A música: Um poderoso instrumento de libertação a música Católica também tem Unção. Como a passagem de I samuel 16,23



Baixar 37,5 Kb.
Encontro26.01.2017
Tamanho37,5 Kb.
A música: Um poderoso instrumento de libertação

A música Católica também tem Unção. Como a passagem de I Samuel 16,23. Onde o espírito mau possuía Saul, por sua desobediência a Deus. Samuel chama Davi, que tocava a harpa e o espírito que atormentava Saul - e a Unção daquela música - expulsa o espírito de Saul.

Davi serve e domina Saul -* 14 O espírito de Javé afastou-se de Saul, e ele começou a ficar agitado por um espírito mau, enviado por Javé. 15 Então os servos de Saul lhe disseram: «Você está sendo agitado por um espírito mau enviado por Deus. 16 Dê uma ordem, e nós, seus servos, vamos procurar alguém que saiba tocar harpa; desse modo, quando o espírito mau enviado por Deus o atormentar, alguém tocará para você, e você se sentirá melhor». 17 Então Saul ordenou: «Procurem alguém que saiba tocar bem e o tragam para mim». 18 Um dos servos disse: «Conheço um filho do belemita Jessé. Ele sabe tocar e é valente guerreiro. Além disso, fala bem, é de boa aparência e Javé está com ele». 19 Então Saul enviou mensageiros a Jessé com esta ordem: «Mande-me o seu filho Davi, que está com o rebanho». 20 Jessé pegou cinco pães, uma vasilha com vinho e um cabrito, e mandou seu filho Davi levar tudo a Saul. 21 Davi chegou ao palácio e se apresentou a Saul; o rei ficou muito bem impressionado com ele, e o tornou seu escudeiro. 22 E Saul mandou dizer a Jessé: «Davi ficará a meu serviço, porque eu gosto dele». 23 Todas as vezes que o espírito de Deus atacava Saul, Davi pegava a harpa e tocava. Então Saul se acalmava, sentia-se melhor, e o espírito mau o deixava.

O que vemos neste versículo é que a Unção não estava na harpa, mas em quem tocava a harpa. Por isso digo a nossas canções também tem Unção, quando é tocada com unção, com zelo, com amor e misericórdia. Você também é o ungido do Senhor. Pois o Espírito Santo habita em você.. Basta deixá-lo fluir. 

E valorizar a música também da nossa Doutrina [Católica].

A música: Um poder de encanto poderoso!

“Alguns consideram que seduzi o povo com o encanto melódico de meus hinos. Obviamente, não me vou defender. Há neles, sem dúvida, um encanto poderoso.” (São Gregório Nazianzeno).



Músico: sua música arranca almas do inferno!

São Bernardo: “Não há homem do mundo, por mais duro de coração, que ao ouvir uma bela salmodia não sinta como um despertar de seu amor para as coisas de Deus. Indivíduos houve a quem o canto dos salmos, ouvido por simples curiosidade, fez derramar lágrimas de arrependimento e de conversão”.

Sua música converte!

Apresentando-se certa vez a São Carlos Borromeu um mouro de muito prestígio pedindo o santo Batismo, perguntou-lhe o Santo: “Quem vos moveu a abandonar a religião de Maomé para abraçar a de Jesus Cristo?” E obteve a seguinte resposta: “Tendo entrado por casualidade numa igreja de Beneditinos, em Ragusa, de tal modo me impressionaram as melodias do órgão e a beleza do canto, que pensei de mim para comigo: É impossível que seja falsa uma Religião que louva a Deus de forma tão admirável e com melodias tão suaves, e saí transformado”.



Um pessoa muito importante da Igreja que foi muito tocada pela música!

“Quanto chorei, ouvindo vossos hinos, vossos cânticos, os acentos suaves que ecoavam em vossa Igreja! Que emoção me causaram! Fluíam em meu ouvido, destilando a verdade em meu coração. Um grande impulso à piedade me elevava e às lágrimas corriam-me pela face, mas me fazia bem!”. (Santo Agostinho).

“Cantar é próprio de quem ama!” (Sto Agostinho)

Frase errada? “Quem BEM canta reza 2 vezes”.



Qualquer jeito? Nem pensar!

Salmo 32, 3: Cantai ao Senhor um cântico novo! Com arte sustentai a louvação!

...a música sacra será tanto mais santa quanto mais intimamente estiver ligada à ação litúrgica, quer exprimindo mais suavemente a oração, quer favorecendo a unanimidade, quer, enfim, dando maior solenidade aos ritos sagrados. A Igreja aprova e admite no culto divino todas as formas de verdadeira arte, conquanto que sejam dotadas das devidas qualidades. (SC 112)
Jesus cantava! Mt 26, 30 e Mc 14, 26

É hora de retomar o amor apaixonado pelo Senhor e deixar que Ele faça o novo naquilo que já estamos acostumados a fazer:



Declarações da Igreja sobre a Música

Quem pode ser músico na Igreja?

Papa São Pio X: (1903)“não se admita a fazer parte da capela musical senão homens de conhecida piedade e probidade de vida, os quais, com a sua devota e modesta atitude, durante as funções litúrgicas, se mostrem dignos do santo ofício que exercem” (Tra Le sollicitudini)



Finalidade da música sacra. – Como parte integrante que é da Liturgia solene – escreve Pio X (Motu próprio de 22 de novembro de 1903) – a música sacra tende ao mesmo fim da Liturgia, isto é, à glória de Deus e à santificação e edificação dos fiéis.

“A oração adota uma expressão mais penetrante; o mistério da sagrada liturgia e o seu caráter hierárquico e comunitário manifestam-se mais claramente, mediante a união das vozes chega-se a uma mais profunda união de corações; da beleza do sagrado o espírito eleva-se mais facilmente ao invisível; enfim, toda a celebração prefigura com mais clareza a liturgia santa da nova Jerusalém.” (Instrucao Musica Sacra et Sacra Liturgia, 1958).




A música não é só enfeite!

“O canto não constitui na liturgia um luxo, um elemento meramente decorativo. É um elemento primordial inerente ao caráter de festa”. (Instrucao Musicam Sacram, 1967)



Saber o que se canta!

“A língua cante e a mente trate de conhecer o sentido das palavras cantadas, para cantares com espírito e também com a tua mente” (São Clemente de Alexandria).

“A Deus não há que cantar com a voz, mas com o coração, nem é necessário tratar a garganta com doces remédios, como fazem os atores de teatro... é antes necessário cantar a Deus com temor, com as boas obras e com o conhecimento das escrituras. Mesmo que alguém seja desafinado, desde que tenha boas obras, para Deus é bom cantor!” ( São João Crisóstomo)

A Música faz esquecer a dor e o cansaço: Cantar “em línguas”.

“Cantar bem a Deus é cantar com júbilo. O que quer dizer cantar com júbilo? Entender, não poder explicar com palavras o que se canta no coração. Pois aqueles que cantam na colheita, na vinha, em algum trabalho pesado, começando a exultar de alegria por meio das palavras dos cânticos e estando repletos de tanta alegria que não podem exprimi-la, deixam as sílabas das palavras e emitem sons jubilosos. O júbilo é som significativo de que o coração está concebendo o indizível. E diante de Quem é conveniente tal júbilo senão diante do Deus infevável? Inefável aquilo de quem é impossível falar. Esse não podes falar e não deves calar, o que resta senão jubilar? O coração rejubila sem palavras e a imensidão da alegria não se limita às sílabas.” (São Jerônimo)



Na dor cante!

“Dias antes da sua morte, São Francisco estava enfermo em Assis, na casa episcopal, com alguns dos seus companheiros; e apesar de todas as sua enfermidades, cantava muitas vezes louvores a Cristo. Um dos seus companheiros disse-lhe: Pai, sabes que esta população te considera um santo homem e, por isso, podem pensar que, se és realmente o que eles julgam, deverias, na tua doença, pensar na morte e chorar em vez de cantar, uma vez que tens doença grave; concordarás que o teu canto e o que nos fazes cantar são ouvidos por muitas pessoas, dentro e fora do palácio.” (Santa Hildegarda de Bingen).



O inimigo odeia que cantemos!

“Quando o diabo enganador soube que o homem, sob a inspiração de Deus, começara a cantar e, desse modo, lembrava a doçura da pátria celeste, vendo que as maquinações da sua manha tinham ficado reduzidos a nada, ficou apavorado e atormentado. E começou a refletir e a procurar entre os múltiplos recursos de sua maldade, o modo de multiplicar as más sugestões pensamentos imundos ou distrações diversas, não só no coração do homem mas no próprio coração da Igreja, onde fosse possível para, através de contendas e escândalos ou ordens injustas, perturbar ou impedir a celebração e a beleza do louvor divino e dos hinos espirituais.” (São Bernardo de Claraval)

12 qualidades imprescindíveis para um BOM músico:


  1. Amar a Deus

  2. Humildade

  3. Ser pessoa de oração

  4. Saber sorrir

  5. Ter vida interior

  6. Inspirar segurança e confianca

  7. Ter bom ouvido musical

  8. Ser discreto

  9. Ser instrumento de Deus

  10. Ser paciente e persistente

  11. Bom senso

  12. Ser profeta

RARA CALMA
(intro) D Em G Em
D Bm

O tempo voou nem percebi



G

Mas sou o mesmo homem que



Em A D

Um dia você conheceu



Bm

A canção não esqueci



G

O menino que há em mim



Em A

Nasceu pra cantar



G A Bm Em A D

Chora como nunca pra sentir ainda estamos juntos aqui


(refrão)

A

Abro o coração



Bm

Coloco-me aos seus pés



G D

Noite escura agora é manhã



A

E falo com rara calma



Bm Bm7 G

Sou o que sou, sei que sou fraco, mas sempre



Em G A D

Tive você aqui perto de mim


D Bm

O espelho me diz que envelheci



G

E que mal pode existir



Em A D

Em ter histórias pra contar


Bm

Dos amigos que aqui fiz



G

Quanta coisa se passou



Em G A D

Ainda estamos juntos aqui


(refrão)
(solo 2x) D A/C# Em Gm
D A

Então eu abro o coração



Bm

Coloco-me aos seus pés



G D

Noite escura agora é manhã



A

E falo com rara calma



Bm Bm7 G

Sou o que sou, sei que sou fraco, mas sempre



Em G A G D

Tive você aqui perto de mim


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal