Características da literatura antiga



Baixar 170,45 Kb.
Página1/3
Encontro11.12.2016
Tamanho170,45 Kb.
  1   2   3

Introdução ao Pentateuco


  1. CARACTERÍSTICAS DA LITERATURA ANTIGA



      1. Lei da antiguidade ou da precedência

  • Na antiguidade se dava um grande valor às coisas antigas.

      • Exemplos:

      • NT

      • Gl 3,17-19 (Gn 15,6; 17)

      • Jo 8,58



      • AT

      • Jr 1,5

      • Templo de Jerusalém (Abraão – Gn 22,1-19 [14]) e Templo de Betel (Jacó – Gn 28,10-22)

      • A construção da “tenda do encontro” e das leis de culto, no deserto // templo de Salomão (destruído em 586 a.C.)

        • Após a falência da monarquia, Israel busca uma raiz mais antiga e, portanto, mais segura



      • Pergunta pertinente: por que, com a derrota da monarquia, Israel se dirigi até a criação e não para em Moisés para começar a contar o início da sua história?

      • Gn 1-11 / e os deuses estrangeiros



  • Israel inventou o Deus criador?

    • Considerar:

      • A potencialidade da fé de Israel

      • As exigências históricas

      • Portanto, não se trata de invenção, mas de aprofundamento provocado (forçado) pela circunstancia

      • O monoteísmo claro, sem ambiguidade, encontra-se no Deutero-Isaias (40-55 [1-39; 40-55; 56-66])



  • O Deus de Abraão, Isaque e Jacó (Ex 3,6) – relação direta entre o Deus dos patriarcas e do Êxodo

      • O Deus dos patriarcas é o Deus do Êxodo e o do Deus do Êxodo cumpre as promessas feitas aos patriarcas



  • Ad extra: Diante das nações – Israel também têm tradições de valor

  • Ad intra: Interno ao povo – reconciliar os vários grupos que compõem o povo pós-exílio



      1. A lei da conservação – não se perde nada

  • Se o antigo tem valor, é impossível elimina-lo, ainda mais se tem valor normativo (promulgado por Deus)

    • Exemplo:

      • Três códigos legislativos: Ex 21-23; Lv 17-26; Dt 12-26

        • Tolera as contradições para poder conservar o antigo

      • Duas narrações da aliança com Abraão: Gn 15 e 17

      • Criação: Gn 1.2 (duplicado)

  • A Bíblia conservou tudo aquilo que considerava transmitido pela tradição



  • A tradição conserva tudo aquilo que tem valor para o presente

    • Dt 5,3 – enfatizar o sentido do advérbio hoje

    • Os códigos legislativos mostram a necessidade de atualizar as leis que regiam Israel com o passar do tempo.



  • Pentateuco oferece a base que sustentou a comunidade pós-exílica: lei e templo (culto)



  • Problema da terra, pós-exílio: aliança com Abraão



      1. Lei da economia, se escreve o quanto é necessário

  • Poucos escribas (surgem mais a partir do séc. VIII a.C.)

  • Material caro (pedra, vasos de barro, papiro do Egito, pergaminho)

  • Se fazia tudo a mão – precisava de muito tempo



  • A redação ampla do Pentateuco dificilmente se deu antes do séc VIII a.C. (Amés, Oseias [norte], Isaias, Miqueias [sul])

    • Provável a existência de pequenas unidades

2. Diferenciar Historiografia (mito), História de Israel e História da salvação
O AT é caracterizado, entre outras coisas, pela autoconsciência de Israel.

  1. Isso é refletido no esforço dos autores bíblicos de explicar a origem da nação, seus componentes, seu lugar entre as nações e sua relação com seu Deus.

O testemunho extra bíblico mais antigo do nome Israel, antes do IX séc. a.C.: estela de Merneptah (1212-1203 a.C)

Linha 27: “Israel está devastado e não existe sua semente [não há semente]”



Quando se fala “Israel” a qual realidade se pensa?

Como a entender e definir?

Surgem as perguntas a qual Israel nos referimos?

  1. Da federação tribal

  2. Do reino unido

  3. Da comunidade religiosa

  4. Da comunidade linguística

  5. Dos exilados que voltaram

  6. Dos remanescentes no período do exilio

E qual origem?

  • Uma origem restrita ao grupo que dá forma à ideologia por trás do texto?

  • Uma origem que alimente a fé e a esperança do grupo?

  • Uma origem na qual todos os grupos possam se enquadrar melhor?

Um conceito importante, nesse emaranhado, é o de “terra

  • Conceito que desenvolve uma importante função na autoconsciência do povo e da sua relação com Deus.

      • A terra é o conteúdo da promessa de Deus: Gn 13,14-18; [Gn 46,4]; Gn 50,22; Ex 3,8

      • Na experiência do Exílio, Israel aprende que o essencial da sua fé é a “promessa da terra” e não a sua posse. Pode-se ser membro do povo sem habitar a terra

        • Isso tem um reflexo direto na diáspora

Monarquia – a ênfase dada ao Pentateuco na Bíblia Hebraica e no judaísmo mostra que a monarquia (instituição destruída no Exílio) é subordinada à Lei, presente no Pentateuco.

  • As instituições mosaicas são fundamentais para a existência de Israel, a monarquia não

  • No Exílio, Israel se descobre mais antigo de Davi e de Josué

  • Na busca pelos antepassados, Israel percorre um caminho que o leva aos patriarcas, a quem Deus promete a terra, contemplada por Moisés (Dt 34,1-4)

Historiografia - História da Salvação - História de Israel

História. Dois aspectos fundamentais:

  1. Eventos ocorridos, fatos reais;

  2. Modo como os eventos são vistos, entendidos ou a reagidos por quem os viveu.



A experiência histórica é formada por ambos aspectos, acima.

Problema: no caso dos eventos bíblicos, muitos eventos são testemunhados apenas pela Bíblia, pela reflexão dos seus autores (sejam participantes do evento ou numa reflexão posterior)

Bíblia (variada no conjunto: narrações, documentos historiográficos e reflexivos, salmos, lírica, profecia): é a fonte dos fatos históricos e da interpretação deles.

A clara distinção (prática) entre fato e interpretação é difícil de ser alcançada, mas isso não diminui a importância de tentar.



Alguns falam de mito de fundação:

Algumas características do mito:



  1. Narrações que apresentam Deus em contato direto com o homem (Ex 33,11 – Deus - Moisés)

  2. Tem uma impostação atemporal

  3. Se desenvolve no âmbito sagrado

Mito bíblico:

  • Mitologia minimizada na sua potência

    • Porque se mistura com elementos pretensamente históricos (anacronismo)

    • Deixa o espaço sacro para narrar os seus passos no campo profano (Ur, Egito, Mesopotâmia, Palestina)

O mito não é uma mentira – mas sim um modo de expressar veladamente e alusivamente, com categorias de colorido religioso, a um pensamento ou reflexão que parte da experiência histórico-espacial do homem – incluindo a questão religiosa –, muitas vezes ideológico e em perspectiva que junte aspectos regionais a universais: relação Abel e Caim....).

3. Pentateuco

Tetrateuco, Pentateuco, Hexateuco ou Eneateuco


  1. Pentateuco – etimologia:

Tôrâ (hr"At) – tradição rabínica
pentateukoj (biblos) – Pentatheucus (liber) - Pentateuco – cinco libros

penta – cinco

teukoj – instrumento, recipiente (vaso, jarro, estojo)

  • Recipiente cilíndrico que guardava o rolo – metonímia: os rolos manuscritos (pergaminho)



Hebraico

LXX

VULGATA

Português

tyviÞarEB. - berē’šît

(No princípio)



Γe,nesij

L. Genesis

Gênesis

tAmv. - šemôt

([estes] nomes)



;Εxodoj

L. Exodus

Êxodo

ar"Þq.YIw: - wayyiqrā’

(E chamou)



Λeuitiko,n

L. Leviticus

Levítico

rB:ïd>miB. – bemidbār

(No deserto)



Αriqimoi,

L. Numeri

Números

~yrb'D> - debārîm

(As palavras)



Δeuterono,mion

L. Deuteronomii

Deuteronômio

* Os Salmos também são divididos em cinco livros: Sl 1-41; 42-71; 73-89; 90-106

  • Saltério meditação da Tôrâ

** Mt 7,28; 11,1; 13,53; 19,1; 26,1 – Jo 1,1: (VEn avrch/| - en archèi)

2. Atestação do Pentateuco

Grandes autores judeus falam dos cinco primeiros livros do AT: Filão de Alexandria (25 a.C. – 50 d.C.) e Flavio José (37-100 d.C.)

Flávio José fala explicitamente de dos cinco livros escritos por Moisés (Contro Apione I, VIII, 37-41)

Patrística – prefere falar “Lei” ou “Lei de Moisés”



3. Hexateuco, Tetrateuco, Eneateuco

Alguns autores questionaram a delimitação em Pentateuco e propuseram terminologia diferentes.

A questão surge devido aos vários problemas que os autores identificam na origem do Pentateuco e da História de Israel, assim temos:


  1. Hexateuco: Pentateuco mais Josué

    • H. Edwald, Welhausen

    • G. von Rad – Das formgeschichtliche Problem des Hexateuch

      • O núcleo que fomenta às tradições da origem de Israel é o “pequeno credo histórico”: Dt 6,21-23; 26,5-9, Js 24,2-13

      • O pequeno credo contém a promessa do dom da terra – que se realiza com a conquista no livro de Josué

  2. Tetrateuco: Gn-Nm; Dt.Js-2Re

    • Martin Noth (discípulo de von Rad)

      • Na origem eram 4 livros: Gn-Nm

      • Falta elementos significativos da literatura deterocanônica nos quatro primeiros livros, assim como elementos significativos de Gn-Nm no livro de Josué

      • Deuteronômio é a prefação da história deuteronomísta (Js – 2Re) – a literatura deuteronomista trata da fidelidade ou fidelidade de Israel à lei de Moisés

    • I. Engnel

  3. Eneateuco: Gn-2Re

    • Grande unidade literária que inicia com a criação do mundo e termina com o Exílio na Babilônia

    • Tema principal a terra

      • Gn

      • Ex-Nm – em direção à terra

      • Js – conquista

      • Jz – defesa

      • Davi e Salomão – estabelecimento do reino, unido / dividido (norte [Israel] – sul [Judá])

      • Exílio - perda

    • A história da origem termina, assim, com a destruição do templo e o Exílio

    • ≠ A literatura cronista faz uma síntese da criação ao reino de Davi, Salomão e sucessores (1.2Cr); reconstrução da comunidade depois do Exílio (Esd-Ne)



  1. Ponto da questão:

    • Do ponto de vista canônico, se pode falar de Eneateuco, mas daquele literário não. Os contatos existentes entre esses livros, sempre do ponto de vista literário, não consegue afirmar a presença de um corpo orgânico. A diferença de período da escritura-redação também deve ser considerada.

4. Pentateuco e o Cânon da Bíblia Hebraica

Alguns motivos confirmam a delimitação do tradicional do Pentateuco:



  1. A forma canônica – normativa para Israel, antes, e para a Igreja, depois

    • Judaico: (Tanakh - תנך) Torah - תורה, Neviim - נביאים, Ketuvim - כתובים.

    • Cristão: Pentateuco, Livros Históricos, Sapienciais, Profetas.



Bíblia Hebraica

Tanakh

SEPTUAGINTA

LXX

Bíblia Cristã

AT (+ NT)



TORAH

Lei, Ensinamentos





NEVIIM

Profetas


- Anteriores

- Posteriores



KETUVIM

Escritos


Lei

nomos

História

Poetas

Profetas

Pentateuco

Livros Históricos

Livros Poéticos e Sapienciais

Livros Proféticos

- Menores



- Maiores



    • Veritas Hebraica (Jerônimo – Agostinho, Lutero, Calvino - Trento):

    • Livros contestados (aceitos ou excluídos): Eclesiástico (Siracide), Sabedoria, Baruc, Judite, Tobias, 1 e 2 Macabeus, seções gregas de Ester e Daniel

    • Deuterocanônicos (católicos)

      • LXX – não aceitação da inspiração por parte dos fariseus, contrários aos macabeus

    • Apócrifos (protestantes) – Lutero os colocou como apêndice, na sua versão da bíblia, porque úteis à vida cristã



  1. Dt 34,10-12

E nunca mais se levantou em Israel profeta algum como Moisés, a quem o Senhor conhecera face a face; nem semelhante em todos os sinais e maravilhas, que o Senhor o enviou para fazer na terra do Egito, a Faraó, e a todos os seus servos, e a toda a sua terra.E em toda a mão forte, e em todo o grande espanto, que praticou Moisés aos olhos de todo o Israel.


  • A autoridade do Pentateuco depende da superioridade da autoridade de Moisés, anterior à dos profetas anteriores (Js-2Re) e posteriores (Is-Ml), dos outros escritos ou livros sapienciais.

  • A autoridade de Moisés depende da sua relação com Deus (Ex 33,11; Nm 12,6-8)

  • Êxodo é o evento fundamental da história de Israel – a fundação de Israel remete a Moisés, anterior à monarquia e à conquista da terra prometida.

  1. Js 1,1-8

E sucedeu depois da morte de Moisés, servo do SENHOR, que o SENHOR falou a Josué, filho de Num, servo de Moisés, dizendo: Moisés, meu servo, é morto; levanta-te, pois, agora, passa este Jordão, tu e todo este povo, à terra que eu dou aos filhos de Israel. Todo o lugar que pisar a planta do vosso pé, vo-lo tenho dado, como eu disse a Moisés. Desde o deserto e do Líbano, até ao grande rio, o rio Eufrates, toda a terra dos heteus, e até o grande mar para o poente do sol, será o vosso termo. Ninguém te poderá resistir, todos os dias da tua vida; como fui com Moisés, assim serei contigo; não te deixarei nem te desampararei. Esforça-te, e tem bom ânimo; porque tu farás a este povo herdar a terra que jurei a seus pais lhes daria. Tão-somente esforça-te e tem mui bom ânimo, para teres o cuidado de fazer conforme a toda a lei que meu servo Moisés te ordenou; dela não te desvies, nem para a direita nem para a esquerda, para que prudentemente te conduzas por onde quer que andares. Não se aparte da tua boca o livro desta lei; antes medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer conforme a tudo quanto nele está escrito; porque então farás prosperar o teu caminho, e serás bem sucedido.

  • Josué, figura e opera são, é relacionado com Moisés:

  • Sucessor, missão de conquistar e distribuir a terra

  • Moisés é o “servo de IHWH”; Josué é “ministro de Moisés”

  • Deus cumprirá a promessa feita a Moisés com Josué

  • Sucesso da missão de Josué depende da sua fidelidade à Lei de Moisés



  1. Profetas e Pentateuco: Ml 3,22-24

Lembrai-vos da Lei de Moisés, meu servo, a quem eu prescrevi, no Horeb, para todo Israel, estatutos e normas. Eis que vos enviarei Elias, o profeta, antes que chegue o dia de IHWH, grande e terrível. Ele fará voltar o coração dos pais para os filhos e o coração dos filhos para os pais, para que eu venha ferir a terra com anátema

  • Profetas – recordar, atualizar e manter firme na memória a Lei de Moisés

  • Lei, aqui, remete sobretudo ao Dt: topografia - Horeb e não Sinai (Dt 5,2; Ex 19,1); vocabulário: “estatutos e normas” (Dt 5,1; 11,32; 12,1; 26,16)

  • Único profeta citado é Elias – parecido com Moisés, encontra Deus no Horeb (1Re 19; Ex 34). Quarenta dias e quarenta noite (Ex 24,18; 34,28; Dt 9,9; 1Re 19,8 [Mt 17,3])



  1. Os escritos e o Pentateuco

  • Sl 1 – alude à Lei

    • Critério de distinção entre o ímpio e o justo é a meditação da lei

    • Lei é chamada “Lei de IHWH”

    • Sl 1 introdução ao Saltério



  • 2Cr 36,22-23

    • CONCLUSÃO DA BÍBLIA HEBRAICA

    • Alude indiretamente ao Pentateuco:

      • Apelo a “subir” – verbo descreve a saída do Êxodo

      • Ex 25-31, 34-40; textos cultuais do Levítico, centralização do culto de Dt 12, embora não mencionem o Templo, devem ser lidos em relação com ele

      • Nesse corpo de livros, encontram-se também Esd-Ne que proclamam solenemente a Lei de Moisés (Ne 8). A ordem cronológica original desses livros deve ser: 1.2Cr – Esd – Ne

      • O Templo é entendido em referência às leis e prescrições rituais do Pentateuco



  • A BIBLIA HEBRAICA SE CONCLUI COM UM CONVITE AO HEBREUS DA DIASPORA A RETORNAR A JERUSALÉM, PARA AJUDAR A RECONSTRUIR O TEMPLO.

  • O TEMPO VERBAL PREVALENTE É O DO IUSSIVO, IMPERATIVO, COM UMA ESTRUTURA ABERTA AO FUTURO

  • A BIBLIA CRISTÃ TAMBÉM CONSERVA ESSE ASPECTO ABERTO AO FUTURO, NO SEU CÂNON, COM O PROFETA MALAQUIA – ABERTA À PROMESSA REALIZADA COM A VINDO DO MESSIAS, JESUS CRISTO



  1. ELEMENTOS DE BASE QUE DIZEM A IMPORTÂNCIA TEOLÓGICA DO PENTATEUCO:

    • PROMESSA FEITA AOS PATRIARCAS

    • BINÔMIO ÊXODO/LEI (Ex 20,2-3)

4. Moisés e Autoria do Texto do Pentateuco

Antes de passar para o problema da autoria, veremos, brevemente, a figura de Moisés.



Moisés é uma figura cuja estatura simbólica e literária se destaca no Pentateuco, e AT, agrupando várias qualidades e façanhas: um líder escolhido por Deus, enviado ao povo no Egito, embaixador junto ao Faraó, realiza prodígios, conduz o povo para fora do Egito e dali até a terra prometida, intercessor junto a Deus, transmissor da mensagem e da vontade divinas, líder religioso e político.

  • Na história da arte cristã, Moisés sempre ocupou um lugar de destaque.

  • Moisés de Michelangelo – influência da Tradução errada de Jerônimo, Vulgata. Traduziu o verbo qāran (Ex 34,29.30.35) por chifre, uma tradução possível, mas não válida para o contexto que pedia seu significado mais comum de radiante, que emite luz.

O próprio Pentateuco dá uma definição dele: “Não se levantou mais em Israel profeta comparável a Moisés, com quem o Senhor conversava face a face” (Dt 34,10).

  • Moisés é denominado profeta.

  • Tal denominação não deixa de ter também uma função de formação da consciência hebraica – ver em seguida.

Moisés e história

Todavia, entorno ao personagem histórico (e, portanto, a respeito da historicidade do personagem) Moisés não existe outro material de acesso, senão o texto bíblico. Somam-se também o texto de Filão de Alexandria, De Vita Mosis; Jerônimo, De Viris Illustribus. Os dois últimos textos, um judaico e outro cristão, são muito recentes e pressupõe a existência histórica de Moisés.

Mas não se pode afirmar que o personagem seja totalmente inventado. Há uma forte capa literária sobre ele, mas há também razões que permitem admitir a existência de um personagem histórico, cujo acesso é relativo, escondido atrás o literário, mas conhecido na tradição de Israel.

  1   2   3


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal