Faculdade castro alves curso de psicologia



Baixar 309,64 Kb.
Página5/9
Encontro24.12.2016
Tamanho309,64 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9

5 MÉTODO

Para a elaboração deste trabalho realizou-se uma pesquisa teórica e de campo e a fim de atingir o objetivo da pesquisa verificou-se que o método qualitativo é o mais adequado. Segundo Creswell (2007) este método permite que o pesquisador interaja com os indivíduos participantes da pesquisa, coletem dados pessoalmente e criem seus próprios instrumentos e padrões para coleta de dados. Essa pesquisa é do tipo descritiva, pois tem como finalidade descrever as estratégias de enfrentamento utilizadas pelas mães. De acordo com Gil (2008) as pesquisas descritivas têm como objetivo principal descrever as características de determinada população ou fenômeno.

Utilizaram-se como procedimento, entrevistas, com o intuito de levantar dados que descrevam os processos que envolvem as principais dificuldades e estratégias de enfrentamento utilizadas pelas mães para lidar com os filhos autistas.

5.1 PARTICIPANTES


A amostra para realização desse estudo contou com a contribuição de onze mães de filhos com o transtorno do espectro autista, com idade entre 31 e 72 anos. As mães foram selecionadas de acordo com a frequência e utilidade dos Serviços da Associação de Pais, Amigos e Pessoas com Deficiência de Funcionários do Banco do Brasil e da Comunidade (APABB), na cidade de Salvador e o Centro de atendimento educacional especializado Pestalozzi da Bahia (CAEEPB). O acesso as participantes ocorreu através dessas instituições que presta serviço voltado à inclusão e à qualidade de vida das pessoas com deficiência e ao apoio às suas famílias.

Cabe ressaltar que APABB no núcleo regional Bahia foi criada em 15 de setembro de 2003, recebe pessoas com diferentes tipos de deficiências, entre as quais está o autismo. A instituição promove ações sociais que tem por finalidade contribuir para a vida da pessoa com deficiência e seus familiares, dentre os quais podemos destacar: os encontros do grupo de apoio às famílias (GAF), o programa do voluntariado, capacitação e qualificação profissional, lazer, projeto superação, ciclos de palestras, empregabilidade (APABB, SD).

Já a CAEEPB em Salvador, foi criada em 27 de maio de 1954, destina-se a prestar atendimento educacional especializado aos alunos com o TEA. Disponibiliza serviços e recursos especializados, para integrar o processo educacional dos alunos com necessidades educacionais especiais de forma não substitutiva, mas articulada e intercessiva com os diferentes níveis, etapas e modalidades de educação, buscando promover a inclusão sócio-educacional, garantindo o direito de acesso e permanência dos alunos na escola comum, a fim de que respeitem os limites e possibilidades individuais e coletivos, traduzidas na valorização da pessoa humana e exercício da cidadania (CAEEPB, 2012).

5.2 INSTRUMENTOS DE COLETA DE DADOS


Para a realização da coleta dos dados foram utilizados dois recursos metodológicos que serão descritos a seguir. Os instrumentos utilizados nessa pesquisa encontram-se em anexo e apêndice.

  • Questionário – Dados sócio-demográficos (Apêndice A)

Esse instrumento teve como objetivo principal acessar informações relacionadas ao contexto sócio-demográfico das participantes da pesquisa e informações acerca do filho com espectro autista. Este instrumento possui vinte e uma questões, contendo perguntas abertas e fechadas.

  • Entrevista semi-estruturada (Anexo A)

Objetivando identificar as principais dificuldades enfrentadas pelas mães no cuidado dos filhos com autismo e as estratégias de enfrentamento utilizadas pelas mães para lidar com alguns agentes estressores advindos da convivência com o filho autista, a fim de se obter uma maior compreensão dessa temática ainda pouco conhecida. Nessa entrevista três questões foram utilizadas, sendo replicadas do estudo (Schmidt, 2004), Esses dados qualitativos coletados através do discurso possibilitam uma ampla análise.

5.3 PROCEDIMENTOS


Para participação na pesquisa foram estabelecidos critérios de inclusão e exclusão.

Para inclusão se fez necessário.



  • Que a mãe tivesse o filho com o diagnóstico autista, sendo esse emitido por psiquiatra ou neurologista, embasado de acordo com critérios diagnóstico do DSM-V.

  • A mãe ser obrigatoriamente a cuidadora direta do filho.

  • Frequente ou que já tivesse frequentado a instituição APABB e a CAEEPB.

Para critério de exclusão foi estabelecido:

  • Que as mães não apresentem nenhum transtorno mental.

Para inicio dessa pesquisa alguns procedimentos foram necessários, inicialmente foi feito o contato com a instituição APABB, na qual solicitou o envio do projeto de pesquisa por email, com o objetivo de analisar a proposta e a temática, entrega do documento da Coordenação da Faculdade Castro Alves (FCA) apresentando o vínculo do pesquisador com a instituição citada, posteriormente foi analisada pela Delegação da sede da Associação de Pais e Pessoas com Deficiência, de Funcionários do Banco do Brasil e da Comunidade (APABB) de São Paulo para possível aprovação e realização dessa pesquisa na instituição. Após autorização do representante máximo, deu-se inicio a pesquisa.

O contato direto com as mães, foi feito através do intermédio da Assistente Social da APABB, na qual foi bastante solícita com esse projeto e empenhada na marcação de dias e horários dos encontros. É pertinente apontar que devido ao baixo número e frequência de mães de filhos autistas na instituição, fez-se necessário que a mesma entrasse em contato com a CAEEPB, para que fosse possível a conclusão da amostra.

As mães foram convidadas a participarem de uma pesquisa, na qual foi exposto o objetivo da mesma, assim como o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) da pesquisa, neste a participante tem o sigilo garantido das informações fornecidas, como também o direito de desistência a qualquer momento. Diante da concordância na participação desse estudo, foi solicitado que respondessem um questionário informando os aspectos sócios demográficos e posteriormente uma entrevista semiestruturada (schmidt, 2004). Após o termino da entrevista foram assinadas duas vias do TCLE (Anexo A), ficando uma cópia com a pesquisadora e o outro com a entrevistada.

É pertinente apontar que inicialmente o questionário a ser aplicado nas mães era o inventário de estratégias de Coping de Folkman e Lazarus (1985), o mesmo é um questionário que contém itens que englobam pensamentos e ações que as pessoas utilizam para lidar com demandas internas ou externas de um evento estressante específico, contudo ao chegar ao campo de pesquisa, observou-se que o instrumento não se aplicava a realidade das mães em questão, pois as mesmas denotavam adaptadas aos estressores, sem nenhuma situação emergente no momento.

A coleta ocorreu entre o período de Outubro a Dezembro de 2015, foi realizado um encontro com cada mãe, com exceção das duas primeiras entrevistas, pois devido à invalidez do instrumento inicial, fez-se necessário um segundo encontro para que fosse reaplicado o novo instrumento. Cada entrevista teve duração média de 60 minutos, realizados em diferentes dias, de acordo com os dias frequentados por essas mães no turno vespertino e matutino.

Para que as informações possam ser devidamente analisadas, é preciso organizar os dados coletados, no intuito de que seja possível a resposta para o problema de pesquisa (ALVES-MAZZOTTI; GEWANDSZNAJDER, 1998).



Alves-Mazzotti e Gewandsznajder (2000, p.170) em relação aos dados qualitativos ainda apontam que:
Pesquisas qualitativas geram um enorme volume de dados que precisam ser organizados e compreendidos. Isto se faz através de um processo continuado em que se procura identificar dimensões, categorias, tendências, padrões, relações, desvendando-lhes o significado. Este é um processo complexo, não-linear, que implica um trabalho de redução, organização e interpretação dos dados que se inicia já na fase exploratória e acompanha toda a investigação.
Posteriormente foram feitas tabulações e categorizações das respostas obtidas. Segundo Alves-Mazzotti e Gewandsznajder (1998) a tabulação é o processo de contagem e agrupamento dos casos que estão nas varias categorias de análise. Logo em seguida, o conteúdo foi analisado através de procedimentos de análise de dados qualitativos, a partir dos materiais coletados e da análise do conteúdo, que permiti gerar categorias descritivas dos aspectos investigados.

1   2   3   4   5   6   7   8   9


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal