Instituto Brasileiro de Terapia Intensiva.


Orientadora: Profª. Ms. Ivanete Fernandes do Prado

Guanambi – BA

2016

NECESSIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE UM PROTOCOLO ASSISTENCIAL PARA TRATAMENTO DE LESÕES DE PELE
Aracy Fernandes Magalhães filha1, Ivanete Fernandes do Prado 2
RESUMO
Introdução: o enfermeiro tem por tradição a responsabilidade pelo cuidar e cada vez mais vem se ocupando da implantação e implementação de estratégias para contribuir com a qualidade das ações prestadas aos pacientes. Objetivos: implantação de um protocolo assistencial para tratamento de lesões de pele no Hospital Regional de Guanambi. Metodologia: trata-se de uma pesquisa qualitativa com abordagem metodológica qualitativa e exploratória. Desenvolvida nas unidades de internamento do HRG, por meio de entrevistas com os enfermeiros que prestavam assistência nas unidades de: Clínica Médica, Clínica Cirúrgica, Cínica Pediátrica, UTI adulto, UTI Neonatal, UCI Neo, PGE. Foi utilizado um questionário com perguntas relativas à caracterização do enfermeiro e como este presta a sua assistência a pacientes que apresentam lesões de pele. O Estudo foi aprovado pelo comitê de Ética em Pesquisa. Resultado: participaram do estudo 41 enfermeiros, sendo o tempo médio de formado dos profissionais da amostra da ordem de 8,7 anos, tempo mínimo de 2 anos e máximo de 17 anos. O tempo médio de serviço na unidade era de 4 anos, tempo mínimo de 2 meses e máximo de 15 anos. Observa-se na tabela 1 que a maioria era do sexo feminino (87,8%). Nota-se ainda que 37 dos 41 entrevistados (90,2%) possuem Especialização, sendo a maioria em Saúde Pública (19,5%), Saúde da Família (17,1%), Urgência e Emergência (17,1%) e UTI (14,6%). Conclusão: partindo do pressuposto dos resultados desta pesquisa e a busca pelo conhecimento acerca da implantação do protocolo de lesões de pele do HRG, este estudo aponta a necessidade desse protocolo e o enfermeiro como protagonista na implantação desta atividade na instituição já mencionada.
Palavras chave: Tratamentos de Feridas, Curativos, Cuidados de Enfermagem, Protocolos de Lesões de Pele.
ABSTRACT

Introduction: nurses traditionally have the responsibility for caring and are increasingly engaged in the implementation and implementation of strategies to contribute to the quality of actions provided to patients. Objectives: implementation of an assistance protocol for the treatment of skin lesions at the Regional Hospital of Guanambi. Methodology: this is a qualitative research with qualitative and exploratory methodological approach. Developed in the HRG hospitalization units, through interviews with the nurses who provided assistance in the following units: Medical Clinic, Surgical Clinic, Pediatric Cynic, Adult ICU, Neonatal ICU, Neo UCI, PGE. A questionnaire was used with questions related to the characterization of the nurse and how he provides his assistance to patients with skin lesions. The Study was approved by the Research Ethics Committee. Results: 41 nurses participated in the study, with the average time of training of the professionals in the sample of 8.7 years, minimum time of 2 years and maximum of 17 years. The average service time in the unit was 4 years, minimum time of 2 months and maximum of 15 years. It can be observed that 37 of the 41 interviewees (90.2%) have Specialization, most of them in Public Health (19.5%), Family Health (17.1%), Urgency and Emergency (17.1%) and ICU (14.6%). Conclusion: based on the assumption of the results of this research and the search for knowledge about the implantation of the protocol of skin lesions of HRG, this study points out the need for this protocol and the nurse as protagonist in the implantation of this activity in the institution already mentioned.


Key words: Wound Treatments, Wound Care, Nursing Care, Skin Injury Protocols.

INTRODUÇÃO
No âmbito hospitalar, assim como nos demais contextos de assistência aos portadores de feridas, o cuidado está sob a responsabilidade do enfermeiro e demais trabalhadores da área, sendo, segundo Hausmann e Peduzzi (2009) a marca e o núcleo do processo de trabalho de enfermagem, cuidado esse que deve ser regulamentado mediante um protocolo assistencial para tratamento de lesões de pele.

Dessa forma, gerenciar a atuação da enfermagem relacionada a Úlcera por Pressão - UP e outras lesões de pele requer dos serviços de saúde a implementação de ações de prevenção e tratamento e a elaboração de estratégias para a avaliação da qualidade destas ações.

Percebendo no desempenho diário dos enfermeiros assistenciais do internamento do Hospital Regional de Guanambi a prática da realização de curativos e a falta de padronização e carência da equipe de enfermagem sobre a utilização da forma correta das coberturas e, por serem muito elevados os gastos para o tratamento de feridas dos usuários dessa instituição, faz-se necessária a implantação e padronização do protocolo assistencial e tratamento de lesões de pele e criação do grupo de estudos para este mister, com intuito de oferecer condições de desenvolver atividades sobre a necessidade de sistematizar o cuidado em doenças desse gênero.

Neste contexto, situações adversas implicam no delineamento gerencial do cuidado, de forma precisa e ágil. O enfermeiro como gerenciador do “saber fazer” de forma diferenciada e complexa necessita estar preparado para o gerenciamento de tais situações, o que implica na tomada de decisões imediatas, tanto na gerência da equipe quanto no cuidado prestado ao paciente em condições críticas (PAES, 2011).

Assim, um desafio atual para a enfermagem é contribuir na redução da incidência de UP, o que também indica uma boa qualidade da assistência. Logo, ocorre a necessidade de inovar as práticas na busca de alternativas que minimizem sua ocorrência, com a implementação de protocolos de prevenção de UP. (SOARES, 2014)

No desempenho das atividades de enfermagem, em especial nos serviços públicos, não há tradição na utilização das melhores evidências nas práticas clínicas, bem como preocupação com padronização e sua implicação nos custos institucionais (KEMPFER, BIROLO, MEIRELES, & ERDMANN, 2010).

Observa-se que, no Brasil, com exceção de alguns serviços, não se utilizam protocolos para assistência dessa clientela, ou os protocolos utilizados não são construídos com uma metodologia adequada. Enquanto isso, em países como Inglaterra, Canadá, Espanha e Estados Unidos, há um movimento intenso no sentido de elaborar protocolos clínicos, a fim de melhorar a qualidade do cuidado e as taxas de cicatrização dessas úlceras, assim como diminuir os custos com tratamento. (SELLMER, 2013)

O Protocolo assistencial para tratamento de lesões de pele do hospital é um instrumento que pode promover impactos positivos na qualidade de vida dos pacientes, qualificar, sistematizar e aperfeiçoar os cuidados de enfermagem.

O enfermeiro, ao assistir o paciente acamado, tem a oportunidade de atuar na prevenção e tratamento das úlceras por pressão (UP) e lesões de pele, por meio da criação de rotinas e protocolos, da utilização de equipamentos de alívio de pressão e da orientação e educação permanente da equipe de enfermagem. É inegável que, as úlceras por pressão se formem com facilidade, principalmente no paciente em Unidades de Terapia Intensiva. Sabendo das dificuldades para tratá-las e curá-las, o papel de enfermeiro e da sua equipe, deve ser focado mais na prevenção que na cura. (SOUZA, 2010)

Considerando o exposto, o presente estudo teve como objetivo verificar a necessidade de implantação de um protocolo assistencial para tratamento de lesões de pele num hospital público do Sudoeste Baiano.


MÉTODOS
Trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa, descritiva-exploratória, e de campo. O cenário deste estudo foi o Hospital Regional de Guanambi (Dr. Juca Bastos), que se localiza no município de Guanambi, na região sudoeste da Bahia-Brasil, com população no ano de 2013 estimada em 84.645 habitantes (IBGE, 2013). É o principal estabelecimento de saúde deste município baiano, sendo referência no atendimento a pessoas com doenças crônicas, entre elas, os portadores de lesões de pele. É também referência para Gestação de Alto Risco e Cirurgia de Emergência, eletivas ortopédicas e Cirurgias Neurológicas. Abrange 41 municípios, tem 108 leitos de internamento e possui atendimentos ambulatoriais especializados. A população do estudo foi composta pelos enfermeiros que trabalham no Hospital Regional de Guanambi. Fizeram parte da amostra os enfermeiros lotados nas unidades de UTI Adulto, Clínica Médica, Clínica Cirúrgica, Emergência (PGE), UTI Neonatal, UCI e Pediatria, por serem nessas unidades que os pacientes permanecem internados.

Este estudo obedeceu aos critérios estabelecidos pela resolução 466/12 do Conselho Nacional de Saúde (BRASIL, 2012). Foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia, sob o parecer nº1.127.198

Foram incluídos no estudo enfermeiros lotados nas unidades de UTI adulto, Clínica médica e cirúrgica, Emergência (PGE), UCI e UTI Neonatal, independentemente do tipo de vínculo e tempo de serviço nas unidades e excluídos os enfermeiros que estavam em licença de qualquer natureza (férias, licença maternidade e médica) no momento da coleta de dados ou que não aceitaram participar do estudo. As entrevistas foram realizadas, mediante aplicação de questionário estruturado, no mês de agosto de 2015, após agendamento com os participantes da pesquisa, durante seu horário de plantão mais tranquilo, sendo que o local para realização da entrevista foi a própria unidade de atuação do participante. O tempo para entrevista não foi delimitado, ficando o sujeito da pesquisa à vontade para realiza-la. Quanto à fração quantitativa, os dados foram analisados por meio de tabelas de distribuição de frequências, teste de Qui-quadrado e teste Exato de Fisher. Em todas as análises foi utilizado o programa *SAS e considerado o nível de significância de 5%.

*SAS Institute Inc., Cary, NC, USA, Release 9.2, 2010.


RESULTADOS
O tempo médio de formado dos profissionais que fizeram parte da amostra do estudo era de 8,7 anos (desvio padrão de 3,8 anos), tempo mínimo de 2 anos e máximo de 17 anos. O tempo médio de serviço na unidade era de 4 anos (desvio padrão de 3,8 anos), tempo mínimo de 2 meses e máximo de 15 anos. A maioria era do sexo feminino (87,8%). Dentre os entrevistados, 37 dos 41 participantes (90,2%) possuem Especialização, sendo a maioria em Saúde Pública (19,5%), Saúde da Família (17,1%), Urgência e Emergência (17,1%) e UTI (14,6%).

Na tabela 1 observa-se que 32 Enfermeiros (78,0%) participaram de capacitação em feridas nos últimos 5 anos, sendo que desses, 71,0% responderam que existe prática ou programa de educação permanente ou capacitação em UP (Úlcera de Pressão) e outras lesões de pele.



Entre os 7 que não participaram dessa capacitação apenas 14,3% responderam que existe prática ou programa de educação nessa área (p<0,05). Todos os profissionais acreditam que é importante um protocolo ou programa para prevenção de UP (Úlcera de Pressão) e outras lesões de pele. Além disso, 95,0% dos Enfermeiros acreditam que a aplicação de um protocolo de lesões irá melhorar a qualidade da assistência no que se refere ao cuidado com pacientes com lesões de pele e essa resposta não está associada significativamente com a realização de capacitação na área (p>0,05). As duas voluntárias que responderam que não acreditam que a aplicação de um protocolo de lesões irá melhorar a qualidade da assistência têm 8 e 11 anos de formadas, tempo na Unidade de 9 meses e 2 anos e uma delas participou de programa de capacitação.
Tabela 1. Distribuição de frequências das respostas em função da capacitação em feridas nos últimos 5 anos


Questão




Capacitação

Total

p-valor







Sim

Não













N(%)

N(%)




Existe prática/programa de capacitação

Sim

22 (71,0$)

2 (14,3$)

24 (58,5&)

0,0056




Não

10 (29,0$)

7 (85,7$)

17 (36,6&)






















É importante protocolo/programa

Sim

32 (100,0)

8 (100,0)

41 (100,0)

-




Não

0 (0,0)

0 (0,0)

0 (0,0)






















Irá melhorar a qualidade da assistência

Sim

31 (96,9)

7 (87,5)

39 (95,0)

0,3641




Não

1 (3,1)

1 (12,5)

2 (5,0)






















Conhece a escala de Braden

Sim

26 (81,2)

3 (37,5)

11 (27,5)

0,0245




Não

6 (18,8)

5 (62,5)

30 (73,2)






















Dificuldade na realização dos curativos

Sim

24 (77,4)

4 (50,0)

29 (70,7)

0,1879




Não

7 (22,6)

4 (50,0)

11 (26,8)






















Deseja fazer parte do grupo de lesões de p pele e pelepele pelep pele

Sim

22 (71,0)

4 (50,0)

27 (65,8)

0,4023




Não

9 (29,0)

4 (50,0)

13 (31,7)




Total




32 (78,0&)

8 (19,5&)






Já o conhecimento da escala Braden está significativamente associado à realização de capacitação na área (p<0,05); entre os que realizaram capacitação 81,2% conhecem a escala; já entre os que não realizaram, apenas 37,5% afirmaram que a conhecem (gráfico 1). Do total entrevistado, 70,7% responderam que ele e a sua equipe encontram alguma dificuldade na realização dos curativos e 65,8% desejam fazer parte do grupo de lesões da pele.


GRÁFICO 1: Participação de capacitação pelos Enfermeiros



Na tabela 2 são apresentadas as respostas categorizadas para a questão aberta “Como você vivencia o cuidado com lesões de pele dentro da unidade que você atua “. Do total de profissionais entrevistados 34,1% avaliam diariamente as condições da pele do paciente e aplicam medidas preventivas e 12,2% deparam com paciente com risco de desenvolver lesão, porém sentem dificuldade como carência de profissionais, falta de coberturas adequadas para determinados tipos de lesão e falta de capacitação da equipe de enfermagem. Do total 24,4% não responderam a essa questão de forma adequada ou deram respostas que não condizem com a pergunta.


Tabela 2. Distribuição de frequências das respostas à questão “Como você vivencia os cuidados com lesões de pele dentro da unidade em que você atua”

Respostas

N

%

Apresenta alto risco para U P e/ou são admitidos com lesões

04

9,8

Avaliar diariamente as condições da pele do paciente e aplicação de medidas preventivas

14

34,1

Deixaram em branco

01


2,4

Não responderam de forma adequada – deram respostas que não condizem com a pergunta

10


24,4

Não tem vivencia Rotatividade de pacientes

05

12,1

Deparam com paciente com risco de lesão de pele ou predisposição para desenvolver, porem em relação aos cuidados sentem falta de um protocolo

02

4,9

Deparam com paciente com risco de desenvolver lesão porem sentem dificuldade como carência de profissionais, falta de coberturas adequadas para determinado tipos de lesão, falta de capacitação da equipe de enfermagem

05

12,2

Total

41

100,0

Os profissionais que participaram deste estudo informaram que utilizam ações preventivas de lesões de pele, sendo 95,1% deles referiram realizar mudança de decúbito, usar colchão caixa de ovo, utilizar cobertura para prevenir e tratar as lesões e mantém a pele do paciente limpa e hidratada e 29,3% lembraram da importância de manter as roupas de cama bem organizadas e esticadas. Apenas 12,2% deparam com paciente com risco de desenvolver lesão, porém, sentem dificuldade como carência de profissionais aptos para esse serviço, falta de coberturas adequadas para determinado tipos de lesão e falta de capacitação da equipe de enfermagem. Por fim, 22,0% lembraram da importância em colocar coxins nas proeminências ósseas. Do total 4,9% não responderam a essa questão de forma adequada ou deram respostas que não condizem com a pergunta.


Tabela 3. Distribuição de frequências das respostas à questão “Quais as ações que você realiza para prevenir a Ulcera por Pressão e outras lesões de pele?”

Respostas

N

%

Mudança de decúbito/uso de colchão caixa de ovo/ uso de cobertura para prevenir e tratar as lesões/ pele limpa e hidratada

39

95,1

Mudança do sensor do oximetro de pulso a cada 3 horas

01

2,4

Nutrição adequada

05

12,2

Manter as roupas de cama bem organizadas e esticadas

12

29,3

Manter a cabeceira elevada a 30 graus

02

4,9

Utilização de protetores laterais no leito

01

2.4

Luvas com água

01

2.4

Colocar coxins nas proeminências ósseas

09

22,0

Inspeção diária da pele

01

2,4

Não responderam de forma adequada – deram respostas que não condizem com a pergunta

04

9,8

Total

41

100

Foi observado neste estudo (tabela 4) que 75,65 dos entrevistados avaliam que o grau de comprometimento e o estágio da lesão, intensificam fatores de risco, orientam o tratamento adequado, realizam curativo de acordo com a indicação da cobertura e verificam áreas suscetíveis da pele, a fim de detectar a úlcera por pressão e outras lesões de pele.


Tabela 4. Distribuição de frequências das respostas à questão “Quais as ações que você realiza ao detectar a Ulcera por Pressão e outras lesões de pele”

Respostas

N

%

Avaliar o grau de comprometimento e o estágio da lesão/ avaliar e avaliação da lesão/Intensificar fatores de risco/Orientar o tratamento adequado/realizar curativo de acordo com a indicação da cobertura /verificar áreas suscetíveis da pele

31

75,6

Notificar toda a equipe

08

19,5

Avaliar a dor quando necessário

01

2,4

Lavagem das mãos

01

2,4

Não responderam de forma adequada – deram respostas que não condizem com a pergunta

10

24,4

Anotar em prontuário com registro diário da lesão

02

4,9

Total

31

75,6



DISCUSSÃO
Frente aos resultados encontrados, percebe-se que a prática ou programa de educação permanente ou capacitação em UP (Úlcera por Pressão) e outras lesões de pele deve fazer parte da programação estratégica da gerência de enfermagem, visto que segundo Jacondino et al. (2010), essa atividade é um instrumento indispensável para qualificar o atendimento do profissional de enfermagem, já que contribui para uma assistência de qualidade, respaldada na percepção de que os profissionais se sentem valorizados ao perceber que a sua qualificação no serviço visa ao seu crescimento profissional e repercute diretamente na qualidade de assistência prestada.

No momento em que o enfermeiro se educa, assume seu papel de educador, no qual consegue inserir-se no processo pedagógico relacionado à saúde e às particularidades dos sujeitos envolvidos. Ocorre uma transformação das práticas e, como consequência, uma oferta de uma atenção única, humana e integral ao paciente. (JACONDINO et al. 2010)

Todos os profissionais da amostra (100,0%) acreditam que é importante um protocolo/programa para prevenção de UP (Úlcera por Pressão) e outras lesões de pele. Segundo Oliveira (2015), as vantagens podem ser maiores ainda se a unidade já tiver implantado um protocolo de feridas e lesões de pele. Acredita-se que esse protocolo promova melhoria da qualidade da assistência de enfermagem, proporcione benefícios para o paciente e favoreca a melhoria continua do serviço, já que um protocolo de procedimentos é fundamentado em evidencias dispostas à execução de uma delimitada tarefa. Ele também é utilizado nos cuidados as lesões de pele e constitui uma prática da sistematização da assistência de enfermagem, na medida em que qualifica a atenção prestada.

Neste estudo, 95,0% dos enfermeiros acreditam que a aplicação de um protocolo de lesões irá melhorar a qualidade da assistência, no que se refere ao cuidado com paciente portador de lesões de pele. Sendo assim, com relação à aplicabilidade do protocolo, na maioria das vezes, os enfermeiros a ele recorrem como instrumento de consulta para observarem se o cuidado está, ou não, de acordo com o preconizado. (NASCIMENTO, 2015)

Neste contexto, é imprescindível adotar medidas nas unidades hospitalares com aplicabilidade de protocolos assistenciais e instrumentos preditivos de risco, que levem em conta a importância dos fatores etiológicos apresentados por cada paciente e sua inter-relação com a Ulcera por Pressão. Este tipo de medida ajuda na redução das complicações decorrentes dessas lesões, em seu tempo de hospitalização, na mortalidade, nos custos terapêuticos e na carga de trabalho dos profissionais de enfermagem que prestam esta assistência. (BAVARESCO et al. 2011)

Um dos instrumentos utilizados para predizer o risco de desenvolver lesões de pele é a escala de Braden. Neste estudo, entre os profissionais que realizaram capacitação nesta área, 81,2% conhecem a escala de Braden. Já entre os que não realizaram, somente 37,5% afirmaram conhecer.

De acordo com Serpa et al. (2011) a Escala de Braden é utilizada como instrumento de avaliação de risco para surgimento e prevenção das úlceras por pressão, e tem sido bastante utilizada pelos profissionais de enfermagem. Acredita-se que a capacitação sistematizada dos enfermeiros é fundamental para que a avaliação clínica da Escala de Braden seja eficiente.

Bavaresco et al. (2011), corrobora esse resultado, quando registra a importância da adoção da Escala de Braden como instrumento preceptivo de risco e sugere a implantação de ações preventivas para evitar as úlceras por pressão, desde o momento da internação até a alta do paciente na unidade. O autor destaca ainda, que, para que haja fidedignidade dos registros advindos da aplicação da escala de Braden é necessário que os enfermeiros estejam motivados, capacitados e conscientes da necessidade do uso desta ferramenta no cuidado, bem como dos benefícios que são oferecidos.

De acordo estudo de Bavaresco et al. (2011) os enfermeiros encontram dificuldade na utilização da Escala de Braden. Ele afirma ainda que existe falha na aplicação diária da mesma e no preenchimento das suas subescalas, dos dados relativos à identificação e as informações clinicas do pacientes. Entretanto, 70,7% responderam que ele e a sua equipe encontram alguma dificuldade na realização dos curativos.

Segundo Gardona et al. (2013) o profissional enfermeiro é considerado o mais apto para avaliar as feridas em um unidade hospitalar, mas, devido às suas péssimas condições de trabalho dentro do serviço público do Brasil, acaba delegando para os auxiliares tal atribuição. Por sua vez, o auxiliar de enfermagem, face a sua sobrecarga e imperícia, avalia a ferida de forma inadequada, o que compromete o seu tratamento adequado. Outras situações em que os profissionais deparam é com a falta de material para realizar os curativos e a falta de um grupo de estudos a respeito do tema. O enfermeiro exerce um papel fundamental na avaliação e no tratamento de feridas. De fato, ele não se restringe à execução da técnica do curativo, mas à responsabilidade do planejamento do cuidado. (FERREIRA; CANDIDO: CANDIDO, 2010)

Foi percebido que 65,8% dos entrevistados desejam fazer parte do “grupo de lesões da pele”. Este grupo, cujos enfermeiros dividem experiências e discutem casos, pode facilitar a construção de um protocolo de cuidado a lesões de pele. Segundo Ferreira (2015), um aspecto relevante que pode colaborar para a mudança desse cenário é a formação de uma equipe multiprofissional, voltada para a prevenção e tratamento de feridas, tornando-se um apoio na efetivação de programas de educação permanente nesta área.

Serviços de saúde têm direcionado a assistência em feridas por intermédio da construção de protocolos, normas e rotinas, conforme orientações de comissões de curativo, grupos de avaliação em feridas e/ou acompanhamento do serviço de controle de infecção hospitalar (SCIH), apoiando, consideravelmente, a assistência de enfermagem (GEOVANINI, 2014)

A prevenção deve ser o principal foco dos profissionais responsáveis pelo cuidado ao paciente. Neste estudo 34,1% disseram que avaliam diariamente as condições da pele do paciente e aplicam medidas preventivas, sendo estas, o mais eficiente método disponível de atuação para minimizar um problema tão frequente como as úlceras por pressão.

A abordagem preventiva deve ser multidisciplinar, com início na identificação precoce dos pacientes suscetíveis. O primeiro passo para a execução de medidas preventivas deve-se dar com a identificação dos pacientes em riscos para desenvolver as úlceras por pressão, pois, assim, pode-se implementar ações preventivas simples e menos onerosas que os tratamentos das lesões e suas possíveis complicações. (SARQUIS, 2014)

A higiene corporal é uma das ações preventivas e deve ser realizada sem o uso de sabão comum, soluções irritantes e água quente para evitar ressecamento. Deve-se usar sabão neutro ou sabonete líquido especifico. A pele deve ser limpa e devem ser removidos todos os resíduos de soluções para que permaneça completamente seca. (DECLAIR, 2002)

As medidas preventivas para úlcera por pressão abrangem ações simples e demandam poucos gastos. A avaliação de risco mediante uso de escalas preditivas, além de ações como a diminuição da pressão sobre as proeminências ósseas, por meio da movimentação e da mudança de decúbito e a utilização de colchões apropriados e coxins são bastante eficazes. (MORAES et al. 2012)

Apesar da prática dessas medidas, outros fatores de risco contribuem para o desenvolvimento das úlceras por pressão. Dentre eles podemos destacar a pressão, o atrito por cisalhamento e fricção (GOULART ET AL. 2008 ). Entretanto, Silva (2012) relata que a enfermagem desempenha papel importante para a prevenção das úlceras por pressão e no controle desses fatores de riscos.

Foi observado neste estudo que 75,65% dos entrevistados avaliam que o grau de comprometimento e o estágio da lesão, intensificam fatores de risco, orientam o tratamento adequado, realizam curativos de acordo com a indicação da cobertura e verificam áreas suscetíveis da pele, a fim de detectarem a úlcera por pressão e outras lesões de pele.

A realização de curativo leva à proteção da lesão contra a ação de agentes externos físicos, mecânicos ou biológicos, pois consiste na limpeza e aplicação de uma cobertura estéril em uma ferida, quando necessário, com finalidade de promover a cicatrização e evitar infecção (OLIVEIRA, 2008), entretanto, corrobora Rackebach (2008), que a execução da técnica, é direcionada pelo tipo de ferida a ser tratada.

Sugere-se ainda que os produtos preconizados como coberturas para o tratamento de feridas, permitam ser de fácil aplicabilidade, adaptabilidade e remoção, que favoreçam conforto, permaneçam por um período maior, evitando trocas desnecessárias e interferências sobre a ferida, que considere o custo e atenda ao objetivo proposto. (DEALY, 2008; REDDY,2008)

Há uma variedade de produtos no mercado para o tratamento de feridas, destacando-se os ácidos graxos essenciais (AGE), alginatos, hidrogéis, carvão ativado, gazes impregnadas, hidrocoloides, espumas, filmes transparentes, matrizes de colágeno e celulose; além desses, pomadas, como sulfadiazina de prata e colagenase; e produtos manipulados, como a papaina e a própolis. Materiais como gaze, compressas e chumaço são utilizados como coberturas secundarias. (JORGE; DANTAS, 2005; DEALEY, 2008; DUARTE; ALMEIDA, MENDEZ, 2015)

De acordo estudo de Rodrigues at al. (2014), a prescrição do curativo, o tipo de curativo e a cobertura a ser utilizada no procedimento fazem parte do planejamento do cuidado de enfermagem, garantindo que enfermeiro seja responsável pela execução do tratamento apropriado

O cuidado ao paciente com feridas deve ser desenvolvido e sustentado por uma metodologia que leve em consideração a singularidade da pessoa, no contexto do processo de saúde-doença. Neste aspecto, a enfermagem tem seu próprio processo como ferramenta para conduzir esse cuidado, mediante a atuação do enfermeiro e dos demais profissionais (DUARTE;ALMEIDA;MENDEZ, 2015).

Neste estudo 4,9% dos profissionais afirmaram que registram no prontuário a evolução diária da lesão. Um registro eficaz e contundente da assistência prestada ao paciente com feridas crônicas, como as lesões ulcerosas é de fundamental importância no acompanhamento da evolução do caso, pois, a partir disso, é que se estabelece uma melhor terapêutica e sustentação das condutas estabelecidas. (RODRIGUES; CAMACHO, 2015)



CONSIDERAÇÕES FINAIS
A maioria dos profissionais participou da prática ou programa de educação permanente no cuidado à úlcera por pressão e outras lesões de pele, o que ratifica o fato de que todos os profissionais da amostra acreditam na importância de um protocolo/programa para prevenção de UP (Úlcera de Pressão) e outras lesões de pele, além de acreditarem que a aplicação de um protocolo poderá melhorar a qualidade da assistência, no que se refere ao cuidado com pacientes com tais lesões.

A grande maioria dos profissionais conhece a escala Braden, entretanto, o fato de conhecer, não exclui a dificuldade que uma parcela considerável dos profissionais relata realizar alguns procedimentos e reflete o fato de apenas a minoria avaliar diretamente as condições da pele do paciente e aplicar medidas preventivas. A minoria dos profissionais depara com pacientes com risco de desenvolver lesão de pele, e quando isto acontece, sente dificuldades a exemplo de: carência de profissionais, falta de coberturas adequadas para determinados tipos de lesão e capacitação deficiente da equipe de enfermagem, razões pelas quais faz-se necessária a introdução de novos tipos de coberturas que tragam maior conforto para o paciente. As medidas preventivas na unidade são respeitadas, principalmente com relação à mudança de decúbito, uso de colchão caixa de ovo, uso de cobertura para prevenir e tratar as lesões, pele limpa e hidratada.

Ficou evidenciado que poucos enfermeiros notificam a equipe quanto à presença ou possibilidade de lesão de pele, porém, a maioria avalia o grau de comprometimento e o estágio da lesão, identificam fatores de risco, orientam o tratamento adequado e realizam curativos, de acordo com a indicação da cobertura.

Um aspecto relevante que pode colaborar para a mudança desse cenário é a formação de uma equipe multiprofissional, voltada para a prevenção e tratamento de feridas, tornando-se um apoio na efetivação de programas de educação permanente nesta área. Entretanto, a realidade do serviço público hospitalar e a falta de profissionais dificultam a prestação de cuidados pela equipe de enfermagem. Em consequência, a assistência prestada torna-se aquém do que preconiza o Conselho Regional de Enfermagem, já que o profissional lida com lesões de pele segundo seu conhecimento, e não segundo as regras e organização da unidade hospitalar.

O presente estudo abriu possibilidades para novos questionamentos e investigações e apontou alguns elementos que são atualmente pouco evidenciados nos hospitais, como a implantação de um protocolo de lesão de pele. Os resultados colhidos ratificam a necessidade deste documento, que se faz importante para os profissionais da área de saúde. Para estes, oferece condições dignas de trabalho e, aos paciente e familiares, condições mais favoráveis de hospitalização e terapêutica.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
BRASIL. MINISTERIO DA SAUDE (BR).CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE.

BAVARESCO T., MEDEIROS R. H., LUCENA A. F. Implantação da Escala de Braden Em uma unidade de Terapia intensiva de um Hospital Universitário. Rev. Gaúcha Enferm. Porto Alegre(RS) 2011 dez;32(4):703-10.

­­­­­­­­­­­­______,C.T.;Camacho, A.C.L.F.Registro de enfermagem de curativos de Ulceras na atenção básica.Rev.Enferm. on line,Recife,V.9,n.2,p.526-32,fev.2015.Disponivel em: acesso em: 2015

_______,C.;Silva,D.Limpeza de feridas:Tecnicas e soluções.Journal of tissue regeneration & Healing.p.25-31,2012.

_______; Candido,M.C.F.S., Candido,M.A.C. O cuidado de pacientes com Feridas e a construção da autonomia do enfermeiro.Rev.Enferm.uerj, Rio de Janeiro,v.18,n;p.656-60,out/dez.2010.

DECLAIR, Vânia. Escara de decúbito: prevenção e tratamento. Nursing, São Paulo, v.53, p. 5-6, out. 2002.

DEALEY, C. Cuidado de Feridas: Um Guia para as enfermeiras. 3 ed. São Paulo: Editora Atheneu, 2008.

DUARTE,S.J.H.;ALMEIDA,W.A.;MENDEZ,R.D.R. Atenção as pessoas portadoras de Feridas: Contribuições da Equipe de Enfermagem.In:2015.

DUARTE, Yeda Aparecida de Oliveira; DIOGO, Maria José D'elboux. Atendimento Domiciliar: Um enfoque gerontológico. São Paulo: Atheneu, 2000.

FERREIRA, Danielli Neris. Avaliação do procedimento de curativo em feridas realizadas por profissionais de enfermagem. 2015

FERREIRA,A.B.H. Novo Dicionario Aurelio

GARDONA,R.G.B, FERRACIOLI,M. M.,SALOMÉ,E.M.;PEREIRA, M.T.J. Avaliação da qualidade dos registros dos curativos em prontuários realizado pela enfermagem. Ver. Bras.Cir.Plast.v.28,n.4,out/dez.2013

GEOVANINI, T.; Trado de Feridas e Curativos: Enfoque Multiprofissional. São Paulo: Ridel, 2014.

GOULART, Fernanda Maria et al. Prevenção de Ulcera por Pressão em pacientes acamados: uma revisão da literatura. VER Objetiva, V. n,1, 2008.

HAUSMANN, M; PEDUZZI, M. Articulação entre as dimensões gerencial e assistencial do processo de trabalho do enfermeiro. Texto e Contexto Enfermagem, Florianópolis, 2009 18(2): 258-265.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico. Bahia – Cidade de Guanambi - Bahia: IBGE, 2010. Disponível em: < http://www.ibge.gov.br/home/>. Acesso em: 19/02/2015.

JACONDINO,B.C.;SEVERO,D.F.,RODRIGUES,K.R.;LIMA,L.,EINHARDT,R.R.;AMESTOY,S.C.;Educação Em Serviço:Qualificação Da equipe de Enfermagem para tratamento de Feridas. Cogitare Enferm.V.15,n.2,p.31-48,ab-jun.2010

JORJE,S.A.;DANTAS,S.R.P.E. Abordagem Multiprofissional do Tratamento de Feridas. São Paulo:Atheneu,2005

KEMPFER, S. S. et al. Reflexão Sobre um Modelo de Sistema Organizacional de Cuidado de Enfermagem Centrado nas Melhores Práticas. Revista Gaúcha de Enfermagem, 562-6. 2010

KRAUSE, T. C. Caron; DANSKI, M. T. Reichembach. Implantação de uma Comissão de Cuidados com a Pele em Hospital de Ensino 2013. f; 107p. Dissertação (Mestrado)-Programa de Pós-Graduação Mestrado Profissional em Enfermagem do Setor de Ciências da Saúde. Universidade Federal do Paraná. 2013.

MEDEIROS,A.B.A.et al.wourd dressing techique:comparative Study betweem nursing professional and students.journal of nursing UFPE on line,v.6,n.6,p.1352-60,jun.2012.Disponivel em:

.acesso em:20 jul.2013

MINAYO, MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 13 ed. São Paulo: Hucitec. 2013; 303-18.

MORAES, G.L.A.;ARAUJO,T.M.;CAETANO.J.A.LOPES,M.V.O:,SILVA,M.J. Avaliaçào de Risco para Úlcera por Pressão em Idoso Acamados no Domicilio, Revista Acta Paulista de Enfermagem,n.1,p.7-12,a,2012.

NASCIMENTO, A.L,SANTOS P.B. Atuação da Equipe de Enfermagem Na Prevenção e Cuidados Da Úlcera por Pressão ao Paciente Crítico. Universidade Tiradentes/direção de Saúde/coordenação de Enfermagem.Aracaju.2015


OLIVEIRA,F.B.M.,PAULA,A.B.R., Protocolo Clinico para Ulcera por Pressão: Uma Ferramenta assistencialista para a Praxis de Enfermagem. Rev. Ciências & Saberes.Maranhão(SL).2015.ago-out;1(1);17-24.

PAES, E.O. Gerenciando o cuidado de enfermagem com protocolos assistenciais: a práxis em enfermagem e sua interface com a tecnologia em saúde 2011. 226 f. Tese (Doutorado) - UFRJ/Escola de Enfermagem Anna Nery/ Programa de Pós GRADUAÇÃO EM Enfermagem, 2011.

RACKERNBACH; K. M. A.; MORÃES, A. L. Curativos de Incisão Cirúrgica. In: Silva, S. C.; SIQUEIRA, I.L.P.; SANTOS, A. E. Série boas práticas de enfermagem em adultos: procedimentos básicos. São Paulo: Atheneu, 2008.

REDDY, M. et al. Tratament of pressure ulcers: a systematic review. jama. v. 300, n22, p.2647-2662, dec. 2008

RESOLUÇÃO N 466, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012.DIRETRIZES E NORMAS

REGULAMENTARES de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília: Ministério da saúde; 2012.

RODRIGUES, A. A. P; HADDAD, V. C. N. Planejamento da assistência de enfermagem ao paciente com feridas. In:Geovanine, T. Tratado de feridas e curativos: enfoque multiprofissional: Rideel, 2014.

SELLMER, D, CARVALHO CMG.CARVALHO D R, MALUCELLI A. Sistema de especialista para apoiar a decisão na terapia tópica de úlcera venosas. Ver Gaucha Enferm. 2013; 34(2): 154-162.

SILVA, R. C. L. DA; FIGUEIREDO, N. M. A. de; MEIRELES, T. B. FERIDAS: Fundamentos e atualizações em enfermagem. 2 ed. São Caetano do Sul: yendis Editora, 2007.

SOARES, R. S. DE AVILA. Et al. Significado da utilização de protocolo de Úlcera por pressão no gerenciamento do cuidado em enfermagem. Biblioteca Lascasas, 2014; 10(2).

SOUZA, CJ. MANUAL. Manual de rotina em enfermagem intensiva. Rio de janeiro; Guanabara Koogan; cultura Médica; 2010.

SERPA,L.E.,SANTOS;V.L.C.G.;CAMPANILI,T.C.F., QUEIROZ,M. Validade Preditiva da Escala de Braden para O risco de Desenvolvimento de Úlcera de Pressão, Em pacientes Críticos.Revista Latino –Americana de Enfermagem, São Paulo,v.19,n.01;08telas.2011.

SARQUIS, M,G.A. Orientação para a Prática Clinica no Tratamento e Prevenção de Úlceras por Pressão. São Paulo:Editora Martinari.2014;205.



1 Mestranda pelo IBRATI – Instituto Brasileiro de Terapia Intensiva, Especialista em Enfermagem Obstétrica pela Universidade Federal da Bahia-UFBA/ Enfermeira do Hospital Regional de Guanambi/Enfermeira Do Ambulatório de Anemia Falciforme de Guanambi da Prefeitura Municipal de Guanambi-P.M.G. E-mail: aracyfilha@yahoo.com.br

2 Orientador - Doutoranda do Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Educação Física pela Universidade Católica de Brasília. Professora Auxiliar do Curso de Enfermagem da Universidade do Estado da Bahia – UNEB/Campus XII/Enfermeira do Hospital Regional de Guanambi.


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal