Ii a humanidade: o que será dela? Voltando a história "daquele" capitão



Baixar 8,31 Kb.
Encontro05.04.2017
Tamanho8,31 Kb.
II – A Humanidade: O que será dela?

            


Voltando a história “daquele” capitão Schretrino que rima com cretino, cabe lembrar que quando o navio colidiu com a rocha, o sujeito Schettino, segundo relato do oficial imediato, estava jantando com uma linda mulher de 20 e poucos anos, degustando um belo vinho. Até ai “tudo bem”, somente que ao receber do oficial imediato o acontecido, Schettino, não se importou e continuou o seu affair com a moça, demonstrando imprudência e negligência com a vida dos tripulantes e passageiros.

Naquele momento o que importava para o capitão cretino era aquele momento de hedonismo, pouco se importando com a vida alheia entre elas mulheres, crianças e idosos.

Este pouco se importar com a situação, ficou patente, quando abandonou correndo o seu portentoso navio, para fugir como um rato e deu no deu, ou seja, vidas perdidas, porque sob efeito do vinho devia estar embriagado nos braços do deus Baco, numa perfeita luxúria, tendo sob sua responsabilidade mais de 4 mil vidas.

O ditado “in vino veritas”, mostrou a verdade de um homem covarde sob a farda de um comandante.

Covarde, também, porque colocou as suas aventuras sexuais na frente de vidas humanas, bem como não honrou o seu local de trabalho, isto é, o seu ganha pão.

Covarde, ainda, porque perdeu o sentido de alerta que deveria ter tido. Neste sentido, quando na residência de anestesiologia, o Dr. Tonelli, responsável pela residência, me disse: “Olha Batello, olho de lince, porque quando você acha que sabe, o paciente pode morrer na sua mão”. Este alerta vale para todas as profissões, mais ainda, quando se tem milhares de pessoas para zelar por suas vidas. Covarde e incompetente.

Tive um grande amigo e filósofo, já falecido, que dizia: “as piores coisas que o ser humano faz é por sexo”. Ora, aqui ninguém “usa asas” e ninguém também é falso moralista, mas deixar de atender uma emergência desta porque se está com um belo ou bela espécime do Homo Sapiens é horrendo e assustador... Ainda nesta linha de raciocínio imagine, como anunciado na imprensa, uma professora que abusa de meninos e meninas, ou, ainda, um sujeito com disfunção erétil, impotente, que toma comprimido para ter ereção independente da mulher e vai, utilizá-la para fins de pedofilia, por exemplo.

Há que se repensar tudo isto que nos é passado, como por exemplo, o uso da camisinha, preservativo, que não protege contra o HPV, que é um dos grandes responsáveis pela maioria de casos de câncer de colo do útero, bem como de cabeça e de pescoço.

Não se trata, reafirmo, de falso moralismo, porém não há que se agir como o capitão cretino e enfiar a cabeça na terra como se fossemos avestruzes, porque, penso, que o texto da jornalista Hillary White é muitíssimo pertinente e merece reflexão profunda de A à Z, sobre o que ela nos expôs, posto que fora dos navios transatlânticos, existem mulheres, crianças, idosos e homens que merecem respeito.

Por fim, penso que ainda vale o adágio: “primeiro as mulheres e as crianças, bem como os idosos”.



Este é o manual do herói.

Celso Battello


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal