ApresentaçÃo de pôster prótese Total Imediata na Extensão Universitária: relato de caso clínico



Baixar 469,73 Kb.
Encontro03.11.2017
Tamanho469,73 Kb.


APRESENTAÇÃO DE PÔSTER

Prótese Total Imediata na Extensão Universitária: relato de caso clínico

Cassiano Roman

Laura Vitória Rizzatto

João Paulo De Carli



Introdução

A Prótese Total Imediata (PTI) consiste na instalação de uma dentadura imediatamente após a extração do último dente de um arco dentário. O objetivo de tal ferramenta protética é suprir as perdas dentárias do paciente tão efetivo quanto possível (POMPIGNOLI et al., 2008; FERREIRA e RODRIGUES, 2014).

Frente à necessidade de extração de dentes remanescentes, muitos pacientes não suportam a situação que lhes é imposta, ou seja, permanecem desdentados após as extrações em virtude do tempo necessário para a completa cicatrização e reparação óssea. No entanto, além do fator psicológico, outros fatores como estética, fonética, mastigação e convívio social estão envolvidos. Em decorrência disso, como solução, vê-se necessário o uso de PTIs, que de acordo com Netto (1987), garantem ao paciente a manutenção do seu status de indivíduo dentado.

O objetivo do presente trabalho é, a partir de uma revisão de literatura e relato de caso clínico em paciente de bairro carente e atendido por projeto de extensão, discorrer sobre próteses totais imediatas – um tratamento odontológico de resolução social.


Relato de caso clínico

O caso clínico apresentado trata de uma paciente feminina, leucoderma, de 38 anos, que possuía situação dentária precária do ponto de vista estético e funcional (Fig. 1). Após o devido planejamento, confeccionou-se uma PTI superior, a qual foi instalada logo após a exodontia dos dentes remanescentes (11, 12, 13 e 21), os quais se encontravam periodontalmente abalados (Fig. 2).




Revisão de literatura
A população mundial está envelhecendo e, mais cedo do que se espera, os cirurgiões-dentistas estarão atendendo um grande número de pacientes acima dos 60 anos em seus consultórios. Muitos foram e são os fatores implicados na maior longevidade da população ao longo dos séculos, tais como: acesso às novas tecnologias de diagnóstico e tratamento das doenças, saneamento básico, vacinas, antibióticos, medidas preventivas de saúde pública, cuidados ambientais e dietéticos cada vez mais divulgados pela mídia atual. Na Odontologia destacam-se a importância da placa bacteriana e das medidas preventivas para atenuar seus males como a restrição sobre dietas cariogênicas, correta higiene bucal e a utilização regular de flúor. Atualmente, o cirurgião-dentista necessita conhecer as condições bucais e sistêmicas comumente associadas à terceira idade (CARLI et al., 2015).
Indicações e contra-indicações da PTI

A PTI é indicada para pacientes que são parcialmente edêntulos e requerem extração dos seis dentes anteriores, ou no máximo incluindo os primeiros pré-molares. A região maxilar posterior deve já estar estável o suficiente para suportar a prótese. É consideravelmente mais difícil de construir uma PTI para a mandíbula devido à falta de estabilidade protética. Em se tratando da confecção de PTI bimaxilar, a dificuldade aumenta ainda mais (POMPIGNOLI et al., 2008).

As indicações e contra-indicações estão na dependência da idade, do estado geral de saúde, condições psicológicas favoráveis e, segundo Turano e Turano (2000), periodontopatias, quando em estado avançado, são os maiores responsáveis pelas indicações das PTIs. Porém as contra-indicações, segundo Walber (1990), dependem do paciente estar em radioterapia, pois o uso da dentadura poderia gerar osteorradionecrose e outras condições, como má-oclusão, mucosas hiperplásicas e outras situações, como doenças mentais, diabetes, problemas cardíacos e hemofília.

A indicação, de acordo com Walber (1990), está na dependência da idade e estado geral de saúde, além do paciente apresentar condições psicológicas favoráveis. De maneira mais generalizada, Telles (2004) afirma que a indicação pode ser feita quando da extração de dentes remanescentes de um indivíduo. Segundo Carvalho et al. (2014), a PTI também está indicada para reabilitar pacientes portadores de doenças e desordens de metabolismo sistêmico. Já de acordo com Walber (1990), a PTI está contra-indicada ao paciente que se submete à radioterapia, pois o uso de uma dentadura poderia levar à osteorradionecrose.


Vantagens da PTI

· Evita perda de dimensão vertical de oclusão;

· Previne traumatismo sobre a ATM;

· Impede colapso labial e o afundamento das bochechas;

· Possibilita atividade normal da musculatura;

· Evita transtornos fonéticos;

· Facilita a mastigação;

· Protege as feridas cirúrgicas contra agressões bucais;

· Promove melhor cicatrização;

· Permite a continuidade das atividades sociais;

· Melhora a estética do paciente.
Desvantagens da PTI
· Trabalho adicional;

· Não há possibilidade de realizar provas estéticas completas;

· Menor ajuste;

· Perda temporária da fixação.


Confecção das Próteses Totais Imediatas

Quanto à confecção das PTIs, seguem-se os mesmos princípios e passos de uma prótese total convencional, diferenciando-se apenas que na PTI não se executa o passo clínico da prova estético-funcional com todos os dentes montados em cera, pois o paciente recebe o aparelho protético na mesma sessão em que é submetido às extrações dentárias (SHIBAYAMA et al., 2006).



A) Exame clínico e pré-cirúrgico

Para a confecção de uma PTI deve-se fazer um exame clínico munucioso, anamnese, tomadas radiográficas e modelos de estudo.



B) Moldagem e confecção de modelo

Para confecção de uma PTI deve-se realizar uma moldagem anatômica ou preliminar seguida da moldagem funcional ou definitiva.



C) Moldagem anatômica

Realizada com alginato, sendo considerada uma moldagem ativa e dinânica. Inicialmente é preciso fazer a seleção da moldeira de estoque para alginato superior e inferior.



D) Confecção da moldeira individual

É feita sobre o modelo anatômico confeccionado na primeira moldagem. Deve ser feita a delimitação da área chapeável para obter a extensão da moldeira individual.



E) Moldagem funcional

É realizada uma moldagem pela técnica mista. Primeiramente, faz-se selamento periférico com godiva de baixa fusão. Logo após, molda-se a parte posterior desdentada com pasta zincoenólica ou materiais borrachóides.


F) Confecção das bases de prova

São confeccionadas em resina acrílica autopolimerizável incolor (TAMAKI, 1977).



G) Determinação da Relação Cêntrica

Os planos de cera são colocados sobre as áreas desdentadas e a base de prova é levada à boca do paciente.



H) Montagem dos dentes

De posse dos dentes selecionados, a montagem é uma operação relativamente fácil, mas deve-se seguir certos princípios de articulação e oclusão. Um deles é aquele que rege que quanto maior o contato das cúspides dos dentes, maior é a relação e a estabilidade da prótese imediata (DOMITTI et al., 1984).



I) Enceramento e inclusão

O enceramento é feito com cera rosa, colocada nos colos dos dentes, nos festões gengivais, espaços interdentais, em toda a vertente dos rebordos, na sua parte vestibular e lingual, com o Le Cron, espátula para cera e uma escova de dente dá-se o acabamento final da escultura.



J) Confecção do guia cirúrgico

Para confecção do guia cirúrgico, na fase da remoção da cera da mufla para condensação da resina acrílica, molda-se o modelo contido na mufla com alginato e reproduz-se o modelo. Sobre o modelo-cópia, adapta-se em toda a área chapeável uma lâmina de cera rosa e inclui-se em seguida na mufla (TAMAKI, 1977).



L) Cuidados pós-instalação

Na primeira sessão (ato da entrega) não deverá ser realizado reembasamento e nem ajuste oclusal. O paciente deve ser orientado a cuidados pós-operatórios, como:

a) não retirar o aparelho de maneira alguma nas primeiras 48 horas e nem ocluir forçando a dentadura para evitar a sobrecompressão na ferida cirúrgica;

b) Em caso de dor, instruir o paciente quanto à utilização de analgésicos adequados;

c) Ingerir alimentação líquida e fria nas primeiras horas;

d) Aplicar bolsa de gelo durante algumas horas, com intervalo de 15 minutos (SHIBAYAMA et al., 2006).

Na Segunda visita, 48 horas após a entrega da prótese, é realizada a higiene desta com água e sabão. Deve-se também realizar a higienização da boca com uma solução fisiológica, evitando tocar na ferida (SHIBAYAMA et al., 2006).

Na terceira sessão, uma semana após a entrega, realizar os primeiros ajustes oclusais, como também recomendar ao paciente as seguintes instruções:

a) Retirar o aparelho duas a três vezes ao dia para higienização;

b) Quanto à alimentação, o paciente deverá gradativamente retornar a sua rotina normal, mastigando qualquer tipo de alimento;

c) Se nada acontecer após a terceira visita, o paciente deverá retornar ao consultório para remover os pontos da cirurgia e eventuais novos retoques podem ser realizados (SHIBAYAMA et al., 2006).

Durante a terceira visita, o cirurgião-dentista pode definir, através do reembasamento da PTI ou pela confecção de uma outra prótese total definitiva. Muitas vezes, a PTI começa a perder a retenção, sendo assim necessária a confecção de uma prótese definitiva após algumas semanas.



M) Dentaduras imediatas: instalação

M.1) Extração e alveolotomia

A alveolotomia extensa e excessiva é contra-indicada sempre que prejudique o resultado final do trabalho. É preferível sacrificar algum tecido ósseo alveolar sempre que esteja em jogo a estabilidade ou a estética da dentadura.



N) Instalação da dentadura

Terminada a intervenção cirúrgica, instala-se o aparelho protético na boca.



O) Reembasamento

O reembasamento do aparelho ou a confecção de um outro “definitivo” deverá ser feita depois de passado no mínimo um e no máximo quatro meses, conforme o estado de cicatrização. Geralmente decorrido esse período, a dentadura começa a perder a retenção; então, deve-se providenciar o reembasamento segundo as técnicas convencionais ou confeccionar uma nova prótese (TAMAKI, 1977).




Conclusão

Mediante o trabalho realizado foi possível verificar a importância das próteses totais imediatas como ferramentas sociais úteis no pós-operatório cirúrgico, que imprime aos pacientes uma condição de edêntulos. Tais aparelhos protéticos oferecem aos pacientes uma condição social, funcional e estética favorável, fornecendo-lhes uma solução temporária até a possibilidade de uso de próteses definitivas. Pode-se notar também que tratamentos simples e relativamente pouco onerosos como a prótese total imediata possibilitam devolver satisfatoriamente a saúde bucal e auto-estima das populações vulneráveis.


Referências bibliográficas

1. Bastos F.B, Rodrigues C.R.T. Prótese Total Imediata com recuperação da Curva de Spee. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research 2015; 9(3):11-16.


2. Carvalho DL, Campos L, Do Vale DA, Ortega KL. Considerações Cirúrgicas e Reabilitação Oral de paciente portador de osteodistrofia renal: caso clínico.Sci Invest Dent 2014; 17(1):6-11.
3. Carli JP, Trentin MS, Linden MSS, Silva SO, Dallmagro E, Miyagaki DC. Reabilitação oral em Odontogeriatria - uma visão multidisciplinar e extensionista. In: Eduardo Dall'Magro; João Paulo De Carli; Maria Salete Sandini Linden; Micheline Sandini Trentin; SolueteOliveira da Silva; Daniela Cristina Miyagaki. (Org.). Odontologia em Foco. 1. ed.São José dos Pinhais/PR: Editora Plena, 2015, v. 1, p. 3-3.
4.Domitti SS et al. Prótese total: novos métodos e técnicas. São Paulo: Ed.Santos; 1984.

5. Ferreira K.E., Rodrigues C.R.T. Prótese total mediata em paciente com lesão hiperplásica causada por câmara de sucção- relato de caso. Brasília Journal Of Surgery and Clinical Research 2014; 5(1):39-46.


6. Netto HC. Prótese total imediata. 2. ed. São Paulo: Pancast; 1987.
7. Pompignoli M, Postaire M, Raux D. Clinical success in immediate complete dentures: an alternative approach. 1. ed. Quintessence; 2008. 92 p.
8. Shibayama R, Shibayama B, Gennari Filho H, Saez D, Watanabe E. Próteses totais imediatas convencionais. Rev Odontológica de Araçatuba 2006; 27(1):67-72.
9. Tamaki T. Dentaduras completas. 3. ed. São Paulo: Ed. Sarvier; 1977.

10. Telles D, Costelluci L. Prótese total - convencional e sobre implantes. 2. ed. São Paulo: Ed. Santos; 2004. cap 6, p. 241-69.


11. Torcato L.B., Pellizzer E.P., Goiato M.C., Falcón-Antenucci R. M. Prótese Total Imediata: Relato de caso clínico. Revista Odontológica de Araçatuba 2012; 33(2):66-69.
12. Turano JC, Turano LM. Fundamentos de prótese total. 5. ed. São Paulo: Editora Santos; 2000.
13. Walber LF. Prótese total imediata. Rev Fed Odontol UFRGS 1990; 30/31:4-7.


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal