Ana karolina santos souza fernanda ferreira dos santos de sousa



Baixar 266,39 Kb.
Página1/3
Encontro29.08.2018
Tamanho266,39 Kb.
  1   2   3
AS ALTERAÇÕES NOS NIVEIS DE RESISTÊNCIA CARDIORRESPIRATORIA EM ATLETAS DE JIU-JÍTSU DA CIDADE DE ARACAJU NAS DIFERENTES FASES DO CICLO MENSTRUAL
ANA KAROLINA SANTOS SOUZA

FERNANDA FERREIRA DOS SANTOS DE SOUSA

LUCIO FLÁVIO RIBEIRO DA COSTA

UNIVERSIDADE TIRADENTES/UNIT-ARACAJU- SE-BRASIL

ana.karolina52@yahoo.com.br



RESUMO

O estudo teve como objetivo identificar as alterações nos níveis de resistência cardiorrespiratória nas diferentes fases do ciclo menstrual em atletas de jiu-jítsu da cidade de Aracaju-Se. Baseado nas fases Pré-menstrual, Menstrual e Pós-menstrual, a pesquisa contou com um estudo de caso realizado a campo de valor qualitativo possuindo como principais métodos avaliativos questionário adaptado e o teste de banco de McArdle. A pesquisa foi dividida em três etapas: a primeira foi aplicação de um questionário adaptado contendo perguntas especificas sobre o que as atletas sentem nas três fases do ciclo menstrual, 30 atletas de jiu-jítsu responderam o questionário, a segunda etapa foi à seleção de 12 atletas que possuem ciclo menstrual considerado regular e que praticam a modalidade a partir de um ano para a aplicação do teste de banco McArdle em cada fase do ciclo menstrual de acordo com o período de cada uma, e por fim foi feita uma avaliação baseada nos resultados para verificar as alterações ocorridas durante as diversas fases do ciclo menstrual nessas atletas. Os resultados obtidos revelam que de fato há alterações nos níveis de resistência cardiorrespiratória nas diferentes fases do ciclo menstrual em mulheres atletas de jiu-jítsu e que principalmente na fase pós-menstrual essas alterações são mais visíveis.



PALAVRAS-CHAVE: Ciclo Menstrual. Treinamento. Esporte. Jiu-Jítsu. Atletas.

ABSTRACT

The study aims to identify changes in cardiorespiratory endurance levels in the different phases of the menstrual cycle in athletes of jiu-jitsu in the city of Aracaju himself. The study was based on the phases Premenstrual, menstrual and post-menstrual, offers a case study the qualitative value field having as main evaluation methods adapted questionnaire and McArdle bank test. The research was divided into three stages: the first application of an adapted questionnaire with specific questions about what the athletes feel the three phases of the menstrual cycle, 30 athletes of jiu-jitsu answered the questionnaire, the second stage was the selection of 12 athletes who have regular menstrual cycle considered and practitioners who practice from one year to the application of McArdle bench test at each stage of the menstrual cycle according to the length of each, and finally was made an assessment based on the results to check the changes during the different phases of the menstrual cycle in athletes. The results show that in fact there are changes in cardiorespiratory endurance levels in the different phases of the menstrual cycle in women athletes of jiu- jitsu and especially in the post -menstrual phase these changes are more noticeable.



KEY-WORDS: Menstrual Cycle. Training. Sport. Brazilian ju-jitsu. Athletes.

INTRODUÇÂO

Segundo publicação realizada na revista Map Atividade Física citado por Paulino, Atualmente mesmo com pesquisas e estudos já realizados com mulheres em diversas atividades esportivas ainda assim existem tabus em relação à prática de atividades em período menstrual. As mulheres durante as fases do ciclo menstrual podem sofrer alterações nos níveis de diversas valências físicas, dentre elas, a resistência cardiorrespiratória.

As alterações cíclicas que ocorrem no endométrio e nos ovários são comumente referidas com ciclo menstrual. O ciclo normal varia de 21 a 35 dias, com media de 28 dias, podendo ser dividido em três fases distintas: folicular, ovulatória e lútea. Cada fase caracterizada por secreções alternadas dos hormônios folículo estimulante (FSH) e luteinizante (LH) pela hipófise anterior e dos estrogênios e progesterona pelos ovários (FREITAS, MENKE, 2001).

Mulheres atletas ou simplesmente praticantes de algumas modalidades esportivas se sentem temerosas e inseguras aos praticar suas atividades tendo algumas a menstruação como doença evitando qualquer esforço ou não ficam confortáveis no período devido aos cuidados que se deve ter.

Juntando-se a essa falta de conforto durante o período menstrual, temos também a baixa produção hormonal que faz com que as mulheres, atletas fiquem indispostas a realizar suas atividades esportivas.

Nesse contexto encontra-se como problema de pesquisa buscar saber como as fases do ciclo menstrual afetam o desempenho das atletas por meio da redução da resistência cardiorrespiratória.

Desta forma, o estudo tem por objetivo identificar as alterações no desempenho de resistência cardiorrespiratória nas diferentes fases do ciclo menstrual em atletas de jiu-jítsu.

A pesquisa foi desenvolvida em três etapas: a primeira foi aplicação de um questionário adaptado contendo perguntas especificas sobre o que as atletas sentem nas três fases do ciclo menstrual, a segunda etapa foi à seleção de algumas atletas que possuem ciclo menstrual considerado regular e que praticam a modalidade a partir de um ano para a aplicação do teste de banco McArdle em cada fase do ciclo menstrual de acordo com o período de cada uma, e por fim foi feita uma avaliação baseada nos resultados para verificar as alterações ocorridas durante as diversas fases do ciclo menstrual nessas atletas.

Buscando trazer maiores informações sobre o assunto abordado, o estudo foi desenvolvido para o conhecimento de como o preparador físico deve elaborar um treinamento visando todas as mudanças apresentadas nas diferentes fases do ciclo menstrual de suas atletas, para as mesmas adquirir conhecimento e não se afastar de suas atividades por motivos como: cansaço, fadiga muscular, cólica menstrual, stress, dores de cabeça, inchaço, aumento de peso, entre outros.

O público alvo desse estudo foram atletas de jiu-jítsu da cidade de Aracaju maiores de 18 anos de idade, independente de nível técnico, no entanto com mais de um ano de vivência no esporte. O presente estudo tem como base as fases do ciclo menstrual que segundo Miranda (2013) dura em torno de 28 dias e pode ser dividido em fases, pré-menstrual, menstrual ou fluxo, pós-menstrual e intermenstrual.

Baseando-se nas fases Pré-menstrual, Menstrual e Pós-menstrual, contamos com uma pesquisa descritiva de valor qualitativo possuindo como principais métodos avaliativos questionário adaptado e o teste de banco de McArdle.

A resistência cardiorrespiratória é o desempenho do coração, pulmões e sistema circulatório para transporte de oxigênio e nutrientes para os músculos trabalharem. Uma das mais válidas medidas de funcionamento do sistema cardiorrespiratório é o máximo oxigênio consumido (V02Max). O V02Max representa a máxima quantidade de oxigênio que pode ser consumida, transportada e utilizada pelo organismo para produzir energia. (COLUNISTA, 2013).

As lutas são em geral, caracterizadas como acíclicas, pois os atletas se utilizam de diferentes sequencias de movimentos e manifestações de capacidades biomotoras (BIANCHI apud DEL VECCHIO, 2006 p. 12).

O jiu-jítsu é uma modalidade de luta que está a crescer cada vez mais entre o público feminino, seja para auto rendimento, saúde ou até mesmo estética. Segundo a revista GracieMag, o Jiu-Jítsu brasileiro ou, lá fora, o Brazilian Jiu-Jítsu ou BJJ é uma arte marcial de raiz japonesa que se utiliza essencialmente de golpes de alavancas, torções e pressões para levar um oponente ao chão e dominá-lo. Essa modalidade exige muito esforço físico das suas praticantes além de ser um esporte de contato onde muitas atletas sentem mudanças e desconfortos durante o treinamento, principalmente alterações na resistência cardiorrespiratória, como muitas denominam a “falta de Gás”, essas alterações podem prejudicar o seu desempenho nos treinos e seu rendimento em competições ou podem favorecer já que em algumas das fases do ciclo menstrual há mudanças positivas.

Autores afirmam que o desempenho pode variar de acordo com as fases do ciclo menstrual. Devido à influência de um aumento nos níveis de progesterona, na fase pré-menstrual o desempenho pode sofrer uma redução. Já na Fase Pós-Menstrual, graças à crescente taxa de estrogênio e maior secreção de noradrenalina, observa-se uma melhora significativa no desempenho. (WEINECK, 2000).

A fase pré-menstrual ou progestogênica é caracterizada pela redução de força, resistência e disposição para o treino, e dura em torno de 5 a 8 dias (MIRANDA, 2013). Na fase pré-menstrual as atletas sentem menos disposição para a prática esportiva, devido às alterações hormonais onde o corpo apresenta desconfortos em algumas partes causando irritações e inquietações dificultando o interesse e concentração no esporte.

Na menstruação ou fluxo, por relatos de muitas mulheres sentem desconfortos para o treinamento, é aconselhado um treino moderado com baixo volume e intensidade moderada, essa fase dura em torno de quatro dias. (MIRANDA, 2013B) grifo nosso.

Na fase pós-menstrual que dura em torno seis dias, seguidos do período ovulatório (três dias) e pós ovulatório (sete dias), temos um aumento da força e disposição para o treinamento. Nesse momento, as cargas de treinamento podem ser aumentadas, já que se consegue um maior rendimento e melhor capacidade de recuperação, também podendo ser aumentado o volume do treinamento (MIRANDA. 2013).

Nem todas as mulheres sentem alterações no seu desempenho, mas grande parte consegue sentir mudanças durante o treinamento nas diferentes fases do ciclo menstrual.

Embora existam muitas pesquisas relatando como o exercício afeta a menstruação, são menos conhecidos os que analisam como a menstruação e as outras fases do ciclo menstrual interferem no desempenho e quais as alterações que podem comprometer o potencial físico e psicológico, não esquecendo que elas são altamente individuais. Durante o ciclo menstrual ocorrem mudanças hormonais, a menos que a mulher esteja em contracepção, e isso tem efeitos definidos no desempenho físico (JUDY DALY apud WENDY EY 1996).



DESENVOLVIMENTO
Segundo Lakatos (2004, p.45) “os tipos de pesquisa quanto aos fins podem ser: exploratória, explicativa, metodologia, descritiva, aplicada e intervencionista.” De acordo com Vergara (2003, p.35-37) os tipos de pesquisa quanto aos meios são “pesquisa de ação, pesquisa experimental, pesquisa ex post facto, pesquisa de revisão, pesquisa etnográfica”.

Pretende-se abordar neste trabalho quanto aos fins, à pesquisa exploratória e descritiva. A importância da pesquisa exploratória para o trabalho tem como objetivo buscar informações sobre o estudo e quanto à pesquisa descritiva procura observar, registrar, analisar os fatos sem manipulá-los.

E quanto aos meios, pretende-se utilizar a pesquisa de campo, pois esta é a forma mais eficiente de obter informações sobre o tema abordado, e a pesquisa bibliográfica, pois possibilitará um aprofundamento do conhecimento na área da pesquisa.

Em se falando em método de abordagem, citar-se-á Marconi (1991, p.40) “método de abordagem é o conjunto de atividades sistemáticas e racionais que, com maior segurança e economia, traçando o caminho a ser seguido, detectando erros e auxiliando nas decisões, permite alcançar o objetivo”. E os métodos podem ser: “Indutivo, dedutivo, hipotético-dedutivo, dialético, quantitativo, qualitativo”.

Para este trabalho, os métodos de abordagem escolhidos serão: quanti-qualitativa, pois irá contribuir de maneira que o pesquisador obtenha melhor entendimento do comportamento dos sujeitos e seus elementos.

O público alvo desse estudo foram atletas de jiu-jítsu da cidade de Aracaju maiores de 18 anos de idade, independente de nível técnico, no entanto com mais de um ano de vivência no esporte.

Durante uma competição de jiu-jítsu realizada na cidade de Aracaju – Se, 30 atletas foram entrevistadas por meio de um questionário possuindo perguntas especificas sobre as alterações diversas e resistência cardiorrespiratória ocorrida durante as fases do ciclo e sobre o que elas verdadeiramente sentem durante as fases: pré-menstrual, menstrual e pós-menstrual.

Após a aplicação do questionário, 12 atletas de jiu-jítsu independentes de nível técnico e maiores de 18 anos de idade foram selecionadas para segunda e demais etapas do estudo, essas atletas possuem o ciclo menstrual considerado regular tendo data de iniciação e término do seu ciclo menstrual sendo assim, ajuda a controlar e respeitar o tempo da pesquisa sem atrasos ou falhas que poderiam futuramente mudar os dados ou prejudicar o processo dos testes, diferente das que não possuem que de tal forma poderiam desordenar o andamento dos testes.

Para esta pesquisa foi utilizado um questionário contendo em sua estrutura perguntas específicas sobre o que as atletas sentem nas diferentes fases do ciclo menstrual. Foi aplicado o teste de banco MCardle. O Teste de Banco do Queens College que também é conhecido como Teste de Banco de McArdle, é um teste submáximo que dá uma medida da resistência ou da aptidão cardiorrespiratória. Para o procedimento de avaliação é realizado movimento de subir e descer do banco durante 3 minutos num ritmo (cadência) de 22 ciclos por minuto. Cada ciclo se completa quando a atleta sobe com uma perna, depois com a outra perna, desce com a primeira perna e finalmente desce com a segunda perna, o resultado da frequência cardíaca no teste se insere na formula Vo2máx. (ml . kg-1 . min-1) = 65,81 – (0,1847 . FC bpm) para encontrar o VO2 Maximo exigido pela atleta na realização do teste. Durante o teste foi aplicado à escala de Borg simplificada. Para acompanhar os níveis de esforço realizado pela avaliada.

A pesquisa foi realizada em três etapas principais:

Etapa 1: Aplicação de questionário com perguntas relacionadas ao Ciclo menstrual – Idade de menarca; utilização de contraceptivos; data, duração e intensidade do fluxo menstrual; sintomas físicos percebidos nas três fases do ciclo; rotina de Treinamento ( levantamento das principais características do treinamento); total de anos; dias e horas de treinamento; e Informações nutricionais (Uso de suplementação alimentar e acompanhamento nutricional).

Etapa 2: Seleção das atletas que apresentavam ciclo menstrual regular por conhecer seu ciclo como; data de iniciação e termino do seu período menstrual para a aplicação do teste de banco McArdlle, nas fases pré – menstrual, intermenstrual e pós – menstrual. Nessa fase 12 atletas participaram do teste.

Etapa 3: Avaliação dos dados adquiridos e levantamentos de ideias e conclusões alcançadas por meio da pesquisa.

As atletas foram entrevistadas por meio do questionário durante uma competição de jiu-jítsu realizada no município Aracaju - Se, com o auxilio das autoras do estudo para prestação de maiores esclarecimentos, em caso de dúvidas. Após o preenchimento dos questionários as atletas que possuíam ciclo menstrual regular, foram submetidas à aplicação do teste de banco McArdlle nas três fases do ciclo menstrual. Sendo que o primeiro teste foi aplicado cerca de cinco a seis dias antes do fluxo, o segundo a partir do primeiro dia da menstruação e o terceiro três dias no máximo após o fluxo. O teste foi aplicado nos locais de treinamento das atletas.

Em cada atleta foi utilizado o frequêncímetro da marca polar, com o relógio e a cinta sendo postos em cada avaliada para verificar a frequência cardíaca durante o teste, e ainda assim ao final do teste mediu-se a pulsação em 15 segundos e depois foi multiplicado por quatro para garantir o resultado da sua frequência cardíaca; utilizou-se um cronômetro para contar o tempo de 3 minutos; metrônomo para a contagem das 22 passadas/min e 88bpms/min; e a escala de percepção subjetiva de esforço (escala de borg simplificada) no final do teste, para avaliar o esforço empregado na atleta.

Durante o teste as atletas seguiram o ritmo do metrônomo onde subiram e desceram do banco no período de 3 minutos, após 5 segundos e de pé verificamos a frequência cardíaca de todas elas, onde, foi apresentada a Escala de Borg que está representada na figura 1, ao final para analisar o nível de intensidade que o teste causou nas atletas.





Figura 1 Escala Simplificada de Borg (Fonte: http://www.efdeportes.com) Acesso em: 12/01/2015.
As atletas passaram pelo teste de Banco McArdle, que é um teste submáximo mensurando uma medida da resistência ou da aptidão cardiorrespiratória. As avaliadas realizaram movimentos de subir e descer do banco durante 3 minutos num ritmo (cadência) de 22 ciclos por minuto. Cada ciclo se completa quando a atleta sobe com uma perna, depois com a outra perna, desce com a primeira perna e finalmente desce com a segunda perna onde o resultado da frequência cardíaca no teste se insere na formula Vo2máx. (ml. kg-1. min-1) = 65,81 – (0,1847 . FC bpm) para encontrar o VO2 Máximo exigido pela atleta na realização do teste e seu resultado foi aplicado em uma tabela representada na figura 2 para identificar a classificação da atleta.

Figura 2: Tabela de identificação do nível de Vo2máx.



Idade

15 a 19 anos

20 a 29 anos

30 a 39 anos

40 a 4 anos

50 a 59 anos

60 a 69 anos

Sexo

M

F

M

F

M

F

M

F

M

F

M

F

Excelente

>60

>43

>57

>40

>48

>37

>42

>35

>38

>30

>31

>25

> média

58-59

40-42

52-56

37-39

46-47

34-36

40-41

32-34

36-37

27-29

29-30

23-24

Média

54-57

37-39

43-51

35-36

42-45

31-33

37-39

26-31

34-35

25-26

27-28

21-22

< média

44-53

35-37

40-42

32-34

38-41

29-30

34-36

24-25

31-33

22-24

25-26

19-20

Fraco

<43

<34

<39

<31

<37

<29

<33

<23

<30

<17

<24

<18

Fonte: http://www.avaliacaofisica.com.br/si/site/021803 Acesso em: 12/01/2015 Canadian Standardized Test of Fitness (CSTF) Operations Manual.
No questionário aplicado para 30 atletas de jiu-jítsu, contendo perguntas relacionadas ao período menstrual, rotina de treinamento e informações nutricionais. Verificamos diversas informações sobre o que as atletas sentem durante as fases do período menstrual, os gráficos abaixo informam o que sentem as atletas durante as diversas fases do ciclo menstrual.
Gráfico 1: Sintomas físicos no período pré-menstrual


  1   2   3


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal