Departamento de ensino e pesquisa diretoria de pesquisa e estudos de pessoal escola de educa



Baixar 232,27 Kb.
Página1/2
Encontro02.05.2017
Tamanho232,27 Kb.
  1   2
MINISTÉRIO DA DEFESA

EXÉRCITO BRASILEIRO

DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA

DIRETORIA DE PESQUISA E ESTUDOS DE PESSOAL

ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO EXÉRCITO
CURSO DE INSTRUTOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA

DISCIPLINA: PLANEJAMENTO DE TREINAMENTO

ALUNOS: CAP EUDIMACIR, 1° TEN VELLARDE, 1° TEN BALDUTI, 1º TEN BELLO VISCONTI, 1º TEN JOSIEL

ORIENTADOR: CAP LUCIANO


MODALIDADE ESPORTIVA: PENTATLO MILITAR

Requisito parcial para a aprovação final

na disciplina de Planejamento do Treinamento

Rio de Janeiro – RJ

2009


PLANEJAMENTO DO TREINAMENTO - 2009


  1. SITUAÇÃO GERAL:

Após a sua classificação na OM de destino, o seu comandante, juntamente com o S3, incumbiu-lhe de preparar a OM para a Olimpíada da Brigada. A sua missão é preparar a equipe do Batalhão e PLANIFICAR O TREINAMENTO. Deste modo, você necessita das seguintes informações:

1.1 Informações Gerais:

15 semanas de treinamento, a começar de 07 de junho de 2010.

5-11/04/2010: Troféu Alvorada (Competição entre as subunidades).

Semana zero (31/05 – 01/06/2010): Medidas Administrativas e Testes Físicos.

13-19/09/2010: Olimpíada da Brigada.

Você dispõe de 3 horas de treinamento para cada dia (09-12h), de 2ª a sábado.

Você deve escolher e planejar qualquer outra(s) competição(ões) que julgar necessário que o Batalhão participe ao longo do período de treinamento.

2. INFORMAÇÕES PARTICULARES:

A sua equipe é composta de 10 atletas, dos quais 03 são atletas antigos.

Resultados do teste físico inicial (considere para fins de planejamento do treinamento os dados que seguem, embora se saiba que o treino deva ser específico a cada atleta):

T12min: 3.400m

VAM: 3min18s

Alcance na granada: 51m

Natação 50m: 34s

T 600m: 1min 38s



2.1 Deficiência técnica e/ou tática da equipe:

Tiro: dificuldade no ajuste da posição e falta de conhecimento na clicagem do armamento no que diz respeito à direção do vento. PPM: deficiência nas quedas dos obstáculos e encurtamento das passadas antes de abordá-los. Natação Utilitária: má penetração na água ao sair do bloco. Granada: no 3º círculo o resultado cai significativamente. Corrida: deficiência de técnica de corrida. Nenhum atleta encontra-se lesionado.



2.2 Competições:

6-11/04/2010: Troféu Alvorada (Competição entre as subunidades);

7-12/09/2010: Olimpíada da Brigada.

PENTATLO MILITAR


  1. INTRODUÇÃO

Umas das modalidades mais importantes para manter a higidez física do militar, contribuindo para o aprimoramento dos atributos da área afetiva e preparando-o para o combate, é sem sombra de dúvidas o Pentatlo Militar. Esta modalidade, por sua complexidade, exige quase todas as valências físicas que um atleta necessita ter para obter bom desempenho.

Esta modalidade esportiva, tipicamente militar engloba cinco esportes. O atleta deverá realizar as seguintes provas: Tiro, Pista de Pentatlo Militar, Natação, Lançamento de granada e Corrida Cross Country. A competição é realizada em seis dias, com cada provas sendo realizado em dias distintos. O atleta que alcançar maior número de pontos no somatório de todas as provas será considerado vencedor.

As provas são dispostas da seguinte forma:


  • Tiro – realizada no estande de tiro, distância do alvo de 200 metros, que se subdivide em uma parte de precisão (com 10 tiros em 10 minutos) e outra parte com 10 tiros em um minuto, exigindo do atleta alto poder de concentração e técnica.

  • Pista de Pentatlo Militar (PPM) - realizada na Pista de Pentatlo Militar (PPM), que é constituída de 20 obstáculos em uma pista de 500 metros, onde o atleta demonstra o equilíbrio entre técnica e força explosiva ao passar cada obstáculo, além de resistência durante toda a execução da mesma, que dura em torno de 2 minutos e 30 segundos.

  • Natação Utilitária – realizada em uma piscina de 25 m ou 50 m, onde o atleta deve ultrapassar 4 obstáculos, com velocidade, técnica e explosão tanto nos membros inferiores quanto nos superiores. O tempo médio de execução desta prova é de 31,5 segundos.

  • Arremesso de Granada – prova realizada no quarto dia da competição. Consiste em arremessar granadas em círculos dispostos no solo, também se subdivide em uma parte de precisão e outra de arremesso em distância. Na primeira parte o atleta deve acertar 16 lançamentos de granadas em alvos horizontais de um e dois metros de raio a distâncias de 20, 25, 30 e 35 metros, e na segunda parte ocorre o arremesso em distância onde é verificada a maior distância lançada entre três arremessos de granada. O resultado final é obtido pela soma dos resultados das duas partes. Nesta prova é necessário precisão, força explosiva, concentração e força.

  • Corrida Cross Country – realizada em terreno variado, na distância de 8 KM. Esta prova evidencia as qualidades físicas como a resistência muscular localizada e a resistência aeróbia. Podem ser empregados dois sistemas de largada, a saber:

1) Por Handcap – onde os atletas largam com uma defasagem em relação ao primeiro colocado até o momento, sendo, atualmente o sistema mais utilizado. Esta defasagem respeitará o somatório de pontos alcançados por cada atleta, nas últimas quatro provas anteriores.

2) Na ordem inversa – onde os atletas largam, em ordem inversa de classificação obtida pelo somatório de todos os pontos das provas anteriores.

Para determinação da classificação individual ou por equipe, é somada a pontuação individual de cada atleta e/ou equipe em cada prova. O atleta e/ou equipe que alcançar o maior número de pontos será consagrado o campeão da modalidade.

Comissão técnica

Com o objetivo de proporcionar à equipe as melhores condições de treinamento será solicitado ao comandante que seja disponibilizado para integrar a comissão técnica os seguintes especialistas:



  • Psicólogo

  • Nutricionista

  • Preparador Físico

  • Fisioterapeuta

  • Médico

  • Massagista

  • Auxiliar técnico (Militar com experiência na modalidade)




  1. DESENVOLVIMENTO


3. Pedidos:

PARTE I
a. Apresentar as qualidades físicas a serem desenvolvidas e a seqüência de trabalho exigida para aprimorá-las ao longo do Período de Treinamento.
Para facilitar o planejamento e a periodização dividimos os pedidos por modalidade do Pentatlo Militar, e as estudamos na seqüência cronológica em que cada prova é executada em uma competição como segue:


  1. TIRO

1.1)Resistência Muscular Localizada isométrica MMSS

A modalidade de tiro do pentatlo militar exige do atleta uma resistência muscular localizado isométrica de membros superiores, visto que o atirador, para que obtenha a máxima eficiência, permanece por um período de aproximadamente 45 minutos na posição de tiro deitado sustentando o peso da arma(1)(2).



1.2) Coordenação/ Descontração

Outra qualidade importante que deve ser trabalhada para essa prova é a coordenação, que nesse caso é caracterizada pela capacidade de isolar o movimento do dedo indicador para o acionamento do gatilho do armamento, enquanto deve-se procurar obter maior grau de descontração(5) de grande parte dos grupos musculares(3).



1.3) Concentração

Outra valência com significativa importância para o tiro, mas que não esta relacionada ao aspecto físico, é a capacidade de concentração que o atirador deve possuir em um situação de stress, quando a atenção é direcionada para apenas um objeto e outros fatores externos, pensamentos e desejos devem ser excluídos(3).

Cabe ressaltar que existe uma carência de estudos relacionado as valências físicas evidenciadas por atleta da modalidade de tiro.


  1. PPM (PISTA DE PENTATLO MILITAR)

2.1) Resistência Muscular Localizada MMII/MMSS

A resistência anaeróbica localizada de membros inferiores e superiores é altamente exigida na realização da pista de PPM tendo em vista que a duração da mesma é de aproximadamente 2 minutos e 20 segundos em intensidade máxima para atletas de alto rendimento(4), característica essa que é observada no conceito de tal qualidade. Ou seja, curto período (60 a 180 segundos) em alta intensidade onde predomina o sistema anaeróbico lático(5).



2.2) Potência MMII

Potência de membros inferiores exigida principalmente após as quedas dos diversos obstáculos existentes na pista, onde é necessário que o atleta realize uma rápida contração concêntrica precedida de uma contração excêntrica (pequeno amortecimento)(2)(5) .



2.3) Equilíbrio Dinâmico

Equilíbrio dinâmico tem sua importância principalmente na transposição dos obstáculos em que a superfície de apoio (contato) possui uma pequena aérea, dificultando assim a manutenção da velocidade de deslocamento e do centro de gravidade dentro dessa área. Entre eles podemos citar: trave de equilíbrio, máximo e mínimo, passagem de vau e outros(5).



2.4) Coordenação

A coordenação é fundamental na realização da pista, pois permitirá que o atleta transponha os obstáculos com a máxima eficiência com mínimo de esforço(5).



2.5) Agilidade

Agilidade permitirá que transposição dos obstáculos seja realizada no menor tempo possível conseguindo dessa forma um melhor desempenho do atleta(5).



2.6) Resistência de Velocidade de Sprint

Resistência de velocidade de sprint é utilizada na execução da PPM de acordo com a individualidade biológica, quando a partir de um determinado momento o atleta procura aumentar seu ritmo de prova e tenta mantê-lo até o final(6).



2.7) Flexibilidade

Um bom grau de flexibilidade nas diversas articulações do corpo facilita a execução das técnicas para transposição dos diversos obstáculos(5)(7).


3) NATAÇÃO UTILITÁRIA

3.1) Resistência Anaeróbica Alática e Lática

Resistência anaeróbica alática e lática é de suma importância devido a curta duração da prova e pelo seu caráter de execução ser considerado de intensidade máxima(9).



3.2) Velocidade de Reação

A velocidade de reação cresce de importância por ser uma prova de curta duração e a largada ser executada através de um sinal sonoro (5). O tempo entre o sinal de largada e a reação do atleta tem grande peso no resultado final.



3.3) Potência

A potência tem papel fundamental na performance do atleta, nessa prova por ela ser considerada uma prova rápida, onde força e velocidade de movimento nos membros superiores e inferiores ditarão a velocidade de deslocamento na água e na transposição dos obstáculos, que deverá ser máxima(8)(2).



3.4) Agilidade

A agilidade possibilitará a transposição rápida dos obstáculos(5).



3.5) Coordenação

A coordenação auxiliará na eficácia das técnicas empregadas na passagem dos obstáculos com economia de esforços(2)(5).



3.6) Flexibilidade

A flexibilidade nesse caso terá mais importância para aumentar a eficiência da técnica do nado, pois permitirá a aplicação de força propulsiva, facilitará a recuperação das braçadas o que diminuirá o dispêndio de energia e aumentará a velocidade do nado ao reduzir a resistência intramuscular ao movimento(8).



3.7) Força de Impulsão

Tal qualidade traz diferença significativa no resultado final da prova, visto que durante execução da pista realiza-se seis impulsões (saída do bloco de partida, saída do 1 obstáculo, na entrada e saída da jangada, na saída da mesa e no ultimo obstáculo)(5).


4) LANÇAMENTO DE GRANADA

4.1) Potencia de MMSS

Potencia de membros superiores permitirá que o lançamento de precisão seja realizado com o mínimo de esforço aumentando assim sua eficácia. Já para o lançamento em distância quanto mais essa valência for desenvolvida maior será a distância alcançada(5)(2).



4.2) Flexibilidade

Flexibilidade aumentará a amplitude do movimento de lançamento da granada dessa forma diminuindo o dispêndio energético durante o lançamento de precisão e melhorando o desempenho no lançamento em distancia(5).



4.3) Concentração

A concentração também possui um papel fundamental na performance dessa prova possibilitando ao atleta focar no objetivo a ser realizado e deixando de lado fatores externos e emocionais que podem interferir no resultado principalmente no quesito precisão(3).



4.4) Coordenação

A coordenação é necessária tanto no lançamento de precisão quanto na distancia, para que a técnica não seja prejudicada e interfira na distancia e na direção(12).



5) CORRIDA 8KM ATRAVÉS CAMPO

5.1) Resistência Aeróbica

A resistência aeróbica é a qualidade mais importante para essa prova visto que é uma prova de grande volume na qual predomina o sistema aeróbico como principal fonte energética onde principalmente os músculos dos membros inferiores devem suportam repetidas contrações submáximas(5).



5.2) Velocidade de Deslocamento

Velocidade de deslocamento ditará o ritmo do atleta e deve ser o mais próximo do limiar anaeróbico para que não ocorra uma fadiga muscular prematura obrigando o atleta a diminuir sua velocidade caso ultrapasse esse limite(5).



5.3) Velocidade e Resistência de Sprint

Velocidade e resistência de sprint também interferem significativamente no resultado, pois o atleta, conforme sua individualidade, biológica no fim da prova deve procurar atingir sua velocidade máxima e mante-la até atingir a linha de chegada(5).


b. Apresente os métodos de treinamento que serão utilizados ao longo do Período de Treinamento, justificando o seu emprego.

Neste item será citado e explicado qual método de treinamento será utilizado para cada modalidade do Pentatlo Militar, iniciando-se com os métodos comuns à mais de uma modalidade.



1) MÉTODOS COMUNS

1.1) Musculação

A musculação será empregada desde o início do treinamento até o início da Fase Específica, com objetivos diferente para cada segmento.

Para os membros inferiores objetiva desenvolver Resistência Muscular Localizada, necessária para a PPM e corrida, enquanto que para os Membros Superiores tem a finalidade de desenvolver Potência, imprescindível para a Granada, Natação e PPM. Desta forma, para o primeiro será utilizado o Modelo Linear de Periodização Reverso, e para o segundo o Modelo linear de Periodização Clássico(5).

1.2) Power Training e Pliometria

Tais métodos de treinamento serão utilizados tendo em vista a deficiência nas quedas dos obstáculos que os atletas possuem na PPM e à grande exigência de potência, principalmente de membros inferiores, para a execução dela, que também é exigida na Natação. E ainda para desenvolver Potência dos membros superiores, especificamente para a granada, Natação e PPM. Essas qualidades serão trabalhadas e aprimoradas com o Power Training. Exercícios de pliometria serão incorporados aos circuitos deste treinamento, visto que também objetiva força explosiva, com ênfase para os membros inferiores, devido à deficiência supracitada, e ainda aperfeiçoará as seis impulsões realizadas na Prova de Natação Utilitária e a velocidade de reação dos atletas, importante para a largada desta prova, contribuindo sobremaneira no resultado. O método será iniciado a partir do final do Período de Preparação Básica(5).



1.3) Mental Training

Este treino visa desenvolver a concentração mental, permitindo ao atleta focar sua atenção apenas ao principal objetivo de uma prova, minimizando influências negativas externas (daquilo que está ocorrendo a sua volta, da presença de um adversário no Box ao lado, dos alvos dos demais atletas, dos disparos dos demais competidores, das ordens emanadas pelo Árbitro Geral, da torcida, dos marcadores na granada, dentre outras), com isso reforça seu otimismo, autoconfiança e controla efeitos indesejáveis causados pela ansiedade durante uma competição. Será um método que poderá ser empregado para qualquer modalidade, com exceção da corrida e em qualquer período do treinamento, seja como trabalho principal de uma sessão, seja precedendo um trabalho principal ou a própria competição. Este método tem sua importância maximizada pata o Tiro(1) e para a Granada.



1.4) Flexibilidade

Durante o período Básico será realizada algumas sessões de flexibilidade estática com objetivo de aumentar as amplitudes dos movimentos articulares dos diversos segmentos do corpo, desta forma auxiliando na otimização das técnicas e propiciando menor desgaste com a máxima eficiência nas transposições dos obstáculos (PPM e Natação), no Lançamento de Granada e nas passadas (Corrida e PPM). Devido ao curto período de treino por dia, e sabendo-se que tal trabalho não deve ser realizado precedendo ou sucedendo treinos de elevada intensidade, por aumentar o risco de lesão, as primeiras sessões serão realizadas no mesmo dia que as sessões de treinamentos leves (baixa intensidade), como forma de aprendizado pelos atletas, e a partir daí, essas sessões ficarão a cargo de cada atleta, quando orientados, executarem-na á noite em suas respectivas residências(6).


2) TIRO

2.1) Relaxamento

Esta técnica objetiva desenvolver a qualidade de descontração, de tal forma que durante a execução do tiro o atleta tenha maior capacidade de isolar e relaxar aquelas musculaturas não empregadas, com isso minimizando a oscilação da arma pela diminuição do tremor periférico, e ainda auxiliará para a coordenação do gesto motor de acionamento do gatilho e da respiração, principalmente para o tiro rápido. Assim como o Mental Training, tal método poderá ser empregado em qualquer período do treinamento, seja como trabalho principal da sessão de tiro, seja precedendo um trabalho principal, inclusive poderão ser empregados em conjunto (1).



2.2) Treinamento com tiro em seco

Será empregado com maior ênfase no Período de Preparação Básica, visando primeiramente que o atleta comece a estabelecer sua rotina de treinamento de tiro, favorecendo para minimizar efeitos da ansiedade, segundo para que cada atleta passe a ajustar sua posição de tiro o mais rápido possível, visto que esta é uma dificuldade da equipe, terceiro para que o atleta se acostume em permanecer na posição de tiro por um tempo prolongado, desenvolvendo assim a Resistência Muscular Localizada Isométrica necessário para esta prova, e em quarto lugar, visa consolidar os fundamentos de tiro e a forma de clicagem do armamento, procurando dar atenção especial para o fator direção do vento, aplicando os conhecimentos da instrução de fundamentos ministrada na semana zero(1).



2.3) Treinamento com tiro real

Neste tipo de treinamento será feito a prova de forma fracionada, visando identificar alguma falha ou ainda desenvolver progressivamente a seqüência da prova completa, dando ênfase no que for necessário durante o treinamento, através de repetições de séries. Neste treino será consolidado todos ensinamentos e rotinas estabelecidas no treino com tiro em seco, e buscar-se-á maior especificidade possível, de tal forma que os treinos sejam realizados nas mesmas condições da competição, inclusive sendo realizado no mesmo estande, sempre que possível(2). Tal método será mais empregado a partir do final do Período de Preparação Básica.


3) PPM

3.1) Treino técnico

Empregado como sessão principal apenas nos primeiros treinos específico de pista, no período de preparação básica, na qual a mesma é executada de forma sistêmica, no máximo cinco obstáculos por vez, iniciando obstáculo a obstáculo, com a finalidade de aprimorar as técnicas de ultrapassagem dos obstáculos, desenvolver equilíbrio dinâmico, coordenação e agilidade. Nesse treino será dada ênfase para que se abordem os obstáculo sem picarem a passada, grande dificuldade encontrada na equipe. Tal método pode ser empregado nas demais fases como parte do aquecimento para treinos de intervalado ou broken treino, respeitando-se a individualidade biológica, ou seja, cada atleta treina aquele obstáculo que sente maior dificuldade ou insegurança(2).



3.2) Propriocepção

Seções de exercícios de propriocepção serão empregados como trabalho principal no início do período de preparação básica, com a finalidade de desenvolver equilíbrio dinâmico nos atletas, de tal forma que adquiram confiança e maior segurança para a transposição dos obstáculos que exigem tal qualidade física. Tais exercícios poderão ser empregados também, como parte de aquecimentos para treinos de intensidade alta na PPM, inclusive utilizando os próprios obstáculos da Pista, respeitando-se as dificuldades de cada atleta(2).



3.3) Cross Promenade

Será utilizado no microciclo de recuperação da fase básica, com objetivo de manter a resistência anaeróbica e potência adquiridas ou até aprimorar tais qualidades, além de trabalhar a flexibilidade e elevar a motivação do grupo(5).



3.4) Interval Training (IT)

Método de treinamento que emprega a repetição de distâncias curtas com relativa velocidade, utilizando intervalos de recuperação entre os esforços. A freqüência cardíaca de esforço deve estar entre 170 a 180 bpm e a freqüência cardíaca de recuperação entre 120 e 140 bpm. O intervalo de recuperação não deve ser maior que 90 segundos e irá diminuindo chegando a 30 segundos com o treinamento(10). O objetivo é desenvolver resistência anaeróbica lática. No caso do treinamento para a PPM do Pentatlo Militar, estaremos utilizando as distância de 200 e 400 m em pista de atletismo.



3.5) Interval training (IT) na PPM

Tal método emprega a mesma zona alvo das variáveis do Interval training na pista de Atletismo, porém é utilizado de forma específica na própria PPM. A pista inicialmente é dividida em três braços, e progressivamente passa-se para dois e para Pista completa nessa ordem. O objetivo é aprimorar a resistência Anaeróbica de forma específica, desenvolver Potência de membros inferiores e superiores, otimizar a técnica e trabalhar a coordenação, agilidade e equilíbrio unidos ao ritmo de pista(10). Será utilizado a partir do final do Período de Preparação Básica.



3.6) Interval Tempo Training (ITT)

Método que permite desenvolver a resistência anaeróbica, a potência anaeróbica e a resistência de Sprint, que são fundamentais para esta prova, onde o sistema anaeróbico é amplamente utilizado e existe a necessidade de desenvolver a resistência de velocidade de sprint, principalmente, no final da prova(5). Tal método será empregado principalmente na Preparação Específica, nas distâncias de 200 a 400 metros, diferenciando-se do Interval training na intensidade, já que a Freqüência Cardíaca de Esforço deve ser superior a 180 bpm (80 a 100%).



3.7) Broken Training na PPM

Aplicado no Período Competitivo do treinamento, este trabalho visa fracionar a pista, e executá-la com intervalos muito curtos entre os braços e na intensidade da prova(10). Procura trazer para o treinamento uma projeção do seu tempo de prova e permite identificar possíveis falhas em sua execução.


4) NATAÇÃO UTILITÁRIA

4.1) Treinamento técnico

Assim como na PPM, será empregado nas primeiras sessões específicas de natação utilitária, como forma de desenvolver agilidade, coordenação e técnica para a transposição dos obstáculos. Nas demais fases pode ser empregado como forma de aquecimento para treinos mais intensos. O método inclui desde a largada, executando-se obstáculo a obstáculo, podendo-se executar até dois obstáculos por vez. Como a penetração na água ao sair do bloco de partida é deficiente na equipe, nos aquecimentos sempre serão realizadas, corrigidas e repetidas cinco saídas de bloco por atleta, aproveitando-se para trabalhar a velocidade de reação, buscando-se dessa forma eliminar tal deficiência(7,9).



4.2) Natação Contínua (NC)

Objetiva desenvolver o Sistema cardiopulmonar antes de se trabalhar em maiores intensidades, e por isso faz-se necessário no treinamento, bem como para recuperação metabólica dos treinamentos mais intensos(7). A natação continua também desenvolve resistência muscular, coordenação e flexibilidade específicas para a natação. Será prioritária na primeira metade do Período Básico.



4.3) Interval training (IT) na Natação

Objetiva desenvolver a resistência anaeróbica e potência específica para a natação e ainda aprimorar a técnica de nado e coordenação(9). Consiste na realização de tiros de 100 a 25 metros, numa intensidade que a FCE fique entre 170 e 180 bpm (60 a 70% da carga máxima) e a de recuperação entre 120 e 140 bpm (30 a 60 segundos). Será empregado a partir da segunda metade da fase de Preparação Básica.



4.4) Interval training (IT) na Pista Utilitária

Executa-se tiros na Pista, iniciando-se com a ultrapassagem de um obstáculo por tiro, e aumenta-se progressivamente com o treinamento, até a pista completa. O objetivo é aprimorar a técnica, agilidade e coordenação para transposição dos obstáculos, já no ritmo de prova(7). Aprimora-se também a resistência anaeróbica e a potência. Vale ressaltar que, diferentemente do Intervalado na natação, o intervalo deve ser recuperador e o tiro sempre a 100%. Será utilizado a partir da segunda metade da fase de Preparação Básica.



4.5) Sprint Training (ST) partindo do bloco

Emprega-se este método com a finalidade de desenvolver a potência de nado, bem como a capacidade de tamponamento, através de treinamentos que trabalham a tolerância ao lactato, com isso o atleta terá maior capacidade de suportar a dor durante uma prova rápida(9) como a de Natação Utilitária.

O treino consiste em tiros curtos (até 15 metros), no qual o atleta parte do bloco de partida, procurando aprimorar ainda mais a largada, e executa um tiro na velocidade máxima até 15 metros. Visa desenvolver Velocidade de Reação, Força de impulsão, Potência máxima de nado e aprimorar a técnica de saída de bloco. Tal método será predominantemente empregado no Período de Preparação Específica e Período Competitivo.

3.6) Broken Training na Pista Utilitária

Utilizado no Período Competitivo, visa o trabalho de intensidade máxima, similar a prova(9), podendo-se verificar possíveis falhas durante a transcurso da Pista de Natação Utilitária. É empregado fracionando-se a pista de acordo com os obstáculos, e entre uma parte e outra faz-se um intervalo de 10 segundos.


5) LANÇAMENTO DE GRANADA

5.1) Treinamento Técnico de Precisão

Na prova de lançamento de Granada o componente técnico é fundamental para o êxito do atleta, pois o mesmo deve aplicá-la durante toda a prova de maneira correta e similar em todos os arremessos(2). Uma forma de executar o treinamento técnico é através do “Leque” onde são colocadas bandeirolas nas mesmas distâncias das bandeirolas originais dos círculos de lançamento, porém em direções diferentes, forçando o atleta a mudar o foco de seu arremesso, ajustar a posição e realizar novo lançamento, alternando a bandeirola do círculo de arremesso a cada lançamento, desenvolvendo sua capacidade de ajuste da posição de lançamento, sua concentração com foco na bandeirola e sua coordenação para o arremesso. O treinamento técnico também pode ser realizado no muro de lançamento ou em qualquer outro lugar colocando um pneu ou bandeirola apenas na posição do centro do círculo e na distância correta, melhorando a memória muscular e diminuindo a dispersão dos lançamentos.



5.2) Treinamento Técnico de Distância

A partir da fase de preparação especifica incorporado a algumas sessões de treinamento técnico de precisão(2). Visa adquirir a técnica correta para o lançamento em distancia. Inicialmente o treino será realizado com bola de tênis seguindo para bola de beisebol e finalmente para granada de acordo com a evolução do treinamento.



5.3) Treinamento em Circuito

Este método será empregado inicialmente com ênfase no desenvolvimento físico(5), trabalhando-se nas estações todos os grupos musculares envolvidos no gesto motor para o lançamento da granada, e à medida que haja uma progressão no treinamento, passa-se a priorizar oficinas técnicas, onde o atleta realiza seqüências de arremessos em muros distintos. Esse tipo de treinamento aprimora a técnica e desenvolve qualidades importantes nesta prova, como concentração e coordenação e com a vantagem de ganhar tempo com a equipe, pois haverá mais atletas realizando o treino de uma só vez em relação a um treinamento técnico normal. Tal treinamento será empregado desde o início dos treinamentos até a metade da Fase de Preparação específica.


6) CORRIDA ATRAVÉS CAMPO

Serão ministradas instruções com vídeos sobre as técnicas de corridas mata borrão ou circular para que os atletas possam testá-las e adotar a que melhor se adaptar e a partir daí serão realizadas sessões de educativos com os gestuais específicos de braços e pernas para se aprimorar e desenvolver a técnica de corrida. Durante os aquecimentos dos treinamentos de corridas, estes educativos deverão ser aplicados sempre.



6.1) Corrida Contínua

Este método de treinamento tem por objetivo fazer com que o atleta execute uma corrida de longa distância ou duração com velocidade relativamente baixa ou moderada. Trabalha-se na faixa entre 60 e 85% do VO2 Max, proporcionando ao atleta melhorias na capacidade cardiopulmonar e neuromuscular(8), sendo empregado largamente no período de preparação geral.



6.2) Fartlek

Este método de treinamento cardiopulmonar tem por objetivo fazer com que o atleta percorra uma longa distância alternando corridas rápidas e lentas em terrenos variados, permitindo, prioritariamente, desenvolver o sistema aeróbico (70%), além de desenvolver o sistema anaeróbico (10%) e a velocidade (20%). Ao permitir que o atleta treine no seu próprio ritmo e em terrenos naturais, este método é bastante motivador para o atleta(11).


6.3) Interval Training

Método de treinamento intervalado que emprega a repetição de corridas curtas com relativa velocidade, utilizando intervalos de recuperação entre os esforços(10). A frequência cardíaca durante o esforço deve estar entre 170 a 180 bpm e a frequência cardíaca de recuperação entre 120 e 140 bpm. O intervalo de recuperação não deve ser maior que 90 segundos e irá diminuindo chegando até 30 segundos com o treinamento. Normalmente emprega-se a distancia de 400 m em pista de atletismo, sendo utilizado no período de preparação geral e específica.



6.4) Tempo Training

Este método é empregado no período de preparação específica, após seremnutilizados os métodos de corrida contínua, fartlek e interval training(10). Visa desenvolver a resistência e a potência anaeróbia, além da potência aeróbia no atleta, proporcionado mais velocidade em provas longas, como a de 8 km. Visa também o treinamento de ritmo, através da execução das séries com o tempo similar ao da prova, porém com a distância fracionada.



6.5) Interval Tempo Training

Este método de treinamento intervalado também é empregado no período de preparação específica, após os métodos de corrida contínua, fartlek e interval training e visa à melhoria da chegada da corrida (sprint final), por meio do desenvolvimento das qualidades físicas de resistência anaeróbica, potência anaeróbica e resistência de sprint(11).


c. Citar, contextualizar e justificar os sistemas energéticos que serão desenvolvidos.

Os sistemas energéticos que serão desenvolvidos são o aeróbico, o anaeróbico lático e o anaeróbico alático, de acordo com a prova, da seguinte forma:



1) TIRO

O tiro por ser uma prova relativamente longa, duração aproximada de 20 minutos, e com contrações musculares isométricas utiliza-se predominantemente do sistema energético Aeróbico(12).


2) PISTA DE PENTATLO MILITAR

Esta prova tem predominância do sistema anaeróbico lático para o fornecimento de energia, pois sua realização requer um esforço com intensidade próxima da máxima num curto espaço de tempo entre 2 min 15 seg. e 3 min(12).



3) NATAÇÃO UTILITÁRIA

Prova que reúne as qualidades de agilidade, coordenação e força explosiva de braços e pernas em um curto espaço de tempo. Nela utiliza-se basicamente do sistema anaeróbico alático (ATP-PCr) de fornecimento de energia, com duração de aproximadamente 30 segundos(12).


4) LANÇAMENTO DE GRANADA

Cada lançamento utiliza como principal fonte de energia a fosfocreatina, evidenciando o sistema anaeróbico alático de fornecimento de energia, devido a duração de poucos segundos para a realização de cada arremesso(12).


5) CORRIDA ATRAVÉS CAMPO

Esta prova tem duração média de 28 minutos numa intensidade alta, utilizando como substratos energéticos os carboidratos e as gorduras para produção de adenosinatrifosfato (ATP), caracterizando assim a predominância do sistema energético aeróbico(12).


d. Apresentar e justificar os testes físicos e re-teste (SFC) selecionados e as respectivas datas de aplicação, locando-os na Estruturação Geral do Macrociclo de Treinamento.

1) GERAL

  • Teste psicológico

Para esta modalidade cresce de importância que seja verificado a condição psicológica através de testes específicos junto a um psicólogo. Tendo em vista a exigência psíquica, mental e de concentração de algumas provas. Seria interessante que ocorresse um acompanhamento do mesmo durante todo o macro-ciclo(6).

  • Exame médico e odontológico

Para o inicio dos treinamentos devemos realizar esses exames de modo a verificar o estado de saúde dos atletas, identificando se existe alguma patologia e/ou contra-indicações de modo que as mesma sejam sanadas ou prevenidas com antecedência, minimizando a influencia negativa desses fatores no rendimento dos atletas(5,12).

  • Nutricional

Os atletas serão avaliados por um(a) nutricionista para corrigir possíveis falhas na alimentação bem como indicar uma dieta e orientar quanto ao uso de suplementos alimentares(6).

  • Sentar e levantar de Wells

Visa avaliar o nível de flexibilidade dos atletas com a finalidade de acompanhar a evolução de tal qualidade(6).
2) TIRO

  • Saúde ocular

Um atirador deve realizar um exame oftalmológico específico para a prática da disciplina de tiro escolhida, despistando qualquer tipo de patologia que reduza a sua AV (acuidade visual) ou a FSC (função de sensibilidade ao contraste) (1). Dessa forma os atletas serão encaminhados a um oftalmologista afim, de realizar o referido exame onde poderão ser submetidos aos seguintes testes:

Testes Optométricos - devem ser realizados sempre em visão monocular, que em princípio, será sempre o dominante, que chamamos “olho director”.



Silva Mind Control - desenvolve a capacidade da pessoa concentrar-se em situações diversas, baseado em uma rotina para obtenção de níveis mais altos de produção de ondas Alfa. Estimula a visualização e a mentalização de um objetivo pré-determinado, no nosso caso o tiro perfeito, utilizando recursos como o local ideal de descanso e o conselheiro.


  1. PISTA DE PENTATLO MILITAR

  • Teste de corrida de 600m

Utilizado para medir a potencia anaeróbica, será utilizado com a finalidade de verificar a condição inicial dos atletas facilitando a prescrição dos treinamentos de IT na pista de atletismo(6). E ainda para avaliar o desenvolvimento de tal qualidade física no decorrer do treinamento.
4) NATAÇÃO UTILITÁRIA

  • 50 metros

Foi utilizado o teste de natação de 50 metros para avaliar a velocidade e resistencia de sprint dos atletas e assim prescrever os treinamentos de IT na natação de forma coerente e respeitando a individualidade biológica. Além disso será utilizado para verificar se os treinamentos estão surtindo efeito(7).
5) LANÇAMENTO DE GRANADA

  • Teste de lançamento em distancia

Foi usado para avaliar de forma especifica a potencia de lançamento de granada tendo assim uma base para a montagem de treinamentos de Power Training e exercícios pliometricos para MMSS. E será utilizado para verificar a melhora do rendimento de acordo com evolução treinamento voltado para potencia de MMSS(6).

  • Força explosiva de membros superiores (Two Hand Medicine Ball Put)

O objetivo deste é medir a forca explosiva (potencia) de membros superiores e cintura escapular, sendo utilizada uma cadeira e uma bola medicinal de três quilos(13). O teste foi realizado com o avaliado sentado em uma cadeira, segurando uma bola medicinal de três quilos, com as duas mãos contra o peito e logo abaixo do queixo, com os cotovelos o mais próximo possível do tronco. O resultado foi computado pela distancia da melhor das três tentativas executadas pelo avaliado.
6) CORRIDA ATRAVÉS CAMPO

  • 12 minutos Cooper

O Teste de Cooper tem objetivo de avaliar a capacidade de desempenho em resistência, além de também ser bastante específico para a prova de corrida através campo(6).

  • Leger Bucher

Utilizado para mensurar o limiar anaeróbico e o VO2máx, e ainda a Velocidade Aeróbica Máxima(6).


  • Teste de VAM

Usado para medir a resistência e potencia anaeróbica e aeróbica. Será utilizado para a prescrição dos treinamentos de TT e para a avaliação de tais qualidades com a progressão do treinamento(6).

  1   2


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal