Favor ler com atenção os dois textos abaixo e responder as questões que se seguem



Baixar 8,54 Kb.
Encontro21.08.2018
Tamanho8,54 Kb.
Terceiro Colegial


  1. Favor ler com atenção os dois textos abaixo e responder as questões que se seguem:




  1. Como filósofo, Sócrates tinha o objetivo de ajudar as pessoas a ter nobreza de alma. Percebeu que, para isso, era preciso despertar nelas um verdadeiro amor pela verdade. Por isso, ele passava muito tempo na ágora dialogando com os seus concidadãos. No pensamento socrático a alma se purifica no diálogo, ou seja, pela dialética, que se vale da ironia, da aporia e da maiêutica.




  1. Como organizar o território de uma cidade em constante mudança? Será melhor assumir o caráter de permanente provisoriedade do lugar? Mas isso, esse lugar, continua sendo uma cidade? [...] O ir às compras, o shopping, é a principal atividade do cidadão. [...] De fato, política e cidade são irmãs siamesas. Política é uma palavra que tem a mesma raiz grega de polis, cidade. E [...] ‘a cidade por excelência é a cidade clássica e mediterrânea, onde o elemento fundamental é a praça, lugar para a conversação, a disputa, a eloquência, a política.’ [...]. O desafio apresentado aos planejadores e administradores urbanos é o de como implementar um novo conceito de poder político comunitário local, afirma Henrique Rattner, professor da USP e da FGV-SP. MORENO, Júlio. O futuro das cidades. São Paulo: Editora SENAC, São Paulo, 2002. p.12-14.

A) Escolha um dos elementos do diálogo socrático (ironia ou maiêutica) e explique-o.

B) Analise uma diferença entre a cidade clássica, na qual a praça é o espaço político fundamental, e a cidade típica de hoje e as implicações políticas dessa diferença.

R:
a)



A ironia é o método utilizado por Sócrates para anunciar o seu não-saber (“só sei que nada sei”) diante das questões debatidas com os interlocutores. Ela pode ser definida ainda, alternativamente, como a parte do método socrático concebido para colocar o interlocutor diante da sua própria ignorância, confundindo-o e deixando-o desconfortável.

A maiêutica é o método socrático de partejar as ideias que repousam na alma dos interlocutores. Com a maiêutica Sócrates busca a descoberta do saber que preexiste no sujeito com o qual dialoga (reminiscência)
b)
O aluno deverá explorar a ideia segundo a qual na cidade, assim denominada “clássica”, a ágora era o lugar em que os cidadãos se encontravam para entabular conversas em que a disputa oral, a eloquência e o debate político se confundiam e determinavam a razão de ser daquele espaço. Diversamente disso, na cidade moderna, os espaços públicos de convivência se tornaram predominantemente postos de circulação, trabalho e consumo (mercado). Decorre daí que há um enfraquecimento do debate político no espaço urbano de convivência pública.

  1. Uma parte importante da doutrina de Aristóteles sobre a ética foi registrada em seu livro Ética Nicomaquéia. Nele, encontra-se o seguinte trecho:

Com relação ao temor, ao ardor, ao desejo, à ira, à piedade e, em geral, ao gozo e à dor, há um excesso e uma falta, e ambos não são bons; mas se experimentamos aquelas paixões [...] com a finalidade e do modo como se deve, então estaremos no meio e na excelência, que são próprios da virtude [...]. Portanto, a virtude é certa mediania, que tem por escopo o justo meio. Aristóteles, Ética Nicomaquéia, B 6, 1106 b. p. 18-28.


Com base no texto citado e em seus conhecimentos, responda:
A) Em que consiste a virtude, de acordo com Aristóteles?

B) Segundo Aristóteles, qual é o papel da prudência na busca pelo justo meio do qual se fala a propósito da virtude ética?


R:
a) A virtude, segundo Aristóteles, consiste em manter o justo meio entre um “excesso” e uma “falta” vinculados a sentimentos, paixões e ações. A virtude ética é a mediania entre dois extremos considerados vícios relacionados ao modo humano de agir. Neste sentido, diz Aristóteles, por exemplo, que a virtude da coragem é o justo meio entre a temeridade e a covardia, que a virtude da temperança é o justo meio entre a intemperança e a insensibilidade, que a virtude da justiça é o justo meio entre o ganho e a perda.
b) A prudência é a disposição prática para orientar corretamente a vida do indivíduo, um meio a partir do qual o homem delibera sobre o que é o bem ou o mal para si, em qualquer circunstância da sua existência no mundo. A prudência, então, é condição necessária para a escolha do justo meio e, consequentemente, para o agir de acordo com a virtude.


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal