Angra dos Reis, 23 de março de 2015. + Memória de São Turíbio de Mogrovejo



Baixar 0,58 Mb.
Encontro13.10.2017
Tamanho0,58 Mb.










Angra dos Reis, 23 de março de 2015.

+ Memória de São Turíbio de Mogrovejo.

Aos Rosários-Vivos: N.S. Remédios (VI); N.S. Rosário (CA); N.S. Graças (VI); N.S. Glória (CA); N.S. Navegantes (PM); N.S. Carmo (MA); N.S. Perpétuo Socorro (VI); N.S. Conceição (CA); N.S. Rainha da Paz (CA); N.S. Aparecida (LA); N.S. Lourdes (CA); N.S. Desatadora dos Nós (CA); N.S. Saúde (CA); N.S. Luz (CA); N.S. Auxiliadora (CA); N.S. Fátima (VI); N.S. Rosa Mystica (CP); Imaculado Coração de Maria (MO); N.S. Bom Parto (MO); N.S. Guadalupe (MO); N.S. Rosário de Fátima (MO); N.S. Conceição Aparecida (MO) e N.S. Medalha Milagrosa (MO).


Intenção do mês de Abril – 2015.

Amados(as) Filhos(as),


Graça e Paz vos sejam concedidas abundantemente!
Na 52ª Assembléia Geral dos Bispos do Brasil (em Aparecida – 2014), os bispos acolheram o pedido de proclamar o ano de 2015 como o “Ano da Paz”, com o lema “Somos da Paz”.
A Paz está no centro do espírito da religião cristã, uma vez que, para o cristão, proclamar a Paz é anunciar Jesus Cristo, “Ele é a nossa paz” (Ef 2,14); o Seu Evangelho é “Boa Nova da paz” (Ef 6,15), mediante o Seu sacrifício na Cruz, Ele levou a termo a reconciliação universal, e nós, seus seguidores, somos chamados a sermos “promotores da Paz” (cf. Mt 5,9); e, finalmente, só do Evangelho pode brotar a Paz!
Deixo-vos a paz, dou-vos a minha paz” (Jo 14, 27), são as palavras com as quais Jesus promete aos discípulos reunidos no cenáculo, antes de enfrentar a paixão, o “Dom da Paz”, para infundir-lhes a gozosa certeza de sua presença permanente. Depois de sua ressurreição, o Senhor leva ao termo sua promessa apresentando-se no meio deles, no lugar em que se encontravam por temor aos Judeus, dizendo: “A paz esteja convosco!” (cf. Jo 20,19-23). A Paz, fruto da Redenção que Cristo trouxe ao mundo com sua morte e ressurreição, é o Dom que o Ressuscitado segue oferecendo hoje a sua Igreja, de modo que possa testemunhá-la na vida de cada dia.
Desse modo, é preciso falar sempre de Paz. É preciso ensinar o mundo a amar a Paz, a construí-la e a defende-la, contra as premissas de guerra que continuamente renascem. É preciso despertar, nas pessoas do nosso tempo e nas gerações vindouras, o sentido da Paz, fundada na verdade, na justiça, na liberdade e no amor. (cf. S. João XXIII, Pacem in Terris).
Assim, a Paz é dom e compromisso: Que da Paz recebida de Jesus Cristo surja uma nova humanidade, fundada nos verdadeiros valores que levem as pessoas a se amarem e se respeitarem mutuamente. Usemos, portanto, de uma “arma” singular em favor da Paz que é a oração. Rezemos como intenção em abril: para que sejamos promotores da Paz!
Certos da fidelidade de todos na oração e do empenho em viver na Paz de Cristo, agradecemos desejando uma Santa e Feliz Páscoa da Ressurreição. Subscrevemo-nos com a nossa bênção e orações, recomendando-nos às vossas.

Fraternalmente, em Cristo Jesus,



pe. gilberto stanisce


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal