Dermatoses ocupacionais



Baixar 61,96 Kb.
Encontro14.09.2017
Tamanho61,96 Kb.

Ritha C. Capelato Rocha – R3 Dermatologia HRPP







DERMATOSES OCUPACIONAIS

  • Aula baseada no artigo de 2010.

  • Qualquer alteração da pele, mucosa, anexos, direta ou indiretamente causada, condicionada, mantida ou agravada por agentes presentes na atividade ocupacional ou no ambiente de trabalho.

  • No Brasil é subnotificada.

  • Nos países industrializados correspondem a 60% das doenças ocupacionais.

  • Agentes químicos são os principais.

  • 90% são dermatites de contato. A frequência esta aumentada pelo contato com novos produtos.

  • A dermatite de contato irritativa é mais comum do que a alérgica, na proporção de 4:1.

  • Em geral, as mãos são as áreas mais afetadas, por serem dermatoses ocupacionais, manipulação de muitas substancias com excesso de umidade e atrito.

  • A maioria das DC não são graves, mas causam desconforto, pruridos, ferimentos, traumas, alterações estéticas e funcionais.

  • A prevalência do Ca cutâneo ocupacional é pouco estudado pq é difícil estabelecer nexo causal da atividade e separar da exposição fora do trabalho, alem de ter um tempo de latência muito grande. Não sabemos quanto tempo de exposição é necessário do contato com esses fatores para ter o câncer.

  • Alem disso, o paciente tem contato com varias substancias, então não conseguimos determinar qual a substancia.



  • ETIOPATOGENIA

  • Determinadas pela interação de 2 grupos d fatores:

  • Causas indiretas ou predisponentes:

    • Idade, etnia, gênero, antecedentes mórbidos e doenças preexistentes como DA, fatores ambientais como clima, temperatura, umidade, hábitos e facilidade de higiene.

  • Causas diretas:

    • Agentes biológicos, físicos, químicos ou mecânicos presentes no trabalho que atuam na pele diretamente produzindo ou agravando uma dermatose pré existente.



  • IDADE

  • Jovens são mais acometidos por inexperiência no trabalho e ainda não há espessamento da camada córnea.

  • A DC ocupacional diminui com o treinamento profissional.



  • RAÇA

  • É mais rara em negros. Os indivíduos de pele amarela e negra são os mais protegidos da ação degenerativa dos raios solares. Os negros apresentam respostas queloidianas com maior frequência.

*Alguns pacientes alérgicos vão desenvolver tolerância e outros nunca vão desenvolver. Esse mecanismo é incerto e não sabemos o porque disso. A grande maioria não desenvolve tolerância.

  • GENERO

  • Mais comum nos homens 4:1. As substancias sensibilizantes variam segundo o gênero.

  • Sensibilizante é sempre DC alérgica. Irritante é DC irritativa.

  • No masculino há principalmente por cimento, borracha dos EPI.

  • Na mulher – níquel é o mais frequente por contato não relacionado ao trabalho, mas uso de bijuteria.



  • Dermatoses preexistentes podem facilitar a penetração de agentes sensibilizantes. Os trabalhadores que apresentam maior probabilidade de desenvolver DC são os que tem contato com produtos de limpeza.

  • Podemos ter Dermatite Atopica e pacientes que por causa de uma DC irritiva, apresenta maior possibilidade de ter DC alérgica, pq há fragilidade maior da camada córnea.



  • CAUSAS DIRETAS

  • Químicos, físicos ou biológicos.

  • Químicos – metais, ácidos e álcalis. Hidrocarbonetos aromáticos, óleos lubrificantes, de corte e arsênicos.

  • Físicos – radiações, traumas, vibração, pressão, calor, frio.

  • Biológicos – vírus, bactérias, fungos, parasitas, plantas e animais.

  • Alterações psíquicas que levam a dermatites factícias e obtenção de algum beneficio. Há paciente que se expõe ao produto para conseguir afastamento temporário.



  • DERMATITE DE CONTATO IRRITATIVA

  • Processo inflamatório em contato com agentes – álcalis, ácidos e solventes, em contato com a pele provoca lesão da camada córnea, com aumento da permeabilidade e entrada de produtos que lesam os queratinocitos, produzindo citocinas inflamatórias que estimulam outras células.



  • DERMATITE DE CONTATO ALERGICA

  • A reação inflamatória é do tipo IV com imunidade celular.

  • 3 fases –

    • 1) indução, imunização ou sensibilização,

    • 2) elicitacao ou desencadeamento,

    • 3) resolução ou termino da reação inflamatória.

  • Para ter indução, normalmente, o prazo que necessitamos é de no mínimo 1 semana, geralmente 20-40 dias. Já a elicitacao ou desencadeamento, uma vez que possua a imunidade celular já pronta, podemos ter respostas que levam 1 semanas, mas as vezes podem ser imediatas levando 12 a 24h.



  • CANCER CUTANEO

  • Há dificuldade de estabelecer os causadores.

  • Físicos – radiações ionizantes e não ionizantes (RX, raios UV e infravermelhos) e traumas.

  • Químicos – arsênico inorgânico (pesticidas e contaminação ambiental), hidrocarbonetos aromáticos, nitrosaminas (fluidos de corte)

  • Biológicos – Virus HPV.



  • CLASSIFICACAO E CLINICA

  • Dermatite de contato irritativa ou alérgica.



  • DERMATITE DE CONTATO IRRITATIVA

  • É muito mais frequente, 80% das DC. As lesoes surgem após exposição a substancias irritantes, sucessivas ou não, restritas as áreas de contato.

  • Ocorrem de acordo com a frequência e duração da exposição e pode ser por irritante relativo ou absoluto.

  • Relativa por solventes (múltiplas exposições vão levar ao aparecimento da dermatite).

  • Absoluta por soda caustica (única exposição já leva ao aparecimento imediato).

  • Dependendo de sua concentração, uma mesma substancia pode ser irritante absoluto (concentração alta) ou irritante relativo (concentração baixa).

  • Uma única exposição a substancia em concentracao baixa, porem de duração prolongada, tbm pode induzir a uma irritação absoluta.

  • Quando ocorre acometimento nas mãos, é mais intenso na Mao dominante e mais intenso nas regiões palmares.

  • Retinoico não é irritante primário, ele tem efeito metabólico.

  • Ácidos com efeito físico que são irritantes – alteração de pH e levam a trauma direto. O retinoico nunca queima de imediato.



  • DERMATITE DE COANTATO ALERGICA

  • As lesoes ocorrem nas áreas de contato com a substancia sensibilizante, onde são mais intensas, e também a distancia, podendo ser disseminadas.

  • Não é fácil de diferenciar pq pode ter sensibilização a distancia, mas nem sempre tem.

  • Se tiver sensibilização a distancia, com ctz não é irritativa, mas sim é alérgica.

  • Após a exposição previa, as lesoes surgem em períodos de tempos variáveis, sendo necessário um período mínimo de uma semana para a sensibilização, e podem ocorrer após meses ou anos de contato.

  • Hidroquinona pode dar DC irritativa ou alérgica.

  • DC alérgica pode ser disseminada.

  • A DCA pode surgir de forma abrupta após contato prévio com o sensibilizante e a cada reexposicao a intensidade das lesoes podem piorar e surgir mais rapidamente. A presença de DCI facilita o desencadeamento da reação alérgica.

  • A primeira fase de sensibilização tem um tempo mínimo para acontecer. Para a maioria das pessoas entre 20-40 dias, sendo tempo mínimo de 1 semana.

  • A pessoa pode ter DCA após meses ou anos de contato – comum em profissionais estéticos – cabeleireiros que desenvolvem depois de anos DCA a parafenilenodiamina.

  • Depois da sensibilização pode surgir de forma abrupta e com as reexposicoes as respostas são mais agressivas. A reexposicao pode levar a pessoa a se tornar resistente, mas isso é incerto, então não pensar isso para a prova de titulo. Cada vez que houver reexposicao, se ela já foi sensibilizada, vamos considerar resposta mais rápida e abrupta.

  • Pessoa sensibilizada com um produto e anos depois a pessoa se expõe ao produto – pode perder a resposta imunológica ou não – a principio vai ter a resposta mesmo após 10 anos da sensibilização inicial. Na pratica pode acontecer diferente.



  • DERMATITES DE CONTATO ECZEMATOSAS

  • Podem ter evolução:

    • Aguda – eritema, edema, vesículas, bolhas e exsudação

    • Subaguda – exsudação e crostas

    • Crônica – xerose, descamação, queratose, infiltração, liquenificacao e fissuras.

  • Em geral DCI relativa tem apresentação crônica e a absoluta é aguda.

  • Pensar na queimadura sendo aguda.

  • A DCA pode apresenar as 3 fases evolutivas – agudas, subagudas e crônicas.



  • FOTODERMATITES

  • Causadas por:

    • Agentes fototoxicos – aspecto é sempre de uma CDI absoluta como limão

    • Agentes fotoalergicos – aspecto de DCA e predominam em áreas expostas. Drogas são modificadas pela luz UV – mas como é alérgica pode ter presença em áreas não expostas a luz.



  • DERMATITES DE CONTATO NÃO ECZEMATOSAS (CAI MUITO NA PROVA)

  • Difícil pq ninguém sabe. É algo que foge do padrão. Cai na prova os agentes etiológicos.

  • São as mais raras. As mais frequentes são:

    • Desidrose – metais, óleos de corte. É um tipo de eczema, e tem pelo menos 6 causas diferentes (DCA, DCI, DA, psoríase, micides (sensibilização a distancia de uma tinea – micide e tinea é a mesma coisa), ingestão de metais na alimentação).

    • Dermatite liquenoide de contato – reveladores fotográficos, resina epóxi, níquel e cobre.

    • Urticaria de contato – imunológica ou não imunológica. Imunológica – mediada por IgE – ocorrem minutos após o contato – látex, alimentos, plantas, medicamentos, conservantes e fragrâncias. Clinicamente há edema e vermelhidão – vergão. O látex é o mais imporante pq muitos profissionais usam luvas.

    • Vitiliqo químico – leucodermia de contato, principalmente por hidroquinona.

    • Erupção purpurica de contato – produtos da borracha e branqueadores de roupa.

    • Eritema polimorfo – plantas, madeiras, medicamentos e pesticidas. Semelhante a dermatite de contato.

    • Erupção pustulosa – metais e pomadas.

    • Dermatite queratosica de contato – por borracha.

    • DC hipercromiante por eczematosa ou não – cremes, conservantes de óleos, perfumes, corantes, madeira, sabão em pó e limão.



    • OUTRAS DERMATOSES OCUPACIONAIS

    • ACNES

      • Elaioconiose – acomete áreas expostas ou cobertas por vestimentas sujas, de óleos de corte e mecânicos (graxas). É um tipo de acne grave. As lesoes geralmente tem padrão monomorfo. Sempre uma erupção monomorfa em áreas cobertas.

      • Cloracne – acne ocupacional causada por contaminação ambiental ou uso industrial de hidrocarbonetos clorados, presentes nos defensivos agrícolas. Ocorre por obstrução dos folículos pilosos, com irritação e infecção secundaria.



    • CERATOSES

    • Podem ser traumáticas ou pré cancerosas – solares, arsenicais ou óleos de corte.



    • CANCER

    • Relacionados a agentes virais e químicos. Os CBC e CEC são os mais comuns e manifestam-se como lesoes papulosas, nódulo-tumorais e ou ulceradas em áreas expostas.

    • Raramente ocorrem melanomas e ainda é controverso se linfomas tem relação com dermatite crônica acnitica causada por dermatose ocupacional.



    • GRANULOMA DE CORPO ESTRANHO

    • Ocorre em pessoas que mexem com plantas, limalha de metais e pelos de humanos ou animais, há uma fistula pilosa.



    • INFECCOES

    • Difíceis de estabelecer. São doenças infecciosas especificas da profissão – erisipeloide no açougueiro, carbúnculo ou antrax e nódulos dos ordenhadores nos pecuaristas e esporotricose nos floristas.



    • ONIQUIAS

    • Infecciosas, traumáticas e discromicas (melanoniquias ou leuconiquias).



    • ULCERACOES

    • Dificeis de estabelecer.

    • COMPLICACOES

    • Queratoses pré cancerosas e os cânceres ocupacionais tem a malignidade em si. Infecções de acordo com a etiologia.



    • PROFISSIONAIS DE CONSTRUCAO CIVIL

    • Pedreiros tem DCI e alem disso, 50% tem DCA, principalmene por falta de condições de trabalho e EPI.

    • RISCOS SÃO:

      • Metais contaminantes do cimento = cromo hexavalente e cobalto. O cimento não tem cromo e cobalto normalmente, isso é contaminante.

      • Vulcanizadores da borracha das luvas = tiurans, carbamatos, mercaptobenzotiazois, parafenilenodiamina e hidroquinona e madeiras.

      • Pele ressecada e presença de DCI facilitam a sensibilização.

      • EPIs de borracha podem desencadear DCI (suor, pH das luvas, irritantes do produto), DCA (vulcanizadores de borracha) e urticaria de contato (mediada por IgE, pelo látex).

      • Pó de cimento costuma ser irritante – alcalino, higroscópico e abrasivo, quando molhado o pH é mais irritante e pode levar uma DCI relativa e absoluta. Leva a absoluta quando mesmo em baixa concentração quando em exposição prolongada. Leva a queimaduras com bolhas, necrose e ulcerações do cimento.



    • Composição básica do cimento – silicatos e aluminatos de cálcio, óxidos de ferro e magnésio, álcalis e sulfatos. Não é sensibilizante, mas, como o produto é contaminado por metais muito alergizantes, provenientes de seu preparo, desencadeia DCA. Sua contaminação tem cromo e cobalto.



    • PROFISSIONAIS DA SAUDE

    • Comum mais nas mãos, trabalho úmido predispõe.

    • Luvas, metais, resinas epóxi e acrílicas, outros químicos – desinfecção para higiene como glutaraldeido e medicamentos que tbm podem ser irritantes.

    • O glutaraldeido pode ser usado para limpar materiais e ate para verrugas virais.

    • Urticaria pelo látex das luvas não é rara e os aditivos da vulcanização da borracha das luvas – diaquil tioureias tem sido considerados como os sensibilizantes mais comuns nos profissionais da saúde. Os medicamentos deixaram de ser os principais sensibilizantes e as luvas estão em 1º lugar (aditivos da vulcanização da borracha).



    • Os tipos de dermatose e incidencia varia conforme a categoria profissional e a funcao.

    • Enfermeiros e membros de equipes de CC e depois os dentistas são os mais acometidos.



    • PROFISSIONAIS DA ESTETICA

    • No Brasil é o 2º setor empresarial em numero de trabalhadores.

    • Metade dos cabeleireiros tem DCA e nos ajudantes e aprendizes, as DCI são mais frequentes. Pq eles tem função úmida, lavam.

    • Entram em contato com vários produtos – xampus, água oxigenadas, ar quente, luvas, formol.

    • As mais sensibilizantes são com metais – níquel e cobalto, parafenilenodiaminas das tinturas de cabelos e tatuagens de hena.

    • Tioglicolato de sódio de produtos envolvidos no processo de ondulação e alisamento de cabelos. Nas provas cai pegadinha que é de tintura.

    • Latex e vulcanizadores de borracha das luvas.

    • Persulfato de amônia que acelera a descoloração dos cabelos

    • Fragrancias

    • Formol

    • Esmaltes

    • Próteses e colas acrílicas

    • Cosméticos



    • PROFISSIONAIS DA METALURGIA

    • DCI por fluido de corte.

    • DCA por metais de galvanização ou fluido de corte, cromo e borracha.

    • Raramente acne ocupacional – elaioconiose e cloracne.



    • PROFISSIONAIS DA ALIMENTACAO

    • Contatos com agentes irritantes, sensibilizantes e material úmido.

    • Padarias – farinha, adoçantes, emulsificantes, espumantes, branqueadores, fermento, corantes e aromatizantes.

    • Cozinhas – materiais úmidos e alimentos irritantes, frutas e temperos, sensibilizantes – alho e cebola, fotossensibilizantes – cascas de laranja e limão, aipo.



    • PROFISSIONAIS DE LIMPEZA

    • DCI é mais comum pela umidade – sabões e detergentes.

    • Sensibilizantes – produtos de limpeza e borracha das luvas.

    • Detergente causa DCI (geralmente irritativa), raramente causa dermatite de contato alérgica.

    • (cuidado com pegadinhas).



    • DIAGNOSTICO CLINICO

    • Considerar historia de exposição ocupacional, concordância entre inicio do quadro e exposicao, localização das lesoes tem que ser nas áreas de contato, melhora com afastamento e piora com o retorno ao trabalho.

    • Se tinha historia de alergia antes do emprego, não podemos considerar DO propriamente dita.



    • EXAMES

    • Teste de contato (patch test) é o principal recurso para diferenciar DCI de DCA.

    • TC são feitos mediante substancias no doso com leitura após 48 e 96h

    • As 2 leituras são feitas pq a de 48h não é suficiente para avaliar sensibilização. Serve mais para ver irritação. A principio a bateria é feita para que as substancias não sejam em concentrações irritantes, mas sim sensibilizantes.

    • Teste padrão – 30 substancias. Dificilmente abrange todas as substancias que um profissional trabalha.

    • Ex – não temos todos os tipos de madeira pra testar em paciente que trabalha como serralheiro. Temos q diluir a substancia e colocar em quantidade a ser sensibilizante e não irritante.

    • Objetivo é confirmar o dx clinico e conhecer a prevalência dos agentes sensibilizantes e satisfazer razoes medico-legais.

    • Bateria de padrão – saber onde estão as substancias e reações cruzadas.

    • Exemplo – parafenilenodiamina presente em tintura de cabelo. Pode ter reação cruzada com PABA.

    • O teste de contato positivo só tem relevância quando existe nexo causal entre as substancias positivas e a dermatite de contato, podendo ser sensibilização pregressa ou relacionada ao quadro atual (DCA) e a atividade do paciente, para caracterizar dermatose ocupacional.

    • Ex: pedreiro com teste positivo para cobalto tem valor, já se vier positivo para parafenilenodiamina (tintura de cabelo) não tem relevância.



    • No setor de limpeza, os testes são realizados em soluções diluídas a 1 ou 2% para evitar o efeito irritativo, para que tenhamos um produto sensibilizante e não irritante.

    • Há vários produtos de limpeza ricos em níquel, cobalto ou cromo.

    • No setor metalúrgico, TC que originam óleos originais podem apresentar resultados negativos, há aos que são realizados com óleos já utilizados, contendo aditivos preservativos (inibidores de corrosão e antimicrobianos), podem dar resultados positivos.

    • Tanto óleos novos como os já usados podem causar irritação.

    • Um óleo velho tem outras substancias dentro dele para que haja preservação. Então se o teste é feito com o teste velho, e der positivo eu posso ter um contato negativo ao óleo novo pq não tem as substancias adicionadas.

    • Os testes de contato com alimentos na pele não lesada podem ser negativos. Isso pq eventualmente precisamos ter rompimento da camada córnea para ter sensibilização posterior – pode dar falso negativo. DCI concomitante com DCA.

    • Prick test – teste intradermico de leitura imediata – pode ser positivo para látex, vegetais e medicamentos.

    • Teste de ingestão pode ser negativo na DCA a alimentos, em virtude de cozimento do alimento ou ação do suco digestivo. Vale a pena quando pensamos em alergia a alimentos.

    • Exame histopatológico – pode ser importante. Não é especifico na DC, mas pode ajudar nas outras dermatoses.



    • TRATAMENTO

    • Afastamento do agente causal, orientação a substancia que o paciente não deve entrar em contato.

    • EPI, infecções secundarias e medicamentos utilizados pelo doente podem provocar irritação ou sensibilização e as dermatoses autoinduzidas mascaram e pioram a dermatose ocupacional.

    • Lesoes agudas – fazer compressa de água boricada a 2 ou 3% ou permanganato de potássio 1:4litros e cremes a base de corticoide.

    • Lesoes crônicas e formas localizadas – corticoide em pomadas ou cremes, conforme a região afetada.

    • Lesoes extensas – corticoide sistêmico na dose de 0,5 a 1mg-kg-dia com redução gradual.

    • Geralmente não usamos menos de 0,5mg-kg-dia na dermatologia. O efeito anti-inflamatorio cresce exponencialmente ate 1mg-kg-dia e a partir disso já tem efeito imunossupressor e não anti-inflamatorio.

    • Os cremes de barreira são comumente utilizados, embora sua eficácia seja questionada. Devem ser usados antes de a dermatite se desenvolver, uma vez que seus componentes podem causar a dermatite de contato irritativa e alérgica, especialmente se usados na pele lesada.

    • Isso não afasta a necessidade de combinar hidratante com corticoide para aumentar a recuperação da pessoa, mas não estamos focando em creme de barreira, mas sim na hidratação da pele.

    • Uso de luvas adequadas – alérgico a borracha – usar vinil ou poliuretano, alérgicos ao látex usar borracha sem látex (tem pacientes alérgicos só ao látex e não aos vulcanizadores da borracha), alérgicos a acrilatos (luvas de silicone) devem usar luvas de nitrila.

    • Adição de sulfato ferroso ao cimento é interessante pq reduz o cromo hexavalente a cromo trivalente que é menos sensibilizante.



    • PROGNOSTICO

    • Variável, a cronicidade é mais comum ao cromo e níquel. DCA é pior que DCI.

QUESTOES

  1. Sobre as dermatoses ocupacionais não eczematosas – não são comuns, são mais raras. Podem se manifestar com lesoes polimorfo-simile, eritemato-purpuricas. A borracha pode causar lesoes queratosicas. Perfumes, corantes, madeira e sabão em pó são causas de dermatite de contato hipercromiante. (IMPORTANTE)

  2. Dermatoses ocupacionais – podem ser causadas por metais, ácidos, álcalis, hidrocarbonetos aromáticos, arsênico, óleo lubrificante de corte, vírus, bacterias, fungos, parasitas.

  3. Câncer cutâneo ocupacional – radiações ionizantes e não ionizantes – RUV e infravermelho podem causar. Agentes químicos oncogenicos são arsênico inorgânico, hidrocarbonetos aromáticos e nitrosaminas. Agentes biológicos oncogenicos – vírus HPV. Não é fácil estabelecer o nexo causal.

  4. Dermatoses ocupacionais podem ser casaudas por radiações, traumas,vibração e pressão, calor e frio.

  5. Fisiopatologia das dermatoses ocupacionais – dermatites factícias podem ser provocadas para obtenção de algum beneficio. Processo inflamatório da dermatite de contato irritativa se inicia quando o agente em contato com a pele provoca lesão da camada córnea, com aumento da permeabilidade e entrada de produtos que lesam os queratinocitos. Na DCA a reação inflamatória é celular tipo IV. A etiopatogenia de DCA é dividida em 3 fases – indução, elicitacao e resolução.

  6. Elaioconiose – graxas e óleos de corte levando a acne monomorfica ocorre em metalúrgicos e mecânicos. A cloracne ocorre pelo uso de hidrocarbonetos clorados. CBC e CEC podem ser dermatoses ocupacionais. Fistula pilosa dos barbeiros é um granuloma de corpo estranho por pelos.

  7. Na industria metalúrgica os maiores riscos são com fluidos de corte e galvanoplastia. Nos ajudantes e aprendizes de cabeleireiro, a dermatite de contato irritativa é mais frequente do que a alérgica. Na área da saúde, a dermatose ocupacional ocorre mais nas mãos. No setor de alimentação, as dermatoses ocupacionais podem ocorrer pelo contato com agentes irritantes e sensibilizantes e pela umidade.

  8. Medidas preventivas de DO – a orientação mais importante na prevenção da DO é o afastamento do irritante ou alergeno. Alérgicos ao látex deverão usar luvas de vinila, poliuretano ou borracha sem látex. Pacientes alérgicos à borracha deverão usar luvas de vinila ou poliuretano. Pacientes alérgicos aos acrilatos NÃO podem usar luvas de látex.

  9. Os componentes dos cremes de barreira podem causar dermatite de contato irritativa ou alérgica. Alem de tópicos fotoprotetores é importante uso de roupas para evitar a RUV.

  10. Setor de estética – o TIOGLICOLATO é usado para alisar os cabelos e não nas tinturas. DCA pela tatuagem de henna pode ser pela parafenilenodiamina. O persulfato de amônia é irritante e sensibilizante. É o 2º grupo de trabalhadores do Brasil.

  11. DCA – atinge 50% dos cabeleireiros. Ocorre após a fase previa variável de sensibilização. É frequente na construção civil. Os principais alergenos na construção civil são os metais. Cromo e cobalto são contaminantes do cimento e causam muitas dermatites. EPI tbm causam bastante DC.

  12. Teste de contato é o principal recurso laboratorial para suspeita de dermatite de contato. São feitas 2 leituras com 48 e 96h. O histopatológico não diferencia DCA e DCI. Prick test é usado para urticaria. Quando furamos a pele, induzimos a tríplice reação de Lewis e isso já pode desencadear uma resposta. Alergista gosta muito, mas dermato não gosta. DCA o teste soberano é o patch test ou de contato.

  13. Dx diferencial de DC são os demais eczemas, psoríase, infecção e dermatite artefata. São complicações das dermatoses ocupacionais as infecções secundarias e sequelas. As dermatites de contato podem ser eczematosas e não eczematosas. O tratamento tópico das dermatites de contato depende das lesoes elementares presentes.

  14. O uso de corticoides sistêmicos é indicado nas dermatites de contato ocupacionais extensas. As nitrosaminas são agentes oncogenicos. DC é reação tipo IV – resposta de imunidade celular. Não é mediada por IgE. Urticaria imunológica é mediada por IgE e existem urticarias não imunológicas. Os anti-histaminicos podem ser uteis. Se tiver infecção secundaria, podemos usar atbs.

  15. A borracha e cimento são os maiores riscos ocupacionais no gênero masculino, jovens são mais afetados por terem camada córnea mais fina e menos experiência no trabalho, mais frequentes nos homens 4:1, são menos frequentes na raça amarela e negra.

  16. Urticaria de contato ao látex é mediada por IgE. DCA são um quarto das DCI. O alergeno mais frequente no gênero feminino é o níquel por sensibilização anterior pelo uso de bijuterias (PEGADINHA).

  17. Os agentes causadores de DO mais frequentes são químicos.

  18. No setor de limpeza as DCI são as mais frequentes. Na área da saúde, DCA ocorrem por látex e substancias vulcanizadoras da borracha. Na bateria de contato padrão, temos 5 substancias ligadas a borracha. No setor de alimentos – DCI e DCA por fitodermatoses. DCI e DCA por cimento na construção civil.

  19. Para o teste de contato no setor da limpeza, a concentração utilizada é 1 a 2%. Na maioria dos testes a concentracao é essa, não apenas para setor de limpeza.

  20. Os óleos usados tem antimicrobianos como conservantes, por isso eles podem dar mais dermatite do que os óleos sem ser usados.


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal