Cavanis, discípulo missionário para evangelizar e educar.” “Vocação dom e conquista”



Baixar 54,9 Kb.
Encontro26.12.2016
Tamanho54,9 Kb.
PROVÍNCIA ANTONIO E MARCOS CAVANIS DO BRASIL

Casa Provincial – Rua Antonio Rolim de Moura, 1490

Caixa Postal - 329

Centro – Fone (0xx42) 3233-3464

CEP 84165-580 – Castro – PR

CAVANIS, DISCÍPULO MISSIONÁRIO PARA EVANGELIZAR E EDUCAR.

Vocação dom e conquista”

Estimados irmãos religiosos, seminaristas, leigos, benfeitores e amigos.

João Paulo II beato. Quando será a vez de Dom Romero?
Carlos Ayala Ramírez

Diretor da Rádio Ysuca


Tradução: ADITAL Quando no Vaticano se fala sobre beatificações e canonizações costuma dizer que "as coisas de palácio caminham devagar”, fazendo alusão a processos longos e chatos. Essa é a resposta, por exemplo, quando se pergunta pela canonização de Dom Óscar Romero. Porém, ao parecer, nem sempre é assim; há beatificações que têm processos distintos: acelerados, expeditos,m sem nenhuma trava. A mais recente, a de João Paulo II, é um bom exemplo disso. Em El Salvador, nesses dias de grandes cerimônias e celebrações novamente surgiu a pergunta: Por que o processo de canonização de Dom Romero não avança? Recordemos que o anúncio formal do processo foi feito por Dom Arturo Rivera y Damas, em março de 1990, dando-se início à etapa diocesana. Por honradez aos fatos, temos que dizer que o processo de Dom Romero enfrentou obstáculos e rechaço por parte de seus próprios companheiros de báculo, por algumas autoridades eclesiásticas, pela oligarquia salvadorenha e pelo poder midiático. De uma ou outra forma esses setores odiaram e difamaram a Dom Romero; fizeram isso enquanto ele vivia e também depois de ter sido assassinado. Também por honradez com os fatos temos que dizer que João Paulo II, durante sua primeira visita a nossa país, reivindicou –com palavras e gestos- a figura de Dom Romero e o fez diante desses grupos hostis. Em sua oração ante a tumba de Dom Romero disse: "Repousam dentro de seus muros (da Catedral) os restos mortais de Dom Romero, zeloso pastor a quem o amor de Deus e o serviço aos irmãos conduziram até a entrega da própria vida de maneira violenta, enquanto celebrava o Sacrifício do perdão e da reconciliação” (El Salvador, março de 1983). E em sua homilia, pronunciada horas mais tarde, expressou: "Quantas vidas nobres, inocentes, ceifadas cruel e brutalmente! Também de sacerdotes, religiosos, religiosas, de fieis servidores da Igreja e, inclusive, de um pastor zeloso e venerado, bispo como esse, Dom Óscar Arnulfo Romero, que trabalhou, bem como os outros irmãos no Episcopado, para que a violência acabasse e se restabelecesse a paz” (El Salvador, março 1983). Ignacio Ellacuría, comentando essa mensagem, sustenta que João Paulo II recupera como vítimas inocentes a Dom Romero, a sacerdotes, religiosos e religiosos, como também a outros fieis da Igreja, a quem o discurso oficial (político, econômico, eclesiástico e midiático) havia assinalado como pessoas que traíram sua fé e seu ministério, como pessoas a serviço do comunismo internacional.

O dito por João Paulo II confirmava, portanto, o que a fé viva do povo tem sustentado durante anos; isto é, que Dom Romero foi um bispo testemunho do Evangelho para a esperança dos pobres. E fez isso de forma muito concreta: acompanhando e orientado o povo em seus anseios de liberdade; consolando as vítimas naqueles lugares onde havia dor e morte; sendo voz dos que estavam proibidos em seu direito à expressão; arriscando a dando sua vida pelas vítimas, inclusive –como foi dito pelo próprio Dom Romero- dar a vida "por aqueles que irão assassinar-me”.

Pois bem, também por honradez aos fatos, temos que recordar que o papa –novo beato- nem sempre manteve uma atitude positiva, nem se mostrou realmente interessado pela grave perseguição que sofria, especialmente a Arquidiocese, nem pelas ameaças e perigos que se levantavam contra Romero. De seu primeiro encontro com João Paulo II, em março de 1979, Dom Romero relata em seu "Diário” o seguinte: "Eu saí contente por este encontro; porém, preocupado por advertir que influía uma informação negativa acerca de minha pastoral, apesar de que, no fundo, recordei que havia recomendado audácia e valor; porém, ao mesmo tempo, mensurada por uma prudência e um equilíbrio necessário. Mesmo que minha impressão não foi de todo satisfatória..., creio que foi uma visita e uma entrevista sumamente útil...”. Em outras palavras, Dom Romero regressou dessa visita carregado mais de advertências papais do que de apoio e aprovação para seu ministério.

Finalmente, se a Igreja busca ser honrada consigo mesma, tem que perceber que, para ser crível no mundo dos pobres, requer não somente da santidade das virtudes eclesiais, éticas e milagrosas; mas, sobretudo, da santidade da vocação profética que se expressa na defesa do pobre, do órfão, da viúva, dos estrangeiros. Esse tipo de santidade se assenta na tradição dos profetas de Israel, em Jesus de Nazaré, na prática pastoral de alguns padres da Igreja, em documentos do episcopado latino-americano, em homens e mulheres do povo e, de maneira exemplar, universalmente reconhecida, em Dom Romero.

Se pastores como Dom Romero são os que possibilitaram uma fé viva e um profundo sentimento religioso entre o povo, por que não são cultivados e favorecem esses traços de santidade?

O padre Ellacuría sustentou que, possivelmente, ninguém esquece a Dom Romero; porém, nem todos o recordam como ressuscitado e presente. E agregava: "Até podem considerar (que Dom Romero teve) um passado glorioso, um passado do qual poderia vangloriar-se; porém, que isso não deve continuar, pois as circunstâncias são outras”. Aos que poderiam pensar assim, Ellacuría respondia: "a situação e as circunstâncias podem ser distintas; porém, em Dom Romero, está mais claro que nunca a presença do Espírito, a páscoa ou passagem do Senhor”. (Cf. Memória de monseñor Romero, Carta a lãs Iglesias, nn. 493-494, 2002).



Em outras palavras, não se trata somente de levar Dom Romero aos altares, tampouco de limitar-nos a elogiar virtudes; mas de deixar-nos inspirar por seu exemplo na consecução das causas que continuam vigentes: o Reino de Deus e sua justiça, a opção pelos pobres, a compaixão com as vítimas, a indignação profética. A igreja e o mundo de hoje necessitam dessa santidade.

Intenção Cavanis para o mês Maio.

  • 2011: “Para que por intercessão de Maria, Mãe de Jesus e dos Sacerdotes, todas as comunidades Cavanis, seguindo o exemplo de Pe. Basílio, se comprometam sempre mais em promover, discernir e acompanhar as vocações á Vida Religiosa e ao Sacerdócio”.





  • Pedimos com insistência que todos o que se comprometeram em escrever para Revista Charitas mandem quanto antes seus artigos.

  • O Diac. Diego Valenga foi ratificado pelo Preposito geral e seu Conselho para o presbiterado. Parabéns! Diego.

  • Ir. Clodoaldo inicia suas visitas em nossas Casas de Crianças como coordenador dos projetos da Associação. 10 e 11 de maio em Ortigueira – Casa da Criança Pe. Lívio Donatti. Bom trabalho Ir. Clodoaldo Deus o acompanhe e abençoe.

  • Dias 22 e 23 maio Encontro dos Religiosos com mais de 12 anos de profissão em Pérola D’Oeste.

  • Dia 24 de maio Reunião dos Formadores da Província em Pérola D’Oeste.

  • Dia 25 de maio Reunião do Conselho Provincial em Pérola D’Oeste.

  • Dia 22 de maio Celebração dos 25 anos de vida sacerdotal de Pe. Antonio Paulo Sagrilo e Pe. Irani Tonet em Consolandia – Perola D’Oeste.

  • Dia 31 de Maio encontro da Família Mãe da Divina Graça em Castro.

  • Este ano é o ano de Pe. Basílio Martinelli.

  • Encerramento do ano vocacional em Aparecida do Norte. Dia 18 de junho de 2011. Colaboração e participação e todos.




MAIO: 04: Pe. Nelson Luiz Martins

06: Pe. Vanderlei Pavan

Parabéns, que o Senhor os acompanhe em todos os momentos. Que o Senhor conceda muita fé, esperança e saúde. Que o Senhor seja luz, pra guiar e proteger todos os seus passos!



  • Oração Vocacional do Ano Vocacional Cavanis


Ó JESUS, MESTRE E PASTOR, QUE NOS ENSINASTE A REZAR AO DONO DA MESSE PARA QUE ENVIE OPERÁRIOS PARA A SUA MESSE, ENVIE SANTAS VOCAÇÕES PARA O INSTITUTO QUE INSPIRASTE AOS TEUS SERVOS FIÉIS PE. ANTONIO E PE. MARCOS CAVANIS.

ENCHE COM TEU ESPÍRITO SANTO AQUELES QUE SÃO CHAMADOS, PARA QUE CRENDO NA TUA PALAVRA SEJAM FIÉIS OPERÁRIOS NA TUA VINHA.

FAZE QUE APRECIANDO O DOM DA VOCAÇÃO SACERDOTAL E RELIGIOSA COLABOREM GENEROSAMENTE COM A ORAÇÃO E O SACRIFÍCIO.

CORAÇÃO DE JESUS DÊ SANTIDADE E PERSEVERANÇA AOS QUE CHAMASTE.

MARIA, MÃE DAS ESCOLAS DE CARIDADE, MODELO DOS EDUCADORES E DISCIPULA DE SEU FILHO JESUS AJUDE-NOS A RESPONDER SIM. Amém
Pe. Paulo Sagrilo – Provincial. Um abraço Fraterno.


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal