Correção Proposta de correção da Ficha de Avaliação Global grupo I



Baixar 52,84 Kb.
Encontro13.01.2017
Tamanho52,84 Kb.
Correção
Proposta de correção da Ficha de Avaliação Global


GRUPO I
1.1.




Expansão marítima

de Portugal

Expansão marítima

de Espanha

Principais

objetivos

Objetivos comerciais e religiosos

Objetivos comerciais e religiosos

Dois territórios

descobertos

Arquipélagos atlânticos

Brasil


Antilhas

Filipinas



Principais rotas

comerciais

Rota do Cabo

Rota triangular



Rota de Manila

Principais

riquezas

coloniais

Ouro

Escravos


Açúcar

Especiarias



Prata

Ouro


Produtos tropicais

Dois fenómenos

de intercâmbio

cultural

Língua portuguesa

Religião católica



Língua espanhola

Hábitos alimentares com influências das civilizações

da América



1.2. O historiador considera que as viagens marítimas

dos países ibéricos foram determinantes para a descoberta e contacto permanente e regular entre os povos dos diferentes continentes.


1.3. Sim, porque só depois de se estabelecerem as

rotas marítimas controladas pelos Impérios Ibéricos é que se mundializaram as trocas económicas, mas também as trocas culturais.


1.4. Mundialização da economia.
GRUPO II
2.1.

V A fonte D defende a valorização do ser humano e

das suas capacidades.

F A fonte C e a fonte D apresentam perspetivas

opostas sobre o valor do ser humano.

F A fonte E refere-se ao período medieval, anterior

ao período histórico do Renascimento.

V Os autos de fé (fonte E) eram praticados pelos

membros do tribunal religioso da Inquisição.

F A fonte D e a fonte E apresentam a mesma

perspetiva sobre o papel do ser humano no mundo.

V A fonte C exprime a valorização da Natureza e do

conhecimento baseado na observação da realidade.
2.2.

A fonte C e a fonte D apresentam a mesma perspetiva sobre o valor do ser humano.

A fonte E refere-se ao período do Renascimento.

A fonte D e a fonte E apresentam perspetivas opostas sobre o papel do ser humano no mundo.


2.3.

(A) (4) (C) (2)

(B) (3) (D) (1)
GRUPO III
3.1.

F O absolutismo foi um regime político em que o

rei concentrava grande parte do poder.

V O poder dos reis absolutos provinha de Deus,

segundo crença da época.

F O absolutismo foi um regime político típico da

Europa da Idade Média.

V A corte era usada pelo rei para demonstrar e

reforçar o seu poder.

F A corte era frequentada por elementos das três

ordens sociais: clero, nobreza e Terceiro Estado.

V A Holanda e a Inglaterra constituíram a exceção

política na Europa absolutista.
3.2.

O absolutismo foi um regime político em que o rei

concentrava todo o poder.

O absolutismo foi um regime político típico da

Europa do Antigo Regime.

A corte era frequentada por elementos de duas

ordens sociais: clero e nobreza.
3.3.

3.4

(A) (5)


(B) (1) (2)

(C) (3) (6)

(D) (4)



GRUPO IV
4.1. A fonte H refere-se à descoberta do

heliocentrismo.


4.2. A fonte H expressa o pensamento científico do

século XVII porque contrapõe ao conhecimento antigo uma nova verdade científica, baseada na observação, na experiência e na razão.


4.3. O Marquês de Pombal modernizou o ensino em

Portugal, nomeadamente o ensino universitário, tornando-o mais prático e experimental, criando, para isso, as infraestruturas necessárias como o laboratório químico.


4.4. Princípios iluministas da crença na razão e da

valorização da instrução com vista ao progresso. Os estrangeirados.


4.5. Sim, porque, embora não fosse rei, assumiu o

governo do reino e orientou a sua ação governativa para o bem-estar dos súbditos e para o desenvolvimento do país, na mesma linha do que se fazia na Europa do século XVIII.


GRUPO V
5.1. Vias de comunicação (rios navegáveis) e matérias-

primas, como o carvão.


5.2. Setores têxtil e metalúrgico.
5.3. A exploração da mão de obra infantil, mais

barata e mais submissa, é um indicador da degradação das condições de vida das classes operárias, no decorrer da industrialização.

Soma-se ainda o elevado número de horas de trabalho diário debaixo de castigos físicos.
GRUPO VI
6.1. A posse das propriedades rústicas era

desequilibrada: os grupos minoritários eram os maiores detentores de terras.


6.2. Estados Gerais | clero | nobreza e Terceiro

Estado | Terceiro Estado | Constituição | presos políticos | Revolução Francesa | absoluta | constitucional ou liberal.


6.3. Abolição dos direitos feudais, igualdade.
6.4. x Portugal viveu uma guerra civil entre liberais

e absolutistas no decorrer dos anos 1832 e 1834. Os absolutistas eram liderados por D. Miguel, que se havia proclamado rei absoluto em total desrespeito pelas leis liberais. D. Pedro abdicou do trono brasileiro e veio restaurar o liberalismo em Portugal.


GRUPO VII
7.1. Eletricidade e petróleo.
7.2. x Os princípios do liberalismo económico

fomentam o desenvolvimento do capitalismo industrial e financeiro no século XIX.


7.3. Arquitetura do ferro.
7.4. A ponte D. Maria Pia construiu-se no contexto da

política de desenvolvimento dos transportes e vias de comunicação, levada a cabo pelo governo da Regeneração, em Portugal, a partir de 1851.


7.5. “Fotografia”, porque pretende representar a

realidade do “mundo moderno” e ao mesmo tempo caricaturá-lo, criticá-lo para o fazer mudar e progredir.


GRUPO VII
8.1. Espaços urbanos superpovoados (“armazéns

servidos por três mil caixeiros”), de grande dinamismo económico (“bancos em que retine o ouro universal”), industrializados, poluídos e acelerados.


8.2. O operariado.
8.3. Os operários de fábricas de fiação estão em

greve, uma forma de luta por melhores condições de trabalho, e estão a ser reprimidos pela polícia.


8.4. Sindicatos.
8.5.

V A burguesia investia em bancos, fábricas e

sociedades anónimas.

F O operariado fabril formara-se em escolas

industriais e recebia elevados salários.

V As classes médias eram o grupo social entre a

burguesia e o operariado.

F As classes médias procuraram seguir os valores e

o modo de vida do proletariado.

F A manufatura conduziu à proletarização dos

artesãos.

F A industrialização em Portugal promoveu

movimentos migratórios, como a imigração.
8.6.

O operariado fabril não tinha formação escolar e recebia baixos salários.

As classes médias procuraram seguir os valores e o modo de vida da burguesia.

A maquinofatura conduziu à proletarização dos artesãos.



A industrialização em Portugal promoveu movimentos migratórios, como a emigração.


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal