A singularidade de cristo



Baixar 9,78 Kb.
Encontro28.10.2017
Tamanho9,78 Kb.
A SINGULARIDADE DE CRISTO

Col.1:15-23

Pr. Hamilton Rocha

INTRODUÇÃO

Em um mundo repleto de pluralismo, convém sempre ressaltar a singularidade de Jesus, o Cristo. Aos colossenses o apóstolo Paulo proclamou Cristo como Senhor.

Ele é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação (não um ser criado, mas com direitos de primogênito). Senhor e cabeça de toda a criação; cabeça do corpo que é a Igreja; primogênito dentre os mortos; tem a primazia, a preeminência.

Cristo é Senhor da criação (por meio dele todas as coisas foram feitas). Ele é Senhor da Igreja (por meio dele todas as coisas foram reconciliadas).

Por causa de quem ele é (imagem e plenitude de Deus), por causa do que ele faz (aquele que nos reconciliou com o Pai), Cristo tem dupla supremacia: Ele é o cabeça do universo e da Igreja. Ele é Senhor de ambas as criações.

Diante dessa descrição, onde e como deveríamos estar senão com os rostos em terra diante dele?

Jesus é singular:

I - EM SUA ENCARNAÇÃO

Único Deus homem. Único de nascimento sobrenatural.

II - EM SUA EXPIAÇÃO

Somente ele morreu pelos pecados do mundo inteiro (At.4:12)

III - EM SUA RESSURREIÇÃO

Somente ele venceu a morte, sendo ele as primícias dos que dormem.

IV - EM SUA ASCENÇÃO

Somente ele subiu aos céus e está assentado à direita de Deus (Jo.3:13).

Alexandre foi grande; Napoleão foi grande; Simão Bolívar foi grande; mas Jesus não é grande. Ele é único. Não há ninguém como ele. Ele não tem rival nem sucessor.

Afastemos de nós o Jesus insignificante, fraco, pigmeu, sem poder, que não inspira segurança ou respeito, o filósofo, o psicólogo, o médico, o político e reacionário. Eles são caricaturas de Jesus. O Jesus autêntico encontra-se nas páginas das Sagradas Escrituras (Jo.5:39).

Jerônimo, um dos mais proeminentes pais da Igreja afirmou que "(...) a ignorância da Escritura é ignorância de Cristo". Também podemos declarar que conhecer a Escritura é conhecer a Cristo.

CONCLUSÃO

O governador Pilatos perguntou à multidão qual dos dois Jesus ele deveria soltar. A Jesus Barrabás (Yeshua Bar Abba) ou a Jesus chamado o Cristo? (Mt.27:16,17).

O nome Jesus era muito comum (Col.4:11)

O futuro de nossa alma depende disso.

Para refletirmos:



  1. O que de mais relevante para mim eu posso extrair dessa mensagem? Há algo novo ou desconhecido para mim?

  2. À luz da Palavra de Deus como eu posso declarar a singularidade de Jesus?

  3. Há muitos “Jesus” na História (inclusive bíblica). Em qual Jesus você crê?


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal