Alunos: Nome: Nº



Baixar 103.83 Kb.
Encontro22.11.2019
Tamanho103.83 Kb.
João Cabral

De


Melo Neto

18 de setembro de 2019

Alunos:

Nome: Nº


Nome: Nº

Nome: Nº


Nome: Nº

Sumario:


  • Introdução

  • História

  • Prêmios

  • Principais Obras

  • Curiosidades


João Cabral de Melo Neto

Nasceu em Recife, Pernambuco, no ano de 1920. Foi poeta, autor, tradutor e diplomata.

Até os dez anos de idade viveu em engenhos de açúcar em São Lourenço da Mata e Moreno, na Zona da Mata pernambucana. Ao voltar para Recife, estudou no colégio dos irmãos maristas até 1935.

Quando completou 22 anos de idade, mudou-se para o Rio de Janeiro e publicou seu primeiro livro de poemas, Pedra do Sono.

No ano de 1945, ingressou no Itamaraty. Em 1947, vai à Espanha, sendo o responsável pela divulgação da cultura brasileira. Foi cônsul na Inglaterra, França, Espanha, Suíça, África e países da América Latina. Voltou a residir no Rio de Janeiro em 1987 e aposentou-se do Itamaraty no ano de 1990.

No ano de 1968, João Cabral de Melo Neto foi eleito para a Academia Brasileira de Letras (ABL), tomando posse em 6 de maio de 1969.

Paralelamente a sua trajetória como diplomata, ocorreu sua produção literária e por ela foi agraciado com numerosos prêmios, entre eles: Prêmio José de Anchieta, de poesia, do IV Centenário de São Paulo (1954); Prêmio Olavo Bilac, da Academia Brasileira de Letras (1955); Prêmio de Poesia do Instituto Nacional do Livro; Prêmio Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro; Prêmio Bienal Nestlé, pelo conjunto da Obra e Prêmio da União Brasileira de Escritores, pelo livro "Crime na Calle Relator" (1988).

João Cabral de Melo Neto foi o primeiro brasileiro a receber o Prêmio Camões, em 1990. Dois anos após, é premiado com o Neustadt International Prize for Literature, da Universidade de Oklahoma, Estados Unidos. João Cabral de Melo Neto faleceu no dia 9 de outubro de 1999, no Rio de Janeiro, aos 79 anos.



Características

  • De forma bastante direta, João Cabral de Melo Neto constrói uma poesia não-lírica. Há uma prisão relacionada à realidade, além de ser dirigida ao intelecto e não-confessional. Dessa maneira, em sua obra, João Cabral de Melo Neto terá as seguintes características:

  • Metalinguagem do fazer poético como uma constante;

  • Concretismo forte no trato com a linguagem;

  • Busca de um verso sintético, resumido, objetivo e rápido;

  • Uma boa aliança de Ferreira Gullar e musicalidade de Leminski;

  • Fortes referências da poesia marginal;


Prêmios

Por conta do seu trabalho literário, o escritor recebeu diversas homenagens e prêmios:



  • Prêmio José de Anchieta, de poesia, do IV Centenário de São Paulo;

  • Prêmio Olavo Bilac, concedido pela da Academia Brasileira de Letras;

  • Prêmio de Poesia do Instituto Nacional do Livro;

  • Prêmio Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro;

  • Prêmio Bienal Nestlé, pelo conjunto de sua obra;

  • Prêmio da União Brasileira de Escritores, pelo livro "Crime na Calle Relator" (1988).

Obras

João Cabral escreveu diversas obras e segundo ele “escrever é estar no extremo de si mesmo”:



  • Considerações sobre o poeta dormindo, 1941;

  • Pedra do sono, 1942;

  • O engenheiro, 1945;

  • O cão sem plumas, 1950;

  • O rio, 1954;

  • Quaderna, 1960;

  • Poemas escolhidos, 1963;

  • A educação pela pedra, 1966;

  • Morte e vida severina e outros poemas em voz alta, 1966;

  • Museu de tudo, 1975;

  • A escola das facas, 1980;

  • Agreste, 1985;

  • Auto do frade, 1986;

  • Crime na Calle Relator, 1987;

  • Sevilla andando, 1989.

Trecho do Poema Morte e Vida Severina

— O meu nome é Severino,

como não tenho outro de pia.

Como há muitos Severinos,

que é santo de romaria,

deram então de me chamar

Severino de Maria;

como há muitos Severinos

com mães chamadas Maria,

fiquei sendo o da Maria

do finado Zacarias.

Mais isso ainda diz pouco:

há muitos na freguesia,

por causa de um coronel

que se chamou Zacarias

e que foi o mais antigo

senhor desta sesmaria.

Como então dizer quem falo

ora a Vossas Senhorias?

Vejamos: é o Severino

da Maria do Zacarias,

lá da serra da Costela,

limites da Paraíba.

Mas isso ainda diz pouco:

se ao menos mais cinco havia

com nome de Severino

filhos de tantas Marias

mulheres de outros tantos,

já finados, Zacarias,

vivendo na mesma serra

magra e ossuda em que eu vivia.

Somos muitos Severinos...



Curiosidades

  • Estranhamente, João Cabral escreveu um poema sobre a Aspirina, que tomava regularmente, chamando-a de "Sol", de "Luz"… De fato, desde sua juventude João Cabral tomava de três a dez aspirinas por dia. Em entrevista à "TV Cultura", certa vez, ele contava que boa parte da inspiração (inspiração sempre cerebral) provinha da aspirina, que a aspirina o salvava da nulidade!

  • João Cabral de Melo Neto não compareceu a nenhuma reunião da Academia Pernambucana de Letras como acadêmico, nem mesmo a sua posse.

Baixar 103.83 Kb.

Compartilhe com seus amigos:




©bemvin.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Prefeitura municipal
santa catarina
Universidade federal
prefeitura municipal
pregão presencial
universidade federal
outras providências
processo seletivo
catarina prefeitura
minas gerais
secretaria municipal
CÂmara municipal
ensino fundamental
ensino médio
concurso público
catarina município
Dispõe sobre
Serviço público
reunião ordinária
câmara municipal
público federal
Processo seletivo
processo licitatório
educaçÃo universidade
seletivo simplificado
Secretaria municipal
sessão ordinária
ensino superior
Relatório técnico
Universidade estadual
Conselho municipal
técnico científico
direitos humanos
científico período
pregão eletrônico
espírito santo
Curriculum vitae
Sequência didática
Quarta feira
conselho municipal
prefeito municipal
distrito federal
nossa senhora
língua portuguesa
educaçÃo secretaria
Pregão presencial
segunda feira
recursos humanos
Terça feira
educaçÃO ciência
agricultura familiar