I encontro



Baixar 9,01 Kb.
Encontro01.12.2016
Tamanho9,01 Kb.
ROTEIRO DE CÉLULA, baseado na mensagem de 11 de agosto de 2013
I – ENCONTRO:

Quebra-gelo: Qual é a história da Bíblia que mais o impressiona?


II – EXALTAÇÃO:

Leitura do Salmo 97.1-12

Orações e cânticos de adorações e louvor
III – EDIFICAÇÃO:

Textos base: Êxodo 3.7-10, 4.21-23, 5.1-5.

Tema: A síndrome de Faraó. - ( Natanael Pedro Castoldi)

Comentário: A nação de Israel se formou no Sul do Egito, na região de Gósen, quando Jacó e seus filhos, pela mão de José, foram acolhidos por causa da forme. Como já havia sido profetizado em Gênesis 15.13, lá permaneceram 400 anos, até que Deus enviou Moisés para libertá-los. Nesse tempo, conforme relata Êxodo 1.8, levantou-se um rei sobre o Egito que não conheceu a história de José e temendo o crescimento dos judeus, começou e escravizá-los e oprimi-los. Esse rei, do qual a Bíblia não cita do nome, é protagonista de uma das histórias mais fantásticas da Bíblia: As Dez Pragas do Egito. Faraó é o exemplo bíblico mais evidente da soberba humana. Um homem que pelo “status” que ocupava não só desprezava a Deus, como julgava-se senhor de si e do mundo ao seu redor. Aparentemente essa história revela uma contradição: Mas não foi Deus quem endureceu o coração de Faraó? Num primeiro momento sim, por que Deus queria de fato revelar a esse homem soberbo, o Seu poder. A primeira praga, da transformação das águas do rio Nilo em sangue (Êx. 7.14-20), seria inevitável. Mas a partir da 2ª praga, a das rãs, Êxodo 8.1-2 deixa claro que Faraó poderia ter se humilhado. Entretanto, ele foi se endurecendo cada vez mais. Então Deus mandou a praga dos piolhos, das moscas, da peste nos animais - (Êx.8.1 a 9.7). A partir daí, Deus mesmo voltou a endurecer o coração de Faraó, executando um juízo derradeiro, com a praga dos gafanhotos, das trevas e por fim da morte de todos os primogênitos dos egípcios - (Êx.10.12, 11.21 e 12.29) e por fim, com a própria morte de Faraó e seu exército, afogados no mar Vermelho - (Êx. 14.26.31). É importante destacar que cada uma dessas pragas representava uma divindade que os egípcios cultuavam, a começar pelo próprio Faraó. Deus finalmente provou , “para amigos e inimigos”, que nenhuma magia, nenhum poder espiritual, nem qualquer poder humano ou elemento da natureza podem deter a mão de Deus. Eis aí é o grande perigo de nos endurecermos contra Ele. Que nenhum cristão, na condição que estiver, caia na síndrome de Faraó.

QUESTÕES PARA REFLEXÃO:

1º)Leia Pv.29.1 e responda: Como pode começar um processo de endurecimento?

2º)Moisés, Jesus, os apóstolos, foram usados com palavra e também com sinais. Por que os sinais em determinadas situações são necessários, até mesmo para juízo?

3º)Como líder, a dureza de Faraó trouxe juízo sobre toda uma nação. Você compreende a gravidade do seu pecado? O quanto isso pode prejudicar outras pessoas?



4º)Entre Moisés e Faraó, onde você se situa?
IV – ESPAÇO DA VISÃO: No reino de Deus, a diferença entre o grande e o pequeno é que o primeiro precisa ser quebrado, enquanto o segundo, somente capacitado. Faraó é o grande; Moisés o pequeno. Mas o modelo de Faraó não servirá ao reino de Deus, por que não se deixa quebrantar. Que sejamos conscientes do perigo da soberba e também da bênção da humildade “...porque aquele que entre vós for o menor de todos, esse é que é grande”. (Lc. 9.48)
V – ENCERRAMENTO:

Orar no grupo e em casa: *Pela unidade da Igreja. *Por salvação de novas vidas e multiplicação de células. *Por avivamento espiritual. *Pelas necessidades do grupo.

*Lembre de convidar pessoas para o culto do próximo domingo e da oferta que iremos levantar para a Igreja de Cuba. Seja generoso! (Lucas 6.38)


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal