Colégio Estadual João Paulo II projeto Político-Pedagógico 2017



Baixar 2 Mb.
Página8/21
Encontro27.09.2018
Tamanho2 Mb.
1   ...   4   5   6   7   8   9   10   11   ...   21

2.7 Formação Continuada


A falta da práxis na formação inicial dos professores, dada através de uma graduação voltada especialmente aos aspectos teóricos de cada área do conhecimento, deixando de lado teorias educacionais e a prática pedagógica propriamente dita, exige do profissional que atua em sala de aula um grande esforço na transposição didática, haja vista que necessita aprender a dar aula de forma avessa ao que se deseja, sem orientação de um professor como mediador, disponibilizando a ação e a reflexão sobre ela.

Nesse caso, cabe ao governo e à escola, disponibilizar um processo de formação aos professores e funcionários que vise justamente a práxis educativa, refletindo constantemente sobre a ação e aprimorando-a com outras formas de agir.

É através dos cursos de formação, que os professores aprendem a usar e avaliar diferentes estratégias de ensino e a considerar diferentes ritmos de aprendizagem, da mesma forma que é através de sua ação continua que aprende a tomar decisões, a conduzir aulas, a escolher a melhor metodologia de ensino de acordo com as diferentes situações e conteúdos.

Estudos recentes sobre formação de professores feitos por Pimenta (2002) e Vasconcelos (2000), têm apontado à importância das experiências pessoais no processo de construção e (re) construção do pensamento do professor, vinculadas às influências dos cursos de formação.

No período que compreende os anos de, 2002 a 2010, foram criadas as Diretrizes Curriculares e a formação de professores ofertada pela SEED contribuiu para a formação teórica dos professores e funcionários dentro de uma perspectiva crítica, com ênfase na pedagogia histórico-critica, proporcionando assimilação de novas formas de pensar a educação e os processos de ensinar, aprender e avaliar, tornando o trabalho didático, com raras exceções, cada vez mais voltado para uma formação crítica do educando, tendo este como sujeito ativo capaz de aprender e produzir conhecimentos.

Atualmente, na tentativa de repensar o P.P.P., os professores responsáveis pelo quesito da formação continuada denunciaram a dicotomia que existe entre a Concepção Histórico-Crítica que embasa este documento e a práxis educativa, visto que, a maioria dos professores ainda não se apropriou da fundamentação teórica adequada desta concepção, e por isso, não conseguem desenvolver satisfatoriamente uma unidade pedagógica.

Como sugestão apresentada, e acatada pelo coletivo, há possibilidade de uma parceria com a UNIOESTE, através do projeto de extensão, com teóricos e pesquisadores da universidade para trabalhar e acompanhar a formação continuada, aproveitando também os momentos da formação previstos no calendário escolar, para que as concepções teóricas fiquem alicerçadas e as práticas pedagógicas sejam bem definidas.

Temos também a equipe multidisciplinar na escola, que se caracteriza como um espaço importante para o estudo, discussão e elaboração de práticas pedagógicas voltadas para a realidade social atual dos estudantes, envolvendo assuntos que precisam ser constantemente refletidos no âmbito escolar com diferentes enfoques, como a diversidade social, cultural, religiosa, de gênero e de raça.

É objetivo essencial da escola, oferecer aos seus profissionais a formação necessária para uma pratica coerente com concepções pedagógicas críticas e de acordo com as necessidades imediatas, seja avaliação, conselho de classe, (in) disciplina, inclusão, adaptação curricular, entre outros, mas é fundamental que haja o engajamento dos profissionais e a disponibilidade de participação deste processo de formação contínua no âmbito escolar.

2.8 Acompanhamento e Realização da Hora-Atividade


A hora atividade é garantida na lei nº 11.738, de 16 de julho de 2008 e, segundo a Instrução nº 001/2015 - SUED/SEED, constitui-se no tempo reservado ao professor para estudos, planejamento, avaliações e participação em formação continuada, devendo ser cumprida na instituição de ensino onde o professor está suprido, em horário normal das aulas a ele atribuído.

Quanto ao acompanhamento e realização da hora atividade é feito um cronograma pelo setor pedagógico e o professor cumpre proporcionalmente ao número de aulas que tem na instituição e quando possível com outros da mesma disciplina.

É neste momento que a equipe pedagógica tem acompanhado as situações que envolvem as ações de intervenção didático-pedagógicas planejadas para os educandos com dificuldades no seu desempenho escolar; bem como as atividades individuais e coletivas, a serem desenvolvidas pelo professor e o incentivo para a participação dos mesmos nos trabalhos da Equipe Multidisciplinar da escola, com a comunidade.

Quanto a Direção da escola, a mesma tem sistematizado e disponibilizado o quadro de distribuição da hora-atividade, conforme orientações, contudo, a cada ano torna-se mais difícil devido as políticas governamentais de redução de custos, que estabelecem a redução da hora atividades, sobrecarga de trabalho em varias escolas para muitos professores e a perda gradativa desse momento muito importante de preparação para melhoria da qualidade das aulas dos professores e busca de alternativas para melhor aprendizagem dos estudantes.



2.9 Organização do tempo e espaço pedagógico e critérios de organização da turma


O atendimento pedagógico acontece de diversas formas, entre elas: individual a alunos e ou pais quando necessário através de conversas e orientações com registros na ficha individual do aluno. Também ocorre com professores no individual, quando solicitado ou quando necessário, em orientações referentes ao livro registro, planejamento ou elaboração do PTD (plano trabalho docente). E ainda, durante formação e estudos em grupos, palestras e/ou reuniões com pais e alunos sobre temas específicos contemplados no PPP e nos planos de aula, com objetivo de ampliar os conhecimentos.

Quanto à organização e distribuição das turmas, são observados todos os anos alguns critérios como: ouvir os professores durante o último conselho de classe do ano onde é feita uma discussão com Direção, Equipe Pedagógica e professores de cada turma, são indicados os alunos que permanecerão juntos no ano seguinte, e os alunos que devem ser separados, para evitar indisciplina sua aprendizagem se amplie. Também são observadas a necessidade do aluno de transporte e necessidades familiar, como trabalho dos pais por exemplo.



2.9.1 O atendimento às Modalidades


No Colégio João Paulo II são atendidos alunos de Ensino Fundamental fase II e do Ensino Médio.

2.9.2 As atividades de Ampliação de Jornada Escolar


Desde o início do ano de 2010 o Colégio Estadual João Paulo II, houve ampliação da jornada escolar, com o atendimento aos alunos de 6º ano no período contrário, com Sala de Apoio à aprendizagem de língua portuguesa e matemática, em casos que ela ocorre os resultados são perceptíveis na aprendizagem e desenvolvimento.

O colégio sempre ofereceu atividades diversificadas em contra turno em vários programas lançados pelo governo (dança e flauta doce), inicialmente através do Programa Viva a Escola. Com o Programa de Atividades Complementares em Contra turno (xadrez e leitura), e atualmente o treinamento esportivo com a modalidade de Futsal.


2.9.3 Projeto Novo mais educação


A partir de 2017, é ofertada a ampliação da jornada escolar em contra turno com o Programa Novo Mais Educação, que tem por objetivo a expansão de atividades pedagógicas realizadas na escola como complementação curricular, a fim de atender às especificidades da formação do aluno e de sua realidade com a ampliação da jornada escolar de quatro para sete horas diárias que, além de oferecer diferentes atividades pedagógicas no estabelecimento de ensino no qual estão vinculados, viabilizando o acesso, a permanência e a participação dos educandos em atividades pedagógicas com vistas a uma formação integral dos estudantes a partir do tempo integral na escola.

Este programa compreende quatro núcleos de conhecimento, Expressivo-Corporal, Científico-Cultural, Apoio à Aprendizagem e Integração Comunidade e Escola, e de acordo com as normativas, o colégio deve oferecer apoio à aprendizagem em português e matemática, com carga horária de 5 horas cada uma, e devido às possibilidades e à realidade do Colégio Estadual João Paulo II, inicialmente optamos por atividades diversificadas de dança, badminton e futsal, que permitem a ampliação curricular de arte e educação física para 6 horas aula por semana em contra turno escolar.

A ideia inicial é de oferecer a ampliação do tempo escolar através do Programa Novo Mais Eeducação, para alunos de 6ºanos, mas por ser uma nova proposta, estamos com a expectativa de que se realize, mesmo estando cientes de que a prática pode ser diferente do planejado.

2.10 Índices de Aproveitamento Escolar (indicadores externos e internos), abandono/evasão relação idade/ano




2.10.1 Apresentação e análise dos dados estatísticos relativos às taxas de aprovação, reprovação e evasão escolar, aprovação por conselho de classe nos dois últimos anos


O índice de aprovação no ensino fundamental Anos Finais de 84% em 2014, subiu para 87,5% em 2015. Já no ensino Médio de 79% em 2014 subiu para 84% em 2015.

O índice de reprovação do Ensino fundamental Anos finais diminuiu de 13,3% em 2014 para 7,8% em 2015. Já no ensino Médio de 18,8% em 2014 diminuiu para 12,3% em 2015.



O índice de abandono do Ensino Fundamental Anos finais subiu de 2% em 2012, para 4,7% em 2015. O Ensino Médio de 2,7% em 2014 também subiu para 3,7%, isso porque alguns alunos começaram a trabalhar a partir do segundo trimestre, desistindo dos estudos.

Fonte: CENSO/INEP.


A instituição leva em conta os resultados do IDEB para reconfigurar seus processos pedagógicos, isso é feito durante as reuniões pedagógicas e ou estudos nas semanas pedagógicas são analisados os dados e revistos os planejamentos: coletivo – grupo de professores, direção e equipe pedagógica bem como no planejamento individual de cada professor, sempre traçando metas para melhorar a aprendizagem dos alunos.

Fonte: www.inep.gov.br.


No entanto, entendemos que o desenvolvimento da aprendizagem dos nossos alunos não pode ser medido por indicadores externos, alheios ao seu contexto social, e sim, através de uma avaliação processual que acontece no dia a dia do estudante.

Analisando o resultado do IDEB do colégio João Paulo II, percebemos que em 2013 foi de 4,3, subindo para 5,0 em 2015, porém comparados as nossas metas projetadas, ficamos aquém do que deveríamos, pois projetamos para 2013 a meta de 5,2 e para 2015 a meta de 5,5, mesmo assim fomos o colégio que obteve um dos melhores índices registrados na cidade de Francisco Beltrão e o melhor resultado do ENEM entre as escolas públicas do município.



2.10.2 Abandono Escolar


Para diminuir ou evitar as desistências e reprovações de alunos é feito lista diária de frequência de todas as turmas com acompanhamento semanal pela equipe pedagógica. Com mais de três faltas consecutivas à comunicação é imediata via telefone aos pais ou responsáveis para verificação dos motivos, que os mesmos não compareceram ao colégio. Se persistirem as faltas, a família e/ou responsáveis são chamados para conversa e explicações; caso não resolva com conversa, o conselho tutelar é avisado para que sejam tomadas outras providencias envolvendo a família. Todos estes procedimentos são registrados na ficha individual do aluno.

2.10.3 Prevenção ao uso de Álcool e outras Drogas e Enfrentamento às Violências na instituição de ensino


Com relação à prevenção ao uso de Álcool e outras Drogas a instituição de ensino tem buscado constantemente parceria com instituição de Ensino de Superior para a realização de palestras de conscientização. Visando o conhecimento e o não uso das mesmas. Também temos recebido apoio da patrulha escolar, sempre presente auxiliando através de palestras ou mesmo orientação individual aos alunos juntamente com a equipe pedagógica.

Entendendo que à escola cabe o papel de conscientização, uma vez que a mesma é localizada na periferia e alguns alunos tem contato direto com situações de uso e consumo de drogas. No entanto, quando surgem casos que necessitam maior atenção o Conselho Tutelar é comunicado e solicitado auxilio do mesmo. Em relação à Rede de Proteção à Criança e ao Adolescente, podemos dizer que temos cerca de 2% de estudantes que já pertencem a rede e que são constantemente monitorados devido à sua situação de risco e vulnerabilidade social.



1   ...   4   5   6   7   8   9   10   11   ...   21


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal