FicçÃo e memória em quase memória, quase romance, de carlos heitor cony autora



Baixar 46,66 Kb.
Encontro21.11.2016
Tamanho46,66 Kb.


FICÇÃO E MEMÓRIA EM QUASE MEMÓRIA, QUASE ROMANCE, DE CARLOS HEITOR CONY

Autora: Elizane de Oliveira Santos (UNIANDRADE)

Orientadora: Profª Drª Mail Marques de Azevedo (UNIANDRADE)

Introdução

No livro Quase memória, quase romance, Carlos Heitor Cony contrapõe “romance” e “memória” como gêneros literários. O livro seria, então, um quase romance? Uma quase memória? Uma quase biografia de Ernesto Cony Filho ou quase autobiografia de Carlos Heitor Cony? Trata-se de narrativa em primeira pessoa, cujo narrador-protagonista relata as memórias da vida aventurosa de seu pai. É possível observar que existe uma provocação do autor sobre o que seria ou quem seria ficção nesta obra. Segundo Cony, para classificar a obra como romance, “falta-lhe, entre outras coisas, a linguagem. Ela oscila, desgovernada, entre a crônica, a reportagem e, até mesmo, a ficção” (CONY, 1995, p. 7). O autor prefere classificá-lo como “quase romance”, pois, “além da linguagem, os personagens reais e irreais se misturam, improvavelmente, e para piorar, alguns deles com os próprios nomes do registro civil. Uns e outros são fictícios” (CONY, 1995, p. 7). Na obra, o leitor é levado a se deleitar diante das peripécias do pai do autor, Ernesto Cony Filho, transformado em personagem, sempre otimista, crente de que tudo o que fazia iria dar certo e que, o amanhã era sempre para se fazer grandes coisas. Desse modo, a narrativa parece transformar-se ora em autobiografia, ora em biografia, ora em memória e ora em romance fantástico.

Deriva daí a necessidade de rever os conceitos de romance e memória, a fim de examinar as características dos gêneros no texto de Cony e cumprir o objetivo do presente trabalho para analisar o diálogo entre ficção e realidade, no processo narrativo da obra.

Massaud Moisés (1984, p. 451-452) define romance como “composição em prosa, [...] forma literária universalmente considerada ´a mais independente, a mais elástica, a mais prodigiosa de todas’”. Memória é o relato, na primeira pessoa do singular, que visa à reconstituição do passado com base nas ocorrências e nos sentimentos gravados, segundo as duas formas (a voluntária e a involuntária) que pode assumir. Para Moisés (1984, p. 50), memória(s) “implicam um à vontade na reestruturação dos acontecimentos e a inclusão de pessoas com as quais o biógrafo teria entrado em contato”.

O narrador-personagem estava, no dia 28 de novembro de 1995, almoçando com a secretária e alguns amigos no Hotel Novo Mundo, no Flamengo, Rio de Janeiro, quando foi abordado pelo porteiro do hotel, que lhe entregou um embrulho. Quando viu seu nome no envelope, identificou imediatamente a letra de seu pai: só ele escreveria o nome do narrador daquela maneira. As dobras no papel, o nó no barbante ordinário que só ele daria, tudo o identificava. O impressionante é que seu pai já havia falecido há dez anos. Assim, ocorre um episódio de memória involuntária. O embrulho característico desencadeia a avalanche de recordações que constituirão o enredo do livro a que se acrescenta novo elemento, a fantasia.

Memória e ficção

Paulo Rossi (2007) indica que na tradição aristotélica a memória se liga ao mundo da fenomenologia sendo o termo usado “psicofisiologia”. A memória e a imaginação pertencem à mesma parte da alma, e lembrar é a recuperação de conhecimento e de sensações anteriormente experimentados. Já na tradição platônica a memória se apresenta ligada à doutrina misteriosófica da reencarnação. “[...] a anamnese platônica [...] não deriva dos sentidos: é um reconhecimento de essências, de coisas inteligíveis e universais. Todo o conhecimento é uma forma de lembrança e a anamnese atua num nível que não é o da empiria e da psicologia” (ROSSI, 2007, p.16).

Para Rossi (2007), a memória como ato de lembrar é a capacidade de recuperar algo que se possuía antes e que foi esquecido. Sua concepção inclina-se, desse modo, para a tradição aristotélica, para a qual os sentidos são importantes na recuperação de lembranças, ou memórias, do já conhecido ou experimentado. Na obra de Cony, o narrador-personagem é mergulhado nas lembranças, a princípio pela visão do embrulho em geral, depois por sensações específicas, dentre elas as olfativas.
Sobre a mesa de trabalho o embrulho-envelope parece cheirar mais e melhor. Eu nem preciso aproximar o rosto: sinto-lhe o cheiro de alfazema. Mas logo desconfio que, continuando a contemplá-lo, começo a sentir dentro do cheiro maior outros cheiros menores, que identifico como dele embora em escala diferente. Um cheiro vivo, mas distante, da brilhantina que ele usava, um potezinho pequeno e redondo com bonito rótulo dourado. Não esqueci o cheiro, mas não lembro o nome, era francês, talvez Origan, de Gally, qualquer coisa parecida. (CONY, 1995, p. 17).
Associado às lembranças provocadas pelo cheiro da brilhantina o narrador lembra um episódio ocorrido na chegada ao seminário quando Padre Cipriano, o responsável pelos alunos novos, confisca o pote de brilhantina que o pai lhe dera. Algum tempo mais tarde o personagem descobre, entre os pertences do padre, o pote confiscado, vazio. Outro cheiro menor, perceptível no embrulho, é o aroma marcante de manga madura que o faz lembrar do episódio cômico e vexaminoso que vivera, ainda no tempo de seminário, por ocasião do enterro do pai do padre Motinha. O personagem faz parte da procissão de seminaristas que acompanha, compungida, o carro fúnebre quando, repentinamente ....
Ouviu-se o baque de um corpo que caía. O estrondo fez o pranto parar, emudeceram os gritos, calaram-se os gemidos. [...] Todos olharam na direção de onde viera o estrondo. Temendo pelo pior, fui dos últimos a olhar. [...] Havia uma mangueira, uma vasta e verde mangueira, ao lado do jazigo perpétuo dos Mota de Santa Cruz. [...] alguém subira na árvore e tentara cutucar os frutos que ameaçavam amadurecer. Apesar de dominar a técnica para momentos que exigiam equilíbrio e sangue-frio, o pai cometera algum erro fatal: caiu em cima da carroça que trazia as coroas que seriam depositadas no jazido perpétuo dos Mota de Santa Cruz. (CONY, 1995, p.31).

Este é apenas um dos episódios cômicos recorrentes nos relatos das aventuras do pai, escritos pelo narrador-personagem. Pai e filho são personagens de uma história em que se revezam no papel de agentes da trama.

A memória involuntária, deflagrada pelo embrulho, associa-se todo um processo de resgatar, com maior ou menor esforço, reminiscências do passado, isto é, um mecanismo de memória voluntária, próprio do gênero literário memórias. Recorremos, ainda, a Paolo Rossi (2007), que detalha algumas características do gênero: a) persistência, a uma realidade de alguma forma intacta e contínua; b) um voltar a lembrar, que requer um esforço da mente, uma busca voluntária entre os conteúdos da alma; c) rememoração que se dá por fixação do que antes se viu, ouviu e experimentou, em suma, uma espécie de pesquisa.

Para o narrador-personagem, uma lembrança leva a outra, e ele, parado, olhando o embrulho, vai buscando e reconstruindo as histórias fantásticas, cuja estrela principal era sempre o pai. O pai fora o herói da sua infância, capaz de recorrer a quaisquer expedientes para dar o melhor para a família. Quando perdeu o emprego no jornal, vendeu rádio, instalou antenas, criou e vendeu galinhas e ovos. Era um homem bom, proativo e trabalhador que ainda arrumava tempo para sua grande paixão: a confecção dos balões de Santo Antônio. O pai era muito cuidadoso e muito entendido na arte de confeccionar, soltar e apanhar os balões. Houve até um gigante que voltou para ele.


O importante, no caso, é que o balão, além de ser gigante, fora o mesmo que ele fizera durante semanas [...]. Eu temia que o pai se perturbasse, se atrapalhasse na hora de receber o gigante que vinha do céu e voltava para ele. [...]. Foi então que o pai, que há muito não pegava um colosso daqueles, mostrou que ainda era o apanhador de balões de São Cristóvão [...]. (CONY, 1995, p.164-165).

Lê-se admiração inabalável na descrição épica da habilidade do pai em construir pacientemente o balão imenso, “até erigir o monumento de cor e luz que atravessou duas vezes o céu da cidade e ali estava, prostrado, vencedor do bom combate, cadáver” (CONY, 1995, p. 167).

Ao conceito de memória como gênero literário, contrapõem-se aqui as características de elasticidade, pluralidade, liberdade e complexidade da ação, apontadas no romance por Massaud Moisés. A construção de Quase memória, quase romance é, na realidade, exemplo de flexibilidade narrativa, servindo-se de recursos próprios de vários gêneros: o tom elevado da epopeia, a comicidade da paródia e da sátira, a intertextualidade, relatos da história do período e, principalmente, as referências extratextuais das narrativas de vida.

Aventamos, no início, a hipótese de categorizar Quase memória, quase romance como romance biográfico ou, mesmo, autobiográfico, mas descartando, de imediato, a possibilidade de biografia ou autobiografia canônicas. Os referentes extratextuais ─ Carlos Heitor Cony e Ernesto Cony Filho ─ são óbvios, como óbvia é a identidade autor-narrador-personagem, indispensável para que se estabeleça o pacto autobiográfico entre leitor e autor. Trata-se do conceito básico de Philippe Lejeune (2008) para identificação da autobiografia: a verdade do relato é assegurada pela “assinatura” no texto, isto é, o nome do autor na capa do livro, idêntico ao do personagem-narrador.

O nome Carlos Heitor Cony, estampado na capa do livro, repete-se já nas primeiras páginas, quando o narrador-personagem recebe o envelope: “Uma das faces estava subscritada, meu nome em letras grandes e a informação logo abaixo, sublinhada pelo traço inconfundível: ‘Para o jornalista Carlos Heitor Cony. Em mão’” (CONY, 1995, p.10). A partir deste ponto é possível identificar autor e narrador-personagem, mas não caracterizar autobiografia, gênero definido por Lejeune (2008) como “narrativa retrospectiva em prosa que uma pessoa real faz de sua própria existência, quando focaliza sua história individual, em particular a história de sua personalidade” (LEJEUNE, 2008, p.14). O foco principal da narrativa em análise são as aventuras e a maneira de ser do homem mais velho, Ernesto Cony Filho, e não a personalidade do narrador-personagem. São características das memórias, mas não da autobiografia. O embrulho misterioso, cujo conteúdo e origem não são esclarecidos, constitui um recurso do fantástico, o que afasta, ainda mais, a possibilidade de verdade referencial. Por outro lado, mesmo na autobiografia canônica, por mais que o autor mergulhe nas lembranças de coisas que ele mesmo testemunhou, usará amplamente dos recursos da ficção para preencher lacunas e estabelecer coerência narrativa com a consequência de reinventar e ficcionalizar episódios rememorados.

Quase memória, quase romance, compõe-se de vinte e cinco capítulos, é escrito em primeira pessoa, sem obedecer à sequência dos fatos. O narrador-personagem descreve com riqueza de detalhes fatos e personagens reais e fictícios. O pai é o foco principal de um momento memorialístico e nostálgico do narrador.

Dispomos, então, de distintas formas: memórias e romance. Resultando no híbrido, pois conforme Luiz Costa Lima:


[...]memória e/ou autobiografia e ficção. Embora seja essa uma prática comum entre romancistas contemporâneos, não deixa de ser uma dificuldade para o crítico de orientação teórica: como será possível combinar duas modalidades discursivas de formatos tão diversos? Em que medida a ficção pode se meter na biografia de uma pessoa cuja vida não é segredo? Em termos abstratos só uma resposta parece cabível: desde que a ficção, sem se diluir a si mesma, respeite o percurso biográfico. (LIMA, 2006, p. 265).

Para Luiz Costa Lima (2006), o autor quando narra a sua obra, frequentemente contém momentos da sua face interna, ele vê a si próprio. Cony narrador descreve fatos que foram colocados, de forma minuciosa, de como ele via o pai, ou a situação em que o pai era a personagem principal. Também descreve com detalhes momentos particulares vividos por ele, eram sentimentos muito íntimos. O relato simultâneo de situações factuais e situações imaginárias construídas por lembranças vagas e imprecisas do narrador dificulta o enquadramento da obra como gênero literário: romance, autobiografia, biografia ou um híbrido de ficção e referencialidade.

Assim, como o embrulho trouxe à tona um turbilhão de pensamentos e lembranças para o narrador-personagem, para Paolo Rossi (2007), existem inúmeros lugares que estão presentes imagens com a função de trazer alguma coisa à memória. Podemos percebê-las em cemitérios, cemitérios de guerras, sacrários, monumentos que nos remetem a um passado de grandes eventos ou das grandes tragédias. No texto em análise, o narrador-personagem, por causa do embrulho, também é levado rememorar um episódio histórico-cultural de que seu pai fora testemunha.
Anos depois, com a vitória da Revolução de 30, enquanto Vargas não chegava ao Rio para receber o espólio do movimento militar, o povo do Rio de Janeiro ficou assanhadíssimo. [...] Colocou um lenço vermelho no pescoço e, já que não chegara a haver uma batalha que desse glória a todos, fez o que estava a mão: quebrou vidraças, botou fogo em algumas repartições do governo, empastelou A Crítica, de Mário Rodrigues, e incendiou O Paiz. (CONY, 1995, p. 64).

Nas situações históricos-culturais, no aspecto de entrelaçamento entre memória-esquecimento, a existência de um passado é tão forte quanto ao futuro. Rossi citando Balwin (ROSSI, 2007, p. 25) diz que: “[...] Enquanto nos recusarmos a aceitar o nosso passado, em lugar nenhum, em nenhum continente, teremos um futuro diante de nós [...]. Tenha consciência de suas origens: se conhecer suas origens, aí não haverá limites que você não possa superar” (ROSSI citando Baldwin, 1962, p.112, 116-7). Na obra de Cony, fatos como a ditadura militar são lembrados. Estes acontecimentos fazem parte da história-cultural da nação brasileira.


Tudo começou com o movimento militar daquele ano. Na virada de março para abril veio o golpe, com a deposição do presidente João Goulart. Bem pior do que em 30, começaram as prisões, as delações, a caça às bruxas, a miséria humana irrompendo de todos os cantos e contaminando tudo. (CONY, 1995, p. 172)

Inúmeras vezes, foram vividos e descritos, o afastamento das lembranças do passado até serem totalmente apagadas. “Todos os que dedicam sua vida a lembrar de um passado mais ou menos distante sabem que passado é um ‘país estrangeiro’, sabem que ele deve ser reconstruído com fadiga no decurso de cada geração” (ROSSI, 2007, p.30). O narrador-personagem descreve situações históricos-culturais que merecem respeito, devendo, a memória, perpetuar pelos tempos.


[...] a situação agora estava não era para folclore. Falavam em fuzilamentos, em gente que era embarcada nos aviões militares e atirada em alto-mar. Sempre que há muita mudança violenta de poder, a regra dos entendidos é sumir, evaporar-se, não se expor, nos primeiros momentos da rebordosa, um sargento qualquer pode decidir sobre o fuzilamento. Depois as coisas se organizam, até mesmo a violência é estruturada, até mesmo o arbítrio. Mas quem, no meio tempo, foi fuzilado, fuzilado fica. (CONY, 1995, p.175).

Assim, como o fato ocorrido no Brasil, é visto com relação a humanidade o conceito de Rossi (2007), que explica o terror que temos pela amnésia, o interesse constante pelo olvido e memória, sempre tentando, de modo aceitável, conectar num conjunto, o passado, o presente e o futuro. Apagar a memória tem a ver com esconder, despistar, ocultar, confundir os vestígios, afastar a verdade, destruir a verdade. O convite ao esquecimento tem a ver com as ortodoxias, de maneira a levar todo pensamento cativo a um enrijecimento de conceito de mundo. Muitos, na idade média, foram condenados à morte, foram presos ou, até mesmo, queimados vivos condenados a fogueira pela inquisição romana. Já o século XX também está cheio...

[...] de censuras, apagamentos, ocultações, sumiços, condenações, retratações públicas e confissões de inúmeras traições, além de declarações de culpa e vergonha. Obras inteiras de história foram reescritas, apagando os nomes dos heróis de um período; catálogos editoriais foram mutilados, assim como foram subtraídas fichas nos catálogos das bibliotecas; foram publicados livros com conclusões diferentes das originais, passagens foram retiradas, textos foram montados em antologias numa ordem favorável a documentar filiações ideias inexistentes e ortodoxias. (ROSSI, 2007, p. 33).

O embrulho levaria o narrador-personagem a reconstruir um quadro de que muitas partes foram esquecidas. Para Maurice Halbwachs (2006), muitas pessoas juntando suas lembranças conseguem descrever com mais exatidão os fatos e objetos observados ao mesmo tempo pelo grupo. O romancista parte de memória individual, de observação individual e ora de memória coletiva, de situações vividas coletivamente. Descreve lembranças que lhe foram contadas, mas que fazem parte do quadro da sua memória.


O marinheiro sabia poucos ofícios em terra. Mesmos assim, depois de dormir o dia inteiro, à noite se instalava numa mesinha dos fundos do bar do Zica e ali ficava ensinado truques de baralho e outros truques – nem todos inocentes, como o de transformar uma nota de dez qualquer coisa (dólares, pesos, francos, liras, coroas ou cruzeiros) em uma de cem. (CONY, 1995, p.41).

O narrador-personagem relata como o marinheiro, amigo de seu pai, havia lhe ensinado a dar nós, e consequentemente lhe veio à memória uma história que era sempre contada por ele, de acordo com a citação acima. Segundo Halbwachs (2006), a descrição desta cena não pode ser considerada como lembrança já que foi um episódio contado pelo pai vivido e presenciado por ele e não por Cony, que sem este testemunho seria incapaz de reconstruir qualquer parte deste episódio. Assim como o que aprendera a dar nó, o pai também contou, na versão dele, o episódio de como o jornal em que trabalhava na época, e que passava por uma grande dificuldade financeira, resolveu lançar um terceiro candidato a presidência da república. Isso iria tirar o jornal do buraco e o novo presidente, que seria mineiro, salvaria o Brasil. Uma história hilariante e difícil de acreditar nas artimanhas que dois golpistas usaram para extorquir o governador de Minas Gerais, em prol de uma vaidade governamental. Mas “o resultado de tudo isso foi que, o pai, além de ficar sem salário aquele mês, logo depois ficaria sem emprego” (CONY, 1995, p. 126).

Para Maurice Halbwachs (2007), a memória individual não é uma condição necessária para o reconhecimento das lembranças. Quando a lembrança já foi suprimida o testemunho de outros podem ajudar, desde que existam pontos de contato entre as lembranças de ambos, sendo possível que a recordação seja reconstruída sobre uma base comum. Separadamente nenhum quadro do passado comum é verdadeiramente exato, mas quando reconstruído coletivamente, a aproximação da veracidade dos fatos é muito evidente.

Pode-se dizer que os nossos sentimentos e pensamentos mais pessoais têm origem nas circunstâncias sociais. “Se pode falar de memória coletiva quando evocamos um fato que tivesse lugar na vida de nosso grupo e que víamos, que vemos ainda agora no momento em que o recordamos, do ponto de vista desse grupo” (HALBWACHS, 2007, p.41).

O esquecimento se faz presente na vida das pessoas quando começam a tomar conta dos fatos da sua vida atual, o que ficou no passado vai se definhando lentamente, ao ponto que muitas vezes são necessários momentos de rememoração para remeter ao mundo onde se viveu, com lembranças muitas vezes intensas ou fracas, de pessoas, lugares ou situações, como no momento em que Cony recebeu o embrulho, imediatamente se lembrou do pai. Perdendo o contato com estes fatores do passado, inevitavelmente entra em cena o esquecimento.

As lembranças não são percebidas, da primeira infância, em que os reflexos dos objetos exteriores não se misturam com imagens e pensamentos de outras pessoas e grupos. Para Halbwachs (2007), só se pode ter lembranças depois que a pessoa se torna um ser ativamente social. Na infância, em muitos momentos, a família não está por perto, a criança, então, passa por circunstâncias inevitáveis, podendo se chocar e ferir, começando aí, a preparação para a vida adulta. O narrador-personagem passou por momentos difíceis na infância, no período escolar. Biografias do autor informam que o menino começou a falar com cinco anos de idade, depois de levar um susto com o barulho de um hidroavião que se aproximou da praia onde estava brincando com o pai.


Tudo por causa do diabo de minha dicção. Eu não pudera, até então, frequentar regularmente os colégios. Além de criar problemas com colegas – que caíam em cima de mim, maltratando-me, fazendo com que eu me habituasse à solidão que no fundo eu ainda não desejara, os professores desanimavam de me ensinar a pronunciar certos ditongos, perdiam a paciência, chamavam o pai, aconselhavam a que me arranjasse outro colégio. (CONY, 1995, p.103)

Na obra em análise, provavelmente o narrador-personagem se recorda muito bem desse tempo porque sofria bullying na escola. Esta parte da lembrança é muito forte para ele, e não precisaria se apoiar em nenhuma memória coletiva para relembrar os fatos. Já em contrapartida a família é o seio do lar para uma criança, lugar onde ela participa mais intimamente nesta época de sua vida, lugar de presença, segurança e felicidade:

Sabendo que era uma festa, ele me acordava, embora minha mãe reclamasse, acordar uma criança por causa tão boba, os balões demorariam a ser feitos, haveria tempo para aproveitar aquilo tudo, ela não entendia que eu tinha pressa, e o pai também. Se tínhamos que ser felizes, queríamos ser felizes já. (CONY,1995, p.96).

O narrador personagem, também descreve histórias e acontecimentos hilariantes e inesquecíveis que, de maneira geniosa, faz com que o leitor se deleite nos relatos divertidos, como, por exemplo, o episódio em que o pai resolveu fabricar perfumes com o seu amigo Giordano, sem conhecimento na área e autocrítica, a experiência não deu muito certo.


[...] As duas gotas que colocara no pulso esquerdo de Giordano, pelo natural das coisas e pelos rumos inexoráveis da ciência, já deviam estar evaporando. Mas o fixador [...] em vez de fixar o perfume havia fixado o álcool. A chama descontrolada do colossal pavio, lambeu o pulso de Giordano, o álcool [...] havia se entranhado nos poros do italiano. [...] Assim obtivemos, aos gritos, a terceira e última palavra de Giordano Naquela noite: - Merda! (CONY, 1995, p.38).

Conclusão

A obra Quase memória, quase romance é enfeitada de romance, mas se torna “Quase romance” porque a “quase memória” se faz presente pelos relatos da realidade com uma pitada de ficção. O entrelaçamento entre o real e o imaginário evoca um passado distante onde a figura paterna ganha vida e os limites da individualidade são ultrapassados pelos eventos históricos culturais retratados em suas lembranças. O narrador-personagem se mostra um contador de causos contados de maneira deliciosa, meticulosa e muitas vezes nostálgica de “tempos que ficou fragmentado em quadros, em cenas que costumam ir e vir de minha lembrança, lembrança que somada a outras nunca forma a memória do que eu fui ou do que outros foram para mim” (CONY, 1995, p. 95). Assim, percebe-se que a narrativa abarca a essência da realidade, recriada e subvertida pela memória, em uma mescla intrincada de biografia e traços autobiográficos, em níveis variáveis de ficcionalidade. Enfim, como diz o próprio autor: “Uma quase-memória, ou um quase-romance, uma quase-biografia. Uma quase-quase que nunca se materializa em coisa real como esse embrulho, que me foi enviado tão estranhamente. E, apesar de tudo, tão inevitavelmente” (CONY, 1995, p. 95).



Referências

CONY, Carlos Heitor. Quase memória, quase romance. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.


FIGUEIREDO, Eurídice. Mulheres ao espelho. Rio de Janeiro: UERJ, 2013.
HALBWACHS, Maurice. Memória individual e memória coletiva. Trad. de Beatriz Sidou. São Paulo: Centauro, 2006.
LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico, de Rousseau à internet. Belo Horizonte: UFMG, 2008.
LIMA, Luiz Costa. História. Ficção. Literatura. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.
MOISÉS, Massaud. Dicionário de termos literários. São Paulo: Cia das Letras, 1985.
ROSSI, Paolo. O passado, a memória, o esquecimento. Trad. Nilson Moulin. São Paulo: UNESP, 2007.


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal