Influência do perfil académico nos comportamentos de saúde oral e alimentares autor



Baixar 307,53 Kb.
Página1/6
Encontro09.04.2017
Tamanho307,53 Kb.
  1   2   3   4   5   6

Mestrado Integrado de Medicina Dentária


Artigo de Investigação

INFLUÊNCIA DO PERFIL ACADÉMICO NOS COMPORTAMENTOS DE SAÚDE ORAL E ALIMENTARES

Autor

João André Silvino Rua

Aluno do 5º Ano do Mestrado Integrado de Medicina Dentária

lmd06054@fmd.up.pt; joaoasrua@gmail.com

+351 912 156 045
Orientador

Prof. Doutor Álvaro Amadeu Ferreira de Azevedo

Professor de Epidemiologia e Bioestatística I e II

aazevedo@fmd.up.pt


Coorientadora

Prof. Doutora Maria de Lurdes Ferreira Lobo Pereira

Professora de Medicina Dentária Preventiva e Saúde Oral Comunitária I, II e III

mpereira@fmd.up.pt


Porto, 2013/2014



AGRADECIMENTOS

Aos meus Orientadores,

O Prof. Doutor Álvaro Azevedo e a Prof. Doutora Maria de Lurdes Pereira, agradeço todo o profissionalismo, dedicação, disponibilidade, respeito e compreensão demonstrados em todas as fases de desenvolvimento desta investigação.
Aos meus Pais e à minha Irmã,

Por todo o amor e carinho, pela educação cimentada nos valores fundamentais e por serem o ponto de abrigo em dias de tempestade.
Aos meus Avós,

Por todos os momentos simples e conselhos sábios, próprios de quem aprendeu muito com a vida.
Aos meus Amigos e Colegas,

Por toda a amizade, toda a partilha e momentos de união que tornaram esta passagem inesquecível.
Aos Docentes e não docentes da FMDUP,

Agradeço todos os ensinamentos que me fizeram crescer, tanto a nível profissional, como pessoal.
À Márcia,

Por todo o amor, infinito amor, carinho, respeito e amizade. Por ser a luz que me acompanha todos os dias e noites de luta, sempre disposta a iluminar o caminho. Sem ela, este caminho teria sido muito mais difícil.
ÍNDICE GERAL


Agradecimentos

I

Resumo

IV

Abstract

V

1. Introdução

1

2. Materiais e Métodos

3

3. Resultados

4

3.1. Descrição da amostra

4

3.2. Estudo de comportamentos de saúde oral

5

3.3. Estudo de comportamentos alimentares

13

4. Discussão

17

5. Conclusões

21

6. Bibliografia

22

7. Anexos

24



ÍNDICE DE TABELAS


Tab. I - Análise das questões mais relevantes

6


ÍNDICE DE FIGURAS



Fig. 1 - Caracterização dos estudantes inquiridos, segundo o género.

4

Fig. 2 - Caracterização da amostra, segundo os anos curriculares correspondentes a cada Instituição.

5

Fig. 3 - Marcação de consultas de rotina pelos estudantes das duas Instituições

6

Fig. 4 - Motivo da última consulta dos estudantes das duas Instituições

7

Fig. 5 - Nº de escovagens diárias pelos estudantes das duas Instituições

8

Fig. 6 - Nº de escovagens diárias entre os anos curriculares do ISMAI

8

Fig. 7 - Uso de fio dentário ou escovilhão pelos estudantes das duas Instituições

9

Fig. 8 - Uso de fio dentário ou escovilhão pelos estudantes da FMDUP

10

Fig. 9 - Uso de produtos para bochechar pelos estudantes das duas Instituições

11

Fig. 10 - Perspetiva de saúde oral nos estudantes das duas Instituições

12

Fig. 11 - Perspetiva de saúde oral nos diferentes anos curriculares

12

Fig. 12 - Consumo de alimentos carioestáticos nas duas Instituições

13

Fig. 13 - Consumo de alimentos cariogénicos sólidos entre os estudantes das duas Instituições

14

Fig. 14 - Consumo de açúcar entre os diferentes anos curriculares da FMDUP

15

Fig. 15 - Consumo de alimentos cariogénicos líquidos entre os estudantes das duas Instituições

15

Fig. 16 - Consumo de alimentos light entre os estudantes das duas Instituições

16


RESUMO
Introdução: Os comportamentos de saúde e os comportamentos alimentares são determinados pelos conhecimentos e atitudes, pela influência de terceiros e ainda por aspetos fisiológicos, culturais, psicológicos e sociais. Dos estudantes de Medicina Dentária, como futuros prestadores de cuidados de saúde oral, espera-se que sirvam de exemplo aos seus pacientes, familiares e amigos bem como assegurar a manutenção da saúde oral deles. As atitudes dos estudantes, em relação à própria saúde oral, afetam os seus hábitos e, possivelmente, têm influência na melhoria da saúde oral dos seus pacientes.

Objetivos: Com o presente estudo pretende-se dar um contributo na caracterização e comparação dos comportamentos determinantes da saúde oral em estudantes de medicina dentária, face a outros do ensino superior sem afinidade à temática em estudo e avaliar a influência da evolução do percurso académico na alteração dos diferentes hábitos.

Metodologia: Neste estudo de prevalência participaram 178 estudantes universitários de forma voluntária e confidencial, que responderam a um questionário que compreendia questões sobre comportamentos e hábitos de saúde oral e alimentares. A análise estatística foi efetuada através do programa informático Statistical Package for Social Sciences (V.22), tendo sido utilizado as tabelas de referência cruzada e testes de qui-quadrado de Pearson. Os níveis de significância foram determinados para valores de p<0,05.

Resultados: Cerca de 87,7% dos estudantes consideram a sua saúde oral como aceitável ou boa. Nos comportamentos de saúde oral, existem diferenças estatisticamente significativas (p<0,05) no número de escovagens realizadas diariamente, no número de utilizações diárias de fio dentário ou escovilhão e na utilização de produtos para bochechar. Nos comportamentos de consumo alimentar, existem diferenças estatisticamente significativas (p<0,05) associadas ao consumo de alimentos cariogénicos sólidos e ao consumo de açúcar. Não existem diferenças estatisticamente significativas nos restantes itens avaliados (p>0,05).

Conclusões: Existem comportamentos de saúde oral e alimentares que podem refletir a influência do percurso académico, no entanto, o comportamento preventivo dos estudantes pode e deve ser melhorado.

PALAVRAS CHAVE: Comportamentos de saúde, comportamentos de saúde oral, comportamentos alimentares, estudantes universitários, educação, perfil académico.
ABSTRACT
Introduction: Health and food behaviours are determined by knowledge and attitudes, people’s influence and by physiological, cultural, psychological and social aspects. Dental students, as future providers of dental care, are expected to be a role model for their patients, family members and friends and ensure their awareness of oral health maintenance. Attitudes of dental students toward their own oral health affect their oral health habits and also have possible influence on the improvement of the oral health of their patients.

Objectives: The aim of the present study is to characterize and compare determinant oral health behaviours of dental students and other university students, from a different area of knowledge, to gather data about the influence of the academic course in the different habits.

Material and methods: 178 voluntary students were invited to participate in this study, and answered to a confidential survey structured with questions about oral health and food behaviours. The statistical analyses were performed with Statistical Package for Social Sciences (V.22) and were used cross table references and Pearson qui-square tests and a p value of less than 0,05 was considered statistically significant.

Results: About 87,7% of the students consider their oral health acceptable or good. In the oral health behaviours there are statistically significant differences (p<0,05) in the number of diary tooth cleaning practices, in the number of the diary dental floss and/or interdental brushes uses and in the use of oral rinse products. There are also statistically significant differences (p<0,05) in food behaviours which are associated with the consume of solid cariogenic food and sugar. There are not statistically significant differences in the remaining evaluated items (p>0,05).

Conclusion: The results of this study showed that there are oral health and food behaviours which can be influenced by the academic course. However, the preventive students’ behaviour can and should be improved.

KEY WORDS: Health behaviour, oral health behaviour, eating behaviour, university students, education, academic profile.

1. Introdução
Os comportamentos de saúde são descritos como as atividades desenvolvidas pelas pessoas, com o objetivo de proteger, promover ou manter a saúde e prevenir a instalação de doenças (1). Os principais fatores que podem influenciar estes comportamentos, a nível individual e comunitário, são determinados pelos conhecimentos, crenças, valores, atitudes, habilidades e materiais, pelo estatuto económico, o tempo, e pela influência dos familiares, amigos, colegas, líderes de opinião e pelos os próprios profissionais de saúde (1-3).

A alimentação, nomeadamente, os comportamentos alimentares são um fator determinante para a saúde. Pensa-se que as pessoas desenvolvem uma relação com os alimentos, sendo descrita como “atitude alimentar”, visto que estes comportamentos alimentares estão também associados a sentimentos, crenças e pensamentos, para além dos aspetos fisiológicos, culturais, psicológicos e sociais (4).

Dos estudantes de Medicina Dentária, como futuros prestadores de cuidados de saúde oral, espera-se que sirvam de exemplo aos seus pacientes, familiares e amigos bem como assegurar a manutenção da saúde oral deles. As atitudes dos estudantes, em relação à própria saúde oral, afetam os seus hábitos e, possivelmente, têm influência na melhoria da saúde oral dos seus pacientes (3, 5).

Os estudantes do ensino superior público apresentam frequentes alterações nos comportamentos alimentares e, em Portugal, esta classe estudantil foi identificada como a mais insatisfeita com o controlo de ganho e perda de peso (6). Estas alterações podem ser explicadas pelos inapropriados hábitos alimentares, como saltar refeições, ingestão excessiva de gorduras e insuficiente de fruta e vegetais (Ekuni, 2013 #99)(Ekuni, 2013 #99)(Ekuni, 2013 #99)(Ekuni, 2013 #99)(Ekuni, 2013 #99)(Ekuni, 2013 #99)(Ekuni, 2013 #99)s, como saltar refeições, ingestefeiç\riados h perda de pesostram que no quinto ano de formaç podem alterar as atitudes (7) e ainda devido aos horários das aulas e à disponibilidade de alimentação adequada no interior das instalações, o que pode permitir o recurso a alimentos do tipo “fast food” e “snack” (8). Alguns autores também referem que os estudantes da área médica, devido à excessiva carga de estudo e trabalho, associado a mudanças nos períodos de sono, estão mais susceptíveis a alterações nos comportamentos alimentares (9, 10).

A dieta influencia o estado de saúde oral (11). A erosão dentária está associada ao consumo de alimentos e bebidas com características ácidas, principalmente devido à frequência de ingestão e menos devido ao total consumido, e esta erosão tende a ocorrer em indivíduos com boa higiene oral (12, 13). O fator etiológico mais importante no aparecimento de doença periodontal é a presença de placa bacteriana. O elevado consumo de sacarose está associado ao aumento do volume da placa bacteriana, devido à produção de glucanos extracelulares, sendo que o volume da placa está fortemente associado ao aparecimento de gengivite (12). O desenvolvimento de cárie dentária não pode ocorrer na ausência de carbohidratos de dieta fermentáveis, pois estes, pela ação de ácidos orgânicos, provocam uma queda no pH da placa bacteriana para valores críticos aproximados de 5.5, provocando a desmineralização do dente, sendo, por isso, caracterizada como uma doença associada à dieta (12, 14), mas também influenciada pela susceptibilidade dos dentes, pela presença e tipo de bactérias e pela quantidade e qualidade das secreções salivares (11, 15).

Em Portugal, tanto quanto se sabe, existem poucos estudos publicados abordando esta temática, na área da saúde oral, com estudantes universitários. Será pertinente determinar de que forma a educação médico-dentária por si só, ajuda a moldar comportamentos e atitudes de saúde oral e comportamentos alimentares em estudantes de medicina dentária em comparação com estudantes que recebem diferente formação.

Com o presente estudo pretende-se dar um contributo na caracterização e comparação dos comportamentos determinantes da saúde oral e alimentares em estudantes de medicina dentária, face a outros do ensino superior sem afinidade à temática em estudo. Pretende-se, igualmente, avaliar a influência da evolução do percurso académico na alteração dos diferentes hábitos.
2. Materiais e métodos
O presente estudo foi autorizado pela Comissão de Ética da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade do Porto (FMDUP) e pela Comissão de Ética do Instituto Superior da Maia (ISMAI).

Todos os estudantes que frequentavam o 1º, 2º e 3º ano do Mestrado Integrado em Medicina Dentária (MIMD) na FMDUP e todos os estudantes que frequentavam o 1º, 2º e 3º ano do curso de Turismo no ISMAI, no ano letivo de 2013 / 2014 foram convidados a participar neste estudo.

Foram distribuídos 178 questionários, de forma aleatória e não consecutiva, tendo sido pedido a cada participante para responder ao questionário afastado dos restantes participantes. O questionário (anexo 1) compreendia questões sobre comportamentos, hábitos de saúde oral e hábitos alimentares. Este instrumento de avaliação foi aplicado em sala de aula, após informação aos participantes sobre a natureza e objetivos da investigação, liberdade de participação e garantia de confidencialidade.

Os dados recolhidos foram inseridos numa base de dados informática e a sua análise estatística foi efectuada através do programa Statistical Package for Social Sciences (SPSS, v. 22), tendo sido efetuada a análise descritiva das amostras; a análise de frequências e das relações bi-variadas, entre as duas populações de estudantes, através de tabelas de referência cruzada e avaliou-se a associação entre variáveis qualitativas independentes através de testes de qui-quadrado de Pearson. Os níveis de significância foram determinados para valores de p<0,05, e os valores p foram ajustados pelo método de Bonferroni.



3. Resultados

3.1. Descrição da amostra

A amostra foi constituída por 178 estudantes, dos quais 118 (66,3%) eram do sexo feminino e 60 (33,7%) pertenciam ao sexo masculino.




  1   2   3   4   5   6


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal