Estratégias de Prevenção Utilizadas pela Equipe Multidisciplinar na Prevenção de Infecções em Unidade de Terapia Intensiva



Baixar 223,86 Kb.
Encontro15.09.2018
Tamanho223,86 Kb.




Sociedade Brasileira de Terapia Intensiva - SOBRATI

PÓS - GRADUAÇÃO EM TERAPIA INTENSIVA - Latu Sensu

Juliana Oliveira de Sousa

Estratégias de Prevenção Utilizadas pela Equipe Multidisciplinar na Prevenção de Infecções em Unidade de Terapia Intensiva

TERESINA


2015



Juliana Oliveira de Sousa

Estratégias de Prevenção Utilizadas pela Equipe Multidisciplinar na Prevenção de Infecções em Unidade de Terapia Intensiva

Trabalho de Conclusão de Curso Sociedade Brasileira de Terapia Intensiva - SOBRATI como requisito para obtenção do título de Mestre em Terapia Intensiva.

Orientador (a): Francisco Weliton Pessoa Silva

TERESINA


2015



Juliana Oliveira de Sousa

Estratégias de Prevenção Utilizadas pela Equipe Multidisciplinar na Prevenção de Infecções em Unidade de Terapia Intensiva

Trabalho de Conclusão de Curso Sociedade Brasileira de Terapia Intensiva - SOBRATI como requisito para obtenção do título de Mestre em Terapia Intensiva.

Orientador (a): Francisco Weliton Pessoa Silva

Monografia aprovada em _____/_____/_____



BANCA EXAMINADORA

_______________________________________________________________

Orientadora

_______________________________________________________________

1º membro

_______________________________________________________________

2º membro



Estratégias de Prevenção Utilizadas pela Equipe Multidisciplinar na Prevenção de Infecções em Unidade de Terapia Intensiva

Prevention Strategies Used by the Multidisciplinary Team in Infection Prevention in Intensive Care Unit

Prevención Las estrategias utilizadas por el equipo multidisciplinario en la prevención de la infección en la Unidad de Cuidados Intensivos

Juliana Oliveira de Sousa

Francisco Weliton Pessoa Silva

RESUMO

As Infecções relacionadas à assistência a saúde (IRAS) apresentam um caráter multifatorial e abrange vários fatores que podem ser intrínsecos e extrínsecos ao paciente. É pertinente salientar a importância de adoção de medidas de prevenção das infecções, uma vez que proporciona benefício para o individuo e para a instituição. Neste sentido, O presente estudo teve como objetivo realizar uma revisão integrativa da literatura sobre infecções hospitalares em unidades de terapia intensiva e as medidas de prevenção utilizadas pela equipe multiprofissional. O método de escolha para a construção da pesquisa foi à revisão integrativa (RI). A busca dos artigos foi realizada nas seguintes bases de dados: Medical Literature Analysis and Retrieval System on-line (Medline); Science Citation Index Expanded (Web of Science) e SciVerse ScienceDirect (Elsevier). Após a leitura dos títulos e resumos dos estudos realizou-se a seleção dos artigos, onde foram encontrados 198 artigos e selecionados 11. Durante a análise dos estudos encontrados, identificou-se que as principais temáticas abordadas estavam relacionadas aos aspectos epidemiológicos sobre as infecções em unidades de terapia intensiva e o controle de infecção utilizado pelos profissionais de saúde. Conclui-se que é de fundamental importância que os profissionais de saúde reconheçam e incorporem o impacto negativo das infecções adquiridas na UTI. As despesas econômicas, clínicas e sociais para os pacientes e hospitais são irrefutáveis. Para minimizar ou eliminar a incidência de infecções adquiridas nos setores de assistência à saúde, medidas de controle de infecção devem ser implementadas e executadas.



Palavras-chave: Unidades de Terapia Intensiva. Prevenção de infecção. Equipe Multidisciplina.



ABSTRACT

The health-care-related infections (HAI) have a multifactorial and covers various factors that may be intrinsic and extrinsic to the patient. It is pertinent to note the importance of adopting infection prevention measures, as it provides benefit to the individual and the institution. In this sense, the present study aimed to make an integrative review of the literature on nosocomial infections in intensive care units and the preventive measures used by the multidisciplinary team. The method of choice for the construction of the research was to integrative review (RI). A search of the literature was conducted in the following databases: Medical Literature Analysis and Retrieval System Online (Medline); Science Citation Index Expanded (Web of Science) and SciVerse ScienceDirect (Elsevier). After reading the titles and abstracts of the studies performed to select the articles, which were found 198 articles and selected 11. During the analysis of relevant studies, we found that the main issues addressed were related to the epidemiology of infections in intensive care units and infection control used by health professionals. It follows that it is fundamentally important that health professionals recognize and incorporate the negative impact of infections acquired in the ICU. Economic, clinical and social costs for patients and hospitals are irrefutable. To minimize or eliminate the incidence of infections acquired in health care sectors, infection control measures should be implemented and enforced.



Keywords: Intensive Care Units. Prevention of infection. Multidiscipline team.



SUMÁRIO

1

2

3

3.1

3.2

3.3
4

INTRODUÇÃO………………………………………………………………....

METODOLOGIA………………………………………………………............

RESULTADOS E DISCUSSÃO................................................................

Descrição e análise dos artigos.............................................................

Epidemiologia de Infecção em unidade de terapia intensiva..............

Profissionais da saúde e o controle de infecção em unidade de terapia intensiva......................................................................................

CONCLUSÃO………………………………………………………………….

REFERÊNCIAS………………………………………………………………..


07

09

11



11

15
17

21

22



1 INTRODUÇÃO
As Infecções relacionadas à assistência a saúde (IRAS) apresentam um caráter multifatorial e abrange vários fatores que podem ser intrínsecos e extrínsecos ao paciente, dentre estes fatores pode-se elencar à gravidade de doenças, condições nutricionais dos pacientes, a natureza dos procedimentos, bem como ao tempo de internação (OLIVEIRA, 2012).

A infecção hospitalar é apontada como um grande problema de saúde pública, principalmente por envolver alguns aspectos onerosos como surgimento de microorganismos multirresistentes, altos custos econômicos e sociais ocasionando aumento do tempo de internações no âmbito hospitalar e da elevada taxa de morbimortalidade. Esse evento é um fenômeno que vem emergindo na sociedade e proporcionando uma intensa preocupação (MOURA, 2014; RULKA, 2012).

Em estudo com o objetivo de avaliar taxa de prevalência de infecção hospitalar (IH), tipos de infecções, patógenos e seu perfil de sensibilidade aos antimicrobianos, identificou que os maiores registros de infecção foi por pneumonia, seguida pela infecção de corrente sanguínea, trato urinário, cateter central e de sítio cirúrgico, os setores mais de maior acometimento de infecções foram clínica médica I, hematologia e UTI, que acolhe pacientes críticos. (NOGUEIRA, 2009).

A UTI é considerada como área crítica, visto que proporciona instabilidade hemodinâmica dos pacientes internados e eleva o risco de desenvolver IRAS. As UTIs são unidades direcionadas ao atendimento de pacientes em condições grave, que de uma forma geral necessitam de monitoramento e suporte intensivos e contínuos de suas funções vitais (OLIVEIRA et al., 2012).

A prevalência de IRAS nas UTIs varia de 18 a 54%, sendo de cinco a dez vezes maiores neste ambiente quando equiparado aos outros setores de internação, este setor é responsável por aproximadamente 90% de todos os surtos dentro de uma unidade de saúde. As taxas de mortalidades por este agravo é de aproximadamente 60% do total de óbitos neste ambiente (OLIVEIRA; KOVNER; SILVA, 2010).

É pertinente salientar a importância de adoção de medidas de prevenção das infecções, uma vez que proporciona benefício para o individuo e para a instituição. As principais implicações para a prevenções de infecções são conhecimento da cadeia de transmissão, isolamento de doenças transmissíveis, medidas de privativas para cada sítio de infecção, lavagem de mãos e a vigilância epidemiológica das infecções (PINHEIRO et al., 2009).

O presente estudo teve como objetivo realizar uma revisão integrativa da literatura sobre infecções hospitalares em unidades de terapia intensiva e as medidas de prevenção realizadas pela equipe multiprofissional.



2 METODOLOGIA
O método de escolha para a construção do artigo foi uma revisão integrativa (RI) da literatura cientifica a qual percorreu um crivo de etapas: elaboração da questão norteadora da pesquisa; busca na literatura cientifica por estudos primários; extração de dados; avaliação dos estudos primários; análise e síntese dos resultados e apresentação da revisão. A questão norteadora para a condução da RI foi elaborada por meio da estratégia PICO (P: Paciente, I: Intervenção, C: Comparação e O: Outcomes ou desfecho): qual o perfil das infecções hospitalares em unidades de terapia intensiva e as medidas de prevenção utilizada pela Equipe Multiprofissional? (GALVÃO; MENDES; SILVEIRA, 2010).

Para elaboração do estudo foi realizada uma busca nas bases de dados: Medical Literature Analysis and Retrieval System on-line (Medline); Science Citation Index Expanded (Web of Science) e SciVerse ScienceDirect (Elsevier), utilizando-se a combinação de descritores controlados, aqueles estruturados e organizados para facilitar o acesso à informação e que estejam cadastrados nos Medical Subject Headings (MesH): Infection control; Intensive care unit; Health care personnel; ICU-acquired infections.

Os critérios de inclusão delimitados para a presente revisão foram: estudos primários que abordassem a temática das infecções hospitalares em unidades de terapia intensiva e as ações de prevenções desenvolvidas pela equipe multiprofissional; estar disponível na integra de forma eletrônica e gratuita, e que compreendessem a faixa temporal proposta para o estudo de 2011 a 2014. Como critério de exclusão não utilizou-se artigos que abordassem UTIs neonatais ou pediátricas, artigos que se repetissem nas bases de dados, artigos de opinião, artigos de reflexão, editoriais e de revisão.

Após a leitura dos títulos e resumos dos estudos primários realizou-se a seleção destes foram encontrados 198 e selecionados 11 artigos, assim, na base de dados Medline selecionou-se 01 estudo primários; na Web of Science 02 estudos foram selecionados; na Elsevier 9 estudos foram selecionados. A exclusão dos estudos primários foi devido ao não atendimento dos critérios de seleção delimitados ou eram repetidos A análise e síntese dos estudos primários foram realizadas na forma descritiva, possibilitando ao leitor uma síntese de cada estudo incluído na RI e comparações enfatizando as diferenças e similaridades entre os estudos.



O nível de evidência dos estudos primários não foi indicado. Atualmente não se utiliza apenas uma hierarquia de evidência, ou seja, de acordo com a questão clínica, o pesquisador deverá adotar classificação específica de evidências (questão clínica direcionada para intervenção ou diagnóstico ou prognóstico ou etiologia ou para o significado/experiência de doença).

3 RESULTADOS E DISCUSSÃO
3.1 Descrição e análise dos artigos
Na análise das 11 produções encontradas, verificou-se que 2013 foi apontando como o maior produção cientifica sobre infecção em Unidade de Terapia Intensiva e estratégias de controle de infecção pela equipe multiprofissional, já os anos de 2011, 2012, relacionadas a temática foram os de menor produção, sendo que em 2014 não foi identificado estudo que envolvesse os descritores controlados. Quanto ao tipo de metodologia utilizadas nas pesquisas, destaca-se a quantitativa. Em relação as publicações indexada na base de dados, destacou-se a Elsevier com 08 artigos, seguido da Web of Science com 02 e com um número reduzido de publicações destacou-se a Medline selecionou-se 01 estudo (Tabela 1).
Tabela 1. Distribuição das Publicações de acordo com: Ano, Metodologia e base de dados da publicação dos estudos (2015).


Artigo

Ano

Metodologia

Banco de dados

1

2013

Quantitativa

Elsevier

2

2013

Quantitativa

Elsevier

3

2013

Quantitativa

Medline

4

2013

Qualitativa

Elsevier

5

2013

Quantitativa

Elsevier

6

2012

Quantitativa

Web of Science

7

2011

Quantitativa

Elsevier

8

2013

Quantitativa

Web of Science

9

2011

Quantitativa

Elsevier

10

2013

Quantitativa

Elsevier

11

2013

Quantitativa

Elsevier

Fonte: Pesquisa direta, 2015.
Na segunda variável, utilizada para análise das produções encontradas, buscou-se identificar quais periódicos foram utilizados para as publicações, verificando-se uma veiculação maior número em revistas cujo enfoque é a infecção hospitalar, na seguinte ordem: International Journal of Infectious Diseases com 04 artigos, Journal of Infection and Public Health com 03 artigos

American Journal of Infection Control com 02 artigos, Journal of Hospital Infection e Journal of Critical Care com 01 artigo (Tabela 2).

Em referência aos cenários, a tabela 2 demonstra a heterogeneidade dos países que ocorreram os estudos. Quanto às amostras das pesquisas, verificaram-se índices de indivíduos nas pesquisas quantitativas (Tabela 2).


Tabela 2. Distribuição das Publicações de acordo com: Revista, Unidade federativa ou Região do estudo, Amostra da investigação e objetivos dos estudos (2015)


Artigo

Revista

Unidade federativa ou Região do estudo

Tamanho da amostra investigada

Objetivo (os)

1

American Journal of Infection Control

Turquia

4.231

Eficácia de uma abordagem de controle de infecção multidimensional para a redução das infecções do trato urinário associadas ao uso de cateter (Cautis) em 13 unidades de terapia intensiva.


2

Journal of Infection and Public Health

Filipinas

3.183

Avaliar o impacto de uma abordagem de controle de infecção multidimensional sobre a redução da infecção do trato urinário associada a cateter.


3

Journal of Infection and Public Health

Cuba

1.075

Efeito da abordagem multidimensional desenvolvida pela infecção nosocomial Internacional de Controle Consortium (INICC) sobre a redução de pneumonia associada à ventilação mecânica.


4

Journal of Hospital Infection

Espanha

1500

Avaliar o programa nacional de vigilância da unidade de terapia intensiva (UTI), infecção Adquiridas em Espanha.


5

Journal of Infection and Public Health

India

100

Conhecimento de práticas de controle de infecção entre profissionais de enfermagem.


6

Journal of Critical Care

Polônia

847

Determinar as infecções associadas aos cuidados de saúde associados ao dispositivo (DA-HAI) taxas, perfil microbiológico, a resistência bacteriana, e tempo de internação em uma unidade de terapia intensiva (UTI) de um membro do hospital da Infecção Hospitalar Internacional Control Consortium (INICC) na Polónia.


7

International Journal of Infectious Diseases

Cuba

1982

Identificar a taxa de infecções associadas aos cuidados de saúde (DA-HAI), perfil microbiológico, associada ao dispositivo de tempo de permanência (LOS), a mortalidade extra, e mão higiene cumprimento em duas unidades de terapia intensiva.


8

International Journal of Infectious Diseases

Líbano

1506

O objetivo deste estudo foi avaliar o impacto de uma abordagem de controle de infecção multidimensional para a redução da infecção do trato urinário associada a cateter.


9

International Journal of Infectious Diseases

China

391 527

O objetivo desse estudo foi determinar as infecções associadas aos cuidados de saúde (DA-HAI) as taxas associadas ao dispositivo e o perfil microrganismo.


10

American Journal of Infection Control

China

2.631

O objetivo desse estudo foi determinar infecções associadas aos cuidados de saúde associados a dispositivo (DA-HAI) na China.


11

International Journal of Infectious Diseases


India

35 650

O objetivo desse estudo foi avaliar o impacto da Infecção Hospitalar Consórcio Internacional de Controle (INICC) abordagem de controle de infecção multidimensional sobre infecção associada a cateter central corrente sanguínea

Fonte: Pesquisa direta, 2015.

Prosseguindo com a analisar dos estudos encontrados, identificou-se a partir dos títulos da amostra que as principais temáticas abordadas nos artigos buscam analisar os aspectos epidemiológicos sobre as infecções em unidades de terapia intensiva e o controle de infecção utilizado pelos profissionais de saúde. Destaca-se que os estudos foram desenvolvidos em países em desenvolvimento o que indica a alta prevalência de casos nesses países. É evidente que os artigos buscaram enfatizar minuciosamente a importância da elaboração de estratégias preventivas e de promoção da saúde aos usuários de serviço em setores críticos expostos as infecções (Tabela 3).

Tabela 3. Distribuição das Publicações de acordo com: Título do artigo, Objetivo (os) e Características da população dos estudos (2015).


Artigo

Título do artigo

Características da população dos estudos

1

Impact of a multidimensional infection control approach on catheter-associated urinary tract infection rates in adult intensive care units in 10 cities of Turkey: International Nosocomial Infection Control Consortium findings (INICC)


Estudo realizado em 13 unidades de terapia intensiva (UTIs) em 10 membros do hospital da infecção nosocomial Internacional de Controle Consortium (INICC) a partir de 10 cidades da Turquia .


2

Impact of an International Nosocomial Infection Control Consortium multidimensional approach on catheter-associated urinary tract infections in adult intensive care units in the Philippines: International Nosocomial Infection Control Consortium (INICC) findings


Estudo que avalia as taxas de infecções em unidades de terapia intensiva adulto, em dois hospitais, nas Filipinas, que são membros da infecção nosocomial Consórcio Internacional de Controle.


3

Effectiveness of a multidimensional approach for the prevention of ventilator-associated pneumonia in an adult intensive care unit in Cuba: Findings of the International Nosocomial Infection Control Consortium (INICC)


Estudo que avalia as taxas de pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV) em pacientes internados em uma unidade de terapia intensiva adulto (AICU) em hospital em Havana


4

Quality control of the surveillance programme of ICU-acquired infection (ENVIN–HELICS registry) in Spain


Controle de qualidade no programa nacional de vigilância da unidade de terapia intensiva (UTI) em

20 UTIs.



5

Knowledge of infection control practices among intensive care nurses in a tertiary care hospital


Estudo sobre conhecimento de práticas de controle de infecção entre profissionais de enfermagem


6

Device-associated infection rates and extra length of stay in an intensive care unit of a university hospital in Wroclaw, Poland: International Nosocomial Infection Control Consortium's (INICC) findings


Estudo realizado em uma unidade de terapia intensiva (UTI) de Hospitalar Internacional Control Consortium (INICC) na Polónia.


7

Device-associated infection rates in adult intensive care units of Cuban university hospitals: International Nosocomial Infection Control Consortium (INICC) findings


Pacientes de duas unidades de terapia intensiva (UTI) de dois membros hospitalares do Internacional Controle de Infecção Consortium (INICC) de Havana, Cuba.


8

Impact of a multidimensional infection control approach on catheter-associated urinary tract infection rates in an adult intensive care unit in Lebanon: International Nosocomial Infection Control Consortium (INICC) findings


Estudo realizado em uma unidade de terapia intensiva adulto (UTI) de um membro do hospital da Infecção Hospitalar Consórcio Internacional de Controle (INICC) no Líbano.


9

Device-associated infection rates in 398 intensive care units in Shanghai, China: International Nosocomial Infection Control Consortium (INICC) findings


Estudo realizado em 398 unidades de terapia intensiva (UTIs) de 70 hospitais em Xangai, na China. O estudo durou 5 anos e 4 meses.


10

Device-associated infection rates, device use, length of stay, and mortality in intensive care units of 4 Chinese hospitals: International Nosocomial Control Consortium findings


Este foi um estudo realizado em sete UTIs em quatro hospitais.

11

Impact of an International Nosocomial Infection Control Consortium multidimensional approach on central line-associated bloodstream infection rates in adult intensive care units in eight cities in India


Estudo realizado em 16 unidades de terapia intensiva de 11 hospitais.


Fonte: Pesquisa direta, 2015.
3.2 Epidemiologia de Infecção em unidade de terapia intensiva
Os índices de infecções são um fato preocupante em todo mundo, principalmente em setores críticos como a UTI. Nos Estados Unidos mais de 5 milhões de pacientes foram anualmente internados em UTIs, ainda que esses leitos representem menos de 10% do total das camas na maioria dos hospitais, os mesmos são responsáveis por mais de 20% de todas as infecções hospitalares. As principais causas de óbitos em UTI ocorrem por Infecções e sepse e são responsável por 40% de todas as despesas dentro do hospital (OSMAN; ASKARI, 2014).

Estudo realizado em cuba, com o objetivo de identificar a taxa de infecções associadas aos cuidados de saúde, indicou que os índices de mortalidade bruta de pacientes sem infecções são de 33%, entretanto quando o assunto reporta a mortalidade de pacientes com infecções da corrente sanguínea relacionadas ao cateter invasivo os índices se elevam para 50% (GUANCHE-GARCELL et al., 2011)

Cerca de 1,7 milhões de infecções ocorrem anualmente em hospitais nos Estados Unidos (EUA), com 99.000 mortes associadas. Um estudo realizado sobre a eficácia de Controle de Infecção Hospitalar (SENIC) estimou que o custo de infecções hospitalares foi de 4,5 bilhões no ano de 1992, e após a infecção, este custo se modificou para aproximadamente de 6,65 bilhões dólares em 2007 (SODHI et al., 2013).

Fica claro desta forma que os pacientes em ambientes de cuidados críticos são mais suscetíveis a infecções quando equiparado com a população geral de um hospital, principalmente por muitas vezes se apresentarem em situações que desfavorecem a recuperação como comorbidades crônicas e disfunções fisiológicas mais graves.

Um dos fatores de risco que mais predispões ao risco de infecção é a necessidade de dispositivos invasivos entre os pacientes, o que por sua vez funciona como porta de entrada para os microorganismos em órgãos vitais do corpo. O uso e manutenção desses dispositivos exigem contato freqüente com os profissionais de saúde, predispondo à colonização e infecção por patógenos hospitalares (OSMAN; ASKARI, 2014).

Diversos sítios podem ser acometidos pelas infecções, dentre esses os mais citados pelos estudos foram pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV), infecções da corrente sanguínea relacionadas ao cateter (CLABSIs), infecções do trato urinário associada a cateter (CAUTIS), esses sítios foram elencados como os acometimentos mais frequentes.

A incidência de infecções é amiúde subestimado em hospitais de países com recursos limitados, quando elencados os índices demonstram resultados alarmantes. Quando relacionada a pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV) os índices chegam a 86,3%, nas infecções do trato urinário associada a cateter (CAUTIS) atingem um índice de 73% (KANJ et al., 2013) (LOPEZ-PUEYO et al., 2013).
3.3 Profissionais da saúde e o controle de infecção em unidade de terapia intensiva
A vigilância das infecções que ocorre em unidades de terapia intensiva (UTI) é um instrumento importante para avaliar as taxas de infecção, a etiologia das principais infecções relacionadas a dispositivos invasivos além de monitorar a proliferação de infecções pelos microorganismos (LOPEZ-PUEYO, et al., 2013)

A definição de um método de vigilância contínua proporciona uma forma mais adequada de obter indicadores de vigilância validados que podem permitir a interpretação das diferenças nas taxas de infecção hospitalar entre países e a visualização de um mapa de risco dos locais mais críticos.

Políticas de controle de infecção foram instituídas, em muitas unidades de saúde, porém as infecções se apresentam como um fator agravante nos serviços de saúde devido ao descontrole sobre tais implementações. O que se observa é que mais de um século depois que Semmelweis demonstrou a importância da lavagem das mãos como meio importante para reduzir a incidência de infecções hospitalares, a adesão dos profissionais de saúde a essa prática permanece baixa (SODHI et al., 2013)

Um estudo realizado com o objetivo de avaliar o conhecimento de práticas de controle de infecção entre profissionais de enfermagem identificou que as taxas de práticas de higienização das mãos pelos profissionais de saúde permanecem baixos, com índices que chegam a 40%. Resultado semelhantes foram identificado em estudo realizado na cuba com o intuito de avaliar a taxa de infecções associadas aos cuidados de saúde que identificou uma taxa geral de adesão à higienização das mãos de 48,6% (SODHI et al., 2013) (GUANCHE-GARCELL et al., 2011) .

Um fator importante elencado pelo autor para essa baixa adesão é a falta de consciência e sensibilidade dos profissionais. Apesar da adoção de várias estratégias em diferentes níveis institucionais, a falta de conformidade com o que é preconizado é uma das causas que aumenta a incidência de infecções hospitalares (SODHI et al., 2013).

Com o intuito de otimizar a assistência à saúde, foi fundada em 1998 a Infecção Hospitalar Consórcio Internacional de Controle (INICC). Um consócio originado após a reunião de alguns hospitais da América Latina, convidados a participar de um projeto para mensurar os índices de infecção relacionada aos cuidados de saúde, associados a utilização de dispositivo invasivo. Com a ascensão desse consócio outros hospitais localizados em diferentes partes do mundo manifestaram interesse em participar (KÜBLER et al., 2012).

Nos dias atuais o INICC compreende uma rede mundial de 40 países da América Latina, Ásia, África e Europa. Os resultados avaliados durante o período de vigilância incluía a taxa de densidade de incidência de CLA-BSI (número de casos por 1000 dias de cateter venoso central), de CAUTI (número de casos por 1000 dias de sonda vesical), e de VAP (número de casos por 1000 mecânica ventilador [MV] dias). (KÜBLER et al., 2012).

Após a visualização da situação de saúde de cada setor hospitalar, é importante a adoção de estratégias desenvolvidas por programas de controle de infecção, ou seja uma abordagem multidimensional. Vários estudos realizados nos Estados Unidos identificam que a incidência de infecção associada a inserção de dispositivo invasivo pode ser reduzida em até 30%, fato este que resulta na redução dos custos de cuidados de saúde (KÜBLER et al., 2012).

A implementação da abordagem multidimensional para a infecção de corrente sanguínea associada a cateter venoso central (CLA-BSI) obteve as resultados satisfatórios, implicando assim em reduções significativas nas taxas de CLABSI na Argentina (46,63 para 11,10 CLABSIs por 1000 CL-dia) e Mexico (46,3 para 19,5 CLABSIs por 1000 CL-dia) (JAGGI et al., 2013)

Estudos indicam fatores que predispõe ao risco de infecção por inserção de dispositivo invasivo como falta de orientações sobre práticas de controle de infecção, apoio administrativo e financeiro limitado, o que subsidia a indisponibilidade de recursos para lidar com o controle de infecção, enfermarias superlotadas, centros de saúde que recebem muitos pacientes terminais com doenças crônicas (KÜBLER et al., 2012).

Segundo estudo realizado em Cuba identificou que as diretrizes de controle de infecção não são realizadas de forma adequada em práticas específicas, apesar da presença de um programa nacional de prevenção de infecção nosocomial (PNPCIN) desde 1983. Os resultados são agravantes, em alguns países em desenvolvimento onde essas regulamentações estão em vigor (GUANCHE-GARCELL et al., 2011).

Corroborando com o autor supracitado, estudo realizado nas filipinas e na china identificou que a problemática de infecção é mais incidente em países de baixa renda, os índices chegam a ser de 3-5 vezes maior do que nos países industrializados, como relatado pela infecção nosocomial Consórcio Internacional de Controle (INICC) (NAVOA-NG et al., 2013) (ROSENTHAL et al., 2013) (TAO et al., 2011)

Além de recursos limitados e fazer parte dos países em desenvolvimento outros fatores como a inexistência de leis que implementem os programas de controle de infecção hospitalar ou de acreditação hospitalar elevam as taxas de infecção, além de utilização de tecnologia ultrapassada, incluindo sistemas de infusão abertas (HU et al., 2013).

Como uma forma de minimizar ou eliminar os riscos diante as infecções relacionadas à assistência a saúde, um estudo realizado na Turquia adotou uma técnica de expor gráficos estatísticos e visuais exibidos em locais de destaque dentro de UTIs com o intuito de fornecer uma visão geral das taxas de infecções, esta ferramenta de controle de infecção é importante para aumentar a consciência e sensibilidade da importância de adoções de práticas de prevenção de infecção, para se concentrar nas questões necessárias e aplicar estratégias específicas para a melhoria das altas taxas de infecção por dispositivo invasivo (LEBLEBICIOGLU et al., 2013)

Outros fatores foram elencados com o intuito de reduzir a alta incidência de infecção por inserção de dispositivo invasivo como pacotes de prática, educação em saúde, monitoramento de controle de infecção, feedback de desempenho de atividades de higienização das mãos, de cateter central, ventilação mecânica e cateter urinário, feedback sobre as taxas infecção e conseqüências de taxas elevadas e a realização de programas de feedback de desempenho (TAO et al., 2011) (HU et al., 2013).

A implementação da abordagem multidimensional demonstrou-se eficaz em pacientes com infecção por ventilação mecânica, após essa abordagem, os resultados mostraram uma redução de 70% de infecção. A vigilância das infecções adquiridas em unidades de terapia intensiva além de minimizar riscos, avaliar a etiologia das principais infecções relacionadas a dispositivos invasivos e monitorar a propagação de infecções multi-resistentes (ROSENTHAL et al., 2013)



4. CONCLUSÃO:
É fundamental que os profissionais de saúde reconheçam e incorporem o impacto negativo das infecções adquiridas na UTI. As despesas econômicas, clínicas e sociais para os pacientes e hospitais são irrefutáveis. Para minimizar ou eliminar a incidência de infecções adquiridas nos setores de assistência à saúde, medidas de controle de infecção devem ser implementadas e executadas. Uma abordagem holística incluindo comitês de prevenção de infecção, programas de gestão de antimicrobianos, pacotes reavaliações-intervenção diária e programas de educação continuada da equipe é pertinente nos dias atuais. É essencial a continuidade do desenvolvimento baseadas em evidências para controlar as infecções na UTI. Controle de infecção em UTI é uma área em ascensão os reflexos desse estudo propõe contínuos avanços e investigação nessa área.

REFERÊNCIAS
OLIVEIRA, A. C. et al. Infecções relacionadas à assistência em saúde e gravidade clínica em uma unidade de terapia intensiva. Rev. Gaúcha Enferm. v.33, n.3, p. 89-96. 2012. Disponível em :< http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v33n3/12.pdf>. Acesso em 21 març 2015.

MOURA, B. A. et al. A intervenção de enfermagem no controle das infecções hospitalares. INTESA (Pombal - PB - Brasil). v. 8, n. 2, p. 114-122, Dez. 2014. Disponível em:



. Acesso em: 21 Mar. 2015.

RULKA. E. L; LIMA. M.; NEVES. E. B. Perfil das publicações científicas sobre a infecção hospitalar na base de dados SciELO. J Health. Sci. Inst. v. 30, n. 2, p. 161-5. 2012. Disponível em< http://www.unip.br/comunicacao/publicacoes/ics/edicoes/2012/02_abr-jun/V30_n2_2012_p161-165.pdf>. Acesso em 27 fev 2015.

OLIVEIRA, A. C.; KOVNER, C. T.; SILVA, R. S. Infecção hospitalar em unidade de tratamento intensivo de um hospital universitário brasileiro. Rev. Latino-Am. Enfermagem. v. 18, n.2. p. 98-104. mar./abr. 2010. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/rlae/v18n2/pt_14.pdf> . Acesso 03 març 2015.
NOGUEIRA, P. S. F. et al. Perfil da infecção hospitalar em um hospital universitário. Rev. enferm. UERJ. Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, p. 96-101. Jan./mar. 2009. Disponível em: < http://files.bvs.br/upload/S/0104-3552/2009/v17n1/a017.pdf > acesso em 24 fev 2015.
PINHEIRO, M. S. B. et al. Infecção hospitalar em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal: há influência do local de nascimento?. Rev Paul. Pediatr., v. 27, n. 1, p. 6-14. 2009. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rpp/v27n1/02.pdf> acesso em 14 Mar 2015.

GALVÃO, C. M.; MENDES, K. D. S, SILVEIRA, R. C. C. P. Revisão integrativa: método de revisão para sintetizar as evidências disponíveis na literatura. In: BREVIDELLI, M.M.; SERTÓRIO, S.C.M. (editors). TCC–Trabalho de conclusão de curso: guia prático para docentes e alunos da área da saúde. 4. ed. São Paulo: Iátria;.p.105-.126, 2010.


OSMAN , M. F. ; ASKARI, R. Infection Control in the Intensive Care Unit.

Surgical Clinics of North America, v. 94, n. 6, p. 1175–194, Dec. 2014

LEBLEBICIOGLU, H. et al. Impact of a multidimensional infection control approach on catheter-associated urinary tract infection rates in adult intensive care units in 10 cities of Turkey: International Nosocomial Infection Control Consortium findings (INICC). Rev. American Journal of Infection Control. v. 41, n. 10, out. 2013, p. 885–891. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0196655313001910

2. NAVOA-NG, J. A. et al. Impact of an International Nosocomial Infection Control Consortium multidimensional approach on catheter-associated urinary tract infections in adult intensive care units in the Philippines: International Nosocomial Infection Control Consortium (INICC) findings. journal of infection and public health. v. 6, n. 5, out., p. 389–399. 2013

http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1876034113000658



ROSENTHAL V. D. et al. Effectiveness of a multidimensional approach for prevention of ventilator-associated pneumonia in adult intensive care units from 14 developing countries of four continents: findings of the International Nosocomial Infection Control Consortium. Journal of Infection and Public Health. v. 6, n. 2, abr., p. 98–107. 2013.

http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1876034113000099

LOPEZ-PUEYO, M. J. et al. Quality control of the surveillance programme of ICU-acquired infection (ENVIN–HELICS registry) in Spain. Journal of Hospital Infection. v. 84, n. 2, jun., p. 126–131. 2013.

http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0195670113001096

5. SODHI, K. et al. Knowledge of infection control practices among intensive care nurses in a tertiary care hospital. Journal of Infection and Public Health. v. 6, n. 4, ago., p. 269–275. 2013.

http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1876034113000361


6. KÜBLER, A. et al. Device-associated infection rates and extra length of stay in an intensive care unit of a university hospital in Wroclaw, Poland: International Nosocomial Infection Control Consortium's (INICC) findings. Journal of Critical Care. v. 27, n. 1, fev., p. 105-110. 2012.

http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0883944111002206


GUANCHE-GARCELL, H. et al. Device-associated infection rates in adult intensive care units of Cuban university hospitals: International Nosocomial Infection Control Consortium (INICC) findings. International Journal of Infectious Diseases., v. 15, n. 5, mai., p. 357–362. 2011. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1201971211000373

KANJ, S. S. et al. Impact of a multidimensional infection control approach on catheter-associated urinary tract infection rates in an adult intensive care unit in Lebanon: International Nosocomial Infection Control Consortium (INICC) findings. International Journal of Infectious Diseases., v.17, n. 9, set., p. 686–690, 2013. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1201971213000714

TAO, L.; HU, B.; ROSENTHAL, V. D.; GAO, X.; HE, L. Device-associated infection rates in 398 intensive care units in Shanghai, China: International Nosocomial Infection Control Consortium (INICC) findings. International Journal of Infectious Diseases. v. 15, n. 11, nov, p. 774–780. 2011. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1201971211001494

HU, B.; TAO, L. et al. Device-associated infection rates, device use, length of stay, and mortality in intensive care units of 4 Chinese hospitals: International Nosocomial Control Consortium findings. American Journal of Infection Control. v. 41, n. 4, abr, p. 301–306. 2013. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0196655312008024



JAGGI, N. et al. Impact of an International Nosocomial Infection Control Consortium multidimensional approach on central line-associated bloodstream infection rates in adult intensive care units in eight cities in India. International Journal of Infectious Diseases. v. 17, n. 12, dez., p. 1218-1224. 2013. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1201971213002427


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal