Ele Nos Deu Profetas



Baixar 131,36 Kb.
Encontro29.10.2016
Tamanho131,36 Kb.

Para vídeos, guias de estudo e mais recursos, visite http://thirdmill.org


Ele Nos Deu Profetas
Lição Um

Perspectivas Hermenêuticas Essenciais



Acerca de Third Millennium Ministries

Fundado em 1997, Third Millennium Ministries é uma organização cristã sem fins lucrativos dedicada a prover Educação Bíblica, Grátis, Para o Mundo. Em resposta à crescente necessidade mundial de uma profunda formação bíblica de liderança cristã, estamos desenvolvendo e distribuindo um currículo de seminário focando principalmente líderes cristãos que não tem acesso a materiais de treinamento. Ao criar um currículo de seminário multimídia que é mantido por meio de doações, fácil de usar e em 5 idiomas (inglês, espanhol, russo, mandarim chinês e árabe), Third Millennium tem desenvolvido um método efetivo e econômico para treinar pastores e líderes cristãos ao redor do mundo. Todas as lições são escritas, desenhadas e produzidas em nossos escritórios, e são similares em estilo e qualidade às do The History Channel©. Em 2009 Third Millennium ganhou dois Prêmios Telly por sua destacável produção vídeográfica no Uso de Animação e Educação. Nossos materiais estão disponíveis em DVD, impressos, internet, transmissão de televisão via satélite e produção para rádio e televisão.

Para mais informação acerca de nosso ministério e de como você pode nos apoiar, visite www.thirdmill.org.

Conteúdo


  1. Introdução 3




  1. Nossa Confusão 4

Fontes de Confusão 5

Livros Proféticos 5

A Igreja 5

Resultados de Confusão 6

Vitimização 6

Apatia 7





  1. Experiência de um Profeta 8

Estado Mental 8

Inspiração 9

Inspiração Mecânica 9

Inspiração Orgânica 9

Compreensão 9



  1. Significado Original 11

Exegese Popular 11

Atomista 11

Ahistórica 12

Exegese Apropriada 12

Contexto Literário 13

Contexto Histórico 13




  1. Perspectivas do Novo Testamento 14

Autoridade 14

Escrituras Proféticas 14

Intenções Proféticas 15

Aplicação 16

Expectativas Proféticas 17

Cumprimentos Proféticos 17




  1. Conclusão 18

LIÇÃO 1 – PERSPECTIVAS HERMENÊUTICAS ESSENCIAIS
INTRODUÇÃO
Um conhecido pastor me disse uma vez: “Richard, se quiser ter uma multidão na igreja, organiza um congresso sobre profecia e diga-lhes que Jesus vai voltar imediatamente”. Quando visito as livrarias cristãs e escuto sermões cristãos nesses dias, me convenço de que ele tem razão. As pessoas se emocionam acerca das profecias bíblicas porque estão convencidas de que os antigos profetas nos dizem que o regresso de Cristo está às portas.

A maioria dos cristãos presta pouca atenção às profecias do Antigo Testamento, mas quando chegam a fazê-lo, seus pensamentos se dirigem imediatamente à segunda vinda de Cristo e a outros eventos do fim do mundo. Líderes cristãos de muitas e diferentes denominações estimulam as pessoas a buscar estes temas em cada página dos escritos proféticos. Ainda que seja natural nos dirigirmos para estes temas, nessas lições buscaremos uma perspectiva diferente e mais sóbria da profecia. A perspectiva que os próprios escritores tiveram. Como veremos, os profetas do Antigo Testamento têm muito mais a nos dizer do que poderíamos esperar.

Intitulamos essa lição “Perspectivas Hermenêuticas Essenciais” visto que identificaremos considerações hermenêuticas ou interpretativas que todos temos que captar se vamos estudar as profecias bíblicas responsavelmente. Esta primeira lição se divide em quatro partes: nossa confusão acerca da profecia do Antigo Testamento; e logo veremos três tópicos que nos ajudarão a superar nossa confusão: a natureza da experiência de um profeta; a importância de encontrar o sentido original, e finalmente, entender as perspectivas do Novo Testamento acerca da profecia do Antigo Testamento. Vamos dar uma olhada primeiro em nossa confusão.
1. NOSSA CONFUSÃO
Você já se deu conta de que a maioria dos cristãos conhece algumas partes da Bíblia muito melhor do que outras. No Antigo Testamento, as histórias do Pentateuco são muito familiares. Leitores ávidos da Bíblia conhecem a Josué e Juízes, e alguns poucos crentes entendem muito acerca de livros como Samuel, Reis e Crônicas. Mas, logo que alguém pergunta: de que trata Isaias? E Sofonias? Não é Ageu um livro emocionante? ficamos mudos porque sabemos muito pouco acerca desses livros. Alguns pastores e professores cristãos tendam a evitar explicações cuidadosas dos profetas do Antigo Testamento em seus ministérios, devido a que estamos muito confundidos a respeito deles.

Ao começarmos esses estudos sobre a profecia do Antigo Testamento é importante que comecemos com uma olhada sobre essa confusão. Faremo-nos duas perguntas: Quais são as fontes da nossa confusão sobre a profecia? E quais são alguns dos resultados desta confusão? Comecemos com uma olhada nas fontes da confusão que muitos de nós sentimos com respeito à profecia do Antigo Testamento.





1.1. Fontes da Confusão

Existem pelo menos dois coisas que faz com que os cristãos tenham problemas quando tratam de entender a profecia do AT: Primeiro os livros proféticos em si mesmos, e segundo, a desarmonia na igreja. Enfrentemo-los.


1.1.1. Os próprios livros proféticos

Os livros de profecia contidos nas Escrituras são provavelmente as partes da Bíblia mais difíceis de captar. Muitos cristãos têm problema até para pronunciar os nomes de alguns profetas do Antigo Testamento, mais ainda para entenderem o que dizem. Freqüentemente, ficamos perplexos com os conteúdos dos livros. Parece que não se encaixam. Os versículos não parecem seguir um ao outro. Parecem falar em enigmas e adivinhações. Às vezes as palavras dos profetas não fazem nenhum sentido. Além disso, não sabemos muito acerca dos eventos históricos: reis, nações, guerras. São tão complexas que nos é difícil seguir o seu rumo. A maioria dos cristãos quando lêem os profetas se sentem como se entrassem numa terra estranha. Os letreiros nas ruas não têm sentido. Os costumes são estranhos. Caminhamos nesses livros perplexos por conta dessas dificuldades deles mesmos.
1.1.2. A Igreja

Há uma segunda grande fonte de confusão: A igreja.

A igreja cristã tem uma maravilhosa harmonia de ensino em muitas áreas. Mas, quando se trata das profecias do Antigo Testamento, dificilmente há harmonia, só desacordo. Você deve ter escutado os debates: E você o que é? Um premilenista dispensacionalista? Um premilenista histórico? E que tal se se tornasse um pós-milenista? Você é um amilenista otimista ou pessimista? Nos alinhamos a um grupo e escutamos que todos os demais estão equivocados. Daí visitamos outro grupo e escutamos o contrário. Ainda que os evangélicos estejam de acordo nos pontos essenciais da fé, dificilmente existe algum acordo entre nós no que diz respeito às profecias, exceto no ensino de que Cristo retornará em glória. A igreja está tão dividida quanto à interpretação dos profetas do Antigo Testamento que é difícil para nós ler estes textos com muita segurança.



1.2. Os resultados dessa confusão

A confusão que vemos tem nos levado a toda classe de resultados lamentáveis. Posso pensar em pelo menos dois resultados principais derivados da confusão que temos com respeito a esta parte da Bíblia: vitimização e cair em apatia.
1.2.1. Vitimização – A vitimização se dá ao nosso redor. Devido ao fato de existirem tantos desacordos e confusão na igreja, em muitas situações se levantam os assim chamados “experts em profecia” para trazer ordem à confusão. Fazem isto indo a vários lugares ensinando suas opiniões como se fossem absolutamente certas.

Vários exemplos de vitimização deste tipo me vêm à mente. Em décadas recentes, inumeráveis livros e mestres têm dito dogmaticamente que o estabelecimento do Estado de Israel em 1948 marcou a última geração antes que Cristo volte. Ensinava-se por todos os lados que Cristo voltaria dentro de uma geração, 40 anos depois de 1948. “Somente uma geração depois que Israel volte para a sua terra... Quarenta anos, e Cristo voltará para sua igreja”.

Quarenta anos se passaram e nada aconteceu. Esperávamos que havendo passado 1988, as especulações parassem, mas não foi assim. Conforme passam os anos, os experts em profecia têm voltado sua atenção a outras coisas. Agora afirmam que o ano 2000 nos traz o final dos tempos. De novo as expectativas são febris. As revistas e periódicos sensacionalistas nos dizem que o Apocalipse está bem próximo. Todos os sinais apontam para o final dos tempos. Nos dizem que cada evento atual, guerras, terremotos, crises econômicas mostram que as profecias do Antigo Testamento com respeito à volta de Cristo estão a ponto de ser cumpridas. E, é claro, que a aplicação prática de muitas dessas profecias é “comprem meus livros”, “dêem dinheiro para o meu ministério”, etc. Tristemente, muitos cristãos são facilmente enganados. Muitos de nós mudamos de uma interpretação a outra porque não sabemos como entender os profetas por nós mesmos.

A vitimização é um resultado de nossa confusão sobre a profecia do Antigo Testamento, mas há outro resultado que também podemos ver. Muitas vezes nos tornamos apáticos com respeito ao entendimento da profecia do Antigo Testamento.



1.2.2. Apatia – Muitos cristãos parecem passar por fases na sua aproximação da profecia. Primeiro começam com muito entusiasmo. Escutam alguém ensinando e encontram muita emoção em assistir a conferências e ler livros. Depois, esses mesmos crentes passam por uma crise quando percebem que simplesmente, não é verdade aquilo que esses mestres disseram. Em muitos casos, estes mesmos cristãos terminam em apatia. Dão-se por vencidos quanto a entender esta parte da Bíblia.

Isso foi o que aconteceu comigo. Quando eu era um cristão jovem em preparação meus professores me haviam dito que todos os sinais apontavam para o iminente regresso de Cristo. Cheguei ao ponto de decidir que não havia razão para ir à universidade, logo comecei a dar-me conta de que nenhum de seus descobrimentos se voltava para a realidade, assim segui avante e forjei minha própria vida. Tornei-me apático com respeito à profecia. “Nunca entenderei essas porções da Bíblia”, eu pensei. Assim comecei a saltar esta parte da Bíblia e a concentrar-me em coisas que pudesse entender. E lhes afirmo que, onde quer que eu vá, vejo cristãos que são apáticos quanto à profecia do Antigo Testamento.

Temo que hoje em dia, muitos crentes são apáticos com respeito à profecia do Antigo Testamento. Dão-se por vencidos quanto a procurar entendê-la, devido a estarem cansados da decepção e da vitimização. Não podem imaginar o número de pastores que tenho ouvido dizer: “não se preocupem com a profecia, vocês nunca poderão entendê-la!”. Assim, simplesmente nos esquecemos dessa parte da Bíblia.

É tempo de mudar essa situação. Precisamos aprender acerca das profecias do Antigo Testamento para não sejamos “levados por todo vento de doutrina”. Bem como devemos aprender acerca da profecia do Antigo Testamento para evitar a apatia. Deus não a incluiu na Bíblia para que a ignorássemos. Ele no-las concedeu para que nos beneficiemos dela de incontáveis formas. Não deveríamos está satisfeitos em permanecer ignorantes ou confundidos com relação à profecia do Antigo Testamento.


Creio que todos nós reconhecemos estes problemas com a profecia do Antigo Testamento, mais agora, nos faremos outra pergunta: Que tipos de coisas podem ajudar-nos a sobrepormos a nossa confusão? O que necessitamos para entendermos como incrementar nosso entendimento dessa parte da Bíblia? Existem, pelo menos, três principais aspectos que devemos estudar para evitar a vitimização e a apatia. Primeiro precisamos saber acerca da natureza da experiência dos profetas. Segundo, precisamos reafirmar a importância do sentido original das profecias. E terceiro, necessitamos obter um melhor entendimento da forma como o Novo Testamento tratou as profecias do Antigo Testamento. Estes três tópicos são importantes, e vamos tratar com cada um deles ao longo dessas lições. Nesse ponto, só introduziremos alguns pensamentos preliminares. Vejamos primeiro a experiência do profeta do Antigo Testamento.
2. EXPERIÊNCIA DE UM PROFETA
Se esperamos manejar a profecia responsavelmente teremos que observar cuidadosamente as experiências dos profetas. Que sucedeu com estes mensageiros de Deus? O que experimentaram esses homens enquanto anunciavam a Palavra de Deus? Ao escutar e ler as pessoas falarem acerca da experiência de um profeta, são três, ao menos, os mal entendidos que surgem a esse respeito. Muitos cristãos entendem mal o estado mental dos profetas quando recebiam e entregavam a Palavra de Deus. Também entendemos mal a forma como Deus inspirou as palavras e escritos dos profetas. Freqüentemente não temos uma idéia correta acerca da compreensão dos profetas do Antigo Testamento e do que eles entenderam das palavras que falaram.



2.1. Estado Mental

Em primeiro lugar, muitos estudiosos das Escrituras atuam como se o profeta estivesse fora de si ao receber suas profecias. Os profetas estavam tão sobrecarregados pelo Espírito de Deus que perderam seus sentidos. Entraram em estado de delírio febril, de forma bem parecida com a forma como ficaram os profetas pagãos de Baal e de outras religiões do mundo moderno e antigo.

Apesar de difundida esta perspectiva dos profetas, ela não coincide com a evidência da Escritura. Creio que podemos está seguros de que houve ocasiões em que os profetas do Antigo Testamento foram surpreendidos pelo que viram e ouviram de Deus. Apenas podemos imaginar o estado mental que Ezequiel experimentou quando no cap. 8 do seu livro (v. 3) o Espírito de Deus lhe tomou pelos cabelos e o levou centenas de quilômetros no ar, para o templo de Jerusalém. Mas, mesmo nessa condição Ezequiel não estava completamente fora de si. Não perdeu a consciência. Ao ler esta porção de Ezequiel, vemos que ele podia interagir racionalmente com Deus acerca das coisas que via. Ainda em situações mais dramáticas, os profetas do Antigo Testamento permaneciam alertas e conscientes enquanto Deus lhe revelava Sua Palavra.


2.2. Inspiração

Um segundo mal entendido que se tem difundido a respeito da profecia tem a ver com a forma como os profetas foram inspirados por Deus.

2.2.1. Inspiração mecânica – Desafortunadamente muitos cristãos se acercam das profecias do Antigo Testamento como se essas tivessem sido inspiradas mecanicamente. Tratamos os profetas como se tivessem sido meras máquinas. Pensa-se que quando Isaías falava, simplesmente deixava que Deus mexesse seus lábios. Ou que quando Amós pregava Deus lhe forçava cada palavra que saia da sua boca. Temos uma melhor idéia que esta quando se trata de outras partes da Bíblia, mas quando se trata de profetas do Antigo Testamento freqüentemente os tratamos como instrumentos passivos de revelação, meras máquinas de Deus.

Em contraste com esta forma popular de ver a inspiração dos profetas, nestas lições operaremos com uma perspectiva chamada “inspiração orgânica”.

2.2.2. Inspiração Orgânica – Cremos o Espírito Santo inspirou os escritos do Antigo Testamento de maneira que não há erros. Sem dúvida, também quando Deus inspirou a Escritura da Bíblia, usou as personalidades, pensamentos e formas de pensar dos autores humanos.

Sabemos que isto é claro no Novo Testamento. As epístolas de Paulo refletem o contexto em que ele vivia e sua personalidade. Também reconhecemos que as diferenças entre os quatro Evangelhos resultam primordialmente da diferença de intenções e propósitos de escritores humanos. De forma muito semelhante, Deus usou as personalidades, experiências e intenções dos profetas ao inspirá-los para entregar Sua Palavra a Seu povo. Se esperamos entender os profetas do Antigo Testamento, devemos rejeitar o entendimento mecânico de suas experiências e começar a buscar as formas como Deus inspirou aos profetas como seres humanos completos quando eles receberam e transmitiram Sua Palavra.


2.2.3. Compreensão - Alinhadas com nossos outros mal entendidos das experiências dos profetas, freqüentemente temos uma idéia equivocada da forma como os profetas compreendiam suas palavras. De fato, muitos cristãos atuam como se os profetas tivessem sido ignorantes e incapazes de entender o que estavam dizendo. Por exemplo, crêem que se alguém tivesse parado Amós e perguntado: “O que você quer dizer com estas palavras?”, ele teria respondido: “Não sei. Só falo o que Deus me mandou falar”.

Em contraste com este mal entendido, a Bíblia ensina que os profetas tinham um entendimento parcial, mas de todos os modos entendiam muito do que diziam. Por exemplo: no capítulo 12, versículo 8 do livro de Daniel, o profeta confessou:


Eu ouvi, porém não entendi. (Daniel 12.8).
Mais temos que ser cuidadosos para discernir o que Daniel quis dizer. Ele explicou o que quis dizer quando continuou dizendo:
Então, eu disse: meu senhor, qual será o fim destas coisas? (Daniel 12.8).
Daniel entendeu o que havia escutado e escrito, conhecia o vocabulário, a gramática - eram suas próprias palavras, afinal. Entretanto, não entendia tudo. Admitiu não saber com precisão como seria cumprida a profecia.

De forma semelhante, 1 de Pedro 1.11 nos diz que os profetas do Antigo Testamento não entendiam tudo o que diziam. Ele disse que os profetas do Antigo Testamento tentaram em vão descobrir o tempo e a circunstancias que lhes indicava “o Espírito de Cristo”. Em outras palavras, Pedro disse que os profetas do Antigo Testamento permaneceram ignorantes acerca dos detalhes do tempo e das circunstâncias, mas não sugere nem por um momento que eles não tinham entendimento algum de suas palavras. Ao contrário, como veremos, os profetas tinham um tremendo discernimento quanto ao caminho de Deus para seu povo.

Existem muitos mal entendidos difundidos acerca das experiências dos profetas do Antigo Testamento. Mencionamos apenas três: seu estado mental, sua inspiração e sua compreensão de suas profecias. Se esperamos interpretar a profecia responsavelmente, devemos lembrar sempre que os profetas estavam mentalmente conscientes, organicamente inspirados, e que compreendiam muito do que diziam. Esta perspectiva nos servirá de inumeráveis formas ao nos acercarmos desta parte da Bíblia.

Tendo em mente esta orientação sobre a experiência de um profeta, podemos ir para a segunda perspectiva hermenêutica essencial: a importância da mensagem original de uma profecia.



3. SIGNIFICADO ORIGINAL
Desde os tempos da reforma, os cristãos evangélicos estão de acordo que devemos buscar o significado original das passagens da Bíblia, e então nos submetermos à autoridade deste significado original. Entretanto, desafortunadamente, muitas vezes estes mesmos cristãos não enfatizam esse princípio hermenêutico quando estudam a profecia do Antigo Testamento. Vejamos o significado original e foquemos em dois temas: Primeiro, a exegese popular dos profetas, e segundo a exegese apropriada desta parte da Bíblia.

3.1. A Exegese popular

Vejamos primeiro as perspectivas populares tão difundidas acerca do significado original da profecia do Antigo Testamento.

Onde quer que formos hoje em dia, cristãos bem intencionados interpretam a profecia com pouquíssima atenção ao significado original do que quiseram dizer os profetas. Estas perspectivas populares podem ser caracterizadas de duas formas: Primeiro são atomistas, e Segundo são ahistóricas.


3.1.1. Atomistas – Que queremos dizer com interpretação atomista? É muito comum que os cristãos leiam os profetas do Antigo Testamento como uma coleção de predições vagamente conectadas. Ao invés de ler cuidadosamente através de longas seções de um livro profético, usualmente ficamos satisfeitos em focar uma frase chave ou uma palavra especial. Às vezes consideramos alguns poucos versículos, mas isso é praticamente o máximo que, no que concerne ao contexto, muitos cristãos consideram quando lêem os profetas do Antigo Testamento.
3.1.2. Ahistórica – Não só é certo que muitos cristãos lêem as proféticas atomisticamente, como também adotam um ponto de vista ahistórico ou não-histórico, não levam em consideração o contexto histórico das palavras dos profetas. Não consideram o escritor original, nem consideram as circunstâncias e necessidades das audiências humanas das profecias do Antigo Testamento. Ao invés disso, as profecias são tratadas como vasos vazios esperando ser preenchidos com significados. Não nos preocupamos com o significado original, que de antemão enche esses vasos. Em vez disso, damos a eles os significados de coisas que vemos nos nossos dias. Olhamos o que está acontecendo em nosso mundo e buscamos encher os vasos vazios da profecia com eventos atuais.

Lembro que há alguns anos, estava falando em uma maravilhosa igreja na Europa. Durante um período de perguntas e respostas, um crente levantou sua mão e perguntou: “Você concorda que o desastre do reator de Chernobyl é um sinal do fim dos tempos?” Daí, eu perguntei ao pastor: “Foi isso mesmo que ele disse?”. O pastor respondeu afirmativamente. Em russo, a palavras Chernobyl significa “absinto”, posto que Jeremias menciona “absinto” em Jeremias capítulo 23, versículo 15, este bem intencionado irmão pensou que o problema em Chernobyl era um sinal da iminente vinda de Cristo. Não se preocupou com o contexto deste versículo, nem pensou acerca das intenções de Jeremias para com sua audiência. Em vez disso, fixou sua atenção em uma palavra e a conectou diretamente com uma experiência de sua parte do mundo.

Colocar o significado que nós queremos na profecia do Antigo Testamento é algo muito comum, devido a que muitos de nós lemos estes textos atomisticamente e sem nos preocuparmos com o contexto histórico do escritor e da audiência. Quando o significado original é ignorado, podemos fazer muito pouco, exceto impor nossas próprias idéias nas Escrituras.

A única maneira de corrigir as perspectivas populares da profecia do Antigo Testamento é desenvolver um interesse apropriado pelo sentido original destes textos.


3.2. A Exegese apropriada

Em grande medida, tudo o que temos que fazer é aplicar à profecia os princípios básicos de interpretação que já aplicamos sem problemas a outras partes da Bíblia. Este significado original de uma profecia – descoberto através da exegese histórico-gramatical – é a única forma de evitar que nos desviemos para a especulação.

Como sugere o termo histórico-gramatical, devemos focar em dois elementos para descobrir o significado original. Primeiro, observamos a gramática de uma profecia lendo-a em seu contexto literário. Segundo, devemos nos interessar pelo contexto histórico do escritor humano e sua audiência original.
3.2.1. Contexto Literário – Como veremos não é suficiente focarmos em uma palavra ou duas, aqui e ali, como faz a perspectiva popular atomista. Devemos aprender a manejar grandes seções de materiais: versículos, capítulos, seções, e mesmo livros inteiros. Por exemplo, talvez estejamos interessados na famosa profecia de Isaías capítulo 7, versículo 14.
eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho e lhe chamará Emanuel.
Os cristãos freqüentemente ficam satisfeitos em ler este único versículo e notar palavras como “virgem”, “filho”. Muitos se sentem cômodos em entender a passagem de uma perspectiva atomista, mas para considerar a passagem responsavelmente, devemos ir mais além de umas poucas palavras chaves e considerá-la no contexto inteiro. Que lugar ocupa esse versículo dentro de Isaias 7? 2. Que lugar ocupa dentro dessa seção de Isaias? Como contribui ao propósito completo e ao significado de Isaias? Só quando colocamos esse único versículo dentro do contexto mais amplo podemos está seguros de que o entendemos corretamente.
3.2.2. Contexto Histórico – Além de observar o contexto mais amplo de uma profecia, a exegese apropriada também inclui ler as profecias dentro do contexto histórico do escritor e de sua audiência. Ao ler as profecias muitos cristãos atuam como se estas Escrituras flutuassem em um espaço atemporal. Mas a exegese histórico-gramatical requer que ponhamos as profecias de volta na terra. Fazemos perguntas como: Quem escreveu essas palavras? Quando? A quem as estava escrevendo? Por quê?

Por exemplo, ao referir-nos a Isaías capítulo 7, não deveríamos pensar neste texto como uma mescla de palavras flutuando no céu simplesmente esperando tocar a terra quando Jesus nasceu. Devemos aterrissar este versículo e lembrar que estamos lendo uma passagem em que Isaías está falando a Acaz, rei de Judá. Assim, temos de fazer perguntas como estas: Por que Isaías disse essas palavras? Quais eram as circunstâncias? A que ele as disse? Só colocando esta passagem em seu contexto histórico podemos esperar entendê-la corretamente.

Assim, vemos que devemos rejeitar a perspectiva popular atomista e ahistórica da profecia do Antigo Testamento e esforçarmo-nos por entender seus significados originais através da exegese histórico-gramatical. Uma vez que tenhamos entendido a mensagem original de uma profecia do Antigo Testamento, teremos uma ancora que nos ajudará a explorar o que estas profecias significam para nós hoje em dia.

Até aqui temos visto duas áreas que devemos aprender a fim de superar nossa confusão sobre os profetas do Antigo Testamento: a experiência dos profetas e a importância do significado original. Agora devemos passar a uma terceira área que precisa de cuidadosa atenção: as perspectivas do Novo Testamento sobre a profecia.



4. PERSPECTIVAS DO NOVO TESTAMENTO
Quando consideramos as perspectivas do Novo Testamento com respeito às profecias do Antigo Testamento muitas questões vêm a nossa mente. Voltaremos a nossa atenção a este tema em lições posteriores, mas nesse ponto será útil tratar com duas dimensões das perspectivas do Novo Testamento. Primeiro a autoridade dos profetas do Antigo Testamento, e segundo a aplicação dos profetas do Antigo Testamento.
4.1. A autoridade dos profetas

Jesus e os apóstolos no NT freqüentemente mostraram que estavam plenamente convencidos da autoridade dos profetas do Antigo Testamento. Esse tema aparece de duas formas: Primeiro, referências neotestamentárias às Escrituras proféticas e segundo, referências às intenções dos profetas.

4.1.1. Referências às Escrituras Proféticas

Em primeiro lugar Jesus e os apóstolos afirmaram sua submissão às Escrituras dos profetas do Antigo Testamento. É necessário apenas dizer que Jesus foi fiel aos ensinos do judaísmo bíblico de sua época. Um dos ensinos centrais do Judaísmo do seu tempo era a autoridade absoluta da Bíblia hebraica. Essa era a razão pela qual Jesus sempre afirmava que seu ministério era conforme essa Sagrada Escritura. Por exemplo, em Mateus capítulo 5, versículo 17, Jesus mesmo disse:


Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim para revogar, vim para cumprir.
Precisamos ressaltar que Jesus não disse simplesmente que ele reconhecia a autoridade da Lei Mosaica, mas também a dos profetas. Todos os escritores do Novo Testamento seguiram a Cristo desta maneira. Constantemente se referiram aos profetas como Escrituras autoritativas.

Tão importante como ver que Jesus e os apóstolos amavam os escritos sagrados dos profetas, é dar-se conta de que eles estavam interessados nas intenções originais dos profetas.





4.1.2. Referências às intenções dos profetas

Os escritores do NT não eram arbitrários na maneira como entendiam as profecias. Eles não impunham os seus próprios significados sobre os profetas. Em vez disso estavam preocupados em descobrir seu significado original e construir sobre sólido fundamento.

Muitos cristãos hoje em dia assumem equivocadamente que os escritores neotestamentários tinham um direito divino para interpretar a profecia sem levar em conta o significado original. Mas, nada poderia está mais longe da verdade. Dois exemplos serão suficientes para mostrar a preocupação dos escritores do Novo Testamento com o significado original da profecia.

Por exemplo, Pedro explicou sua forma de interpretar as profecias do Antigo Testamento em Atos capítulo 2.29-31. Ele não impôs nenhum significado estranho, mas interpretou as palavras à luz do que, versículos 29 ao 31. Depois de citar parte do Salmo 16, disse isto nos versículos 29 a 31:


Irmãos, seja-me permitido dizer-vos claramente a respeito do patriarca Davi que ele morreu e foi sepultado, e o seu túmulo permanece entre nós até hoje. Sendo, pois, profeta e sabendo que Deus lhe havia jurado que um dos seus descendentes se assentaria no seu trono, prevendo isto, referiu-se à ressurreição de Cristo, que nem foi deixado na morte, nem o seu corpo experimentou corrupção.

(Atos 2.29-31).


Pedro não apelou a nenhum direito para impor suas idéias sobre o Salmo 16. Pelo contrário, ele interpretou as palavras proféticas de Davi à luz da vida e das intenções de Davi.

De maneira similar, o apóstolo João também revelou uma profunda preocupação em descobrir o significado original da profecia. Em João capítulo 12, versículos 39 a 40 João se refere a uma profecia de Isaías capítulo 6, versículo 10. Ali escreveu:


Por isso, não podiam crer, porque Isaías disse ainda: Cegou-lhes os olhos e endureceu-lhes o coração, para que não vejam com os olhos, nem entendam com o coração, e se convertam, e sejam por mim curados.
João aplicou esta passagem ao ministério de Jesus, mas vejamos a maneira como ele validou sua interpretação. No versículo imediato, João Capítulo 12 versículo 41, ele apelou às intenções dos profetas:
Isto disse Isaías porque viu a glória dele e falou a seu respeito.
João focou sua atenção na experiência de Isaías e nas intenções do profeta ao emitir estas palavras. João não tomou as palavras de Isaías de uma maneira que fosse conveniente aos seus propósitos. Em lugar disso, buscou submeter-se às intenções organicamente inspiradas do profeta.

Esta prática exegética é a única salvaguarda contra autoridades eclesiásticas ou crentes individuais que desejem lançar qualquer coisa que queiram crer dentro da Bíblia.

Sendo tão importante como era para Jesus e os escritores do Novo Testamento, o significado original da profecia, eles não se conformaram simplesmente com repetir o significado original. Ao contrário, Cristo e seus apóstolos estavam comprometidos em aplicar a palavra profética aos dramáticos atos de Deus em seu tempo.
4.2. Aplicação
Para ver como operava este processo de aplicação, necessitamos considerar duas idéias: Primeiro: as expectativas proféticas e, segundo: os cumprimentos proféticos

4.2.1. Expectativas proféticas

Ao longo destas lições estaremos descrevendo os tipos de expectativas que o Antigo Testamento predisse para o futuro, mas por agora devemos falar em termos gerais para prover uma orientação sobre as perspectivas do Novo Testamento. Posto simplesmente, os profetas sabiam que o pecado havia causado grande devastação no mundo. O próprio povo de Deus andou tão corrupto que Deus o mandou para o exílio. Apesar destes terríveis resultados do pecado, os profetas esperavam um tempo em que Deus restauraria as coisas. Esse futuro seria um tempo de juízo total sobre os ímpios, mas também um tempo de bênçãos eternas para os fiéis. Os profetas tinham uma classe de termos que usavam para falar sobre esse clímax da história humana. Falavam do Dia do Senhor e dos Últimos dias. Esse tempo seria o tempo em que Deus interviria no mundo e traria todas as coisas a seu fim último.

Para entender como o Novo Testamento maneja a profecia do Antigo Testamento precisamos observar que eles viram o cumprimento de todas estas expectativas proféticas em Cristo.
4.2.2. Cumprimentos proféticos

Nos dias de Jesus e dos apóstolos, muitos israelitas esperavam que o dia da retribuição estivesse por vir logo. Esperavam por um Messias que traria a história humana a seu clímax. Em uma palavra, os cristãos receberam a Jesus como o cumprimento da profecia. Como resultado,Jesus se tornou a hermenêutica central para o entendimento cristão da profecia.

Ele mesmo insistiu que a interpretação dos profetas deve ser Cristocêntrica. Jesus acentuou a importância da interpretação Cristocêntrica a seus discípulos no caminho de Emaús depois da sua ressurreição. Em Lucas capítulo 24 versículos 25 a 26, ele repreendeu a seus discípulos desta maneira:
Então, lhes disse Jesus: Ó néscios e tardos de coração para crer tudo o que os profetas disseram! Porventura, não convinha que o Cristo padecesse e entrasse na sua glória?

Jesus esperava que seus discípulos o vissem como o cumprimento das profecias do Antigo Testamento. Por essa razão, o verso seguinte nos diz:


E, começando por Moisés, discorrendo por todos os Profetas, expunha-lhes o que a seu respeito constava em todas as Escrituras. (Lucas 24.27).
Note como Lucas disse: Jesus explicou tudo o que os profetas disseram acerca deles mesmo.

Assim, os escritores do Novo Testamento enfatizaram a importância das expectativas originais das profecias, como também relacionaram essas expectativas proféticas originais com a pessoa e obra de Cristo.

Originalmente, os profetas fixaram uma trajetória de expectativa, um tempo futuro de grande juízo e bem-aventurança que estava por vir. O Novo Testamento segue essa trajetória, e a projeta para o futuro e encontra seu cumprimento na primeira vinda de Cristo, no seu reino hoje e no fim desse mundo quando Jesus regressar em glória.

Como veremos mais adiante nessa série de lições, o Novo Testamento explica que Cristo cumpriu todas as profecias do Antigo Testamento em três etapas do seu reino. Primeiro, ele fez muito na inauguração de Seu reino, no Seu ministério terreno a quase dois mil anos. Segundo, ele continua cumprindo as expectativas do Antigo Testamento na continuação do seu reino através da história da igreja. Terceiro, Cristo trará todas as profecias a um pleno cumprimento quando regressar e trouxer a consumação do seu reino. Essas três etapas da obra de Cristo deram aos escritores do Novo Testamento um modelo hermenêutico por meio do qual eles pudessem aplicar as profecias do Antigo Testamento a seus dias, nossos dias e nosso futuro.

Como seguidores de Cristo, também devemos aprender como tomar as expectativas das profecias do Antigo Testamento quanto à primeira vinda de Cristo, quanto à continuação do seu reino e, quanto à segunda vinda de Cristo.
CONCLUSÃO
Nesta lição introdutória tocamos em quatro matérias que guiarão nosso estudo completo da profecia do Antigo Testamento. Devemos superar nossa confusão sobre essa parte da Bíblia, focando-nos nestas três perspectivas hermenêuticas essenciais. Devemos aprender acerca da experiência dos profetas. Devemos reafirmar a importância do significado original da profecia. E então, devemos aprender como seguir as perspectivas do Novo Testamento com respeito à profecia do Antigo Testamento.

Durante as lições seguintes, exploraremos estas três perspectivas hermenêuticas com muito mais detalhes. Primeiro descobriremos a experiência dos profetas e depois, nos ocuparemos do significado original da profecia. Finalmente, examinaremos mais de perto os modos como os escritores do Novo Testamento entenderam as profecias. À medida que vamos explorando estes temas, iremos ganhando discernimento que nos permitirá interpretar a profecia de forma que edificará a igreja e glorificará o nosso Deus.


Ele Nos Deu Profetas, Lição Um © 2011 Third Millennium Ministries



Perspectivas Hermenêuticas Essenciais www.thirdmill.org



©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal