A sra. Presidente (Patrícia Bezerra – psdb)



Baixar 182,88 Kb.
Encontro27.11.2017
Tamanho182,88 Kb.




SECRETARIA DE REGISTRO PARLAMENTAR E REVISÃO – SGP.4

EQUIPE DE TAQUIGRAFIA E REVISÃO – SGP.41

NOTAS TAQUIGRÁFICAS

SESSÃO SOLENE : SS-284




DATA: 23/09/2014







A SRA. PRESIDENTE (Patrícia Bezerra – PSDB) - Está aberta a sessão. Sob a proteção de Deus, iniciamos os nossos trabalhos.

A presente sessão solene destina-se à entrega do Título de Cidadão Paulistano ao Pastor Hélio Schwartz Lima, nos termos do Decreto Legislativo 51, de 9 de setembro de 2014, de autoria desta Vereadora, que contou com a aprovação unânime dos Srs. Vereadores desta Casa.

Passo a palavra à Sra. Cecilia de Arruda, Chefe do Cerimonial do Palácio Anchieta, para a condução dos trabalhos.
A SRA. CECILIA DE ARRUDA – Senhoras, senhores, autoridades, sejam bem-vindos à Câmara Municipal de São Paulo.

Para compor a Mesa, convidamos os Srs. Pastor Irland Pereira de Azevedo, Diretor do Centro de Altos Estudos de Política e Cidadania; Eunir Silva Lima, esposa do homenageado; Eliezer Pereira Ramos, 1º Vice-Presidente da Primeira Igreja Batista da Penha; Almir de Freitas Souza, Presidente do Conselho Diaconal da Primeira Igreja Batista da Penha; Mario Jorge Castelani, Presidente da Associação Batista e Diretor Executivo do Colégio Batista da Penha; Mauro Cesar Oliveira, Presidente da Associação Batista Educacional da Penha; Pastor Eliezer Victor Pereira Ramos, Pastor Auxiliar e Líder do Celebrando Restauração, da Primeira Igreja Batista da Penha; Genivaldo Andrade de Souza, Presidente da Convenção Batista do Estado de São Paulo; Pastor Marcelo Gomes Longo, 1º Vice-Presidente da Convenção Batista de São Paulo; Deputado Estadual Carlos Bezerra Júnior. (Palmas)

Vamos receber calorosamente o homenageado desta noite, Pastor Hélio Schwartz Lima.
- Acompanhado da Vereadora Patrícia Bezerra, adentra o plenário o homenageado, sob aplausos.
A SRA. CECILIA DE ARRUDA – Convidamos todos para, em pé, ouvirmos o Hino Nacional Brasileiro.
- Execução do Hino Nacional Brasileiro.
A SRA. CECILIA DE ARRUDA – Registramos e agradecemos a presença do Pastor Salovi Bernardo Júnior, Presidente da Ordem dos Pastores do Estado de São Paulo. (Palmas)

Recebemos diversas mensagens cumprimentando-nos pelo evento, dentre as quais destacamos as dos Srs. Geraldo Alckmin, Governador do Estado de São Paulo; Guilherme Afif Domingos, Vice-Governador do Estado de São Paulo; Fernando Haddad, Prefeito do Município de São Paulo; Nádia Campeão, Vice-Prefeita do Município de São Paulo; Vereador José Américo, Presidente da Câmara Municipal de São Paulo; Deputado Samuel Moreira, Presidente da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo; Vice-Almirante Liseo Zampronio, Comandante do 8º Distrito Naval; Desembargadora Maria Doralice Novaes, Presidente do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo; Paulo Adib Casseb, Presidente do Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo; Conselheiro Edson Simões, Presidente do Tribunal de Contas do Município de São Paulo; Cel. PM José Roberto Rodrigues de Oliveira, Secretário-Chefe da Casa Militar; Fernando Grella Vieira, Secretário de Estado de Segurança Pública; Cel. PM Benedito Roberto Meira, Comandante-Geral da Polícia Militar do Estado de São Paulo; David Uip, Secretário de Estado da Saúde; Rogério Hamam, Secretário de Estado de Desenvolvimento Social; Herman Voorwald, Secretário de Estado da Educação; Mônika Bergamaschi, Secretária de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo; Paulo Frateschi, Secretário Municipal de Relações Governamentais; José de Filippi Junior, Secretário Municipal da Saúde; Cesar Callegari, Secretário Municipal da Educação; Marianne Pinotti, Secretária Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida; José Floriano de Azevedo Marques Neto, Secretário Municipal da Habitação; Celso Jatene, Secretário Municipal de Esportes, Lazer e Recreação; Rogério Sottili, Secretário Municipal dos Direitos Humanos e Cidadania; Artur Henrique da Silva Santos, Secretário Municipal do Desenvolvimento, Trabalho e Empreendedorismo; Paula Maria Motta Lara, Secretária Municipal de Licenciamento; Simão Pedro, Secretário Municipal de Serviços; Vereadores Alfredinho, Ari Friedenbach, Atílio Francisco, Aurélio Nomura, Calvo, Coronel Camilo, Coronel Telhada, Claudinho de Souza, Dalton Silvano, Edir Sales, Gilson Barreto, Goulart, Jair Tatto, José Police Neto, Marco Aurélio Cunha, Netinho de Paula, Noemi Nonato, Pastor Edemilson Chaves, Paulo Frange, Ricardo Nunes, Ricardo Young, Toninho Paiva.

Neste momento, ouviremos o Coral da Primeira Igreja Batista da Penha, sob a regência do Dr. Daniel Chimara.
- Apresentação musical.
A SRA. CECILIA DE ARRUDA – Neste momento, convidamos todos para assistirem ao vídeo em homenagem ao Pastor Hélio.
- Exibição de vídeo.
A SRA. CECILIA DE ARRUDA Convidamos, para seu pronunciamento, o Sr. Eliezer Pereira Ramos, 1º Vice-Presidente da Primeira Igreja Batista da Penha.
O SR. ELIEZER PEREIRA RAMOS – Senhoras, senhores, autoridades presentes, boa noite. Minha palavra é de agradecimento. Em nome da Primeira Igreja Batista da Penha, que aqui represento com muita honra, agradeço à Vereadora Patrícia Bezerra a iniciativa dessa merecida homenagem ao nosso Pastor e Presidente Hélio Schwartz Lima.

Tenho acompanhado de perto o Pastor Hélio desde o início de seu pastorado. Temos trabalhado juntos, e nisso lá se vão mais de 28 anos. Durante todo esse tempo, aprendi a admirá-lo. Admiro o Pastor Hélio na sua fé em Deus, no seu zelo, na sua fidelidade à Sua palavra, a Bíblia, que nós, os batistas, temos como nossa única regra de fé e de prática.

Admiro-o por sua coerência de vida. Pastor Hélio vive fora da igreja aquilo que prega em seu púlpito. Aqueles que têm o privilégio de com ele conviver, de frequentar sua casa, sabem que ele, no convívio com esposa, filhos e netos, demonstra as marcas de um autêntico cristão.

Admiro-o também como nosso Presidente da Primeira Igreja Batista da Penha. Sob seu comando, tivemos a oportunidade de testemunhar alguns fatos. A Igreja tem se destacado no trabalho social e de ensino, perante a sua comunidade. Temos a Associação Batista da Penha – Abape, que se dedica ao cuidado de crianças carentes. Temos também um programa especial que cuida de adolescentes grávidas - dentre elas uma adolescente de 11 anos de idade, ainda na pré-adolescência, praticamente uma criança, que, em breve, terá em seus braços outra criança. Temos também o Colégio Batista, uma escola de música e um programa chamado Celebrando Restauração, constituído de 12 passos que visam a restaurar pessoas que tiveram traumas profundos, mágoas e rancores que a vida lhes infringiu, um programa não somente para os membros da igreja, mas para todas as pessoas daquela comunidade, sem qualquer vínculo com sua fé, com sua crença; enfim, um programa totalmente gratuito.

Para finalizar, somo-me aos que aqui estão desejando ao Pastor Hélio as mais ricas e escolhidas bênçãos de Deus – a ele e a sua família -, e que ele continue nessa missão gloriosa de levar avante as boas novas do Evangelho de Jesus Cristo, boas novas que, sabemos, salvam e transformam vidas.

Pastor Hélio, parabéns. Que Deus continue abençoando o senhor nessa missão que um dia recebeu diretamente d’Ele quando respondeu de forma positiva a seu chamado.

Parabéns e obrigado a todos. (Palmas)
A SRA. CECILIA DE ARRUDA – Convidamos, para o seu pronunciamento, o Pastor Irland Pereira de Azevedo, Diretor do Centro de Altos Estudos de Política e Cidadania.
O SR. IRLAND PEREIRA DE AZEVEDO – Exma. Sra. Patrícia Bezerra, Presidente desta sessão solene da Câmara Municipal de São Paulo; Deputado Carlos Bezerra; demais autoridades presentes e nomeadas no início desta sessão; ilustre homenageado desta noite, Pastor Hélio Schwartz Lima, boa noite. Sinto-me honrado com o convite e a designação para proferir uma breve mensagem nesta solenidade.

Há 17 anos, estive aqui recebendo um título semelhante. Só que o proponente era homem e o programa não saiu tão bonito quanto este (risos). Como nossas Casas Legislativas precisam de mulheres! Que têm bom gosto, que fazem as coisas bem feitas. Homem é meio abrutalhado, a menos que seja um publicitário, alguém da arte. Mas foi um homem que me concedeu aquela honraria, e agradeço a ele a lembrança.

Pastor Hélio e eu somos acolhidos pela cidade de São Paulo como cidadãos. Eu cheguei a São Paulo há 44 anos, em janeiro de 1971, e Pastor Hélio depois, mas ambos fomos abraçados por esta cidade. E dizem que São Paulo é uma cidade fria! Pode ser fria do ponto de vista do clima, mas não do ponto de vista do calor humano. Porque fomos acolhidos aqui, nossas comunidades eclesiásticas nos acolheram, a Cidade nos acolheu, aqui nossos filhos cresceram, nossos netos nasceram – no meu caso, bisnetos. Rendo graças a Deus pela cidade de São Paulo, que amo tanto. Estou aqui há tantos anos e sou um cidadão paulistano.

Cumprimento a Vereadora Patrícia Bezerra pela feliz iniciativa de propor a concessão do Título de Cidadão Paulistano ao Pastor Hélio, que é um dos homens que mais merece essa honraria, pois está visceralmente comprometido com a cidade de São Paulo. Ainda que, defeituosamente, seja flamenguista, ele certamente ama esta cidade.

Pastor evangélico, seu nome é Hélio Schwartz Lima. Conheço-o desde a juventude – a dele e a minha, só que eu 10 anos mais velho do que ele. Estivemos juntos no Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil, eu como professor, ele como aluno. Foi um tempo muito abençoado aquele.

Na formatura de sua esposa, Irmã Eunir, no IBER, fui o orador. Estou muito ligado a essa família. Um dos filhos deles foi aluno de meu filho na Faculdade de Direito do Largo São Francisco. Então, estamos muito relacionados e nos amamos muito.

Estou muito feliz nesta noite e honrado com o convite que me foi feito. Quero convidá-los para uma breve reflexão sobre Hélio Schwartz Lima.

Abençoados paradoxos. O que é um paradoxo? É o que é contrário à opinião geralmente admitida, o que é contrário à previsão ou à verossimilhança. É uma palavra transliterada do grego paradoxon.

Comecemos com as palavras de Jesus nesta noite, com as palavras dele no Evangelho: “Falou-lhes, pois, Jesus outra vez, dizendo: Eu sou a luz do mundo, quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida”. Primeiro paradoxo: Hélio não é Hélio, mas astro iluminado por Jesus Cristo. Os senhores sabem que Hélio significa sol. Nós somos um planeta a girar em torno do sol, daí o heliocentrismo. Só que Hélio não é Hélio: Hélio é um astro não luminoso, mas iluminado. Ele é iluminado por aquele que disse – e ele creu - “Eu sou a luz do mundo, quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida”. Assim, Hélio é um astro iluminado pelo sol da justiça, pelo sol celestial, que é Jesus Cristo, e com a luz de Jesus Cristo ele ilumina tantos quantos se acercam dele, seja na família, na igreja, seja na sociedade em geral. Portanto, a vida do Pastor Hélio tem brilho, porque o brilho vem de Jesus Cristo. Ele é iluminado pelo Senhor.

Há um segundo paradoxo. O Pastor Hélio contradiz, na vida e no ministério que exerce, o lema, o leitmotiv da cidade de São Paulo. Sabemos que no brasão da cidade de São Paulo, na correspondência, nos papéis com o logo da cidade de São Paulo, encontram-se as palavras latinas Non ducor duco, que muitos paulistanos não sabem o que significam, mas que um paulistano adotado sabe. Significa “não sou conduzido, não sou liderado, não sou guiado; eu guio, eu conduzo, eu lidero”. Naturalmente, isso expressa a pretensão e a realidade da cidade de São Paulo, que é líder no Brasil e na América Latina.

Só que o Pastor Hélio não crê assim para sua vida pessoal. Ele diz o contrário: “Non duco ducor. Eu não conduzo a minha vida, eu não conduzo o meu destino, eu não faço o meu caminho, eu sou conduzido por Jesus Cristo”. Aliás, o texto diz: “Eu sou a luz do mundo, quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida”. Portanto, Pastor Hélio é um seguidor de Jesus Cristo, é guiado por Jesus Cristo. E ele só guia seu povo porque é guiado por Jesus Cristo, iluminado por Jesus Cristo, inspirado por Jesus Cristo.

“Quem me segue não andará em trevas”. Ainda que o Pastor Hélio resida em uma cidade que é líder e guia, e que a ame e a sirva, ele entende e proclama que Jesus Cristo é seu senhor. Ele segue Jesus. E Jesus, ele segue na verdade, na justiça, na construção de um mundo novo. Pessoalmente, Pastor Hélio crê: “Eu não conduzo, sou conduzido; e, conduzido, abençoo meu povo, minha gente, meu mundo”.

Mas há um terceiro paradoxo em Pastor Hélio Schwartz Lima. Pastor Hélio não é schwartz. Schwartz significa, em alemão, escuro, sombrio, escuso. Schwarzarbeit, por exemplo, significa trabalho escuso, trabalho sujo, ilícito. Não. Pastor Hélio é filho da luz, segue a luz, é iluminado pela verdadeira luz do mundo, anda na luz e pratica as obras da luz. Diz Paulo aos filipenses: “Para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis, no meio de uma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo”. Mas astros iluminados. Luminoso é o sol, é Jesus; iluminado é ele, iluminados somos nós, iluminada é a Igreja Batista da Penha pela vida, pelo fulgor da inteligência, pelo brilho do caráter do Pastor Hélio Schwartz Lima.

Se o Pastor Hélio não é Schwartz, há um quarto paradoxo com o qual concluo esta reflexão breve. Pastor Hélio, que não é hélio nem schwartz, também não é lima. Lima é fruto da limeira, e ele é palmeira. Não estou dizendo palmeirense, estou dizendo palmeira. Sabem por quê? A Bíblia diz: “O justo florescerá como a palmeira, crescerá como o cedro no Líbano”. Sim, Pastor Hélio produz frutos. Sua vida produz frutos doces, e a palmeira a que se refere o Salmo 92 é a Phoenix dactylifera, que é a tamareira, a palmeira que produz tâmaras. Um guia judeu, numa das 10 viagens que fiz a Israel, explicou-nos que aquele mel a que se refere a promessa “a terra há de emanar leite e mel” não é mel de abelhas, mas mel das tâmaras. A terra prometida seria dulcificada, adoçada pelas tâmaras. Quando vou a Israel, como caixas inteiras de tâmaras. É uma maravilha, uma bênção.

A palmeira é uma árvore reta, é uma árvore que deita raízes profundas, é uma árvore resistente a toda tempestade, e a tsunamis até, como provou a experiência do Sudeste Asiático: quando casas, automóveis e outras árvores eram arrastadas, as palmeiras permaneciam em pé – só as novinhas, algumas delas, foram arrastadas; as adultas, não, porque tinham raízes profundas. A palmeira é reta. E no deserto, percorrido pelos povos orientais, a palmeira é um sinal de esperança, porque sua presença diz: “Aqui há água”. É só descer e buscar.

A vida do Pastor Hélio não é de limeira. É de palmeira, porque ele revela que se dessedenta na fonte que é Jesus Cristo. Ele revela que há água para beber. Ele convida, com a igreja, a noiva de Cristo: “Todo o que tem sede venha e beba da água da vida”. Ele convida para a vida.

Pastor Hélio passou por momentos difíceis ao longo da vida do próprio ministério, no curso dos quais eu orei por ele. Foram tsunamis, mas ele, como palmeira, permaneceu em pé. Louvado seja Deus por este bendito paradoxo: não é lima, mas é palmeira.

Que o Pastor Hélio Schwartz Lima continue a ser essa bênção para sua família – Irmã Eunir, seus filhos, seus netos. Que ele continue a ser uma bênção para a Primeira Igreja Batista da Penha, ele, que está se despedindo e em breve será sucedido por um bom obreiro. Que o seu nome, a sua integridade, a beleza do seu caráter, a luz dos seus olhos e de suas palavras tão bem postas, tão bem comunicadas desde o púlpito, continuem a abençoar aquela igreja.

Parabéns a São Paulo por reconhecer mais um ilustre cidadão que traz luz, saber, sabor, lições e mensagens de verdade, de justiça, de paz, de bem e cuja vida constitui exemplo não só para sua igreja e para a comunidade evangélica, mas para toda a cidade de São Paulo.

Deus o abençoe, Pastor Hélio. Amém. (Palmas)


A SRA. CECILIA DE ARRUDA – Convidamos, para o seu pronunciamento, o Deputado Estadual Carlos Bezerra Júnior.
O SR. CARLOS ALBERTO BEZERRA JÚNIOR – Boa noite a todos e a todas que compõem a Mesa. Nosso boa-noite especial ao homenageado desta noite, Pastor Hélio Schwartz Lima, à sua esposa Eunir e aos pastores que aqui estão.

Quero puxar a orelha daquele que me colocou para falar depois do Pastor Irland. De verdade. Acho que esta é alguma pegadinha, Pastor Hélio, porque não é justo fazerem isso comigo (risos).

Meus cumprimentos aos Srs. Pastor Irland Pereira de Azevedo, ele que é o símbolo da comunidade evangélica paulistana e brasileira; Pastor Eliezer Vitor Pereira Ramos, líder do Celebrando Restauração, da Primeira Igreja Batista da Penha; Sr. Almir de Freitas Souza, Presidente do Conselho Diaconal da Primeira Igreja Batista da Penha; Mario Jorge Castelani, amigo querido, Presidente da Associação Batista e Diretor Executivo do Colégio Batista da Penha; Mauro Cesar Oliveira, Presidente da Associação Batista Educacional da Penha; querido Pastor Genivaldo Andrade de Souza, Presidente da Convenção Batista do Estado de São Paulo, que nos honra com sua presença; amigo querido Pastor Marcelo Gomes Longo, 1º Vice-Presidente da Convenção Batista do Estado de São Paulo. Cumprimento especialmente a proponente desta sessão, e o faço mesmo sendo suspeito para isso.

Sou suspeito, mas nem tanto, Pastor Chicão. Como bem colocou o Pastor Irland, estamos em uma cidade que pulsa, que conduz os destinos da Nação brasileira. Ao mesmo tempo, há um paradoxo nisso. Estive nesta Casa por 10 anos. Nós, tradicionalmente, temos aqui apenas cinco mulheres. Esta Casa, na última legislatura, mudou um pouco essa história, porque as cinco que aqui estavam se reelegeram, mas, pela primeira vez, temos uma sexta mulher, que é a Patrícia, que, aliás, vem fazendo um belíssimo trabalho, aprovando projetos de lei de grande impacto, participando das discussões, marcando presença não só como mulher mas também como liderança feminina nesta Casa. Assim, tenho a grata satisfação de vê-la presidindo a sessão desta noite.

Mas, Patrícia, não se acostume tanto; lá em casa, não venha com esse negócio de presidência. Lá, vamos conversar diferente (risos). É uma alegria tê-la como parceira de sonhos, de vida conjugal e também de vida pública. Tenho um profundo respeito por você, por tudo aquilo que você representa e por tudo o que tem feito nesta Casa.

Serei breve em minhas palavras. O parlamentar tem basicamente três funções: propor leis, fiscalizar atos do Executivo e propor homenagens. Estou absolutamente convencido de que a mais complexa das funções é propor homenagens. Quando a gente propõe homenagens, na perspectiva com a qual eu sei que esta homenagem é feita nesta noite, a gente aponta caminhos, a gente aponta exemplos, a gente aponta biografias. A gente aponta para um modo de ser gente. A gente aponta para um modo de ser gente que deve ser copiado por um outro tanto de gente. A gente reconhece gente que deve ser reconhecida por gente e, no limite disso, a gente reconhece nessa gente um jeito de ser gente que inspira outra gente.

Pastor Hélio é uma pessoa assim. Tenho pelo senhor, Pastor Hélio, profundo carinho, admiração e respeito pela sua história de vida, por aquilo que o senhor representa, por tudo aquilo que o senhor construiu, mas, especialmente, pelo homem que o senhor é.

Eu dizia antes para a Patrícia: parabéns pela homenagem, por aquela boa sensação de missão cumprida, de dever cumprido. Sempre utilizamos o critério de homenagear, nas Casas Legislativas, cristãos que tenham dado contribuições significativas à sociedade. Quando passei por esta Casa, homenageei muitas pessoas: a capelã do Hospital das Clínicas, Irmã Eleny Vassão, que fazia um trabalho belíssimo; um médico de destaque internacional, cristão de grande contribuição científica; enfim, tantos outros. Nesta noite, homenageamos um líder, símbolo de uma geração, símbolo de uma denominação, símbolo da contribuição evangélica, da contribuição protestante nesta cidade. Um bom mandato também se presta a isto: ao reconhecimento da contribuição protestante para a construção da história de São Paulo.

Pastor Hélio tem quase 50 anos de ministério. Vejam como são as coisas: enquanto ele estava começando seu ministério, eu estava nascendo. Eu tenho muito que aprender! Seus quase 50 anos de ministério têm marcas muito claras: a marca da fidelidade a Deus e à Escritura. A marca do caráter, da liderança, da responsabilidade, da profundidade, da inteligência, do brilhantismo. Eu destacaria uma marca ao longo de seu ministério e de sua vida: a marca da excelência. É interessante que, por onde ele passou, deixou a marca da excelência. Pelas igrejas por que passou, pelas cidades por que passou, pelos espaços por que passou deixou a marca da excelência, que é a marca de alguém que, como ele, tem claramente o compromisso de fazer da função pastoral não uma carreira, mas um exercício contínuo de um ministério que é a expressão da vida de Deus.

Aonde Pastor Hélio foi chamado, ele cumpriu ao limite esse chamado, deixando essas marcas todas que destacamos, mas, especialmente, deixando a marca da excelência. Pastor Hélio deu frutos em todos os lugares por onde passou e, a exemplo do Pastor Irland, seguirá dando frutos, agora em novos desafios. Aliás, minha torcida é que nos próximos 70 anos os frutos se multipliquem.

Em São Paulo, há quase 30 anos, os frutos falam por si. Mais que a Abape, mais que as entidades e os programas sociais desenvolvidos, mais que o Colégio Batista da Penha, mais que a Igreja da Penha, mais do que todas essas coisas, Pastor Hélio, seu maior fruto são as pessoas transformadas pela mensagem que o senhor pregou, viveu e encarnou nesses últimos 46 anos.

Como homem público, quero deixar registrado meu apreço, meu carinho, meu reconhecimento pela sua vida, pelo seu ministério, pelo seu testemunho, que é um presente não apenas para os cristãos desta cidade, mas para todos os cidadãos paulistanos. Hoje o senhor é homenageado pelos anos de serviço incansáveis aos paulistanos. Sinto-me feliz e honrado por poder participar desta homenagem. Aliás, ao homenageá-lo nesta noite, que os paulistanos e a Câmara Municipal de São Paulo reconheçam não apenas a sua grande contribuição, mas a daqueles que são os seus primeiros frutos e que lhe deram todas as condições para que tudo isso acontecesse: Irmã Eunir, seus filhos, sua família.

Deus o abençoe, e que os próximos 70 anos, de verdade, sejam ainda muito mais frutíferos. (Palmas)
A SRA. CECILIA DE ARRUDA – Anunciamos as palavras da Presidente e proponente desta sessão solene, a Vereadora Patrícia Bezerra.
A SRA. PRESIDENTE (Patrícia Bezerra - PSDB) – Boa noite a todos. É uma alegria muito grande, nesta noite, ter todos vocês aqui, em uma solenidade que promove uma homenagem mais do que justa.

Agradeço a presença honrosa da Sra. Eunir Silva Lima, esposa do homenageado; do Sr. Eliezer Pereira Ramos, 1º Vice-Presidente da Primeira Igreja Batista da Penha; e do Pastor Irland Pereira de Azevedo, Diretor do Centro de Altos Estudos de Política e Cidadania – pessoa a quem certamente eu daria um Título de Cidadão Paulistano se houvesse a possibilidade de fazê-lo mais uma vez, pois o senhor merece toda a deferência da cidade de São Paulo, além de ser avô das minhas pequenas, que eu amo tanto, e de termos uma grande afinidade.

Agradeço também a presença dos Srs. Almir de Freitas Souza, Presidente do Conselho Diaconal da Primeira Igreja Batista da Penha; Mario Jorge Castelani, Presidente da Associação Batista e Diretor Executivo do Colégio Batista da Penha, amigo querido; Mauro Cesar Oliveira, Presidente da Associação Batista Educacional da Penha; Pastor Genivaldo Andrade de Souza, Presidente da Convenção Batista do Estado de São Paulo; Pastor Marcelo Gomes Longo, 1º Vice-Presidente da Convenção Batista de São Paulo, outro amigo querido do coração. É uma honra e uma alegria grande tê-los aqui nesta noite.

Nesta noite sou eu a ocupar a tribuna. Isso é interessante. O Deputado Carlos Bezerra falou de mim, e há muitos anos atrás – quando eu jamais imaginava estar aqui - ele também esteve nesta Casa e deixou um legado que nunca se perdeu. Ele continua sendo a minha maior inspiração na vida pública. Para um casal que partilha da vida pública, penso que faz muito bem ouvir isto: que ele segue sendo minha maior inspiração como político, como pessoa pública. Parabéns, não só pelos excelentes serviços prestados à cidade de São Paulo, mas também pelo que você tem feito na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. Siga assim. Se não seguir, apanha. (Risos)

Bom, eu preparei um discurso. Meus discursos geralmente ficam na minha cabeça, tenho dificuldade com papéis. Mas acho que a ocasião pede que não nos percamos no pensamento. O Pastor Irland já falou com tanta propriedade sobre o homenageado e o Deputado já evocou todos os préstimos do Pastor Hélio à Cidade, inclusive no campo social. Mas, quando eu estava estudando a vida do Pastor Hélio e vendo seu currículo – aliás, invejável -, uma coisa me chamou a atenção, como psicóloga e como curiosa que sou. Foi em cima disso que resolvi fazer minha homenagem.

Eu jamais imaginaria, Pastor Hélio, que o senhor fosse, aos 17 anos, integrante da Brigada Paraquedista. Isso me chamou a atenção porque, como terapeuta que somos, sempre analisando o perfil das pessoas, penso que isso diz muito a seu respeito. De tantas coisas de seu brilhante currículo, esse dado chama a atenção. A Brigada Paraquedista é orgulhosamente conhecida como a “Sentinela da Pátria” e o “Ninho das Águias” - seu símbolo é uma águia. São características destacadas dos membros dessa Brigada a coragem, a agressividade no combate, a determinação no cumprimento de uma missão, a resistência física e a camaradagem. Todas essas características de um integrante da Brigada, o senhor as tem como pastor. Os símbolos da tropa, se eu perguntar, certamente o senhor vai saber quais são – o brevê prateado, o boot marrom e a boina bordô.



Havia certamente, como nos casos de Dédalo e Ícaro, da mitologia, um enorme desejo de voar, e de voar muito mais alto; um desejo de ir além, explorar outros céus, outros territórios, outras culturas, outros povos. Assim o senhor foi: voou para Minas, voou para a Bahia, voou para Pernambuco e, há quase 29 anos, para nossa alegria, pousou aqui. Mas não caiu de paraquedas: era o propósito de Deus que aqui fosse seu ninho, que aqui fosse sua casa, que a São Paulo o senhor chamasse de lar.

E a cidade de São Paulo, como bem disse o Pastor Irland, é tão acolhedora – eu mesma, uma paranaense, fui acolhida por esta cidade -, recebeu-o, acolheu-o como filho. Por isso hoje, com esta justíssima homenagem, tenho o prazer, o privilégio, a honra, a alegria de passar às suas mãos, Pastor Hélio Schwartz Lima, a escritura de seu ninho, o ninho paulistano de um pastor que, de uma forma divina, caiu do céu para abençoar a cidade de São Paulo.

Parabéns, Pastor Hélio Schwartz Lima. (Palmas)
A SRA. CECILIA DE ARRUDA – Convidamos os presentes para, de pé, assistirmos à entrega do Título de Cidadão Paulistano ao ilustre homenageado, Pastor Hélio Schwartz Lima.
“Município de São Paulo. Título de Cidadão Paulistano. A Câmara Municipal de São Paulo, atendendo ao que dispõe o Decreto Legislativo 51, de 9 de setembro de 2014, concede ao Pastor Hélio Schwartz Lima o Título de Cidadão Paulistano. Palácio Anchieta, 23 de setembro de 2014. José Américo, Presidente; Claudinho de Souza, 1º Secretário; Patrícia Bezerra, Proponente; Rodrigo Pimentel Pinto Ravena, Secretário Geral Administrativo; Karen Lima Vieira, Secretária Geral Parlamentar.”
- Entrega do Título de Cidadão Paulistano ao Sr. Hélio Schwartz Lima, sob aplausos.
A SRA. CECILIA DE ARRUDA – Convidamos os presentes para, de pé, assistirmos à entrega de homenagem à Sra. Eunir Silva Lima, esposa do homenageado.
- Entrega de flores à Sra. Eunir Silva Lima, sob aplausos.
A SRA. CECILIA DE ARRUDA – Para a primeira foto oficial, convidamos as filhas do homenageado, Helena e Cláudia; seus netos, Natan e Rafaela; e seus genros, Rodrigo e Rodrigo.
- Registro fotográfico.
A SRA. CECILIA DE ARRUDA – Para a segunda foto oficial, convidamos todas as autoridades integrantes da Mesa principal.
- Registro fotográfico.
A SRA. CECILIA DE ARRUDA – Convidamos para o seu pronunciamento o mais novo cidadão paulistano, Pastor Hélio Schwartz Lima.
O SR. HÉLIO SCHWARTZ LIMA – Senhoras, senhores, componentes da Mesa; Vereadora Patrícia Bezerra; Deputado e amigo Carlos Bezerra; meus companheiros de ministério aqui em São Paulo e na Igreja Batista da Penha, presentes à Mesa, boa noite.

Só posso dizer “obrigado”, e não devo nem me delongar nisso. Só posso agradecer a Deus, que, pela sua graça, me alcançou e me chamou para o ministério. Agradeço à Eunir, companheira de todos esses anos, em muitos aspectos uma inspiração para minha vida. Agradeço à Igreja Batista da Penha, porque reconheço que estou recebendo este título não por méritos pessoais, mas por aquilo que tem sido feito pela igreja. Na verdade, é à igreja que eu deveria entregar este título; mas, como não há um título para instituições, somente para pessoas, eu o recebo com muita gratidão e alegria.

Agradeço ao Pastor Irland Pereira de Azevedo as palavras que pronunciou. Ele não foi meu professor: ele é meu professor, tem sido meu professor ao longo de todos esses anos. Tenho aprendido com ele. Quando me perguntaram: “Quem o senhor gostaria que falasse na cerimônia?”, não precisei pensar duas vezes: Pastor Irland Pereira de Azevedo. Senti-me muito honrado pelo fato de ele ter aceitado essa incumbência.

Agradeço a esta Casa, à Edilidade Paulistana, que representa esta cidade que realmente me acolheu. Não só pelo fato de que tenho vivido mais anos em São Paulo do que no Rio de Janeiro: escolhi o Estado de São Paulo para viver. Ao pensar em me aposentar, pensei: quero morar em um lugar que seja bem próximo de São Paulo, onde eu possa levar uma vida mais tranquila, mas que esteja na varanda de São Paulo. Porque, depois que a gente vive em São Paulo, não consegue mais ficar longe. Então, agradeço a esta cidade onde meus filhos cresceram e onde se graduaram – dois deles na Universidade do Estado de São Paulo – e onde parte de meus netos nasceram. Tenho mais dois netos na Áustria e dois na Paraná.

Muito obrigado a todos os que compareceram para participar deste momento tão importante na minha vida. Agradeço também ao meu irmão José - a quem peço que fique de pé -, que está acompanhado de seu filho Sérgio. (Palmas) Obrigado, José. Meu outro irmão mais velho não pôde estar presente, pois está, por esses dias, pregando na Albânia.

Muito obrigado a Deus e a todos. (Palmas)


A SRA. CECILIA DE ARRUDA – Neste momento, ouviremos o musical do Coral da Primeira Igreja Batista da Penha, sob a regência do Dr. Daniel Chimara.
- Apresentação musical.
A SRA. CECILIA DE ARRUDA – Neste momento, teremos a oração e bênção com o Pastor Irland Pereira de Azevedo.
O SR. IRLAND PEREIRA DE AZEVEDO – Convido o auditório a pôr-se de pé. (Pausa)

Senhor, nesta Casa, que representa a cidade de São Paulo, o povo da cidade de São Paulo, nós nos alegramos por este momento de reconhecimento de valores. Num mundo em que os valores são erodidos, em que a virtude não prevalece, mas o vício, o mal, a violência, a injustiça, como é bom, Senhor, estar em um ambiente como este, em que valores morais, valores espirituais são celebrados, porque presentes na vida do homenageado que aqui recebeu o Título de Cidadão Paulistano. Damos-te graças pela iniciativa da Vereadora Patrícia Bezerra. Damos-te graças pela aprovação desta comenda por seus pares. Damos-te graças pela presença da família Schwartz Lima. Damos-te graças pela presença da Igreja Batista da Penha e dos pastores, amigos e autoridades que honram e prestigiam este momento importante.

Ó Deus, que levemos todas as agradáveis e abençoadas impressões desta noite em nossos corações e que sejamos cidadãos responsáveis desta cidade que tanto amamos, mesmo os que não nascemos aqui.

Que o amor de Deus nosso pai, a graça de Nosso Senhor Jesus Cristo e a comunhão e as alegrias do Espírito Santo sejam, com todos os que aqui se reúnem, com a cidade de São Paulo e com todo o povo de Deus, espalhados na face da Terra desde agora e para sempre. Amém.


A SRA. CECILIA DE ARRUDA – Para o encerramento oficial desta solenidade, tem a palavra a Sra. Presidente, nobre Vereadora Patrícia Bezerra.
A SR. PRESIDENTE (Patrícia Bezerra - PSDB) – Antes de proceder ao encerramento oficial, eu gostaria de, mais uma vez, agradecer ao Coral da Primeira Igreja Batista da Penha, que apresentou-se lindamente. Parabéns. Agradeço também a presença do Pastor Salovi Bernardo Jr., Presidente da Ordem dos Pastores Batistas, e reitero o agradecimento, pela presença, ao Pastor Genivaldo Andrade de Souza, Presidente da Convenção Batista do Estado de São Paulo. É uma honra tê-los aqui.

Está encerrada a sessão. (Palmas)








©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal