Egocentric Network Study



Baixar 18,53 Kb.
Encontro21.10.2017
Tamanho18,53 Kb.
MINI-CURSO ANÁLISE DE REDES SOCIAIS: medidas de redes egocentradas utilizando o software EgoNet “Egocentric Network Study”

Haroldo Junior Martins Cardoso1

haroldojunior1602@hotmail.com

Resumo: A análise de redes é uma tendência nas pesquisas, com os objetivos de mapear, medir, analisar e compreender o papel das redes nos objetos de estudo de várias disciplinas, inclusive da Geografia. Na análise das redes sociais (Social Network Analysis – SNA) a análise não se desdobre sobre as trocas entre os espaços geográficos, mas recorre ao espaço das relações sociais para observar as influências estruturais. Assim, a análise de redes sociais busca compreender a forma como são expressos os padrões das relações entre as posições ocupadas pelos atores (nós) na estrutura social, através dos luxos relacionais que determinam a posição que um ator exerce na estrutura da rede de cada ator. O conteúdo das relações é apresentado a partir da natureza do laço, pelos seus aspectos de intensidade (força do laço) e frequência (grau de reciprocidade). A perspectiva da análise de redes é dividida em redes pessoais (egocêntricas) e redes totais (sociocêntricas), nesta proposta de atividade serão desenvolvidas a análises sobre primeira tipologia. O levantamento da rede pessoal tem como base as informações oferecidas pelo próprio indivíduo, o qual é denominado de ego. O ego é responsável por informar a posição de cada ator na rede e na força das relações entre estes atores, que são chamados de alters. As medidas de centralidade (degree), intermediação (betweenness), proximidade (closeness), clique (clusters) nos possibilitam uma análise a respeito da posição de cada ator na rede social do ego. A partir destas análises é possível observar através espaço das relações sociais, a noção de ação robusta, ação coletiva, transferência de informação, habitus e a influência dos laços sociais (parentesco, amizade, compadrio, etc) na tomada de decisão do sujeito. Ademais, a análise de redes sociais possibilita observar algumas questões que permeiam as disciplinas. Em que medida a estrutura social influência no comportamento e nas tomadas de decisão do sujeito? A partir deste questionamento, pretende-se apresentar um panorama introdutório sobre a perspectiva da análise de redes sociais para responder estas e outras questões.

Objetivo Geral

Apresentar as dimensões: teórica e prática da perspectiva da análise de redes sociais.



Objetivos Específicos

  • Apresentar as perspectivas teóricas e metodológicas que sustentam a análise de redes sociais.

  • Construir o questionário utilizando o software EgoNet e construir o mapa da rede de relações.

  • Demonstras as possibilidades de análise de redes sociais a partir das medidas de análise de redes.

Metodologia

Os procedimentos metodológicos para o cumprimento dos objetivos se desdobra em três etapas, divididas em dois dias e mini-curso, totalizando seis horas. A primeira etapa corresponde à introdução aos aspectos teóricos e metodológicos da análise de redes sociais, utilizando textos de apoio sobre os pilares que sustentam essa perspectiva. Bem como, suas limitações metodológicas e seus métodos de levantamento de dados.

A segunda etapa envolve a dimensão prática desde trabalho, onde os cursistas serão apresentados à ferramenta que possibilita a análise de redes sociais, o software EgoNet. Auxiliados, por um guia de instrução para construir um questionário utilizando a ferramenta. Os alunos ainda deverão levar como demanda para a última etapa a elaboração das 40 pessoas que eles conhecem de nome ou de vista e que tenham encontrado nos últimos 12 meses e que será utilizado para a elaboração da rede no software.

A terceira e última etapa da proposta é preencher o questionário sobre as informações do ego e dos alters e gerar a rede egocêntrica. Com a rede criada é preciso realizar uma análise sobre o número de componentes da rede, sobre a estrutura da rede e sobre as medidas geradas pela rede como; o grau de centralidade da rede de relações; o número de laços fortes e fracos que compõem a rede; a centralidade de intermediação. Dessa forma, podemos visualizar o papel da estrutura da nossa rede de relações em importantes momentos de tomada de decisão, de transferência de capital social e cultural. A análise de redes sociais não resolve todos os problemas, mas significa uma proposta teórica e metodológica que agrega possibilidades na obtenção de resultados nos trabalhos em várias disciplinas, inclusive na Geografia.



Material Necessário

Para a realização do mini-curso será necessária uma sala ou laboratório, onde exista tomadas suficientes para conectar os notebooks. Cada cursista deve levar o seu aparelho com o programa EgoNet já instalado numa pasta em C:, a sala deve conter também um data show. Ademais, serão necessárias cópias do texto de apoio que será enviado antes da data do evento.



Resultados Esperados

A contemplação de cada etapa metodológica da proposta do mini-curso permite também cumprir com os objetivos definidos. Portanto, os resultados se desdobram sobre a introdução da perspectiva teórica e metodológica da análise de redes sociais, na construção do questionário utilizando o software EgoNet e na auto análise da rede social que cada cursista poderá realizar, apresentando perspectivas possíveis para os estudos acadêmicos.



Referências

BURT, R. Structural Holes versus Network Closure as Social Capital. Social Capital: Theory and Research, 2001. Disponível em: http://snap.stanford.edu/class/cs224w-readings/burt00capital.pdf Acesso: 20 abr. 2016.

DEGENNE, Alan; FORSÉ, Michel. Introducing social networks. Londom: SAGE, 1999.  
FONTANELLA, B. J. B.; LUCHESI, B. M.; SAIDEL, M. G. B; RICAS, J. TURATO E. R.; MELO, D. G. Amostragem em pesquisas qualitativas: proposta de procedimentos para constatar saturação teórica. Cad Saúde Pública. 2011; 27 (2): 388-94. 
GRANOVETTER, M. The strength of weak ties. Amercinca Jornal of Sociology, v. 78, n. 6, 1973, p. 1360-1380.

GROSSETTI, M. Qué es uma relacion social? Um conjunto de mediaciones diádicas. Revista Hispana para el análises de redes sociales, v. 6, n.2, jun. 2009.

HANNEMAN, R.; RIDDLE, M. Introducition to Social Network Methods. Riverside, CA: University of California, Riverside (published in digital form at http://faculty.urc.edu/hanneman/) – Cap. 1,2 e 3.

QUANDT, C.; SOUZA, Q. Metodologia de análise de redes sociais. In: DUARTE, F.; QUANDT, C.; SOUZA, Q. (Orgs.). O tempo em redes. São Paulo: Perspectiva, 2008, p. 31-64.

LIN, N. Building a Network Theory of Social Capital. Connections, v. 22, n. 1, 1999, p. 28-55.

MARQUES, E. et al. Redes pessoais e pobreza em São Paulo. In: DIAS, L.; FERRARI, M. (Orgs.). Territorialidades Humas e Redes Sociais. Florianópolis: Insular, 2011.



McCARTY, C. La estrutura em las redes personales. Redes – Revista Hispana para el Análises de Redes Sociales. v 19, n. 11, p. 242-271.

SOARES, W. Da metáfora à substância: redes sociais, redes migratórias e migração nacional e internacional em Valadares e Ipatinga. Tese (Doutorado em Demografia) - UFRJ, Rio de Janeiro, 2002.


1 Mestrando em Geografia no programa de pós-graduação do Instituto de Geociências na Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG.


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal