Environmental impacts caused by gales in teh urband area of londrina pr



Baixar 31,87 Kb.
Encontro12.06.2017
Tamanho31,87 Kb.
DANOS AMBIENTAIS PROVOCADOS POR VENDAVAIS NA ÁREA URBANA DE LONDRINA – PR
ENVIRONMENTAL IMPACTS CAUSED BY GALES IN TEH URBAND AREA OF LONDRINA – PR
Marcela Arfelli Silva

Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Campus Londrina

Graduanda em Engenharia Ambiental

m_arfellisilva@hotmail.com
Prof. Dr. Marcelo Eduardo Freres Stipp

Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Campus Londrina

mstipp@uol.com.br
Mônica Hirata Bertachi

Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Campus Londrina

Graduanda em Engenharia Ambiental

monica_bertachi@hotmail.com

Palavras-Chaves: Vendaval; Impacto; Londrina


Keywords: Gale; Impact; Londrina

Introdução
Vendavais podem ser definidos como deslocamentos intensos de ar na superfície terrestre devido, principalmente, às diferenças no gradiente de pressão atmosférica, aos movimentos descendentes e ascendentes do ar e a rugosidade do terreno. Vianello e Alves (2002) apud Tominaga, Santoro e Amaral (2009).

Os vendavais muito intensos surgem quando há uma exacerbação das condições climáticas, responsáveis pela gênese do fenômeno, incrementando a magnitude do mesmo. (ASTRO, 2003). A ocorrência destes sempre podem ser ligadas a eventos como árvores derrubadas, danos às plantações e fiações, interrupções no fornecimento de energia elétrica e nas comunicações telefônicas; enxurradas e alagamentos; danos em habitações mal construídas; destelhamento em edificações e até mesmo traumatismos pelo impacto de objetos transportados pelo vento.

Londrina, objeto de estudo está localizada na região Norte do Estado do Paraná, se encontra em uma das regiões brasileiras com maior vulnerabilidade para a ocorrência desses desastres naturais, vendavais. Isso ocorre por estar em uma área de embates de Massas Polares, Intertropicais, Continentais e Oceânicas.
Objetivos
A partir da análise dos vários fenômenos climáticos que vem danificando o Município de Londrina nos últimos anos, observou-se que os ventos, em determinadas épocas, chegam a alcançar altíssimas velocidades provocando grandes danos. Com base nos vários fenômenos, constatou-se que a área apresenta uma dinâmica atmosférica que torna bastante propício a ocorrência de fortes vendavais. Dessa forma, esse trabalho tem por objetivo analisar os danos ambientais provocados por vendavais na área urbana de Londrina – PR no período de 2000 a 2010.

Fundamentação Teórica
A área de estudo – cidade de Londrina/Pr –. encontra-se entre 23°08’47" e 23°55’46" de Latitude Sul e entre 50°52’23" e 51°19’11" a Oeste de Greenwich, apresentando 1.650, 809 km² (IBGE, 2002). Sendo integrante da Região Sul do Brasil e em sua maior parte no Planalto Meridional Brasileiro apresenta altitudes que variam entre 300 e 800 metros e é caracterizado por relevo ondulado e aplainado, com solo de origem basáltica. O clima da região é classificado como subtropical úmido mesotérmico, com chuvas o ano todo, mas com tendência à concentração de chuvas no verão.

A porção Norte do Paraná, onde está localizada a cidade de Londrina, é considerada como área de embates de Massas Polares e Intertropicais, Continentais e Oceânicas. Segundo MONTEIRO (1969), Londrina apresenta climas controlados por Massas de ar Tropicais e Polares, sendo do tipo subtropical úmido das costas orientais e subtropicais dominados largamente por Massa Tropical Marinha.

Londrina está localizada em uma área decorrente da transição climática entre os climas dominados por sistemas atmosféricos intertropicais e equatoriais ao norte (tipo Aw - clima tropical úmido com chuvas de verão), e por sistemas extra-tropicais ao sul (tipo Cfb - clima tropical de altitude com verão fresco). O tipo climático de Londrina pode ser definido como sendo o Cfa (clima subtropical úmido sem estação seca e verão quente). (OLIVEIRA, 2005)

A temperatura média do mês mais quente é, geralmente, superior a 25,5° C e a do mês mais frio, inferior a 16,4° C. A temperatura média dos últimos 30 anos é de 21º C, com média anual máxima de 27,3º C e a média anual mínima de 16º C (IAPAR, 2009).

O regime dos ventos predominantes é de leste a nordeste, devido ao fato de Londrina se encontrar sob baixas cotas altimétricas e sob o Trópico de Capricórnio, ocorre um intenso fluxo de trocas de temperatura, aumentando a velocidade dos ventos. Em tais condições, as quais ocorrem principalmente na primavera e no verão, tem-se uma mudança na direção do vento, passado a ser de oeste para sudoeste.

Por se localizar em uma área de embate de massas de ar frias (MPa) e quentes (MTa, MEc e MTc), a variação térmica e barométrica na região de Londrina é bastante acentuada, o que acarreta uma considerável movimentação do ar e, não raro, a ocorrência de fortes vendavais (acima de 80 Km/h), que de acordo com a Escala de BEAUFORT, são considerados “Tempestade Total”; estes, quando atingem a área urbana da cidade, causam danos materiais para a população local.(STIPP, M.E.F.et al, 1992).


Metodologia
Para determinar a ocorrência de vendavais e registros de decretos de situação de emergência em Londrina- Paraná iniciou-se uma analise de bibliografias referentes ao tema e manchetes em um importante periódico do Norte do Paraná, Jornal Folha de Londrina.

A partir dos dados meteorológicos fornecidos pelo Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR), através de sua estação agrometeorológica principal, e pelo Ministério da Marinha, através de Cartas Sinóticas obtidas junto ao Centro de Hidrografia da Marinha e ao Instituto astronômico e Geofísico da Universidade de São Paulo, elaborou-se uma cartografia básica para o desenvolvimento da pesquisa, composta pelas seguintes cartas: Hipsométrica, Orientação de Vertentes, Direção e Velocidade dos Ventos de Superfície e Uso da Terra atual da área em estudo.

Com base nesses dados foi possível elaborar um gráfico para uma melhor visualização da dinâmica atmosférica ocorrida nos cinco dias posteriores à ocorrência dos vendavais, comparando-o com o levantamento jornalístico do periódico local, como forma de visualização das destruições causadas na área em estudo.

Resultados
As Cartas Sinóticas da Marinha possibilitaram a observação e análise da circulação atmosférica regional do Norte do Paraná nos períodos de janeiro/2000 a dezembro/2010 mesmo período em que foram realizadas as pesquisas no periódico regional.

Durante esses 11 anos, foram relatados 35 eventos de vendavais, presente em todas as regiões da cidade, sendo mais freqüentes vendavais na Zona Sul, e a menor incidência na região Central.

Geralmente acompanhados por chuva, ventos de até 90km/h causaram grandes desastres como quedas de árvores; danos às plantações; quedas das fiações que provocaram interrupções no fornecimento de energia elétrica e nas comunicações telefônicas; danos em habitações mal construídas e/ou mal situadas; destelhamento em edificações; deslizamentos ou desmoronamentos, como o caso ocorrido em 2002, onde um cidadão faleceu devido a queda de um muro.

Discussões
Os dados levantados possibilitaram a identificação dos principais locais susceptíveis à ação dos vendavais. O único obstáculo para a velocidade dos fortes ventos foram as edificações residenciais e comerciais e árvores em ajardinamento, e essas não resistindo à força dos vendavais são abaladas.

Os vendavais dominantes no Paraná estão associados aos sistemas convectivos de mesoescala que produzem tempestades nos meses mais quentes (outubro a março). A magnitude da média das rajadas máximas anuais varia entre 19 ms-1 e 24 ms-1. O tempo de duração das velocidades superiores a 10 ms-1 é inferior a 1 hora. (Golçalvez, sd). Comprovando Golcalvez, tem-se no presente trabalho a maior incidência de vendavais no ano de 2009, com 8 ocorrências registradas, sendo 5 nos meses de outubro a março. Ainda em outubro de 2009, na semana do dia 16, pela incidência de fortes vendavais, foi decretado estado de emergência no município de Londrina.

Analisados 5 dias anteriores ao dia 16 de outubro de 2009 as temperaturas médias máximas e mínimas oscilaram entre 27°C e 13,2°C. A temperatura máxima absoluta nos cinco dias que antecederam ao episódio variaram devido a entrada de uma Frente Fria; que causou a queda brusca da temperatura máxima.
Conclusões
Pode-se observar através das análises, que nos períodos de 2000 a 2010 os dias que antecederam aos vendavais, foram de grande movimentação atmosférica, com entradas de Frentes Quentes e Frias na região Sul do Brasil.

Os embates temporais que ocorreram na área foram gerados por elevadas amplitudes barométricas, resultando na ocorrência de fortes vendavais e tempestades que têm causado inúmeros desastres climáticos. Este trabalho sugeriu algumas propostas de mitigação para esses impactos ambientais, tais como implementação de quebra ventos (plantações de algumas espécies vegetais capazes de suportar vendavais), alteração do plano de expansão urbana da cidade, entre outras.

A área em estudo região de Londrina/PR, encontra-se em fase de plena expansão; neste contexto deve-se planejar o seu desenvolvimento visando garantir segurança à população local ante à ameaça do impacto dos vendavais.
Referências Bibliográficas

AYOADE, J.O. 1986, Introdução à climatologia para os Trópicos. Trad. por Maria Juraci Zani dos Santos. São Paulo: DIFEL, 332p.

CONTI, J. B. 1998, Clima e Meio Ambiente. Meio Ambiente. Ed. Atual.

CREPANII E., et al 2001, Sensoriamento Remoto e Geoprocessamento Aplicados ao Zoneamento Ecológico-Econômico ao Ordenamento Territorial. São José dos Campos em Brasil.

EMBRAPA. 2006, Sistema brasileiro de classificação de solos. 2º Ed. Rio de Janeiro: EMBRAPA SOLOS.

Estado do Paraná. Londrina, IAPAR, 41 p. ilust.

FUNDAÇÃO INSTITUTO AGRONÔMICO DO PARANÁ. 1978, Cartas climáticas básicas do

Instituto Agronômico do Paraná, disponível em: www.iapar.br . Acesso em 20 de agosto de 2011.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, disponível em: < www.ibge.gov.br/> . Acesso em: 20 de agosto de 2011.

LOMBARDO, M. A. 1985, Mudanças Climáticas recentes e a ação antrópica. Revista do Departamento de Geografia. São Paulo: USP

MENDONÇA, F. 2000, Geografia Física: ciência humana? São Paulo: Editora Contexto, 78p.

MENDONÇA, F. A. 1995, O clima e o planejamento urbano de cidades de porte médio e pequeno: Proposição metodológica para estudo e sua aplicação à cidade de Londrina/PR. São Paulo: USP. Tese de Doutorado.

MONTEIRO, C. A. 1976, Teoria e Clima Urbano. São Paulo: Ed. IG-USP, São Paulo, 241p.

MONTEIRO, C.A.F. Da necessidade de um caráter genético à classificação climática (Algumas considerações metodológicas a propósito do estudo do Brasil Meridional). Revista Geográfica, Rio de Janeiro, v31, n57, p 29-44, 1962.

NIMER, E. 1989, Climatologia do Brasil. 2 ed. Rio de Janeiro: IBGE: Departamento de Recursos Naturais e Estudos Ambientais.

OLIVEIRA, Marcia Maria Fernandes. Condicionantes sócio-ambientais urbanos da incidência da dengue na cidade de Londrina/Pr. Curitiba, 2006. 171p. Tese (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Geografia, Setor de PACHECO, A.; MATOS.B.A. Cemitérios e meio ambiente. Revista Tecnologias do Meio Ambiente. Lisboa, Portugal. Ano 7, n. 33, 2000.

STIPP, M.E.F. et al. Dinâmica dos ventos de superfície na cidade de Londrina/PR - influência do relevo e estrutura urbana. in: SIMPOSIO BRASILEIRO DE CLIMATOLOGIA GEOGRAFICA, 1, Rio Claro, 1992. Anais..., Rio Claro: UNESP, 1992.

TARIFA, J. R.; AZEVEDO, T. R. 2002, Os climas na cidade de São Paulo. São Paulo: Editora GEOUSP, Coleção Novos Caminhos, vol. 4, 199p.



TRICART, J. 1977, Ecodinâmica. Rio de Janeiro: IBGE/SUPREN, 91p


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal