Dois homens entram correndo. Estão assustados. Olham pra todos os lados. Carregam bolsas. Estão armados



Baixar 30,55 Kb.
Encontro20.08.2017
Tamanho30,55 Kb.
CENA 1

Dois homens entram correndo. Estão assustados. Olham pra todos os lados. Carregam bolsas. Estão armados.

Homem 1 – É, conseguimos.

Homem 2 – Acho que sim.

Homem 1 – Precisamos sumir por uns tempos...

Homem 2 – É... (Ele olha pras bolsas e sorri)... Estamos feitos cara! Muita grana!!!

O homem 1 acompanha com seriedade e responde:

H1 – O assalto deixou rastros cara. O banco tem muitas câmeras. Precisamos tomar cuidado. Faz o seguinte, vai pra uma cidade destas próximas e se hospeda num hotel. Vamos deixar este clima de Natal passar e depois nos encontramos.

H2 – Ok... E o dinheiro?

H1 – Fica comigo. Vou me esconder também.

O homem 2 sai em disparada. O homem 1 arruma as malas e se prepara pra sair da cena quando, num repente, entra um outro homem. O homem 1 se assusta. Pega a arma e esconde por baixo da blusa,

H1 – Quem vem lá???

Homem – Graças a Deus encontrei alguém. Amigo, estou perdido. Esta é a estrada que leva até a cidade de Esperança?

H1 – Sim, mais uma hora de caminhada...

H – Graças a Deus. Eu sou o novo pastor da congregação e tenho que chegar a tempo do Culto de Natal.

H1 – Novo pastor? (Ele olha para o homem, pega a arma) Fique bem quietinho aí...

Pastor – O que é isso: Olha eu não tenho dinheiro...

H1 – Cala a boca!!! Passe sua carteira...

O pastor passa a mochila. O homem olha os pertences...

H1 – Aqui está o endereço...

P – Senhor, eu não tenho nada...

O homem ordena:

H1 – Corre... Vamos!

Quando o pastor corre, o homem friamente atira.



CENA 2

Homem 1 entra num templo... Chama:

H1 – O de casa....

Uma mulher surge:

Mulher – Boa noite...

H1 – Meu nome é Rodrigo, sou o novo pastor..

Mulher – Graças a Deus o senhor chegou a tempo. Desde que o pastor Geraldo morreu que aguardamos sua chegada. Sou Edith, a zeladora. Entre... Seja bem-vindo.

R – Obrigado...

E – Venha, ponha suas coisas aqui. Vou trazer algo pro senhor comer...

R – Não, obrigado. Só quero descansar um pouco...

E – Tá certo, amanhã já é Véspera de Natal e o senhor deve ter muito pra fazer...

R – É... Me diga uma coisa Edith, temos muitos membros?

E – Uns 30. O povo aqui é muito pobre e a igreja é uma das poucas alternativas de encontros.

R – Sei...

E – Bem, agora vou deixar o senhor descansar. Qualquer coisa, me chame.

R – Sim, claro...

E – Tenha uma noite de paz...

R – Paz... (A palavra provocou um impacto no homem)

Depois que Edith sai do ambiente, o homem reflete.

R – Paz. Há quando tempo não sei o que é ter paz... (Um tempo em silêncio)... Bem, deixa pra lá... Vou dormir um pouco e logo cedo sumo daqui...

Prepara-se pra dormir.

CENA 3

Gritos acordam o homem:

- Pastor!!! Pastor!!!

O homem saca a arma e pergunta assustado:

R – Quem é?

E – Sou eu Edith...

Rodrigo esconde a arma e responde:

R – Só um minuto...

Ele abre a porta. Edith está acompanhada de uma mulher, que traz uma criança no colo... Edith explica:

E – Essa aqui é a Rose. A filhinha dela tá passando muito mal. O médico só chega pela manhã. Eu disse a ela que o novo pastor tinha chegado. Por favor, faça uma oração por ela...

Rodrigo olha assustado.

R – Uma oração?

A mulher que tem a criança nos braços, pede:

M – Por favor... Minha filha tá morrendo...

Rodrigo observa a criança. Ela parece desmaiada. Ele balança a cabeça.

Edith interrompe:

- Por favor pastor, faz alguma coisa!!!

Rodrigo pega a criança nos braços. Instintivamente levanta o corpinho inerte e pede:

- Deus, por favor... Cuida deste bebê.

Ouve-se o badalar de um sino... a cena congela... Até que a criança chora...

A mãe emocionada diz:

M – Graças a Deus...

Edith também:

E – Graças a Deus!!!!

Rodrigo que mantém a criança nos braços, profundamente abalado diz...

- Graças a Deus. (Ouve-se uma melodia suave. A cena do trio congela)



CENA 4

Rodrigo arruma suas coisas.

R – Preciso fugir, antes que as coisas comecem a complicar.

Ele tem pressa. Alguns objetos caem no chão.

E – Posso entrar?

Rodrigo se assusta com o chamado. É Edith. Sem graça, ele esconde alguns objetos...

R – Bom dia...

E – Bom dia pastor. A filha da Rose foi medicada. Está bem melhor. Hoje é véspera de Natal e o pessoal tá animado para conhecer o senhor.

R – Me conhecer... Sim...

E – Daqui a pouco eu volto...

R – Ok... Bom dia...

Rodrigo aguarda a saída de Edith e vai até o púlpito. Lá encontra uma Bíblia. Algo prende a atenção dele. Ele abre e ouve-se uma gravação:

Gravação: “E o Povo que andava na escuridão contemplou uma forte luz,,, Por que um menino vos nasceu e seu nome será Maravilhoso, conselheiro, Príncipe da Paz”...

Ouve-se uma melodia Natalina. Rodrigo se senta.

Rodrigo – Minha vida é miserável desde sempre. Sou um criminoso. Um bandido... Aqui (Pega uma bolsa) Tenho uma fortuna... Mas não posso comprar... A Paz...

Ele baixa a cabeça.

R – Natal. Ainda me lembro das manifestações de carinho da minha família. Pai, mãe.. Há quanto tempo não vejo... Minha vida tem sido de fugas... Meu Deus, o que estou fazendo aqui?

Uma luz surge na cena....



CENA 5

Rodrigo arruma a mochila com rapidez:

R – Já deu, preciso me mandar. Sumir daqui.

Num súbito, ele olha para o calendário:

R – Caramba, hoje é 24 de dezembro. É hoje o tal culto de Natal. O que vou fazer?

Edith entra na cena.

R – Oi Edith...

E – É hoje pastor, já preparou o sermão?

R – Sermão?

E – Sim, o Sermão de Natal...

R – Sim, estou vendo...

E – Agora a pouco soube que as estradas estão cheias de policiais...

Rodrigo se assusta...

R – Policiais?

E – Disseram que houve um assalto na cidade vizinha e que os bandidos podem estar escondidos... Perigoso...

Rodrigo tenta desconversar...

R – É... Mas como vocês preparam o culto...?

E – Nada de mais, cantamos, ouvimos a pregação e vamos pra casa...

R – Ok, simples...

E – Sim, muito simples... Bem, pastor já vou... Até mais tarde...

Rodrigo observa a saída de Edith e se mostra preocupado. Pega a arma na mochila, para, pensa. Volta a guardar a arma... (Uma tema de suspense passa a ser ouvido). Até que ele olha para o púlpito (A musica passa a ser uma canção mais suave)... Ele caminha devagar e pega a Bíblia. Abre e ouve-se: “E o Povo que caminhava em densas trevas viu uma forte Luz. Porque um menino nos nasceu e seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Príncipe da Paz...”.

Rodrigo reflete. Olha pras suas mãos... e grita:

R – Não, isso não é pra mim. Sou um bandido. Um assassino... Eu não tenho perdão...

Abraça seu corpo e se deixa cair...



CENA 6

As cortinas se abrem. Todos estão acomodados. Rodrigo entra em cena. Está com a mochila nas costas. Todos comentam. Estranham. Edith se aproxima...

E – Podemos começar pastor?

Rodrigo olha e com um gesto diz que sim.

Uma pessoa canta uma musica de Natal.

Logo depois Rodrigo timidamente sobe ao palco.

Ele olha pra todos. Lentamente abre a Bíblia...

Num susto, ouve-se um grito:

HOMEM – Pare já tudo isso!

Um homem entra na cena, trazendo o comparsa de Rodrigo já preso e o verdadeiro Pastor Rodrigo, que tem um dos braços enfaixados...

Todos levantam assustados.

O policial pergunta ao comparsa:

P – É aquele o homem?

O comparsa olha para o púlpito e responde:

C – Sim, é ele...

Rapidamente o policial saca uma arma e vai até Rodrigo que diz:

R – Sim, sou eu... Um bandido. Assaltante desde garoto. Fiz muitas coisas erradas. Só que estes dias aqui, me trouxe algo que jamais pensei em viver.

O policial para. Parece surpreso. Rodrigo continua:

R – Descobri um Deus que se importa com cada um de nós. Descobri que o Natal é mais que uma festa, é na verdade um chamado ao arrependimento. Estou pronto pra pagar a justiça tudo o que devo, e pedir perdão a todos.

Neste momento, o verdadeiro Pastor Rodrigo vai até o púlpito. Todos estão surpresos com a revelação. O falso Rodrigo olha e pede:

R – Me perdoe...

Depois estende as mãos para o policial que o prende. O silencio permanece até que uma criança rompe e canta um hino que fala sobre o Perdão de Deus...



Todos cantam...

FIM


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal