História Ensino Médio, 1° Ano



Baixar 6.03 Mb.
Encontro18.11.2019
Tamanho6.03 Mb.

História Ensino Médio, 1° Ano.

Conteúdo revisional referente ao decorrer do período medieval na Europa...

Por volta do século III, o império romano passou por uma enorme crise econômica e política.

A corrupção dentro do governo e os gastos com luxo, retiraram recursos que seriam investidos no exército romano. Com o fim das conquistas territoriais, diminuiu o número de escravos, provocando uma queda na produção agrícola.

Em crise e com o exército enfraquecido, as fronteiras ficavam a cada dia mais desprotegidas e passaram a sofrer invasões dos povos bárbaros.

Muitos soldados, sem receber salário, deixavam suas obrigações militares. 


http://amora2012povoseculturas.pbworks.com/f/1352383493/imperio%20romano%20batalha.jpg.Acesso em 24/07/2015...

História, 1° Ano – Ensino Médio O fim do Império Romano e a formação do feudalismo (Idade Média)

História, 1° Ano – Ensino Médio O fim do Império Romano e a formação do feudalismo (Idade Média)

A Crise Econômica e Militar

http://www.infoescola.com/wp-content/uploads/2010/03/queda-de-constantinopla.jpg.Acesso em 24/07/2015

https://palavrastodaspalavras.files.wordpress.com/2008/06/roma-moeda-romana-index13axx.gif. Acesso em 24/07/2015

No ano de 395, o imperador Teodósio, com o objetivo de facilitar a administração e a defesa de todo o seu território, resolve dividir o império em:

-Império Romano do Ocidente, com capital em Roma.

-Império Romano do Oriente (Império Bizantino), com capital em Constantinopla.

História, 1° Ano – Ensino Médio O fim do Império Romano e a formação do feudalismo (Idade Média)

https://historia10.files.wordpress.com/2008/12/imperioromano.gif

Quem são os Bárbaros?

Povos originários da Ásia (hunos). Leste europeu (eslavos). Norte da Europa (Germânicos).

Os Germânicos eram subdivididos em: Visigodos, Ostrogodos, Burgúndios, Vikings, Vândalos, Suevos, Lombardos, Francos, etc...

Formaram reinos instáveis de curta duração. Eram rivais: disputavam entre si os mesmos territórios.

História, 1° Ano – Ensino Médio O fim do Império Romano e a formação do feudalismo (Idade Média)

http://2.bp.blogspot.com/_LbLAOOWv3i4/TNH0snh0vVI/AAAAAAAACSU/f_4vTEzna_M/s400/e8013c8389733891669db7190a711d3c.jpg. Acesso em 24/07/2015

Os Bárbaros



Cultura Germânica: Organização social.

Estrutura Familiar bastante sólida;

Prezavam por valores: honra, fidelidade conjugal, lealdade...

Não possuíam um código de leis escrito.

Decisões jurídicas: Duelos ou Ordálios.

http://2.bp.blogspot.com/joRughKB89Y/UCWAJ46z5NI/AAAAAAAAOAw/GvwjXQCJIh0/s400/Barbaros+01.jpg. Acesso em 25/07/2015

História, 1° Ano – Ensino Médio O fim do Império Romano e a formação do feudalismo (Idade Média)



Cultura Germânica: Economia.

Predominava a atividade agrícola;

Produziam principalmente cereais, (aveia e o trigo) e trabalhavam também com a pecuária.

Alguns viviam da pilhagem (saques);

http://www.colegioweb.com.br/wp-content/uploads/13987.jpg.Acesso em 25/07/2015

História, 1° Ano – Ensino Médio O fim do Império Romano e a formação do feudalismo (Idade Média)



Cultura Germânica: Religião.

A Religão era Politeísta;

Adoração fundamentada nas forças da natureza.

Não construíam templos: Rituais realizados ao ar-livre.

Ofereciam como sacrifício animais e até humanos.

http://www.uniblog.com.br/img/posts/imagem17/174984.bmp

História, 1° Ano – Ensino Médio O fim do Império Romano e a formação do feudalismo (Idade Média)

O IMPÉRIO CAROLÍNGIO

  • Entre os diversos reinos que ocupavam a atual Europa, durante os séculos IV e VIII, um deles buscou criar condições para formar um império: o Reino dos Francos ou Reino Carolíngio, localizado na região da Gália (atual França).

História, 1° Ano – Ensino Médio O fim do Império Romano e a formação do feudalismo (Idade Média)

Francos

A Construção de um Império

Na Formação e Expansão do Reino Franco atuaram Soberanos de Duas Dinastias: a Merovíngia, que governou do Século V ao Século VIII, e a Carolíngia, que governou nos Séculos VIII e IX. Vejamos cada uma delas.

Merovíngios:

A organização política dos Francos em um Reino teve inicio em meados do Século V, com a unificação de suas diversas tribos.

Clóvis é considerado um dos Unificadores dos Francos, tendo reinado entre 482 e 511. Ele seria Neto de Meroveu, o lendário fundador da Dinastia Merovíngia, cuja real existência é incerta.

Em seu Governo, Clóvis prometeu a expansão dos domínios do Reino Franco e, mais tarde, converteu-se ao Catolicismo, fazendo de seu Reino um forte aliado da Igreja Católica.

Clóvis teve vários sucessores, mas a partir de 639 a Dinastia Merovíngia entrou em Crise. Em grande parte, as funções do Rei eram desempenhadas por um Alto Funcionário da Corte – o Prefeito do Palácio, também chamado de Mordomo do Paço.

História, 1° Ano – Ensino Médio O fim do Império Romano e a formação do feudalismo (Idade Média)

Francos

Um desses Prefeitos do Palácio foi Carlos Martel.

Que governou de 714 a 741 e conquistou prestígio, entre outros motivos, por ter Comandado o Exército franco que deteve o avanço dos Muçulmanos sobre a Europa, na Batalha de Poitiers em 732.

Carolíngios:

Após a morte de Carlos Martel, seu Poder Político foi herdado por seu filho Pepino, o Breve.

Em 751, Pepino destronou o último Rei Merovíngio e fundou a Dinastia Carolíngia, que governou nos Séculos VIII e IX.

Pepino foi reconhecido pelo Papa como Rei dos Francos.

Em troca, lutou conta os Lombardos, Povo Germânico que ameaçava

o Poder da Igreja Católica.

Vitorioso, Pepino doou ao Papa as terras que conquistou no Reino da Itália.

Formou-se, então, o Patrimônio de São Pedro, que se tornou o Estado da Igreja Católica.

História, 1° Ano – Ensino Médio O fim do Império Romano e a formação do feudalismo (Idade Média)

Francos
  • Formação do Império Carolíngio

  • Após a morte de Pepino, sucedeu-se no trono seu filho Carlos Magno, que governou durante 46 anos, de 768 a 814.

    Em seu governo, os Francos submeteram diversos povos germânicos e conquistaram um vasto território, constituindo o Império Franco ou Carolíngio.

    Com isso Carlos Magno adquiriu considerável poder na Europa Central, chegando a receber do papa Leão III o título de Imperador do Novo Império Romano do Ocidente, em 800.

    Pretendia-se reviver a antiga Unidade do Mundo Ocidental, agora sob o comando de um Imperador Cristão.

    Além disso, a Igreja Católica desejava a proteção de um

    Soberano Cristão que possibilitasse a

    Expansão do Cristianismo.

História, 1° Ano – Ensino Médio O fim do Império Romano e a formação do feudalismo (Idade Média)

Império Carolíngio

Império Carolíngio
  • O Governo de Carlos Magno

  • O Império Carolíngio não tinha uma Capital Fixa. Sua sede era o lugar onde se encontrava o Imperador e sua Corte.

    Em geral, Carlos Magno permanecia por mais tempo na cidade de Aquisgrã, em seu palácio com fontes de águas termais – quentes.





    Organização Administrativa

    Para administrar o vasto Império, Carlos Magno estabeleceu uma série de normas escritas, conhecidas como Capitulares, que funcionava como Leis.

    Essas normas reuniam os Usos e Costumes do Império.

    Carlos Magno contou também com o auxílio de inúmeros Funcionários e Nobres, como os Condes – responsáveis pelos condados, e os Marqueses – responsáveis pelos territórios situados nas fronteiras do Império, isto é, as Marcas.

História, 1° Ano – Ensino Médio O fim do Império Romano e a formação do feudalismo (Idade Média)

Império Carolíngio...
        • Esses Nobres tinham a função de convocar e organizar as tropas, cobrar tributos e zelar pela manutenção de estradas e pontes, entre outras tarefas.

        • Assim, os Nobres passaram a exercer também o Poder Local.
        • Muitas vezes, Condes e Marqueses recebiam essas terras do Imperador em beneficium, ou seja, num sistema em que podiam desfrutar das terras doadas em troca da Fidelidade e da Prestação de Serviços – principalmente obrigações militares – ao Monarca.
        • Havia também os Missi-dominici, inspetores do Rei que viajavam pelo território para controlar as atividades dos diversos Administradores Locais.

Carlos Magno

Império Carolíngio
    • Renascimento Carolíngio

    • Guerreiro audacioso, Carlos Magno dedicou-se principalmente às atividades militares, permanecendo analfabeto até a idade adulta.

      Como administrador, no entanto, preocupou-se em promover o Desenvolvimento Cultural do Império Franco.

      Assessorado por intelectuais, Carlos Magno estimulou a abertura de Escolas e Mosteiros, e protegeu artistas.

      Esse estímulo – que abrangeu as letras, as artes plásticas e a educação, alcançando grande vigor em meados do Século IX – é chamado pelos historiadores de Renascimento Carolíngio ou Renascença Carolíngia.

      Além de incentivar a produção cultural, o Renascimento Carolíngio contribuiu para a preservação e transmissão da cultura da Antiguidade Clássica, ao promover a tradução e a cópia de Manuscritos Antigos.

      Grande parte do conhecimento que temos hoje da Literatura da Antiguidade Greco-Romana deve-se ao trabalho de cópia dos Escribas desse período.

Império Carolíngio
    • Fragmentação do Império Carolíngio

    • Depois da morte de Carlos Magno, em 814, seu filho Luís I, o Piedoso, assumiu o poder. Apesar de uma série de problemas políticos, como a excessiva influência do Clero sobre o Rei, o Império ainda se manteve unido.

      Com a morte de Luís I, em 840, seus três filhos – Carlos, Luís e Lotário – passaram a Disputar o Poder, travando um desgastante conflito interno.

      Pelo Tratado de Verdun, assinado em 843, eles estabeleceram a Paz, dividindo entre si o Território Carolíngio.

      A divisão do Poder Real entre os filhos de Luís I foi acompanhada de crescente independência e autonomia dos Administradores Locais.



O enfraquecimento do Império se deu com rebeliões, falta de dinheiro.

Em 476, chega ao fim o Império Romano do Ocidente, após a invasão de diversos povos bárbaros, entre eles, visigodos, vândalos, burgúndios, suevos, saxões, ostrogodos, hunos etc.

Era o fim da Antiguidade e início de uma nova época chamada de Idade Média.

O Fim do Império Romano

História, 1° Ano – Ensino Médio O fim do Império Romano e a formação do feudalismo (Idade Média)

https://cleofas.com.br/wp-content/uploads/2015/11/crise-do-imperio-romano-historia.jpg



IDIOMA: LATIM.

DIREITO: LEIS.

FORMAS DE GOVERNO: REPÚBLICA, SENADO, ETC.

MATEMÁTICA.

ARQUITETURA.

Herança Romana

Algarismos Romanos

http://www.dicaslegais.net/wpcontent/uploads/2010/08/numerosRomanos3-full.jpg

História, 1° Ano – Ensino Médio O fim do Império Romano e a formação do feudalismo (Idade Média)

História, 1° Ano – Ensino Médio Período Medieval (Idade Média/ Feudalismo)

Conceito de Idade Média
  • A Idade Média, também conhecida como Período Medieval, corresponde ao período da história europeia que se inicia com a desintegração do Império Romano do Ocidente séc. V e que finda no séc. XV.
  • As principais características da Idade Média foram a chegada dos povos bárbaros (germânicos), a consolidação do feudalismo e a expansão do cristianismo, na figura da igreja católica.

História, 1° Ano – Ensino Médio Período Medieval (Idade Média/ Feudalismo)

Alta Idade Média e Baixa Idade Média
  • A Idade Média pode ser dividida em duas fases principais:
  • a Alta Idade Média que se estende desde a formação dos reinos germânicos no séc. V até à consolidação do feudalismo entre os séc. IX e XII; e
  • a Baixa Idade Média, que dura até ao séc. XV, e que se caracterizou pelo crescimento das cidades, expansão territorial e forte desenvolvimento do comércio e também enfraquecimento do poder da igreja.

Sistema político, econômico e social que predominou na Idade Média (século. V ao XV) e que baseava-se em relações servis de produção...
  • O feudalismo tem inicio com as invasões germânicas (bárbaras ), no século V, sobre o Império Romano do Ocidente (Europa)...
  • As características gerais do feudalismo são: poder descentralizado (nas mãos dos senhores feudais), economia baseada na agricultura e utilização do trabalho dos servos. 

Feudalismo

http://www.sohistoria.com.br/ef2/medieval/index_clip_image003.jpg.Acesso em 26/07/2015

História, 1° Ano – Ensino Médio Período Medieval (Idade Média/ Feudalismo)


  • O feudalismo vem da fusão de duas cultura as: germânicas e as romanas.
  • O elemento principal da cultura germânica era o comitatus (suserania e vassalagem).
  • O elemento principal da cultura romana era o colonato (servilismo).
  • - Comitatus: é uma relação da sociedade feudal entre o suserano e o vassalo baseadas na honra e lealdade, onde o chefe guerreiro doa terras (feudo) aos seus guerreiros em troca destes feitos...
  • - Colonato: os servos surgem como uma forma de suprimir a falta de escravos nos campos romanos. O grande proprietário de terras arrendava lotes de sua propriedade e em troca recebia dos colonos parte da produção...

  • Portanto, após a queda do Império Romano ocorreu o surgimento do modo de produção feudal.

Feudalismo

https://encryptedtbn0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcSsqYo_mK4jqb8mYXSYJeF0jv_P1MPVNINS_Q-1yzPs8pWkkND_2g. Acesso em 26/07/2015

História, 1° Ano – Ensino Médio Período Medieval (Idade Média/ Feudalismo)



Feudalismo Organização Econômica.

ECONOMIA: - agrária e rural. - auto-suficiente. - feudo: unidade de produção 

  propriedade feudal ou senhorial. - pouco uso de moeda. - comércio reduzido  localizado. - baixo nível técnico. - sistema trienal de rotação de culturas: preservação do solo.

https://encryptedtbn3.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRR8_bUILHemmnKhOasvCwtNgQAZfCagfIthiwbo_0vb3qOQLwigA. Acesso em 26/07/2015

História, 1° Ano – Ensino Médio Período Medieval (Idade Média/ Feudalismo)

Divisões do Feudo:
    • Manso senhorial: Compunha metade das terras agriculturáveis do feudo e tudo que ali era produzido pelos servos era de domínio dos senhores feudais, encontrava-se o Castelo e eram terras de uso exclusivo do senhor. O trabalho realizado nessa área ocorria de 3 a 4 dias por semana e consistia na corveia...
    • Manso servil: Composto pelas áreas destinadas a produção de alimentos para os próprios servos. Cada servo recebia uma gleba (lote) onde produzia o próprio sustento. Todavia, parte desta produção era repassada aos senhores feudais para o pagamento das demais obrigações servis (talha, banalidades, dízimo)...
    • Terras comunais: Áreas de uso comum, tanto por senhores quanto servos, para pastagens, lenha, madeiras, assim como os bosques, pastos e lagos...Nos bosques e florestas os senhores feudais praticavam a caça, prática vetada aos servos...

Feudalismo Organização Econômica.

História, 1° Ano – Ensino Médio Período Medieval (Idade Média/ Feudalismo)

História, 1° Ano – Ensino Médio Período Medieval (Idade Média/ Feudalismo)

Feudalismo Organização Econômica – Ilustração...

Feudalismo Estrutura Política...

História, 1° Ano – Ensino Médio Período Medieval (Idade Média/ Feudalismo)
  • Prevaleceram na Idade Média as relações de vassalagem e suserania. O suserano era quem dava um lote de terra ao vassalo, sendo que este último deveria prestar fidelidade e ajuda ao seu suserano. O vassalo oferece ao senhor, ou suserano, fidelidade e trabalho, em troca de proteção e um lugar no sistema de produção. As redes de vassalagem se estendiam por várias regiões, sendo o rei o suserano mais poderoso. Todos os poderes, jurídico, econômico e político concentravam-se nas mãos dos senhores feudais, donos de lotes de terras (feudos).

https://encrypted-tbn3.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRpDacrfleN3Ue7LPnf6TCkDVRn4FXVWqqxCFd_3O-QxEk7RKrw4w. Acesso em 28/07/2015

História, 1° Ano – Ensino Médio Período Medieval (Idade Média/ Feudalismo)
    • Organização da Sociedade: - A sociedade feudal era estática (com pouca mobilidade social) e hierarquizada. - ...

    • - Estamental (posição social definida pelo nascimento, mas não por critérios religiosos como na Índia).

      - Poder vinculado à posse e extensão da terra.

      - Laços de dependência pessoal: SUSERANIA e VASSALAGEM

      SENHOR e SERVO.

-> CLERO: terra + poder político + poder ideológico (salvação)... - O clero (membros da Igreja Católica) tinha um grande poder, pois era responsável pela proteção espiritual da sociedade. Era isento de impostos e arrecadava o dízimo...;

-> NOBREZA: terra + poder político (defesa)... - A nobreza feudal (senhores feudais, cavaleiros, condes, duques, viscondes) era detentora de terras e arrecadava impostos dos camponeses...;

-> SERVOS: obrigações (corvéia, talha, banalidades, tostão de Pedro, dízimo, mão-morta, ...) - A terceira camada da sociedade era formada pelos servos (camponeses) e pequenos artesãos. Os servos deviam pagar várias taxas e tributos aos senhores feudais...;

-> VILÕES: quase servos, porém com menos obrigações... - o vilão era um descendente de camponeses livres, e, assim, poderia deixar o feudo se o quisesse. Tal como os servos, os vilões deviam, aos senhores, o pagamento da talha e a corveia...;

História, 1° Ano – Ensino Médio. Período Medieval (Idade Média/Feudalismo)
  • Corvéia: Trabalho gratuito dos servos, na agricultura, construções (pontes, fortificações)...
  • Banalidades: imposto pago pela utilização da infra-estrutura do feudo (moinho, forno, celeiro...).
  • Talha: porcentagem (quase sempre a metade) entregue ao senhor pela produção no manso servil.
  • Mão-morta: imposto pago pela morte do chefe da família, se caso continuassem utilizando as terras.
  • Capitação: imposto anual pago individualmente ao senhor feudal.

  • Os servos também eram obrigados a prestar serviço militar em caso de guerras e dar hospitalidade ao seu senhor.

Obrigações pagas pelos servos

http://reporteralagoas.com.br/novo/wp-content/uploads/2014/02/Tribunal_penal_na_Idade_Media.jpg. Acess em 28/07/2015

História, 1° Ano – Ensino Médio Período Medieval (Idade Média/ Feudalismo)
  • Igreja Católica reforçava: o papel da nobreza é a proteção material da sociedade.
  • Relações Suserania e Vassalagem:

  • Suserano: era o nobre que doava um “beneficium” (feudo) a um outro nobre.

    Vassalo: Era o nobre que recebia o benefício e fazia um juramento de fidelidade ao suserano.

VIDA BOA, ERA A VIDA DA NOBREZA...

História, 1° Ano – Ensino Médio Período Medieval (Idade Média/ Feudalismo)

Instituições política

» O suserano – protegia o vassalo de forma militar e jurídica. Tinha o direito de se apossar do feudo caso o vassalo morresse sem herdeiros. Podia também impedir o casamento do vassalo com uma pessoa que lhe fosse infiel.

» O vassalo - devia prestar ao suserano serviço militar, libertá-lo caso fosse aprisionado por inimigos e etc. Mas o vassalo não era um servo. A relação vassalo-suserano era um pacto militar.

História, 1° Ano – Ensino Médio Período Medieval (Idade Média/ Feudalismo)
  • Na Idade Média, a Igreja Católica dominava o cenário religioso. Detentora do poder espiritual, a Igreja influenciava o modo de pensar, a psicologia e as formas de comportamento na Idade Média.
  • A igreja também tinha grande poder econômico, pois possuía terras em grande quantidade e até mesmo servos trabalhando. Os monges viviam em mosteiros e eram responsáveis pela proteção espiritual da sociedade. Passavam grande parte do tempo rezando e copiando livros e a Bíblia.

História, 1° Ano – Ensino Médio Período Medieval (Idade Média/ Feudalismo)

Religião...

“O senhor feudal tinha o poder local, o rei na prática, tinha poderes limitados, já a Igreja tinha o poder universal”.

Proprietária de 1/3 das terras da Europa. Influenciava a vida e o comportamento das pessoas.

Função da Igreja Católica

https://encrypted-tbn1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcT57fv0EopWFQUZJIc1mDbNah5_DSHYhDX9EBRJQN-ynORzGdRz

História, 1° Ano – Ensino Médio Período Medieval (Idade Média/ Feudalismo)

Os monges responsáveis pela cópia a mão de livros era chamada de copistas.

Universidades: surgiram na baixa idade média (séc. XI ao XV). Mestres e estudantes em torno de uma cidade específica, destacava-se pelo ensino de determinada disciplina.

Oxford na Inglaterra e Coimbra em Portugal são instituições deste período.

Organização da Igreja Católica...

http://webmilk.com.br/wp-content/uploads/2015/07/monaquismoescritor.jpg

História, 1° Ano – Ensino Médio Período Medieval (Idade Média/ Feudalismo)

Tribunal da Inquisição: instrumento utilizado pela Igreja para impor seus valores e suas idéias ao conjunto da sociedade, normatizando o comportamento social.

o Tribunal do Santo Ofício (séc. XII), já perseguia, matava e torturava hereges.

Em 1252: é institucionalizado o Tribunal da Inquisição, pelo Papa Inocêncio IV na bula Ad extirparda.

Auto-de-fé: cerimônia pública que comprovava perante a todos o poder da Igreja.

Na Península Ibérica: os judeus foram os alvos preferenciais, principalmente pela questão econômica.

A INQUISIÇÃO MEDIEVAL...

http://revistavilanova.com/wp-content/uploads/2014/02/Tribunal-Eclesi%C3%A1stico-da-Inquisi%C3%A7%C3%A3o.jpg

História, 1° Ano – Ensino Médio Período Medieval (Idade Média/ Feudalismo)

Pintura:

Concentrou-se na representação humanizada de santos e divindades. Destacam-se os italianos Giotto e Cimabue.

Música:

Música Sacra: com o canto gregoriano (melodia simples e suave cantada em uníssono por várias vozes.

Música Popular: Trovadores e Menestréis

Literatura:

Poesia épica exaltando a ação dos cavaleiros em prol da cristandade

Poesia lírica exaltando o amor cortês dos cavaleiros em relação ás suas damas

Ciência e Filosofia:

Roger Bacon introduziu a observação da natureza e a experimentação como método básico do conhecimento científico.

Santo Agostinho e São Tomás de Aquino tinham como interesse harmonizar a fé cristã com a razão.

Cultura

História, 1° Ano – Ensino Médio Período Medieval (Idade Média/ Feudalismo)

O IMPÉRIO BIZANTINO

  • O Império Bizantino ou Império Romano do Oriente, cuja capital era Constantinopla, hoje, Istambul (atual Turquia), teve sua origem em 395, quando o imperador Teodósio dividiu o Império Romano em duas partes.
  • Ao contrário do ocidente, o Império do Oriente resistiu aos ataques bárbaros, sobrevivendo como Império independente até 1453, quando caiu sob o domínio dos turcos otomanos.

Em decorrência da posição geográfica, sua cultura foi uma junção de elementos orientais e ocidentais.

  • A língua grega, o respeito ao imperador e a religião cristã eram reflexos da cultura helenística.
  • Por outro lado, a interferência do estado na economia, a subordinação da Igreja ao Estado e o aparecimento de heresias marcaram a influência da cultura oriental sobre o povo bizantino.

A ORGANIZAÇÃO DO IMPÉRIO

  • À frente do Estado estava o imperador ou basileu, que tinha poder absoluto e teocrático (representante de Deus na terra).
  • O imperador era ao mesmo tempo chefe político e religioso, acreditando- se inspirado e assistido por Deus. A subordinação da Igreja ao estado denomina-se cesaropapismo.

O GOVERNO DE JUSTINIANO (527 565) – auge do Império




a) Expansão do império: um de seus objetivos era recuperar as terras e reconstruir o antigo Império Romano, por isso realizou campanhas militares no norte da África, na Itália e na península Ibérica.

No norte da África, um exército de 15.000 homens, comandados pelo general Belisário

(533) enfrentou e derrotou os vândalos, que

dominavam a região.

Na Itália, em 534, os bizantinos conseguiram derrotar o reino dos Ostrogodos e, posteriormente, tomaram o sul da Península Ibérica que estava nas mãos dos visigodos.

b) O Direito: a maior realização de Justiniano foi a revisão e codificação do Direito Romano, onde ele convocou o principais juristas bizantinos, que sob a orientação de Triboniano, publicaram o Corpus Júris Civilis (Código de Direito Civil), que era dividido em quatro partes:

  • Código, reunião das leis romanas publicadas desde o governo de Adriano;
  • Digesto, compilação dos trabalhos de jurisprudência;
  • Novelas, os decretos de Justiniano e seus sucessores;
  • Institutas, espécie de manual de Direito para uso dos estudiosos.
  • A Revolta de Nika: foi uma revolta de grande parte da população de Constantinopla, que estava descontente com os pesados tributos e a forma agressiva como eles eram cobrados. A revolta teve início no hipódromo da cidade e após oito dias de luta, os rebeldes foram derrotados pelo general Belisário, que matou mais de trinta mil pessoas.

  • d) A realização de inúmeras construções públicas, entre elas a Igreja de santa Sofia.

    e) Preocupado em aumentara a segurança do Império e exaltar sua imagem, Justiniano mandou construir numerosas fortalezas, estradas, pontes, hospitais, banhos públicos e centenas de igrejas.

e) Compilação pelos sábios bizantinos obras históricas, filosóficas e literárias criados pelos gregos e romanos.

  • Escreveram enciclopédias que continham importantes conhecimentos em diversos campos da ciência.
  • Guardadas e conservadas nos mosteiros bizantinos, essas obras exerceram grande influência sobre a história e a cultura do ocidente.
  • Após o governo de Justiniano, as fronteiras do Império começaram a ser ameaçadas por vários povos bárbaros. Em 1453, os turcos otomanos tomaram Constantinopla, pondo fim ao Império Bizantino.

A ECONOMIA BIZANTINA

  • Devido a posição geográfica de sua capital, tiveram como base de sua economia o comércio, com importantíssimas rotas comerciais entre Oriente e Ocidente.
  • Comercializavam especiarias (cravo, canela, pimenta-do- reino, gengibre, noz moscada e açúcar), artigos de luxo (tecidos finos, jóias, imagens religiosas, perfumes, couro, peles, pedras preciosas, tapetes, vinhos e objetos de arte), eram armazenadas em Constantinopla e, posteriormente distribuídas na Europa por comerciantes italianos.
  • Havia intervenção do estado na economia, impondo regulamentos ao comércio e à indústria (dedicada especialmente aos artigos de luxo) e reservado para si o monopólio da cunhagem de moedas.

A SOCIEDADE

  • Existiam grandes disparidades sociais com o predomínio do imperador e sua corte. Ela estava assim dividida:
  • Elite: banqueiros, grandes mercadores, donos de oficinas, grandes proprietários de terra e altos funcionários públicos;
  • Camadas intermediárias: pequenos comerciantes, artesãos funcionários subalternos e rendeiros;
  • Camadas pobres: trabalhadores urbanos, servos;
  • Escravos: pequena quantidade usados nas construções de grandes obras públicas e nos serviços domésticos.

A RELIGIÃO

  • A religião dominante era a cristã, mesclando elementos orientais e ocidentais.
  • O imperador era considerado sucessor dos apóstolos, a forma de governo era teocrática e despótica.
  • Devido á submissão da Igreja ao estado e a interferência dos imperadores nos assuntos religiosos gerou sérios problemas entre os imperadores e os papas.
  • Em 726, o imperador Leão III, proibiu a adoração de imagens sagradas, os ícones e determinou sua destruição, a referida heresia ficou conhecida como Iconoclasta.
  • Os monges reagiram, organizando várias manifestações contra o governo, em resposta, o imperador ordenou a destruição de centenas de pinturas e esculturas religiosas. O papa condenou energicamente a destruição dos ícones.

O CISMA DO ORIENTE

  • A partir daí as divergências entre o papado e o patriarcado acabaram por provocar em 1054, a separação definitiva das duas Igrejas, que recebeu o nome de Cisma do Oriente, surgindo assim a Igreja Católica Apostólica Romana liderada pelo papa e a Igreja católica Ortodoxa, liderada pelo patriarca de Constantinopla.

A CULTURA

  • Foi influenciada pela cultura grega e oriental, sendo o grego a língua predominante.
  • Na produção literária, mantiveram o elo de ligação com a cultura grega, pois mantiveram a poesia e a retórica, o cristianismo também deixou marcas de religiosidade na literatura.
  • Na pintura, os ícones em metal, madeira ou em mosaicos, são apreciadas até os nossos dias, como relíquias da humanidade.
  • Na escultura, destacam-se estatuetas de marfim de cunho religioso.
  • Na arquitetura, suas obras caracterizam-se pela riqueza e ornamentação e pelo predomínio de cúpulas nas construções, o que lhes dão o caráter suntuoso.

Decadência do Império Bizantino


Após a morte de Justiniano em 565, o Império entrou num processo de decadência, interrompido apenas por poucas décadas de prosperidade. Entre as razões de seu declínio citamos:
  • Enorme gastos militares para defender as fronteiras, constantemente ameaçadas por germanos, persas e árabes;
  • As violentas disputas pelo poder entre civis e militares;
  • A intolerância religiosa e a incompetência de vários de seus governantes;
  • O final político do império ocorreu em 1453, quando os turcos otomanos comandados pelo sultão Maomé II dirigiram um ataque fulminante e Constantinopla, vencendo sua resistência com balas de canhão, armamento moderníssimo naquela época.

Baixar 6.03 Mb.

Compartilhe com seus amigos:




©bemvin.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino fundamental
ensino médio
concurso público
catarina município
Dispõe sobre
Serviço público
reunião ordinária
câmara municipal
público federal
Processo seletivo
processo licitatório
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
ensino superior
Relatório técnico
Universidade estadual
Conselho municipal
técnico científico
direitos humanos
científico período
pregão eletrônico
espírito santo
Curriculum vitae
Sequência didática
Quarta feira
conselho municipal
prefeito municipal
distrito federal
nossa senhora
língua portuguesa
educaçÃo secretaria
Pregão presencial
segunda feira
recursos humanos
Terça feira
educaçÃO ciência
agricultura familiar