Guia de bolso para o programa de atençÃo integral à



Baixar 1,15 Mb.
Página3/3
Encontro15.09.2018
Tamanho1,15 Mb.
1   2   3

UMA VEZ SUSPEITANDO DE ASMA, QUAL O PRÓXIMO PASSO?

FAZER A CLASSIFICAÇÃO QUANTO AO CONTROLE

Tratando-se de uma patologia crônica, resta saber se há necessidade de se instituir a medicação para uso diário a fim de manter a doença sob controle.

Para isto, usam-se essas perguntas:

Em relação ao último mês:



  1. Os sintomas ocorrem mais de 2 vezes por semana*?

  2. Precisa usar broncodilatador (salbutamol) mais de 2 vezes por semana*?

  3. Teve sintomas noturnos alguma vez?

  4. Houve limitação de atividades (faltas escolares, ao trabalho, impedimento de atividade laboral ou lúdica)?

Se a resposta for SIM a 1 ou 2 dessas perguntas a Asma está parcialmente controlada

Se a resposta for SIM a 3 ou 4 dessas perguntas a Asma está não controlada

*Em crianças abaixo dos 5 anos as perguntas são modificadas, onde se lê “2 vezes por semana” deve ser substitui por “1 vez por semana”.

Frequentes exacerbações, também conhecidas como ataque de asma, (mais de três no último ano) ou uma única crise com risco de morte indicam risco para o paciente.

Em todos os casos é necessário iniciar o tratamento de manutenção

As tabelas de Classificação estão no Anexo 1
COMO TRATAR A ASMA?

TRATAMENTO

O tratamento é dividido em etapas que vão de 1 a 5 e que estão disponíveis no Anexo 2. Recomendamos que os pacientes que não obtenham controle até a etapa 3 sejam encaminhados das Unidades de Atenção Primária à Saúde (UAPS) para os serviços de referência.


Beclometasona HFA 50µg spray oral*** ou equivalente
1 puff 2 x ao dia (etapa 2 em qualquer faixa etária)
2 puffs 2 x ao dia (etapa 3 < 12 anos e etapa 2 nos > 12 anos e adultos)
Beclometasona HFA 250µg spray oral ou equivalente

1 puff 2 x ao dia (etapa 3 nos > 12 anos e adultos)
Salbutamol spray oral- 3 puffs até de 4/4h se crise
A Beclometasona 250µg e o Salbutamol 100 µg são padronizada para dispensação em todas as UAPS. A Beclometasona 50µg ainda não, porém pode ser adquirida gratuitamente (assim como as outras) em farmácias particulares conveniadas com o Programa “Aqui Tem Farmácia Popular”. Para isso, é necessário que o paciente leve sua identidade e CPF e a receita carimbada e assinada contendo o endereço do paciente e da instituição emitente. Se criança é necessário registro da mesma e documentos de um dos pais (ou pessoa com guarda judicial).

A dose máxima da Beclometasona recomendada pelo fabricante é 8 puffs/dia.

Sugere-se que o uso do Beclometasona - ou equivalente - seja precedido de dois puffs de 100cg de salbutamol (broncodilatador de alivio).
SEMPRE ORIENTAR A TÉNICA CORRETA DO USO DO DISPOSITIVO INALATÓRIO A CADA PRESCRIÇÃO!!! Está disponível do Anexo 3

Sempre higienizar a boca após a administração de corticoide inalatório para evitar dentre outros efeitos, a monilíase oral. Anexo 3

Crianças abaixo de 7 anos ou que não conseguem prender a respiração, idosos ou pacientes debilitados física ou mentalmente devem usar ESPAÇADOR. Esse pode ser adquirido na UAPS.

A tabela de equivalência de dose do corticoide inalatório está no Anexo 4

O manejo em crianças abaixo de 5 anos está no Anexo 5

COMO CONTROLAR UMA CRISE DE ASMA?
Em casa

O profissional deve sempre orientar o paciente a como conduzir uma crise que venha a se iniciar em casa. Chamamos de Plano de Ação. Usa-se broncodilatador Salbutamol spray oral- 3 puffs se estiver com falta de ar, chiado ou aperto no peito e tosse seca. Deve ser também prescrito na receita junto ao tratamento de uso contínuo (Beclometasona)

Iniciar logo no início da crise. Não esperar a crise piorar.

Iniciar com um puff de 20 (vinte) em 20 (vinte) minutos, até 3 (três) vezes e manter um puff de 4 (quatro) em 4 (quatro) horas se não houver melhora até a resolução completa dos sintomas.

Continuando a crise após 1ª (primeira) hora usando Salbutamol 100mcg, iniciar Prednisona ou Prednisolona (corticosteróide oral)

Se não houver melhora procurar urgente o Pronto Socorro (ver quadro abaixo)


Na Unidade de Atenção Primária à Saúde (UAPS)


CRISES LEVE-MODERADAS

SALBUTAMOL SPRAY 4-10 puffs * 20/20 min 3x- com espaçador

PREDNISONA / PREDNISOLONA** 1mg/kg via oral

Melhorou Não melhorou





ALTA COM SALBUTAMOL 4/4h ENCAMINHAR PARA PRONTO SOCORRO

+ CORTICÓIDE ORAL POR 5 DIAS REPETIR SALBUTAMOL ENQUANTO AGUARDA

A REMOÇÃO
IMPORTANTE !!!
Crises graves e com risco de vida devem ser encaminhadas imediatamente ao Pronto Socorro –com maior suporte- mas já inicia conduta com SABA e Corticóide oral enquanto aguarda remoção

Todas as UAPS têm disponíveis os kits de emergência da Asma

* A dose do salbutamol pode ser aumentada obedecendo 1 puff para cada 3 kg, ao máximo de 10 puffs por vez-GINA 2014

*** A dose do corticoide oral é 1-2 mg/kg no máximo 40mg

Se houver disponível na unidade também é recomendado oximetria de pulso e suporte de O2 se sat < 93%(adultos) e 95%(crianças) enquanto se aguarda remoção para unidade de maior suporte.


COMO CONDUZIR O TRATAMENTO MANTENDO O CONTROLE?
PELAS CONSULTAS DE SEGUIMENTO
Reavaliar o paciente a cada três meses, sendo que pode-se manter, diminuir ou aumentar a etapa do tratamento a partir do nível de controle da asma
Asma controlada →Baixar a dose de Beclometasona se possível (menor dose 50µg 2xdia)

Asma parcialmente controlada→ Asma não controlada → Aumentar a etapa

Um instrumento de fácil manejo que pode ser utilizado para o seguimento dos pacientes é o Questionário ACT (Anexo 6)

Antes de aumentar a etapa, verificar a adesão, uso correto do medicamento e dos dispositivos além do controle ambiental.


O PACIENTE PODE TER ALTA?
A ALTA
Suspender o tratamento somente com 1 (um) ano, estando o paciente assintomático durante este período e tendo alcançado a mínima dose do medicamento. Orientar que a asma pode reincidir (não tem cura).
Pacientes que não conseguem o controle da asma com dose alta de corticoide inalatório, mesmo com o uso diário e correto dos medicamentos devem ser referenciados.
ATENÇÃO PARA CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES
Verificar comorbidades como rinite, doença do refluxo gastroesofágico, obesidade esses fatores são importantes para o controle da doença, necessitando de tratamento concomitante com o da asma.

As medicações disponíveis nas UAPS e as doses estão no Anexo 7



MANEJO DA ASMA PELA EQUIPE SAÚDE DA FAMÍLIA E O NÚCLEO DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA (NASF)

Cada unidade pode determinar os profissionais responsáveis por cada atividade ou a mesma pode ser coletiva, desde que todas sejam executadas.



FAZENDO: PRÉ- CONSULTA/ PÓS-CONSULTA

1) AVALIANDO A ADESÃO (Sugestão: Enfermeiro e/ou Farmacêutico)

1.1 Está usando a medicação diariamente? Mostrar os frascos de Beclometasona e Salbutamol (do próprio paciente se tiver trazido e se não, usar o da unidade) e pedir o paciente/cuidador para apontar qual delas usa diariamente.

1.2 Colocar o frasco do Beclometasona no recipiente com água para estimar a quantidade.

1.3 Orientar limpeza dos espaçadores Anexo 8.

1.4 Orientar sobre o papel das farmácias conveniadas com a farmácia popular.
2) AVALIANDO A TÉCNICA (Sugestão: Enfermeiro e/ou Farmacêutico e/ou Assistente Social e/ou Técnico de Enfermagem e/ou ACS)
2.1 Está usando da forma correta?

Perguntar: Você pode me mostrar como está usando?

Pedir para demostrar exatamente como usa em casa: Expirar, colocar a bombinha na boca ou próximo, apertar e sugar, prender a respiração por 10 segundos. Lavar a boca após. Se criança, pedir a mãe para fazer com o espaçador
3) ORIENTANDO O PLANO DE AÇÃO (Sugestão: Enfermeiro e/ou Farmacêutico)
3.1 O plano de resgate está correto?

Pergunta: O que você faz quando começa a tosse insistente, falta de ar e cansaço?

A resposta deve ser que assim que começar a crise já inicia o Salbutamol. Fazer de 20 (vinte) em 20 (vinte) minutos 3 vezes ao todo, se não passar, fazer novamente e administrar o corticosteroide oral, se não resolver, vai para a emergência.

Demostrar se a técnica está correta: cada “bombada” (PUFF) aguardar 10 (dez) segundos.

Lembrar ao paciente para sempre andar com a bombinha aonde ele for (levar para: escola, trabalho, etc)
4) AVALIANDO O AMBIENTE (Sugestão: Agente de Saúde e/ou Enfermeiro)
Questionar sobre fumantes, animais, limpeza, tapete, cortina, pelúcia, colchão, ventilador...

ANEXO 1 – CLASSIFICAÇÃO DA ASMA PELO NÍVEL DE CONTROLE
Tabela para Classificação baseada no GINA2015- Avaliação da clínica do paciente nas últimas 4 semanas

Parâmetros

Asma controlada

Asma parcialmente controlada

Asma não controlada




Todos os parâmetros abaixo

1 ou 2 sintomas abaixo

3 ou mais dos parâmetros

Sintomas diurnos

Nenhum ou ≤ 2*x por semana

>2x por semana




Necessidade de medicação de alívio

Nenhum ou ≤ 2*x por semana

>2x por semana




Sintomas noturnos

Nenhuma

Qualquer




Limitação de atividades

Nenhuma

Qualquer



* Em crianças < 5 anos considerar sintomas ≤ 1 x por semana

Lembrar que crise intensa e/ou com risco de morte há necessidade de internação, e criança < 5anos com >2 exacerbações por ano leva a conduzir o paciente como Asma não controlada

ANEXO 2- TRATAMENTO EM ETAPAS
Manejo em Adultos e crianças maiores de 5 anos

ETAPA 1

ETAPA 2

ETAPA 3

ETAPA 4

ETAPA 5




CI dose baixa

CI dose baixa + LABA

CI dose média ou alta +LABA

Adicionar dose baixa de corticoide oral




Antileucotrieno

CI dose média ou alta

CI dose baixa + antileucotrieno



Dose alta de CI + antileucotrieno

AntiIgE

(SABA) B2 DE CURTA DE RESGATE

ANEXO 3- TÉCNICA INALATÓRIA



  1. Agitar o nebulímetro

  2. Expirar

  3. Colocar o nebulímetro na boca envolvendo todo o lábio para não deixar escapar o ar

  4. Acionar (apertar) o dispositivo

  5. Inspirar prendendo a respiração por 10 segundos

  6. Repetir o procedimento se necessário


Se usar espaçador



  1. Agitar o nebulímetro

  2. Encaixa-lo no espaçador

  3. Encaixar o espaçador no rosto da criança

  4. Acionar (apertar)

  5. Contar 10 segundos ou respirações

  6. Repetir o procedimento se necessário

  7. Higienizar a boca e rosto


ANEXO 4- TABELA DE EQUIVALÊNCIA DE DOSE DO CI


Dose

Beclometasona HFA – dose em µcg GINA 2015

Maiores de 12a

5 a 12 anos

< 5 nos

Dose baixa

100-200

50-100

100

Dose moderada

>200-400

>100-200

_

Dose Alta

>400

>200

_


ANEXO 5- MANEJO NAS CRIANÇAS MENORES DE 5 ANOS


ETAPA 1

ETAPA 2

ETAPA 3

ETAPA 4




Cl dose baixa

CI dose dobrada

Referenciar




Antileucotrieno

CI intermitente



CI baixa dose + Antileucotrieno




(SABA) B2 curta de resgate

ANEXO 6

Teste de Controle de Asma (ACT)
1. Durante as últimas 4 semanas, com que frequência sua asma impediu você de fazer coisas no trabalho, na escola ou em casa?

(1) O tempo todo

(2) A maior parte do tempo

(3) Algumas vezes

(4) De vez em quando

(5) Nunca


2. Durante as últimas 4 semanas, com que frequência você teve falta de ar?

(1) Mais de 1 vez por dia

(2) 1 vez por dia

(3) 3 a 6 vezes por semana

(4) 1 ou 2 vezes por semana

(5) Nunca


3. Durante as últimas 4 semanas, com que frequência seus sintomas de asma (chiado no peito, tosse, falta de ar, aperto no peito ou dor) acordaram você durante a noite ou de manhã mais cedo do que de costume?

(1) 4 ou mais noites por semana

(2) 2 ou 3 noites por semana

(3) 1 vez por semana

(4) 1 ou 2 vezes

(5) Nunca


4.Durante as últimas 4 semanas, com que frequência você usou sua medicação de alívio, como o inalador ou nebulizador (Como por exemplo: Salbutamol ou Fenoterol)?

(1) 3 ou mais vezes por dia

(2) 1 ou 2 vezes por dia

(3) 2 ou 3 vezes por semana

(4) 1 vez por semana ou menos

(5) Nunca


5.Como você avaliaria o controle da sua asma durante as últimas 4 semanas?

(1) Não controlada

(2) Mal controlada

(3) Um pouco controlada

(4) Bem controlada

(5) Completamente controlada


Quando a somatória das respostas das 5 questões for:

Menor que 20: Asma Não Controlada

De 20 à 24: Parcialmente Controlada

25: Asma Controlada


ANEXO 7

MEDICAMENTOS PARA A RINITE
Beclometasona 50mcg spray nasal – 1 jato 1 a 2 x ao dia. Em bula a partir de 6 anos

Budesonida 50mcg spray nasal- 1 jato em cada narina 1 a 2 x ao dia. Em bula a partir de 4 anos

Loratadina 5ml 1 x dia nos < 30 kg e 10 ml ou 1 cp 1 x dia nos > 30 kg Crianças a partir de 2 anos


ANEXO 8

LIMPEZA E MANUTENÇÃO DOS ESPAÇADORES
NA UNIDADE DE SAÚDE- Espaçadores de uso comunitário

Materiais necessários: Espaçador universal; nebulimetro de broncodilatador; máscara; Luvas de procedimento, Recipiente plástico opaco com tampa.

Principais atividades:


  • Limpar mesas e bancadas com álcool a 70%;

  • Checar se a pia encontra-se completa com: água, sabão líquido, papel toalha, cesto de lixo forrado com saco plástico preto (lixo comum) com tampa de acionamento por pedal ou lixeira sem tampa;

  • Lavar as mãos e colocar luvas de procedimento;

  • Informar o procedimento ao paciente ou acompanhante;

  • Remover tampa de nebulímetro (bombinha);

  • Agitar o nebulímentro (bombinha) cerca de dez vezes (Figura 1);

  • Acoplar o nebulímentro (bombinha) ao espaçador;

  • Posicionar o paciente com o tronco ereto;

  • Posicionar máscara na face do paciente;

  • Pressionar a parte superior do nebulímetro (bombinha) (Figura 2) e contar dez movimentos de inspiração e expiração ou dez segundos, repetir procedimento conforme prescrição médica.

  • Recolher o material;

  • Retirar as luvas;

  • Lavar as mãos;

  • Ao final do expediente proceder a limpeza e desinfecção das máscaras usadas durante o turno: lavar e submergir em solução de hipoclorito a 1% durante 30 minutos;

  • Enxaguar com bastante água potável e secar ao ambiente;

  • Este espaçador só poderá ser reutilizado após duas horas (2h) da retirada do mesmo da solução de hipoclorito a 1%, para que venha a diminuir os efeitos do cloro sobre o medicamento.

  • A solução de hipoclorito a 1% tem validade de 12 horas e todo material imerso deve estar bem seco para evitar a sua rediluição com consequente alteração da concentração do princípio ativo – cloro.

  • Detergente enzimático tem ação sobre a matéria orgânica, com alta penetração, sendo atóxico, não corrosivo, pH neutro e não iônico.

  • Armazenar em depósito plástico opaco com tampa;

  • Manter a solução em depósito plástico opaco e fechado;

  • Lavar o recipiente diariamente com água e sabão, enxaguar e secar no momento da troca de solução;

  • Identificar o recipiente com: nome, data e hora da troca;

  • Descartar máscaras sempre que apresentarem falha em sua integridade;

  • Lavar as mãos.



CÁLCULO DA DILUIÇÃO DO HIPOCLORITO
Para calcular o volume que deve ser retirado de uma destas soluções e obter uma nova solução em concentração diferente, emprega-se a fórmula:

Vr = (Cf x Vf)/Ci

Onde:
Vr = volume em mililitro a ser retirado da solução que se dispõe no hospital

Cf = concentração final da solução que se quer preparar (em % ou ppm)

Vf = volume final em mililitros que se quer obter

Ci = concentração inicial da solução que se dispõe no hospital
Exemplo: preparar 1 litro de solução de hipoclorito de sódio a 1% (10.000 ppm), a partir de uma solução a 2,5% (25.000 ppm):
Vr = (Cf x Vf)/Ci

Vr = (1% x 1000 mL)/2,5% = 1000/2,5 = 400 mL (retirar 400 mL da solução de hipoclorito a 2,5% e acrescentar a 600 mL de água para obter 1 litro da solução a 1%).


ORIENTAÇÕES PARA HIGIENIZAÇÃO DO ESPAÇADOR NO DOMICÍLIO


    1. A limpeza deve ser feita a cada 7 dias, utilizando água e detergente neutro. Desconectar as peças, lavando cada uma cuidadosamente;

    2. Mergulhar a câmara do espaçador em solução de água com detergente neutro (2 gotas para cada litro de água) por 30 minutos. Durante este período, deixar as outras partes secando naturalmente;

    3. Enxaguar tudo em água corrente, as partes internas e externas;

    4. Colocar para secar ao ar livre;

    5. Guardar o espaçador montado em recipiente tampado;

    6. Não utilizar escovinhas nem buchas ao lavar o espaçador.


REFERÊNCIAS

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Doenças respiratórias crônicas. Cadernos de atenção básica no 25. Brasília: Ministério da Saúde; 2010

Global Initiative for Asthma. Global Strategy for asthma management and prevention 2015

Global Initiative for Asthma (GINA). Guia de Bolso para Tratamento e Prevenção da Asma: para Adultos e Crianças com mais de 5 anos. Resumo direcionado aos profissionais da atenção primária à saúde para utilizar em conjunto com relatório principal - 2014.

Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT). Diretrizes da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia para o Manejo da Asma – 2012.J Bras Pneumol. 2012;38(supl.1):S1-S46.



LINKS IMPORTANTES:

http://www.jornaldepneumologia.com.br/pdf/suple_200_70_38_completo_versao_corrigida_04-09-12.pdf
http://www.ginasthma.org/local/uploads/files/GINA_Pocket_Portuguese2014.pdf

http://www.ginasthma.org/local/uploads/files/GINA_Report_2015

http://www.ginabrasil.com.br ou http://www.ginanobrasil.com.br
1   2   3


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal