Deus e maior



Baixar 0,58 Mb.
Página1/10
Encontro28.10.2017
Tamanho0,58 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   10
FATEBRA

FACULDADE TEOLÓGICA DO BRASIL

“Entidade Educacional Com Jurisdição Nacional”

DEUS E MAIOR

WWW.CGADOB.COM.BR

www.fatebra.com.br

fatebra@hotmail.com


APOSTILA 05

ESTUDOS SOBRE – DOUTRINAS

TOTAL 98 - PAGINAS

24 ASSUNTOS!
 Adventistas declaram que não é pecado guardar o domingo

 A Ceia Messiânica

 A Doutrina da Eleição III

 A Doutrina da Eleição II

 A Doutrina da Eleição I

 A Doutrina Reformada da Autoridade Suprema das Escrituras

 A Guarda do Sábado

 Consagrado para Cuidar

 Cura Interior

 Desvios Doutrinários da Confissão Positiva

 Guerra Espiritual

 Indulgência

 Levando a sério a Ceia do Senhor

 O Diabo Existe

 O diálogo da Ceia do Senhor

 O Titanic e a Predestinação

 Os Sacramentos no Breve Catecismo de Westminster III (A Ceia do Senhor)

 Os Sacramentos no Breve Catecismo de Westminster (Batismo)

 Os Sacramentos no Breve Catecismo de Westminster (Considerações Gerais)

 Os Sacramentos no Breve Catecismo de Westminster

 Para uma alma religiosa, curiosa e confusa

 Pneumatologia Reformada, de Verdade! Definições e Desafios Contemporâneos

 Quatro Princípios Bíblicos para se Entender a Batalha Espiritual

 Sacramentos de Roma

 Sábado ou domingo- a opção cristã
DOUTRINAS

Adventistas declaram que não é pecado guardar o domingo


DEUS E MAIOR

WWW.CGADOB.COM.BR

www.fatebra.com.br
Há cinqüenta anos, líderes adventistas, ao admitirem que os "domingueiros" não estavam em pecado, concluíram que qualquer dia da semana poderia ser guardado. Vejam na matéria a seguir que o Dr. Walter Martin não entrevistou gente miúda, pequenos adventistas, homens comuns da crença. Entrevistou "conceituadíssimos líderes". O livro com essas entrevistas foi exaustivamente revisado por "250 líderes adventistas". Vejam bem, a palavra vem da cúpula adventista, de homens que exercem ou exerciam liderança no seio dessa religião.

Houve realmente um consenso em torno dessa questão. Se há adventistas radicais que discordam dessa importante decisão, precisam primeiramente explicar por que, onde e como aqueles próceres erraram. Ao admitir que os domingueiros não estão em pecado, admitiram, também, que os adventistas poderiam guardar o domingo. Num e noutro caso não haveria pecado.

O foco da discussão deveria ser dirigido nessa direção. Por que esses proeminentes adventistas cederam? O que realmente aconteceu no seio adventista? Qual o pensamento predominante no adventismo brasileiro? Vejamos a matéria.

Extraída do Dicionário de Religiões, Crenças e Ocultismo, de George A. Mather & Larry A. Nichols, Vida, 2000, pg.194::

“Entre 1955 e 56, Dr. Walter Martin, um dos grandes apologistas da fé cristã em nossos dias e fundador do Christian Research Institute, EUA, entrevistou conceituadíssimos líderes adventistas em sua associação Geral (o órgão máximo do grupo), naquela época localizada em Takoma Park, Maryland, EUA. O resultado final da entrevista deu origem ao livro Seventh-day adventists answer questions on doctrine (Adventistas do sétimo dia respondem perguntas sobre doutrina), lançado em 1957 pela editora adventista Review and Harald Publishing Association. Antes de ser publicado, o manuscrito de 720 páginas foi revisado por 250 líderes adventistas. Foi destacado o seguinte”:

1. Sabatismo: a guarda do sábado não propicia salvação; o cristão que observa o domingo não está em pecado; não é cúmplice do papado.

2. Ellen G. White: seus escritos não devem ser colocados em pé de igualdade com a Bíblia; não são de valor universal, mas restritos à IASD.

3. Santíssimo: Cristo entrou no Lugar Santíssimo por ocasião de sua ascensão, e não em 22 de outubro de 1844. Assim, as doutrinas do santuário celestial ser purificado e do juízo investigativo não tinham base bíblica.

"Houve, contudo, sérias controvérsias no seio da IASD devido ao livro, dando origem a dois movimentos: o tradicional e o evangélico. O primeiro recusava-se a abrir mão das posições acima, pois aceitá-las comprometeria a exclusividade da IASD como o remanescente, a única e verdadeira igreja de Cristo. O segundo advogava os conceitos expressos no Questions on doctrine. Estes não queriam deixar a IASD, apenas queriam uma reforma nas questões teológicas nada ortodoxas. Muitos desses, porém, por pressões internas, deixaram a IASD. Diante de tudo o que foi dito acima, concluiu-se que o adventismo com o qual o Dr. Walter Martin dialogou e aceitou como cristão não é mais o mesmo que presenciamos aqui no Brasil, pois rompeu com tudo aquilo abordado no Questions on Doctrine. Entretanto, não se pode negar que há dentro da IASD aqueles que almejam o retorno às formulações esboçadas e defendidas no Questions on Doctrine".

Professor: Reverendo Antony Steff Gilson de Oliveira

A Ceia Messiânica

Professor Antony Steff Gilson de Oliveira

"Ao ouvir isso um dos que estavam com ele à mesa, disse-lhe: Bem-aventurado aquele que comer pão no reino de Deus. Jesus, porém, lhe disse: Certo homem dava uma grande ceia, e convidou a muitos. E à hora da ceia mandou o seu servo dizer aos convidados: Vinde, porque tudo já está preparado. Mas todos à uma começaram a escusar-se. Disse-lhe o primeiro: Comprei um campo, e preciso ir vê-lo: rogo-te que me dês por escusado. Outro disse: Comprei cinco juntas de bois, e vou experimentá-los; rogo-te que me dês por escusado. Ainda outro disse: Casei-me e portanto não posso ir. Voltou o servo e contou tudo isto a seu senhor: Então o dono da casa, indignado, disse a seu servo: Sai depressa para as ruas e becos da cidade e traze aqui os pobres, os aleijados, os cegos e os coxos. Depois disse o servo: Senhor, feito está como ordenaste, e ainda há lugar. Respondeu o senhor ao servo: Sai pelos caminhos e valados, e obriga-os a entrar, para que a minha casa se encha. Pois eu vos digo que nenhum daqueles homens que foram convidados provará a minha ceia" (Lc 1 4.15-24)

Os antigos judeus utilizaram imagens variadas para descrever o que aconteceria quando chegassem os dias da Era Messiânica. Era um tema constante não somente na mensagem dos profetas, mas nos dias de Jesus havia muita especulação sobre quando seria, e o que aconteceria por ocasião desse abençoado tempo.

Entre as muitas figuras que foram usadas para descrevê-la, havia a de um banquete. Quando lemos no Antigo Testamento o Salmo 23, o seu penúltimo versículo, ele diz "Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos". É essa figura da ceia a que foi utilizada por Jesus Cristo. E, se vamos ao profeta Isaías, aquele que mais falou acerca do Messias, também leremos: "E, o Senhor dos exércitos dará neste monte a todos os povos um banquete", e, continua dizendo, "e destruirá neste monte a coberta que cobre todos os povos, e o véu que está posto sobre todas as nações. Aniquilará a morte para sempre, e assim enxugará o Senhor Deus as lágrimas de todos os rostos, e tirará de toda a terra o opróbrio do seu povo; porque o Senhor o disse" (Is 25.6a, 7, 8).

No relato de Lucas houve um homem que fez referência a essa Ceia Messiânica, dizendo a Jesus o seguinte: "Bem-aventurado aquele que comer pão no reino de Deus". Com essa palavra, ele deu ocasião para que Jesus contasse um midrash, uma parábola, uma pequena história, uma ilustração sobre quem tem direito de participar do futuro banquete com o Messias. E aqui está a história que Jesus contou: um homem quis dar um banquete, convidou os amigos, e eles começaram a dar desculpas. Um não podia ir porque havia comprado um campo; o outro, porque havia comprado cinco juntas de boi e precisava experimentá-los; o outro não podia ir porque havia casado. É; cada um apresentou o que considerava ser uma importante desculpa.

É necessário explicar que o homem ficara indignado porque o convite era feito muito antecipadamente. Mas havia um detalhe: não se sabia a hora da festa. Quando chegasse a ocasião, o convidado seria comunicado, e foi o que aconteceu : "E à hora da ceia mandou o seu servo dizer aos convidados: Vinde, porque tudo já está preparado". Aceitar o convite, e não comparecer, seria considerado uma grave injúria ao anfitrião, um sério insulto.

Na história, os convidados deram suas excusas: um estava com suas terras, o outro estava envolvido com o seu gado, e o terceiro com a família. Naturalmente, para eles os envolvimentos particulares tinham prioridade sobre o convite, e deram desculpas. Razões tremendamente ilógicas, fracas de argumento, e, até, insultuosas, porque dizer "Não vou ao seu banquete porque eu preciso ver as terras; não vou ao banquete porque vou olhar o boi que comprei" era um insulto! E vejam a razão:

"Comprei um campo, e preciso ir vê-lo; peço que me desculpe". A desculpa é fraca porque esse homem era um mentiroso. É uma questão de senso comum tanto aqui quanto no Oriente Médio, pois ninguém compra uma fazenda, um trato de terra sem antes conhecer cada metro quadrado. Ninguém compra terreno sem olhar antes, e foi o que esse homem fez. Um certo comentarista da Palavra de Deus até diz que muitas vezes a compra de uma fazenda requer, no Oriente, anos de negociação, mesmo porque os orientais são extremamente pechincheiros. Comprar no Oriente, é uma mão de obra, uma verdadeira arte. É como se hoje alguém dissesse, "Não posso ir a sua festa porque eu comprei uma casa pelo telefone", sem olhá-la, sem saber se prestava, suas divisões internas. Além disso, as ceias eram realizadas no fim da tarde, de modo que haveria tempo suficiente durante o dia para que o homem fosse olhar a fazenda que havia comprado.

Mentiroso!...

O outro homem disse, "Comprei cinco juntas de bois, e vou experimentá-los; peço que me desculpe". Essa é outra desculpa ridícula! Porque ninguém vai comprar juntas de boi (são dois bois trabalhando num arado), sem testar antes se os animais poderiam trabalhar um com o outro. Ninguém pegava um boi aqui e outro ali e os colocava juntos, não, porque nem sempre podiam trabalhar em harmonia, um ajustado ao outro. É como se alguém ligasse para casa, e dissesse: "Não vou jantar hoje em casa porque comprei cinco carros usados pelo telefone, e vou olhar para ver se prestam". Ninguém faz isso!

A terceira desculpa ("Casei-me e portanto não posso ir") parece ser a mais coerente, e até ficamos querendo desculpar o homem que se casou e disse que não podia ir ao banquete do outro porque, naturalmente, o lar é de suprema importância no ensino do evangelho. Mas, a família não foi instituída para ser utilizada de modo egoísta. Jesus, de qualquer modo, mostrou na história que essa desculpa não era a mais adequada.

AS LIÇÕES DA PARÁBOLA

Ela nos lembra que o convite do Senhor é para uma festa tão alegre quanto um banquete pode ser. Estamos sendo convidados para a Ceia Messiânica! Quando celebramos a Ceia do Senhor temos uma prévia desse banquete em apenas dois elementos: um pedacinho de pão e um calicezinho de fruto da videira; só! No entanto, ficamos tão felizes com esses poucos elementos, que podemos imaginar como será na Ceia Messiânica com todos os quitutes à nossa frente, com aquelas iguarias à nossa disposição! É a festa da salvação!

Na realidade, esse é um convite para a alegria! Não entendemos como pode alguém participar da Ceia do Senhor com o rosto triste... Aliás, há quem pense que a Ceia do Senhor é uma recepção fúnebre. É; há lugares onde há recepção; quando alguém falece, e se vai fazer a "sentinela", o velório, há uma mesa onde os participantes vão se deliciar. A Ceia, apesar de Memorial, não é uma festa fúnebre: é a ceia da alegria! E temos nela uma pré-estréia do que vai acontecer na Ceia Messiânica! Evangelho de tristeza, de penúria não pode ser o evangelho do reino de Deus!

A história lembra também que as coisas que tornam uma pessoa surda ao convite não são más em si mesmas. Todos compreendem que o homem que disse ir olhar a fazenda faria algo considerado correto. Todos entendem que aquele que foi olhar a junta de bois, fez algo adequado. E menos, ainda, o casamento. São as terras de um, os negócios de outro, a indústria de alguém, a casa de praia de mais outra pessoa, mas é tão fácil alguém ficar por demais ocupado, e diria mais tão preocupado com essa coisas boas que Deus concede, com o agora que se esquece da eternidade, que se esquece do Deus-que-concede, que se preocupa tanto com o visível, que se esquece daquele que ele não vê!

A história nos lembra, igualmente, que Jesus exemplifica o que nós perdemos quando não O seguimos E a real tragédia é perder a alegria do banquete messiânico, a alegria da presença de Jesus Cristo, a alegria da eternidade.

A história nos recorda outra coisa; é que o convite é o da graça do Criador. E o conceito que Jesus enfatizou é a oferta gratuita da misericórdia de Deus, e, por isso, a porta é aberta, e nesse momento em que a porta se tornou aberta, foram convidados aqueles que antecipadamente não tinham sido convidados.

Ah, meu amigo querido, tudo está pronto! É o que diz a Bíblia. A você nada resta a fazer a não ser aceitar participar desse banquete messiânico. O dever dos servos (e aqui estamos nós, os servos do Senhor) é chamar, é insistir, é dizer a todos, é enfatizar o "vinde!" que está no verso 17: "Vinde, porque tudo já está preparado". Esse é o nosso dever; a você só compete o atender esse convite!

Professor Antony Steff Gilson de Oliveira

A DOUTRINA DA ELEIÇÃO - I


Organizado pelo Reverendo Professor Antony Steff Gilson de Oliveira

A eleição, conhecida também como predestinação e eleição incondicional, é um ato da livre graça de Deus. Com isto em mente procuraremos responder, com a colaboração de vários autores, algumas das perguntas mais comuns sobre a doutrina da eleição e tentar esclarecer as principais dúvidas de crentes sinceros, desejosos de aprenderem um pouco mais desta doutrina bíblica tão enriquecedora.

Minha oração é que o estudo desta doutrina seja uma benção para você como tem sido para mim.

Obs: As notas adicionais e a tradução de alguns textos são de minha autoria.

I. A VERACIDADE BÍBLICA DA DOUTRINA
DA ELEIÇÃO POR W. J. SEATON

Esta não é uma filosofia cega, mas é retirada da Palavra de Deus, é construída, sustentada e revelada por ela. O assunto é tão vasto quanto o oceano; mas não podemos fazer mais do que citar alguns versículos chaves das Escrituras que agem como mapa e compasso através desses mares imensos.

A história da Bíblia é a história da eleição incondicional. É estranho que aqueles que se opõem a essa doutrina não reconheçam isso. Alguns crentes têm dificuldade em crer que Deus poderia preterir certas pessoas e escolher outras e, no entanto, aparentemente não têm dificuldade em crer que Deus chamou a Abraão dentre os pagãos de Ur dos Caldeus deixando os outros no paganismo. Por que razão Deus escolheu a nação de Israel como Seu "povo peculiar"? Não há necessidade de especular, pois Deuteronômio 7.7 nos dá a resposta: "O Senhor não tomou prazer em vós, nem vos escolheu, porque a vossa multidão era mais do que a de todos os outros povos: Mas porque o Senhor vos amava...". Por que razão Deus, desrespeitando completamente as leis de família de Israel, escolheu o filho mais novo, Jacó, em lugar do primogênito Esaú? Mais uma vez, "à lei e ao testemunho". Romanos 9.11-13: "... Para que o propósito de Deus, segundo a eleição, ficasse firme... Amei Jacó, e aborreci Esaú".

Qual era a doutrina pregada por Jesus na sinagoga em Nazaré, se não a doutrina da eleição incondicional? "Em verdade vos digo que muitas viúvas existiam em Israel nos dias de Elias... E a nenhuma delas foi enviado Elias, senão a Serepta de Sidom, a uma mulher viúva... E muitos leprosos havia em Israel no tempo do profeta Eliseu, e nenhum deles foi purificado, senão Naamã, o siro" (Lc 4.25-27). Sabemos o resultado da pregação dessa mensagem por nosso Senhor: "o levaram até o cume do monte para dali o precipitarem".

Concedemos que há um "tipo de eleição" que é mantida por muitos crentes hoje. De modo geral baseiam-se em Romanos 8.29: "Porque os que dantes conheceu também os predestinou...". A causa se desenvolve aproximadamente da seguinte maneira: Deus previu aqueles que aceitariam a Cristo, "elegendo-os" portanto para a vida eterna. Contra esse ponto de vista salientamos que:

1. A presciência de Deus refere-se a um povo e não a qualquer ação desenvolvida pelo povo. A Bíblia diz: "... os que dantes conheceu...", etc. De novo Deus fala através de Amós: "De todas as famílias da terra a vós somente conheci". Isto é, independente de qualquer ação, boa ou má, Deus os "conheceu" no sentido que os amou e escolheu para serem dEle. É assim que predestinou a Seus eleitos.

2. Não adianta dizer que Deus nos elegeu por ver algo que faríamos – isto é, "aceitar" a Cristo, mas somos escolhidos para que possamos "aceitá-lO". "Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas" (Ef 2.10).

3. Também não resolverá dizer que Deus previu aqueles que acreditariam. Atos 13.48 torna esse ponto completamente claro: "... e creram todos quantos estavam ordenados para a vida eterna". Eleição não resulta de acreditarmos, mas nossa crença resulta de sermos eleitos – "ordenados para a vida eterna".

4. Além disso, dizer que exercitamos fé ao aceitar a Cristo e que Deus previu essa fé e, portanto, nos elegeu, somente nos leva mais um passo para traz; pois onde encontramos a fé para exercitar? As Escrituras fornecem a resposta: "É dádiva de Deus, não de nós mesmos". (1).

Certamente, em vez de argumentarmos contra essas coisas, deveríamos estar praticando aquilo que o Espírito Santo, através do apóstolo Pedro, recomenda: "Procurai fazer cada vez mais firme a vossa vocação e eleição " (2 Pe 1.10).

II. A EXPOSIÇÃO DA DOUTRINA DA ELEIÇÃO
POR R. B. KUIPER

OS ESCOLHIDOS DE DEUS
A igreja consiste dos escolhidos de Deus. Certamente nem todos que estão na lista de membros da igreja visível foram escolhidos por Deus para a vida eterna. Há alguns dentro da igreja que são cristãos nominais e que nunca serão crentes. Estes não estão entre o número dos escolhidos. Porém todos os verdadeiros membros da igreja de Cristo pertencem aos escolhidos.

É possível que não haja outro ensinamento da Palavra de Deus tão impopular como a eleição. Inclusive alguns crentes bíblicos e amantes da Palavra de Deus estão mui próximo de detestá-la. Isto é difícil de entender. Não só se ensina inequivocamente a eleição na Escritura senão que esta doutrina declara enfática e belamente o amor infinito e eterno de Deus pelos seus.

Assim, pois, o fato de que a igreja consiste dos escolhidos de Deus torna mais refulgente sua glória.

Especificados por Deus Pai
Suponhamos que uma congregação vá construir um templo, uma casa de adoração. O primeiro passo para a realização de tal projeto é contratar um arquiteto, que desenhará um plano para o edifício proposto e especificará que material se usará em dita construção. Como o arquiteto de sua igreja, o Deus Pai a planejou desde a eternidade e especificou precisamente quais pessoas seriam as que a comporiam. Ele a escolheu dentre toda raça humana para esse fim.

Deus falou acerca da igreja do Antigo Testamento como "meu servo Jacó" e "Israel meu escolhido" (Is 45.4). Na saudação de sua carta aos efésios Paulo se regozijou dizendo: "Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo, assim como nos escolheu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade..." (Ef 1.3-5). E Pedro se dirigiu àqueles a quem escreveu sua carta como "eleitos, segundo a presciência de Deus Pai..." (1 Pe 1.2).

Há quem diga que Deus elegeu a todos os homens para que sejam membros do corpo de Cristo. Nada poderia ser mais absurdo. A própria palavra eleição significa a escolha de alguns dentre um número maior, e escolher a todos de um certo número simplesmente não é escolher. Citemos um exemplo: três homens lançam sua candidatura para o cargo de governador de uma província. Certo eleitor, que não pode decidir qual é o melhor candidato para o cargo, decide votar nos três. É claro que o que fez foi perder seu voto! E não é menos lógico que se todos os outros eleitores fizessem o mesmo, não haveria eleição. Disso concluímos que se Deus elegesse todos os homens para que sejam membros de sua igreja não teria elegido nenhum. É iniludível esta conclusão.

É interessante que alguns que sustentam que Deus elegeu todos os homens chegam exatamente a essa conclusão: dizem que a única razão por que uma pessoa chega a ser membro da igreja de Cristo é porque por sua própria vontade escolhe unir-se à igreja. Em outras palavras, alguém chega a ser membro da igreja, não porque Deus o escolhe, mas porque a própria pessoa decide fazê-lo. Assim a eleição é do homem, não de Deus. É difícil imaginar uma contradição mais flagrante da Escritura.

Karl Barth ensina que todos os homens são escolhidos por e em Cristo para a vida eterna. Havendo tomado esta posição, que está abertamente em desacordo com a Escritura, enfrenta um sério dilema. Ele deve, de acordo com o universalismo, concluir que no final todos os homens serão salvos, ou, de acordo com o arminianismo, fazer com que a salvação dependa, no final, da vontade do homem. Não obstante, ele recusa em reconhecer estas alternativas. Deste modo sua doutrina da eleição chega a ser em extremo confusa.

Apresenta-se, então, a importante pergunta: Por que Deus designou certas pessoas dentre as demais para que sejam membros de sua igreja? Têm-se dado duas respostas contraditórias. O arminianismo ensina que Deus escolheu certos indivíduos porque sabia de antemão que eles creriam em Cristo. A teologia reformada insiste que a única razão da eleição de Deus era o divino amor soberano. Isto é, desde a eternidade Deus viu os objetos de sua eleição em Cristo, seu Escolhido. Segundo o arminianismo, a base para a eleição de Deus reside no homem; segundo o calvinismo, reside em Deus. Dito de outro modo, o arminianismo sustenta que a fé é a base para a eleição, enquanto que a fé reformada sustenta que a fé é o fruto da eleição e também sua prova.



Comprados por Deus Filho
Suponhamos de novo que uma congregação planeja construir um templo. Os planos e as outras especificações já foram adotados; o segundo passo é a compra de materiais de construção. Isso é o que também Deus fez para construir sua igreja. Deus, o Filho, comprou os escolhidos, aqueles a quem o Pai havia designado como membros de sua igreja. Paulo relembrou os anciãos da igreja de Éfeso de seu dever de pastorear a igreja de Deus, a qual, disse, "ele comprou com o seu próprio sangue" (At 20.28).

Alguns dos primeiros pais da igreja sustentaram a opinião que Cristo pagou a Satanás o preço com o qual ele comprou os escolhidos. É uma interpretação de todo errônea. Se Cristo tivesse feito isso, teria constituído um reconhecimento de que Satanás havia sido antes o dono legítimo dos pecadores escolhidos. É evidente que Satanás nunca teve tal coisa. As coisas são bem assim: quando o homem pecou, Deus como Juiz sentenciou a raça humana à prisão. Satanás foi, por assim dizer, carcereiro da prisão. Cristo veio para dar sua vida em resgate por certos prisioneiros. Dito em uma maneira mais clara, Ele apresentou o resgate não ao carcereiro, mas ao Juiz. O Juiz aceitou o resgate e ordenou a liberdade daqueles prisioneiros. Assim os prisioneiros são libertados do poder das trevas e transportados para o reino de seu amado Filho (Cl 1.13).

Em nossos dias é muito comum outra falsa interpretação dessa transação. Diz-se que Cristo comprou não só aos escolhidos, mas a todos os homens com seu sangue e que, havendo feito isso, Ele deixou que cada indivíduo escolhesse aceitar ou não o benefício salvífico de sua morte. Essa interpretação fracassa completamente em compreender o amor do Salvador moribundo para com os seus. Sem dúvida, a morte de Cristo é suficiente para a salvação de todos os homens. Contudo, há de se afirmar enfaticamente que nenhum dos que Cristo comprou com seu sangue permanecerá sob o domínio do diabo. Seu amor assegura que todos aqueles que Ele comprou chegarão a ser crentes nEle e membros de sua igreja. Ele fará que tal coisa suceda, não por uma compulsão externa, porém pela influência graciosa de seu Espírito Santo. "O bom pastor dá a vida pelas ovelhas" (Jo 10.11). E Ele verá que até a última ovelha pela qual deu sua vida será trazida ao rebanho.

  1   2   3   4   5   6   7   8   9   10


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal