Celebração do Sacramento do Matrimónio Paulo Fonseca e Milene Couto Sacerdote



Baixar 85,42 Kb.
Encontro20.08.2018
Tamanho85,42 Kb.
Celebração do Sacramento do Matrimónio

Paulo Fonseca e Milene Couto



Sacerdote:

Padre Costa Araújo



Igreja:

Igreja de São Paulo



Musica:

Grupo de Jovens Alvorada



Padrinhos:

Carlos Couto

Filipe Tereso

Paulo Gonçalves

Susana Ferreira

Anabela Fonseca

Joana Reis

Tatiana Ferreira

Sara Oliveira



Meninos das Alianças:

Bruno Fonseca

Káyky Couto

Lara Couto

Sílvia Nave




Cântico de Entrada do Paulo: Conta as Estrelas

Conta as estrelas do céu / Soma tudo o que Eu já fiz por ti / Antes do mar / Antes que houvesse luar / Antes do tempo Eu já esperava por ti / Ai se soubesses do Amor / Uma só noite, uma paixão, / Tu correrias p'ra Mim / E dançarias com a cruz / Coisas da vida ao som da Minha canção 
Tu, Senhor, sabes bem / O que penso e conheces / Cada palavra antes de eu a dizer. / Tu conheces minh'alma / Como a palma dessa Tua mão. / Eu não entendo, Senhor, / Como sou tanto para Ti; / Por que Te paras / Quando olhas p'ra mim. 

Cântico de Entrada da Milene: Canon

Cântico de Inicio da Celebração: Maravilhas

Maravilhas fez em mim / Minh'alma canta de gozo / Pois na minha pequenez / Se detiveram seus olhos / E o santo e poderoso / Espera hoje por meu sim. / Minha alma canta de gozo, / Maravilhas fez em mim. 


Maravilhas fez em mim / Da alma brota meu canto / O Senhor me amou / Mais que aos lírios do campo / E por seu Espírito Santo / Ele habita hoje em mim / Que não pare nunca este canto / Maravilhas fez em mim.

Sacerdote: Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

Todos: Ámen

Sacerdote: A Graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam convosco.

Todos: Bendito seja Deus que nos reuniu no Amor de Cristo.

Saudação

Depois de fazer o sinal da cruz, o sacerdote saúda os noivos e os presentes e pode fazer uma admonição introdutória, dizendo estas palavras ou outras semelhantes:

Irmãos caríssimos, reunimo-nos com alegria na casa do Senhor para participarmos nesta celebração, acompanhando Paulo e Milene no dia em que se propõem constituir o seu lar. Esta hora é para eles de singular importância. Acompanhemo-los com o nosso afecto e amizade e com a nossa oração. Juntamente com eles escutemos a Palavra que Deus hoje nos vai dirigir. Depois, em união com a Santa Igreja, por Jesus Cristo, nosso Senhor, supliquemos a Deus Pai que acolha benignamente estes seus servos, que desejam contrair Matrimónio, os abençoe e os una para sempre.

Sacerdote: Oremos.

Senhor nosso Deus, que, desde a criação do género humano, quereis a união do homem e da mulher, uni pelo vínculo santo do amor estes vossos servos Paulo e Milene que hoje se comprometem na aliança matrimonial e fazei que, dando frutos de caridade, sejam testemunhas do vosso amor na santa Igreja. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco, na unidade do Espírito Santo.



LITURGIA DA PALAVRA

I Leitura: Gen 2, 18-24

«E os dois serão uma só carne»

Não somos criados para vivermos sozinhos, somos um para o outro, uns para os outros. Por isso, esta leitura apresenta ao casal, homem e mulher, o caminho da unidade e da comunhão, na igual dignidade e na complementaridade da missão de cada um, homem e mulher.

Leitura do Livro do Génesis

Disse o Senhor Deus: «Não é bom que o homem esteja só: vou dar-lhe uma auxiliar semelhante a ele». Então o Senhor Deus, depois de ter formado da terra todos os animais do campo e todas as aves do céu, conduziu-os até junto do homem, para ver como ele os chamaria, a fim de que todos os seres vivos fossem conhecidos pelo nome que o homem lhes desse. O homem chamou pelos seus nomes todos os animais domésticos, todas as aves do céu e todos os animais do campo. Mas não encontrou uma auxiliar semelhante a ele. Então o Senhor Deus fez descer sobre o homem um sono profundo e, enquanto ele dormia, tirou-lhe uma costela, fazendo crescer a carne em seu lugar. Da costela do homem o Senhor Deus formou a mulher e apresentou-a ao homem. Ao vê-la, o homem exclamou: «Esta é realmente osso dos meus ossos e carne da minha carne. Chamar-se-á mulher, porque foi tirada do homem». Por isso, o homem deixará pai e mãe, para se unir à sua esposa, e os dois serão uma só carne.

Palavra do Senhor.

Cântico do Salmo: Eis-me aqui ó Deus

Rapazes: Eis-me aqui, ó Deus, / Para fazer vossa vontade / Abri, Senhor, os meus ouvidos.

Raparigas: Eis-me aqui Senhor meu Deus / Eu quero procurar em mim / Fazer vossa vontade / Abri,

Senhor, os meus ouvidos.



Não são sacrifícios que quereis / Não os holocaustos e oblações / Não são vítimas que Vós pedis / Abri, pois, Senhor, os meus ouvidos.

II Leitura: 1 Cor 12, 31 --13, 8a

«Se não tiver caridade, nada me aproveita»

Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios

Irmãos:
Aspirai com ardor aos dons espirituais mais elevados. Vou mostrar-vos um caminho de perfeição que ultrapassa tudo: Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver caridade, sou como bronze que ressoa ou como címbalo que retine. Ainda que eu tenha o dom da profecia e conheça todos os mistérios e toda a ciência, ainda que eu possua a plenitude da fé, a ponto de transportar montanhas, se não tiver caridade, nada sou. Ainda que distribua todos os meus bens aos famintos e entregue o meu corpo para ser queimado, se não tiver caridade, de nada me aproveita. A caridade é paciente, a caridade é benigna; não é invejosa, não é altiva nem orgulhosa; não é inconveniente, não procura o próprio interesse; não se irrita, não guarda ressentimento; não se alegra com a injustiça, mas alegra-se com a verdade; tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. A caridade não acaba nunca.

Palavra do Senhor



Cântico de Aleluia: Canto Aleluia

Canto aleluia ao Senhor / Canto aleluia ao Senhor / Canto aleluia, canto aleluia / Canto aleluia ao Senhor



Aclamação do Evangelho: Forma longa Mt 7, 21.24-29

«Edificou a sua casa sobre a rocha»

Construir um lar que resista às provas supõe bases sólidas na construção. Deus é o "alicerce" essencial para a edificação de uma nova casa.



Sacerdote: Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Nem todo aquele que Me diz ‘Senhor, Senhor’ entrará no reino dos Céus, mas só aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos Céus. Todo aquele que ouve as minhas palavras e as põe em prática é como o homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha. Caiu a chuva, vieram as torrentes e sopraram os ventos contra aquela casa; mas ela não caiu, porque estava fundada sobre a rocha. Mas todo aquele que ouve as minhas palavras e não as põe em prática é como o homem insensato que edificou a sua casa sobre a areia. Caiu a chuva, vieram as torrentes e sopraram os ventos contra aquela casa; ela desmoronou-se e foi grande a sua ruína». Quando Jesus acabou de falar, a multidão estava admirada com a sua doutrina, porque a ensinava como quem tem autoridade e não como os escribas.

Palavra da salvação.

HOMILIA

RITO DO MATRIMÓNIO

Estando todos de pé, inclusive os noivos, com as testemunhas junto de si, o sacerdote dirige-se aos noivos dizendo estas palavras ou outras semelhantes:



Sacerdote:

Noivos caríssimos, viestes à casa da Igreja para que o vosso propósito de contrair Matrimónio seja firmado com o sagrado selo de Deus, perante o ministro da Igreja e na presença da comunidade cristã. Cristo vai abençoar o vosso amor conjugal. Ele, que já vos consagrou pelo santo Baptismo, vai agora dotar-vos e fortalecer-vos com a graça especial de um novo sacramento para poderdes assumir o dever de mútua e perpétua fidelidade


e as demais obrigações do Matrimónio. Diante da Igreja, vou, pois, interrogar-vos sobre as vossas disposições.

Diálogo antes do consentimento

Depois o sacerdote interroga os noivos sobre a liberdade do seu consentimento e as suas disposições de fidelidade e de aceitação e educação dos filhos, e cada um dos noivos responde.



Sacerdote: Paulo e Milene, viestes aqui para celebrar o vosso Matrimónio.
É de vossa livre vontade e de todo o coração que pretendeis fazê-lo?

Os noivos: É, sim.

Sacerdote: Vós que seguis o caminho do Matrimónio, estais decididos a amar-vos e a respeitar-vos, ao longo de toda a vossa vida?

Os noivos: Estou, sim.

Sacerdote: Estais dispostos a receber amorosamente os filhos como dom de Deus
e a educá-los segundo a lei de Cristo e da sua Igreja?

Os noivos: Estou, sim.

União das mãos e consentimento

O sacerdote convida os noivos a expressarem o seu consentimento:



Sacerdote: Uma vez que é vosso propósito contrair o santo Matrimónio, uni as mãos direitas e manifestai o vosso consentimento na presença de Deus e da sua Igreja.

Os noivos unem as mãos direitas.



Paulo: Eu Paulo, recebo-te por minha esposa a ti Milene, e prometo ser-te fiel, amar-te e respeitar-te, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, todos os dias da nossa vida.

Milene: Eu Milene, recebo-te por meu esposo a ti Paulo, e prometo ser-te fiel, amar-te e respeitar-te, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, todos os dias da nossa vida.

Aceitação do consentimento

Recebendo o consentimento, o sacerdote diz:



Sacerdote: Confirme o Senhor, benignamente, o consentimento que manifestastes perante a sua Igreja, e Se digne enriquecer-vos com a sua bênção. Não separe o homem o que Deus uniu.

O sacerdote convida os presentes ao louvor de Deus



Sacerdote: Bendigamos ao Senhor.

Todos: Graças a Deus.

Bênção e entrega das alianças

O sacerdote abençoa as alianças, recitando a fórmula seguinte (ou outra prevista no Ritual):



Sacerdote:

Abençoai e santificai, Senhor, o amor dos vossos servos (Paulo e Milene), para que, entregando um ao outro estas alianças em sinal de fidelidade, recordem o seu compromisso de amor.


Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

Todos: Ámen.

O esposo coloca no dedo anelar da esposa a aliança a ela destinada, dizendo:



Paulo: Milene, recebe esta aliança como sinal do meu amor e da minha fidelidade.
Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.

Do mesmo modo, a esposa coloca no dedo anelar do esposo a aliança a ele destinada, dizendo:



Milene: Paulo, recebe esta aliança como sinal do meu amor e da minha fidelidade.
Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.

ORAÇÃO UNIVERSAL DOS FIÉIS

Sacerdote: Irmãs e irmãos: Celebrando o especial dom da graça e da caridade com que Deus Se dignou consagrar o amor dos nossos irmãos Paulo e Milene, confiemo-los ao Senhor, dizendo: Ouvi-nos, Senhor.

1. Para que os corações dos nossos irmãos Paulo e Milene sejam inundados pela paz que vem do alto,
oremos ao Senhor.

Todos: Ouvi-nos, Senhor.

2. Para que sejam solícitos e atentos às necessidades dos mais pobres e humildes, oremos ao Senhor.

Todos: Ouvi-nos, Senhor.

3. Para que o amor derramado em seus corações os faça permanecer fiéis na aliança conjugal, oremos ao Senhor.

Todos: Ouvi-nos, Senhor.

4. Para que Deus conserve unidos no seu amor os casais aqui presentes neste dia, oremos ao Senhor.

Todos: Ouvi-nos, Senhor.

5. Para que os casais cristãos eduquem os seus filhos segundo a lei de Cristo e da Igreja, oremos ao Senhor.

Todos: Ouvi-nos, Senhor.

6. Para que a palavra de Cristo habite em nós e o Espírito Santo nos encha dos seus dons, oremos ao Senhor.

Todos: Ouvi-nos, Senhor.

Sacerdote: Enviai benignamente, Senhor, sobre os nossos irmãos Paulo e Milene o espírito da vossa caridade, para que se tornem um só coração e uma só alma e nada separe os que Vós unistes e cumulastes com a vossa bênção. Por Jesus Cristo, nosso Senhor.

Todos: Amen.

Ofertório Solene

Velas de Baptismo

Trazemos Senhor à Tua mesa as nossas velas de baptismo. Elas simbolizam o primeiro Sacramento por nós recebido, que representam hoje a vida Cristã.



Bíblia

Queremos ofertar-te, Senhor, esta bíblia. Com ela e à luz de tudo o que, através dela, nos ensinas, queremos continuar a caminhar e a seguir os Teus passos, a colocar os nossos pés, onde colocaste os Teus.



Pedra

Senhor, recebe esta pedra que simboliza todas as dificuldades que teremos que ultrapassar. Pedimos-te, Senhor, que ajudes e nos enchas de Fé para que, juntos e em paz, possamos perceber que não importa o tamanho dos obstáculos, mas sim a força que Tu nos darás para os superar.



Pão e Vinho

Senhor, o pão e vinho que oferecemos simboliza a vida, pois sem o alimento não seria possível viver, como sem Ti também não, porque Tu és o Pai supremo e Tens o dom da vida. Que nunca nos falte o pão e vinho e que nunca nos falte vontade de partilhar este alimento com todos os que nos rodeiam, tal como Tu fizeste na última ceia.



Pólo e Cartaz da Colónia

Senhor, aceita este pólo, do Grupo de Jovens Alvorada, e este cartaz da nossa última colónia, que simboliza parte da nossa vida e do nosso ser. Em Alvorada crescemos e nos formamos. Em Alvorada semeamos e colhemos o Teu verdadeiro Amor junto de Amigos que jamais esqueceremos. Na Colónia aprendemos uma das maiores virtudes, o dar sem esperar receber, guardando no nosso coração a maior riqueza… o sorriso e a alegria de todas as crianças que por lá passaram. Obrigada Senhor!



LITURGIA EUCARÍSTICA

Cântico de ofertório: Tomai senhor
Tomai Senhor e recebei  / Toda a minha liberdade / A minha memória / E o meu entendimento / Toda a minha vontade / E tudo o que eu possuo / Vós me o destes / A Vós o restituo
Tudo é vosso disponde / Pela vossa vontade / Dai-me apenas Senhor / O vosso amor e graça / Que esta me basta 

Oração sobre as Oblatas

Sacerdote:

Atendei benignamente, Senhor, as orações e oferendas que Vos apresentamos pelos vossos servos Paulo e Milene, unidos no vínculo santo do matrimónio, e, por estes santos mistérios, confirmai-os em mútua caridade e no vosso amor.


Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco, na unidade do Espírito Santo.

Prefácio

O sacerdote poderá escolher outro Prefácio entre os previstos no Ritual.



Sacerdote: O Senhor esteja convosco.
Todos: Ele está no meio de nós

Sacerdote: Corações ao alto.
Todos: O nosso coração está em Deus.

Sacerdote: Dêmos graças ao Senhor nosso Deus
Todos: É nosso dever, é nossa salvação

Sacerdote:

Senhor, Pai santo, Deus eterno e omnipotente. É verdadeiramente nosso dever, é nossa salvação dar-Vos graças, sempre e em toda a parte, por Cristo Nosso Senhor. Na vossa bondade criastes o género humano e o elevastes a tão grande dignidade que na união nupcial do homem e da mulher imprimistes a imagem viva do vosso amor.

Por amor lhe destes a existência e o chamais incessantemente à lei do amor, para que se torne participante do vosso amor eterno e, neste mistério admirável, o sacramento que consagra o amor humano seja sinal e penhor do vosso amor divino.

Por isso, com os Anjos e todos os Santos, proclamamos a vossa glória, cantando numa só voz:



Cântico Santo: Santo, santo é o Senhor
Santo, Santo é o Senhor / Senhor Deus do Universo / O céu e a terra proclamam / A vossa glória

O céu e a Terra / Proclamam a vossa Glória / Hossana nas alturas



Santo, Santo é o Senhor / Senhor Deus do Universo / O céu e a terra proclamam / A vossa glória

Bendito o que vem / Em nome do Senhor / Hossana nas alturas



Sacerdote:

Vós, Senhor, sois verdadeiramente Santo, sois a fonte de toda a santidade! Santificai estes dons, derramando sobre eles o vosso Espírito, de modo que se convertam, para nós, no Corpo e no Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Na hora em que ele se entregava para voluntariamente sofrer a morte, tomou o pão, e, dando graças, partiu-o e deu-o aos seus discípulos, dizendo: Tomai todos e comei, isto é o Meu corpo que será entregue por vós. De igual modo, no fim da ceia, tomou o cálice e, dando graças, deu-o aos seus discípulos, dizendo: tomai todos e bebei, este é o cálice do Meu sangue, o sangue da nova e eterna aliança, que será derramada por vós e por todos, para remissão dos pecados. Fazei isto em memória de mim. Mistério da Fé:

Todos: Anunciamos, Senhor, a vossa morte, proclamamos a vossa ressurreição: vinde, Senhor Jesus!

Sacerdote:

Celebrando agora, Senhor, o memorial da morte a ressurreição do Vosso Filho, nós vos oferecemos o pão da vida e o cálice da salvação e vos damos graças porque nos admitistes à vossa presença para vos servir nestes santos mistérios. Humildemente vos suplicamos que, tomando parte no Corpo e Sangue de Cristo, sejamos reunidos pelo Espírito Santo, num só corpo. Lembrai-vos, Senhor, da Vossa Igreja, dispersa por toda a terra tornai-a perfeita na caridade, em comunhão com o Papa Bento XVI, o nosso Bispo D Jorge e todos os que estão ao serviço do vosso povo. Lembrai-vos também dos vossos irmãos que adormeceram na esperança da ressurreição e de todos aqueles que, na vossa misericórdia, partiram deste mundo: admiti-os na luz da vossa presença. Tende misericórdia de nós, Senhor, e dai-nos a graça de partir na vida eterna, com a Virgem Maria, Mãe de Deus, os bem-aventurados Apóstolos e todos os Santos que desde o principio do mundo viveram na vossa amizade, para cantarmos os vossos louvores, por Jesus Cristo Vosso Filho. Por Cristo, com Cristo, em Cristo, a vós Deus Pai Todo-Poderoso, na unidade do Espírito Santo, toda a honra e toda a glória, agora e para sempre.



Todos: Ámen

Ritos da Comunhão

Sacerdote: Fieis aos ensinamentos do Salvador, ousamos cantar

Cântico do Pai-Nosso: Monzarabe

Pai Nosso / Que estais no céu / Santificado seja o vosso nome / Venha a nós o vosso reino / Seja feita a vossa vontade / Assim na terra (bis) / Como no céu. / O pão -nosso / De cada dia / Nos dai hoje (bis) / Perdoai nossas ofensas / Assim como nós perdoamos / A quem nos tem ofendido / E não nos deixeis cair em tentação / Mas livrai-nos, mas livrai-nos do mal. / Ámen (3x)



Bênção nupcial

No fim do Pai-Nosso, o sacerdote, voltado para os esposos, invoca sobre eles a bênção de Deus, o que nunca se deve omitir. As palavras entre parêntesis podem omitir-se, se as circunstâncias o aconselharem. O sacerdote poderá escolher outras fórmulas previstas no Ritual.


O sacerdote, de mãos juntas, convida os presentes à oração:



Sacerdote:

Irmãos, imploremos a bênção de Deus sobre estes esposos Paulo e Milene, para que, unidos em Cristo pelo vínculo santo do Matrimónio (e pela comunhão do Corpo e Sangue do Senhor), formem um só coração e uma só alma.

Todos oram em silêncio, durante alguns momentos. Depois o sacerdote, de mãos estendidas sobre os esposos, diz:

Sacerdote:

Deus, Pai santo, que pelo vosso infinito poder fizestes do nada todas as coisas e, na harmonia primordial do universo, formastes o homem e a mulher à vossa imagem e semelhança, dando um ao outro como companheiros inseparáveis, para se tornarem os dois uma só carne, e assim nos ensinastes que nunca é lícito separar o que Vós mesmo unistes;

Deus, Pai santo, que no grande mistério do vosso amor consagrastes a aliança matrimonial, tornando-a símbolo da aliança de Cristo com a Igreja;

Deus, Pai Santo, que sois o autor do matrimónio e destes à primordial comunidade humana a vossa bênção que nem a pena do pecado original nem o castigo do dilúvio nem criatura alguma pôde abolir; olhai benignamente para estes vossos servos, que, unindo-se pelo vínculo do Matrimónio, esperam o auxílio da vossa bênção: enviai sobre eles a graça do Espírito Santo para que, pelo vosso amor derramado em seus corações, permaneçam fiéis na aliança conjugal.

Seja a vossa serva Milene fortalecida com a graça do amor e da paz, imitando as santas mulheres que a Escritura tanto exalta. Confie nela o coração do seu marido, honrando-a como companheira igual em dignidade e com ele herdeira do dom da vida, e ame-a como Cristo amou a sua Igreja.

Nós Vos pedimos, Senhor, que estes vossos servos Paulo e Milene permaneçam unidos na fé e na observância dos mandamentos; fiéis um ao outro, sirvam de exemplo pela integridade da sua vida; fortalecidos pela sabedoria do Evangelho, dêem a todos bom testemunho de Cristo; (recebam o dom dos filhos, sejam pais de virtude comprovada, e possam ver os filhos dos seus filhos,) e, depois de uma vida longa e feliz, alcancem o reino celeste, na companhia dos Santos.


Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

Todos: Ámen.

Rito da Paz

Sacerdote:

Senhor Jesus Cristo, que disseste aos vossos Apóstolos: “Deixo-vos a paz, Dou-vos a Minha paz”. Não olheis para os nossos pecados, mas à Fé da vossa Igreja; e dai-lhe a união e a paz, segundo a vossa vontade. Vós que sois Deus com o Pai, unidade do Espírito Santo.



Todos: Ámen

Sacerdote: A paz do Senhor esteja convosco.

Todos: O amor de Cristo nos uniu.

Sacerdote: Saudai-vos na paz de Cristo.

Cântico da Paz: Semente

Ensinaste-me a pedir / O pão de cada dia / Que apenas nos dá força / Na Tua companhia 


Semente crescida / És o pão que nos dá vida / Pela água nos dás / Gota a gota a Tua paz 
Comunhão

Sacerdote: Felizes os convidados para a ceia do Senhor. Eis o cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.

Todos: Senhor, eu não sou digno que entreis em minha morada, mas dizei uma só palavra e serei salvo.

Cântico de Comunhão: Pão da liberdade

Se calarem a voz dos profetas / As pedras falarão / Se fecharem uns poucos caminhos, / Mil trilhos nascerão.

O espírito é vento incessante / Que nada há-de prender / Ele sopra até no absurdo / Que a gente não quer ver.

Muito tempo não dura a verdade / Nestas margens estreitas de mais, / Deus criou o infinito / P’ra vida ser sempre mais. / É Jesus este pão de igualdade / Viemos p’ra comungar / Com a luta insistente do jovem / Que quer ter voz, ter vez, lugar; / Comungar é tornar-se um perigo, / Viemos p’ra incomodar / Com a fé e a união nossos passos / Um dia vão chegar.

Cântico de  Acção de Graças: Sim Jesus

Sim Jesus faz-me sempre falar como se fosse a última coisa que eu possa dizer.

Sim Jesus faz-me sempre agir como se fosse a última coisa que eu possa fazer.

Faz-me sofrer a cada instante como se fosse a última flor que eu tenho p´ra Ti.

Faz-me rezar a cada instante como se fosse a última possibilidade que eu tenho na terra para falar Contigo…

Oração depois da comunhão

Sacerdote:

Senhor, que nos fizestes participantes da vossa mesa, concedei a estes vossos servos, hoje unidos pelo sacramento do Matrimónio, que, vivendo sempre em união convosco, dêem a todos bom testemunho do vosso nome.


Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

CONCLUSÃO DA CELEBRAÇÃO

No fim da Missa, o sacerdote abençoa os esposos e o povo dizendo:



Sacerdote: O Senhor esteja convosco

Todos: Ele está no meio de nós

Sacerdote: Deus Pai vos conserve unidos no amor, para que habite em vós a paz de Cristo e permaneça sempre em vossa casa.

Todos: Ámen.

Sacerdote: Sede abençoados nos filhos, ajudados pelos amigos, e vivei com todos em verdadeira paz.

Todos: Ámen.

Sacerdote: Sede testemunhas do amor de Deus no mundo, socorrendo os pobres e todos os que sofrem, para que eles vos recebam um dia, agradecidos, na eterna morada de Deus.

Todos: Ámen.

Sacerdote: E a vós todos, aqui presentes, abençoe Deus todo-poderoso, Pai, Filho e Espírito Santo.

Todos: Ámen.

Cântico Final: Consagração

Ó Senhora minha / Ó minha Mãe, / Eu me ofereço / Todo a vós e em prova / Da minha devoção para convosco / Vos consagro / Neste dia e para sempre / Os meus olhos, / Os meus ouvidos, / A minha boca, / O meu coração, / E inteiramente / Todo o meu ser. (bis)



E porque assim sou vosso, / Ó incomparável Mãe, / Guardai-me e defendei-me / Como coisa e propriedade vossa.  

Quero estar contigo num momento chamado sempre…

29 de Agosto de 2009


Compartilhe com seus amigos:


©bemvin.org 2019
enviar mensagem

    Página principal