A doutrina da igreja



Baixar 377,52 Kb.
Página1/5
Encontro29.11.2016
Tamanho377,52 Kb.
  1   2   3   4   5

email – drausiosampaio@hotmail.com

iccaraxa@hotmail.com




IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLÉIA DE DEUS CAMINHANDO PARA O CÉU

Araxá MG



CURSO DE FORMAÇÃO DE OBREIROS

DISCIPULADO CRISTÃO

TEMA:

A DOUTRINA DA IGREJA

MINISTRAÇÃO:

Pr. Dráusio Sampaio Costa

Pr. Presidente ICC



A DOUTRINA DA IGREJA

Nomes Bíblicos da Igreja.

1. NO VELHO TESTAMENTO. O Velho Testamento emprega duas palavras para designar a igreja, a saber, qahal (ou Kahal), derivada de uma raiz qal (ou kal) obsoleta, significando “chamar”; e ‘edhah, de ya’adh, “indicar” ou “encontrar-se ou reunir -se num lugar indicado”.

Edhah é propriamente uma reunião resultante da combinação, e, quando aplicada a Israel, denota a sociedade propriamente dita, formada pelos filhos de Israel ou por seus chefes representativos, reunidos ou não. Por outro lado, Qahal denota propriamente a reunião de fato do povo. Consequentemente, vemos ocasionalmente a expressão qehal ‘edhah, isto é, “assembleia da congregação”, Ex 12.6; Nm 14.5; Jr 26.17. Vê-se que, às vezes, a reunião realizada era uma reunião de representantes do povo, Dt 4.10; 18.16, comp. 5.22, 23; 1 Rs 8.1, 2, 3, 5; 2 Cr 5.2-6.

Synagoge é a versão usual, quase universal, de ‘edhah na Septuaginta, e é também a versão usual de qahal no Pentateuco. Nos últimos livros da Bíblia [Velho Testamento], porém qahal é geralmente traduzida por ekklesia.

Eklesia, como o principal representante grego de qahal, naturalmente significaria para os judeus que falavam grego, tanto a congregação de Israel, como uma assembleia da congregação”

2. NO NOVO TESTAMENTO. O Novo Testamento também tem duas palavras, derivadas da Septuaginta, quais sejam, ekklesia, de ek e kaleo, “chamar”, “chamar para fora”, “convocar”, e synagoge, de syn e ago, significando “reunir-se” ou “reunir”. Synagoge é empregada exclusivamente para denotar, quer as reuniões religiosas dos judeus, quer os edifícios em que eles se reuniam para o culto público, Mt 4.23; At 13.43; Ap 2.9; 3.9. O termo ekklesia, porém, geralmente designa a igreja neotestamentária, embora nuns poucos lugares denote assembleias civis comuns, At 19.32, 39, 41.

No Novo Testamento, Jesus foi o primeiro a fazer uso da palavra, e Ele a aplicou ao grupo dos que se reuniram em torno dele, MT 16.18, reconheceram-no publicamente como seu Senhor e aceitaram os princípios do reino de Deus. Era a ekklesia do Messias, o verdadeiro Israel.



Eis os usos mais importantes da palavra:

a. Com muita frequência a palavra ekklesia designa um círculo de crentes de alguma

localidade definida, uma igreja local, independentemente da questão se esses crentes estão reunidos para o culto ou não. Algumas passagens apresentam a idéia de que se acham reunidos, At 5.11; 11.26; 1 Co 11.18; 14.19, 28, 35, enquanto que outras não, Rm 16.4; 1 Co 16.1; Gl 1.2; 1 Ts 2.14, etc.

b. Nalguns casos, a palavra denota o que se pode denominar ekklesia doméstica, igreja na casa de alguma pessoa. Ao que parece, nos tempos apostólicos, pessoas importantes por sua riqueza ou por outras razões separavam em seus lares um amplo cômodo para o serviço divino.

Acham-se exemplos deste uso da palavra em Rm 16.23; 1 Co 16.19; Cl 4.15; Fm 2.

c.Denota também um grupo de igrejas, a saber, as igrejas da Judéia, da Galiléia e de Samaria ( At 9.31). Naturalmente, isto ainda não significa que elas constituíam uma organização como a que atualmente chamamos denominação.

d. Num sentido mais geral, a palavra serve para denotar a totalidade do corpo, no mundo inteiro, daqueles que professam exteriormente a Cristo e se organizam para fins de culto, sob a direção de oficiais para isso designados. 1 Coríntios, 10.32; 11.22; 12.28, mas também Paulo na Epístola aos Efésios da ênfase seja à igreja como organismo espiritual; cf. especialmente Ef 4.11-16.

e. Finalmente, em seu sentido mais compreensivo, a palavra se refere a todo o corpo de fiéis, quer no céu quer na terra, que se uniram ou se unirão a Cristo como seu Salvador. Este uso da palavra acha-se principalmente nas cartas de Paulo aos efésios e aos Colossenses, mais freqüentemente na primeira destas, Ef 1.22; 3.10, 21; 5.23-25, 27, 32; Cl 1.18, 24.

3. OUTROS DESIGNATIVOS BÍBLICOS DA IGREJA

a. Corpo de Cristo. Ef 1.23; Cl 1.18, 1 Co 12.27

b. Templo do Espírito Santo ou de Deus 1 Co 3.16., Ef. 2.21, 22, I Pe 2.5.

c. A Jerusalém de cima, ou nova Jerusalém, ou Jerusalém celestial Gl 4.26; Hb 11.22; Ap 21.2;

d. Coluna e baluarte da verdade 1 Tm 3.15.

4. DEFINIÇÃO DA IGREJA:

a)“uma assembleia dos fiéis, convocada e reunida do mundo, uma comunhão de todos os santos, isto é, daqueles que verdadeiramente conhecem e retamente adoram e palavra do Espírito Santo, e que pela fé participam de todos os benefícios gratuitamente

oferecidos mediante Cristo”.

5. A IGREJA MILITANTE E A IGREJA TRIUNFANTE. Na presente dispensação ( da graça ), a igreja é militante, isto é, convocada para uma guerra santa, e de fato nela está emprenhada. Isto, naturalmente, não significa que ela deve gastar suas forças em lutas sangrentas de autodestruição, mas, sim, que tem o dever de levar avante uma incessante guerra contra o mundo hostil em todas as formas em que este se revele, seja na igreja ou fora dela, e contra todos os poderes espirituais das trevas ( Ef.6.12; MT.16.18b). A igreja não pode passar o tempo todo em oração e meditação, embora estas práticas sejam tão necessárias e importantes, nem tampouco deve parar de agir, no pacífico gozo da sua herança espiritual. Ela tem que estar engajada com todas as suas forças nas pelejas do seu Senhor, combatendo numa guerra que é tanto ofensiva como defensiva. Se a igreja na terra é a igreja militante, no céu é a igreja triunfante. Lá a espada é permutada pelos louros da vitória, os brados de guerra se transformam em cânticos triunfais ( AP.22.17), e a cruz é substituída pela coroa. A luta é finda, a batalha está ganha, e os santos reinam com Cristo para todo o sempre. Nestes dois estágios da sua existência, a igreja reflete a humilhação e a exaltação do seu celestial Senhor.

6. DISTINÇÃO ENTRE IGREJA VISÍVEL E INVISÍVEL

Quando falam de uma igreja visível e invisível, não se referem necessariamente a duas igrejas, mas a dois aspectos da igreja . Tem-se interpretado variamente o termo “invisível” como aplicável (a) à igreja triunfante; (b) à igreja ideal e completa,

como será no fim dos séculos; (c) à igreja de todas as terras e de todos os lugares, que o homem não tem nenhuma possibilidade de ver.

Esta igreja é dita invisível porque é essencialmente espiritual e, em sua essência espiritual, não a pode discernir o olho humano; e porque é impossível determinar infalivelmente quem não lhe pertence. A união dos crentes com Cristo é uma união espiritual; o Espírito que o une constitui um laço invisível; e as bênçãos da salvação, tais como a regeneração, a conversão genuína, a fé verdadeira e a comunhão espiritual com Cristo, são todas invisíveis aos olhos naturais; – e, todavia, estas coisas constituem a forma real (o caráter ideal) da igreja.

Naturalmente , a igreja invisível assume uma forma visível. Justamente como a alma humana se adapta a um corpo e se expressa por meio do corpo, assim a igreja invisível, que consiste, não de almas, mas de seres humanas que têm alma e corpo, assume necessariamente forma visível numa organização externa, por meio da qual se expressa. A igreja é visível na profissão de fé e conduta cristã, no ministério da Palavra e dos sacramentos, e na organização externa e seu governo.

É possível que alguns pertencem à igreja invisível nunca se tornem membros da organização visível, como as pessoas alcançadas pela ação missionária e convertidas em seus leitos de morte, e que outros sejam temporariamente excluídos dela, como crentes errantes por algum tempo afastados da comunhão da igreja visível. Por outro lado, pode haver pessoas não regeneradas que, apesar de professarem a Cristo, não têm a verdadeira fé nele, se achem na igreja como instituição externa; e estes, enquanto estiverem nestas cond3ições, não pertencerão à igreja invisível.

7.DOUTRINA DA PALAVRA:

Do ponto de vista teológico e doutrinário este conhecimento acima é de suma importância. Mas do ponto de vista para a salvação individual e coletiva é de importância secundária.

Assim iremos discorrer sobre a doutrina da igreja do ponto de vista da revelação da palavra, que é objetivo deste curso.


O governo espiritual da igreja:

A igreja tem um chefe, um governante, um dono, um rei, um cabeça, um noivo que sabemos ser Cristo.

Em MT.16.18 o próprio Cristo afirmou edificarei a minha igreja. Então Cristo é o dono da igreja, esta pertence a ele e somente a ele. Nenhum líder pode se dizer dono ou chefe da igreja pois esta pertence a Cristo. Os que consideram donos da igreja são na realidades donos da igreja visível que não irá subir, são donos, proprietários de prédios, de documentos, mas nada tem haver com a igreja de Cristo.

A igreja é o reino dos céus aqui na terra neste tempo da graça, cujo rei é o Senhor Jesus ( 1 Tm 6.15;Jô.18.33-37), até que ele se manifeste em glória onde todos nós o veremos e ele venha reinar sobre todas nações por mil anos.

Ele é o cabeça do corpo de Cristo.( Ef.1.22,23,; 4.15,16; Cl.1.18). O corpo é a igreja e ele é a Cabeça. Ou seja a cabeça é o órgão que governa o corpo, é onde estão os olhos para nos mostrar a direção que a igreja deve seguir, é onde esta a mente, para nos mostrar como devemos pensar e agir, onde estão os ouvidos para filtrar o que devemos ouvir, onde esta a boca para nos mostrar o que devemos anunciar e falar.

Não existe o corpo com duas cabeças, ou Cristo é o cabeça ou outro.

Ele é o noivo e a igreja é a noiva ( AP. 21.9). Assim a noiva deve total submissão ao noivo. Ela se prepara para encontrar com o noivo, deve estar adornada , santa, irrepreensível para o glorioso encontro.
Como a igreja deve ser construída, edificada.
1) MT.16.16E Simão Pedro, respondendo, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo. 17E Jesus, respondendo, disse-lhe: Bem-aventurado és tu, Simão Barjonas, porque não foi carne e sangue quem to revelou, mas meu Pai, que está nos céus. 18Pois também eu te digo que tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela. 19E eu te darei as chaves do Reino dos céus, e tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus.

A igreja deve ser edificada, segundo o próprio Jesus, sobre esta pedra ou seja esta palavra, ou esta revelação de que Cristo é o Messias prometido o filho de Deus . Ou ainda ele deve ser edificada sobre a rocha que é Cristo.

Ele é a pedra fundamental da construção, onde toda a construção deve estar sobre ELE, não há lugar para outro fundamento.

2) 1 Co.3.9 Vocês são também o edifício de Deus. 10Usando o dom que Deus me deu, eu faço o trabalho de um construtor competente. Ponho o alicerce, e outro constrói em cima dele; porém cada um deve construir com cuidado. 11Porque Deus já pôs Jesus Cristo como o único alicerce, e nenhum outro alicerce pode ser colocado. 12Alguns usam ouro ou prata ou pedras preciosas para construírem em cima do alicerce. E ainda outros usam madeira ou capim ou palha. 13O Dia de Cristo vai mostrar claramente a qualidade do trabalho de cada um. Pois o fogo daquele dia mostrará o trabalho de cada pessoa: o fogo vai mostrar e provar a verdadeira qualidade do trabalho. 14Se aquilo que alguém construir em cima do alicerce resistir ao fogo, então o construtor receberá a recompensa. 15Mas, se o trabalho de alguém for destruído pelo fogo, então esse construtor perderá a recompensa. Porém ele mesmo será salvo, como se tivesse passado pelo fogo para se salvar.

Juntando este texto , mas o contexto bíblico sobre a construção da igreja entenderemos que os apóstolos colocaram o alicerce que é Cristo, mas sobre ele, elas já iniciaram a construção e nós devemos construir sobre esta base e não devemos colocar outras bases, além é claro de não podermos colocar outro alicerce. Por exemplo não podemos colocar sobre Cristo os ensinos da lei, os apóstolos já nos mostraram que ela se cumpriu em Cristo, que ela foi abolida. Então devemos fazer a nossa construção com as pedras preciosas, ouro e prata para sermos galardoados. Não devemos inventar a roda, criar outros cômodos, ou outras bases, porque os apóstolos e escritores da bíblia já o fizeram.

Devemos tomar cuidado com as bases criadas pelo homem moderno tais como teologia, costumes, denominações, votos, liturgias e muitas outras. Estas não podem ser a base nem o alicerce da edificação de uma igreja porque seria anti-bíblico. Alguns estão construindo verdadeiros labirintos que certamente não é a igreja de Cristo, labirintos estes sem saída para o céu, ou seja a única saída dele poderá ser o inferno.

Toda construção feita por nós, seja individualmente ou como igreja será provada pelo fogo. Este fogo, simbolizando, uma prova de fogo, se nós fizemos a obra por exemplo por amor a Cristo , a sua palavra, as almas, ao próximo ou para receber recompensas dos homens, por vaidades, por poder, pelo dinheiro, por cargos...

3) Os perigos de acrescentar ou tirar algo da palavra de Deus.



AP.22.18Eu, João, aviso solenemente aos que ouvem as palavras proféticas deste livro: se alguma pessoa acrescentar a elas alguma coisa, Deus acrescentará ao castigo dela as pragas descritas neste livro. 19E, se alguma pessoa tirar alguma coisa das palavras proféticas deste livro, Deus tirará dela as bênçãos descritas neste livro, isto é, a sua parte da fruta da árvore da vida e também a sua parte da Cidade Santa.

Apesar desta passagem se referir a estas profecias dadas a João, em Dt. 4,1,2, o Senhor dá o mesmo aviso ao povo de Israel sobre acrescentar algo sobre a sua palavra, isto nos ensina os perigos de acrescentar ou tirar alguma coisa da palavra, ir além do que ele ensinou ou mandou. Este aviso , estas maldições, certamente estarão sobre a vida daqueles que teimam em acrescentar ou tirar na construção da igreja de Cristo.

O condutor da igreja de Cristo aqui na terra neste tempo da graça é o Espírito Santo de Deus, assim Ele deve ser o direcionador do que a igreja deve fazer, por qual caminho prosseguir, como deve crescer...

Existem igrejas e igrejas, ministérios e ministério. Alguns são segundo os corações dos homens , outros são segundo os interesses da lideranças, mas uma igreja deve ser e segundo o coração de Deus. Construir obedecendo e temendo a Deus. A exemplo do reinado de Davi, que em tudo obedeceu a direção de Deus, e outros reis que não foram segundo o coração de Deus .

Resumo: Paulo ensinou- 1 Co.3.10Usando o dom que Deus me deu, eu faço o trabalho de um construtor competente. Ponho o alicerce, e outro constrói em cima dele; porém cada um deve construir com cuidado. 11Porque Deus já pôs Jesus Cristo como o único alicerce, e nenhum outro alicerce pode ser colocado.

O CORPO DE CRISTO:
1 Co.10.16Pensem no cálice pelo qual damos graças a Deus na Ceia do Senhor. Será que, quando bebemos desse cálice, não estamos tomando parte no sangue de Cristo? E, quando partimos e comemos o pão, não estamos tomando parte no corpo de Cristo? 17Mesmo sendo muitos, todos comemos do mesmo pão, que é um só; e por isso somos um só corpo.

Quando bebemos o cálice do vinho na Santa Ceia estaremos tomando parte no sangue de Cristo, que morreu para o perdão de nossos pecados. E quando partimos e comemos do pão estaremos tomando parte do corpo de Cristo. Não importa quanto somos, quem somos, qual nacionalidade ( 1 co.12.13), mas comemos do mesmo pão e nos fazemos participantes do único Corpo de Cristo.

Em 1 Co.11.24, mas uma vez nós vemos que o pão simboliza o Corpo de Cristo que foi partido na Cruz , pelo próprio Cristo em favor de muitos.

Primeiro Cristo se deu , deu o seu corpo a nosso favor para depois nós nos tornamos participantes do seu corpo, isto implica em termos comunhão primeiro com ELE e depois participarmos do Corpo de Cristo que é a igreja.

Assim começamos a penetrar no mistério da igreja como Corpo de Cristo. A igreja é um organismo vivo, como um corpo vivo, onde nós somos membros um dos outros e Cristo é a cabeça deste corpo. Isto também é discernir o corpo de Cristo.

Quem participa da Santa Ceia sem discernimento, e isto inclui discernir o que seja o mistério da igreja, sem discernir o acontecimento, sem compreender com quais objetivos a igreja foi criada e estabelecida não estará também discernindo o corpo de Cristo e será culpado de pecar contra o corpo e o sangue do Senhor ( 1 Co.11.27,29; 2.13-15).

Quero lembrar que o assunto que estamos estudando é a igreja e não a Santa Ceia, assim em outra oportunidade entraremos também nos demais significados do discernir o corpo e o sangue de Cristo.

Dando sequencia ao estudo do corpo de Cristo Paulo nos ensina:



Em 1 Co.12. 11 Mas um só e o mesmo Espírito opera todas essas coisas, repartindo [ dons] particularmente a cada um como quer.

12 Porque, assim como o corpo é um e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, são um só corpo, assim é Cristo também.

A frase “ assim é ...também” ( houtos kai) nos alerta metaforicamente sobre a natureza da igreja. Se pela fé nos unimos a Cristo ( Rm 5.1, Ef.2.8) em uma união indissolúvel agora Paulo nos revela que estamos interligados, inter-relacionados uns com os outros como membros de um mesmo corpo. Estamos unidos entre si em um relacionamento orgânico, como aqueles que existem entre os membros e órgãos de um corpo humano.

Assim não podemos ser cristãos isolados um dos outros, devemos funcionar junto com eles. Não podemos cumprir a nossa missão como igreja se não funcionarmos como um corpo humano, interdependentes um do outro. Se um sofre sofremos juntos, se um se alegra nos alegramos juntos. Isto é funcionarmos como um corpo humano.

A cidade de corinto era uma próspera cidade portuária, rica por conta do comércio, e uma cidade nova por que havia sido reconstruída em 46 a.c. O povo que ali habitavam, tinham o retrato de uma cidade de hoje , por que tinham uma comunidade atarefada e apressada, ativa, e próspera, habitada por homens e mulheres ambiciosos, ansiosos por prosperar e serem bem-sucedidos. Assim os homens e mulheres dali queriam se estabelecerem como membros de prestígio dentro da nova comunidade cristã. Paulo escreveu esta epístola para esclarecer o verdadeiro sentido de ser cristão e para corrigir algumas distorções praticadas pelos corintos.

Dentro desta igreja um grupo reivindicava superioridade porque sua lealdade era dedicada a um líder humano mais impressionante ( capítulos de 1-4). Outro reivindicava ser mais espiritual porque seus membros abstinham-se do sexo no casamento ( capítulo 7 ). E ainda outro, porque seus membros não comiam a carne provenientes dos mercados pagãos ( capítulo 8 ). Outros reivindicavam a superioridades por causa da sua posição superior na sociedade ( capítulo 11), enquanto outro grupo protestava que eram evidentemente mais superiores porque seus membros falavam em línguas ( capítulo 12-14). Assim Paulo deixa claro que a igreja deve ser uma , o corpo vivo de Cristo na terra. O que conta é que você é de Cristo, e que devemos crescer vivendo como um corpo único de nosso Senhor Jesus Cristo.

Somos chamados por Cristo para sermos um povo santo de Deus ( 1 Co.1.2), não devendo estabelecer um curso divididos, independentes, como os coríntios fizeram. Os que assim o fazem abandonam o chamado da igreja para serem uma comunidade de fé santa e unificada.

Paulo, pelo Espírito de Deus, nos ensinou: que não haja entre vós dissensões ( 1 Co 1.10), isto é rachaduras entre o corpo, dentro o corpo. Não se refere a divisão denominacionais de hoje, mas as divisões entre os irmãos dentro do próprio corpo, ou de desconsiderarmos os outros irmãos das outras denominações nos julgando superiores.

Somos um só corpo e o que nos unem, nos liga, nos mantém unidos é o Espírito Santo de Deus, mesmo que estejamos dentro de denominações diferentes.

Nos capítulos de 1 Coríntios Paulo trata do corpo de diversas maneiras, as vezes usando linguagem figurada, as vezes uma analogia, as vezes significando o corpo humano, as vezes o corpo espiritual , as vezes usando dois significados e as vezes usando de trocadilhos.

No capítulo 3 desta epístola vimos Paulo ensinando a igreja de diversas formas. Ele refere a igreja como: pessoas espirituais, pessoas carnais, sois carnais, estais agindo como a carnais. Depois ele diz que quem dá o crescimento pessoal e na igreja é Deus. Continua Paulo ensinando: que ele como prudente construtor lançou o alicerce da igreja que é Cristo. E se a obra que alguém fizer para Deus em prol do crescimento da igreja queimar { lá no tribunal de Cristo] não receberá galardões, depois ele diz no vs. 16: não sabeis que sois santuário de Deus, outra tradução diz templo de Deus, no original grego significa lugar santíssimo, e que o seu Espírito habita em vós.Vs.17. Se alguma pessoa destruir o santuário de Deus, este o destruirá; pois o santuário de Deus que sois vós, é sagrado. Isto se refere aqui a igreja. Então fica assim: se alguém destruir a igreja onde o Espírito Santo habita, Deus o destruirá. Paulo esta afirmando que se alguém profanar a igreja local por divisões e dissensões é digno de morte ( 1 Co.1.11-12; Nm 19.20; Lv.15.31).

Aqui não se refere a rebelião somente, mas em divisões de grupos, separando uma parte do corpo de outra parte e por conseguinte do cabeça que é Cristo.

Quando desconsideramos outro irmão, ou outros dons espirituais, é como desconsiderarmos as partes inferiores do corpo humano. Assim como protegemos e cobrimos estas partes, aos fracos, as “inferiores” devemos é protegê-los, estar ligados a eles como a irmãos, amá-los, porque não existiremos sem eles. Se os desconsideramos deixamos de ser um corpo único. Deixamos de funcionar como um corpo humano, um corpo espiritual.

Também não significa que não podemos ter opiniões divergentes, o que não devemos é deixar que estas opiniões nos causem rachaduras, rasgo. E perdermos a capacidade de testificar do amor de Cristo, é destruir a igreja como uma verdadeira comunidade de viver para Deus.

Cristo nos libertou da escravidão do pecado ( Jo.8.31-36), nele e em sua nova aliança [ cálice da nova aliança] fomos liberto da lei de Moisés que nos escravizava em ordenanças ( Gl.5.1) para vivermos uma vida para agradar a Deus. Se escolhermos viver uma nova vida com Cristo devemos viver uma vida paciente, amorosa, boa e fiel. A liberdade cristã não é uma liberdade para fazermos aquilo que quisermos, mas para renunciarmos a nossos direitos por consideração aos outros, para o bem estar espiritual dos outros.

No AT, isto é na antiga aliança, o mandamento era : amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos. Isto é a justiça de Deus se manifestava na vida dos judeus quando eles estavam amando uns aos outros como a eles mesmos. O amor deles pelo próximo seria da mesma forma que eles amavam a eles próprios .Assim como eu não faço mal a mim mesmo não devia fazer mal aos outros( Lv.19.18). Agora é diferente na nova aliança, por que Cristo deixou um novo mandamento( Jo.13.34,35): que ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, assim conhecerão que sois meus discípulos. Este amor é superior ao amor do AT, agora devemos amar uns aos outros, mais que a nós mesmos, porque Cristo nos amou de uma forma que deu a sua vida por nós, acima de seus próprios interesses. Esse é o novo amor que deve operar dentro da igreja de Cristo, é por isso que a igreja deve funcionar como um corpo humano, uns membros mais fortes protegendo os mais fracos [exemplo quando temos fome a mão leva o alimento até a boca, esta ao estomago para saciar a sua necessidade]..A prova que Cristo esta em nós é esse amor sacrificial.

Em 1 Co.12.12 em diante Paulo nos dá mais detalhes de como deve funcionar a igreja como organismo espiritual. Cada irmão ou irmã tem alguma coisa de especial para contribuir com a igreja, como os membros do corpo humano. Cada crente tem uma habilidade, dada pelo espírito Santo de Deus, que pode contribuir para o bem estar dos outros. Precisamos estender as nossas mãos para cuidar de nossos irmãos e irmãs cristãos, assim o Espírito Santo operará através de nós e os outros serão abençoados.

Em 1 Co.12.13 nos mostra que a presença do Espírito Santo em nós forma em um corpo. Ele é o mecanismo que nos une.

Os dons dado por Deus a nós, nos equipa para a obra do Senhor, e o Espírito Santo os reparte na igreja para o que lhe for útil, ou seja como ele quer(12.18). Isto não nos torna mais espirituais ou mais importante do que outros membros, mas somente deixa claro o papel que devemos ocupar dentro do corpo de Cristo, a igreja.

Já em 1 Co 12.24, Paulo mostra o papel dos membros deste corpo, quando ele se refere aos membros do corpo humano que tem falta de honra, somo os que mais honramos. Por exemplo costumamos cobrir os órgãos sexuais, que são membros não apresentáveis. Quando o intestino fala mais alto damos mais honra a ele correndo para o banheiro. Da mesma forma a igreja deva dispensar atenção especial aos irmãos cujo dons não são tão apresentáveis ou aos que precisam ser fortalecidos, cuidados de suas feridas, aos caídos levantar. Em Ezequiel 34.15,15 Deus nos ensina aos pastores a apascentar o rebanho, a quebrada ligarei, a desgarrada tornar a trazer. Ele adverte aí dos pastores que as fizeram errar e as deixaram desviar (Jr,23.1,2;50.6), e aos que apascentam a si mesmos e dominam sobre elas com rigor e dureza( Ez 34.1-6).

Como obreiros em formação e futuros pastores devemos atentar a estes ensinamentos, e como membros do corpo de cristo devemos cuidar uns dos outros da mesma forma que os membros de nosso corpo.

Resumo: 1 Co.12.22 O fato é que as partes do corpo que parecem ser as mais fracas são as mais necessárias, 23e aquelas que achamos menos honrosas são as que tratamos com mais honra. E as partes que parecem ser feias recebem um cuidado especial, 24que as outras mais bonitas não precisam. Foi assim que Deus fez o corpo, dando mais honra às partes menos honrosas. 25Desse modo não existe divisão no corpo, mas todas as suas partes têm o mesmo interesse umas pelas outras. 26Se uma parte do corpo sofre, todas as outras sofrem com ela. Se uma é elogiada, todas as outras se alegram com ela.

27Pois bem, vocês são o corpo de Cristo, e cada um é uma parte desse corpo.




DESMISTIFICANDO A PALAVRA:
a) Deus não traz confusão

Tomando como base 1 Co.14.33 transformaram-se em um dogma a frase acima e utilizam este suposto versículo para explicarem e defenderem muitos pensamentos humanos e carnais, ou mesmo para se defenderem das verdadeiras revelações de Deus.

Quando alguns tradutores da bíblia em algumas versões usam a palavra confusão confundem a mente de muitos. Nos originais gregos e dentro do contexto esta a elucidação da palavra ou do texto.

Em 1 Co. 14.33 por exemplo Paulo não disse que Deus não traz confusão , mas que Deus não é Deus de desordem, e que aquela desordem no culto do falar em línguas todos ao mesmo tempo, cada um querendo se autopromover por ter este dom , ou dos profetas querendo todos profetizarem ao mesmo tempo, tornando o culto uma verdadeira desordem, não vinham de Deus a desordem , mas da meninice do coríntios, da sua falta de entendimento da palavra e do que era um culto. Paulo esta dizendo, ensinando que Deus era um Deus de ordem, e que deveria ter ordem no culto.

Já em Rm 5.5 , quando diz que a esperança não traz confusão, ele esta afirmando, segundo a versão da King James, que a esperança não nos decepciona, isto é não traz ilusão, ela nos traz a certeza que Ele jamais nos decepcionará e a confiança em Deus não é como uma confiança no homem que nos decepciona.

Em Rm 9.33 onde diz que:... mas aquele que nela [ a pedra de tropeço que é Cristo] confia jamais será confundido, a tradução é jamais será envergonhado. ELE é a certeza da salvação.

Por outro lado vemos na bíblia que Deus traz confusão. Vejamos em Gn 11.7: Vinde, desçamos e confundamos ali a sua linguagem, para que um não entenda a linguagem de outro. Aqui Deus trouxe a confusão das línguas.

Em Ex. 23.27 Enviarei o meu terror diante de ti, confundindo a todo povo onde entrares; farei que todos os teus inimigos te voltem as costas. 28Também enviarei vespas diante de ti, que lancem os heveus, os cananeus e os heteus de diante de ti. Deus por várias vezes trouxe confusão aos inimigos de seu povo como neste exemplo.

Também em Sl.2.5Na sua ira, a seu tempo, lhes há de falar e no seu furor os confundirá. Aqui o salmista fala da confusão que o Senhor fará aos inimigos ( nações) do seu ungido e de seu povo .

Aqui em At.19.28Ouvindo isto, encheram-se de furor e clamavam: Grande é a Diana dos efésios! 29Foi a cidade tomada de confusão, e todos, à uma, arremeteram para o teatro, arrebatando os macedônios Gaio e Aristarco, companheiros de Paulo., a pregação de Paulo trouxe grande tumulto, ou seja grande confusão.

Por muitos lugares que Jesus passou houve tumulto, ou seja confusão, e até mesmo entre os religiosos da época.

Tenhamos cuidado quando ensinarmos ou pregarmos que Deus não é Deus de confusão, devemos explicar para não confundirmos as pessoas.

b) Nós temos o livre arbítrio:

Trata-se de outra doutrina de muitos pregadores e ensinadores da palavra, mas se não bem empregada ou explicada só servem para confundir a mente do povo de Deus.

Acho ainda pré-maturo entrar na doutrina da salvação neste momento, assim gostaria de trazer em discussão o livre arbítrio depois da salvação, ou seja depois de aceitarmos a Jesus.

Vejamos se Jonas teve livre arbítrio. Ou ele pregava para Nínive ou ele pregava em Nínive, ele tomou outra direção e quase morreu, tendo que voltar e pregar em Nínive.

E Paulo quando chamado por Jesus teve livre arbítrio ?

E Jeremias ao ser convocado por Deus para profetizar Jr.1.1-10, ?

A bíblia nos chama de servo do Senhor, e servo é um escravo, e escravo ou obedece , ou obedece.


O SOFRIMENTO DE CRISTO TERMINOU?

Paulo em suas doutrinas sobre a igreja, em primeiro a coríntios nos ensinou como a igreja deva proceder, em efésios revelou o mistério que estava oculto que é a igreja, como uma comunidade que uniria a Israel e os gentios em um único reino separados para o louvor e adoração a Deus, e em colossenses 1.24 ele fala do resto das aflições de Cristo. (24Regozijo-me, agora, no que padeço por vós e na minha carne cumpro o resto das aflições de Cristo, pelo seu corpo, que é a igreja;) .

Paulo neste capítulo de colossenses revela que ele sofre pela a igreja completando o sofrimento de Cristo. Mas vejamos: se Paulo sofria pela igreja, os atuais fiéis ministros também sofrem, se a igreja de ontem e de hoje sofre as perseguições, e sendo ela o corpo de Cristo então Cristo ainda sofre pela igreja. Não me refiro ao sofrimento devido ao sacrifício na cruz pois este foi completo e suficiente, “ esta consumado”, mas dentro da revelação de Paulo da igreja como um corpo e Cristo sendo a cabeça deste corpo, Se um membro sofre os demais sofrem também porque estamos ligados em uma ligação orgânica , assim Cristo como o principal membro deste corpo,a cabeça, sofre devido aos nossos sofrimentos também.

Paulo esta dizendo que Cristo sente cada uma das suas dores. Ele talvez esteja também lembrando da sua viajem a Damasco quando perseguia os cristãos e Cristo lhe perguntou : Porque me persegues ( At. 9.4). ao perseguir os cristãos Paulo estava também perseguindo a Cristo. Ao ver a igreja e seus membros sofrerem por Ele certamente Cristo também sofre pelas nossas dores.

Em João 17 Cristo ora pelos discípulos dizendo no verso 11: para que sejam um, assim como somos um. Se Cristo se faz um com Deus, e se somos um só corpo e quando Cristo se faz um conosco , sofrendo nós ,Ele também sofre. Alegrando-nos n’Ele, Ele também se alegra.

Em Efésios 4.17-31 Paulo fala dos diversos pecados e que estes quando cometidos por nós entristecem o Espírito Santo ( vs.30). Se o Espírito se entristece devido aos nossos pecados ( dos crentes), Cristo sendo um com o Espírito Santo também se entristece quando pecamos e nos afastamos de Deus e de sua palavra. Por conseguinte nós crentes e a igreja entristecem a Cristo quando pecamos e nos desviamos de seus verdadeiros caminhos e objetivos.




A DOUTRINA DO AMOR
Dt.6.5Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força.
Tanto neste versículo como em Marcos 12.30 vimos o grande mandamento, ou o primeiro de todos os mandamentos o de amar a Deus completamente de todo o nosso ser. Apesar de ser um pouco difícil o estudo de alma e corpo na bíblia, com muitas controvérsias, doutrinas de homens, exegese e explicações da hermenêutica, analisando este versículo dentro do contexto da bíblica entenderemos que Deus requer de nós um amor incondicional e completo a ELE, tanto na alma, como no espírito e no corpo.

È este tipo de amor que o Senhor requer do seus servos e gostaria de receber da humanidade.

Enquanto Paulo, este grande homem de Deus, em romanos cap. 7 , fala da sua luta na carne, que ela deseja o mal, o pecado, e diz ainda miserável homem sou por isso, Davi no salmo 63 no vs. 1 diz : a minha alma tem sede de ti; a minha carne te deseja muito. Davi estava no deserto de Judá, mas a sua sede era na alma e tinha sede de Deus e o seu corpo na sequidão do deserto desejava não água, mas Deus. Talvez este seja um dos maiores exemplos do amor na carne a Deus.

Já Jó quando perdeu tudo adorou a Deus com suas palavras:... o Senhor o deu e o Senhor o tomou; bendito seja o nome do Senhor.

Deus deve ocupar o primeiro lugar em nossas vidas, deve estar acima de tudo inclusive das circunstancias.
O QUE DEUS EXIGE DE NÓS ?
Ela é explicada em Dt. 10.: Agora, pois, ó Israel, que é o que o SENHOR, teu Deus, pede de ti, senão que temas o SENHOR, teu Deus, e que andes em todos os seus caminhos, e o ames, e sirvas ao SENHOR, teu Deus, com todo o teu coração e com toda a tua alma,

Isto é: Temor a ELE, andar em todos seus caminhos, o ame, e o sirva de todo o nosso coração e de toda a nossa alma. ELE requer adoração somente a ELE.

Este amor, ou esta exigência foi ratificada em MT.22.37.
QUAIS SÃO AS BENÇÃOS QUE VEM DO AMOR A DEUS ?


  1. Ne.1.5( NTLH) – ELE é fiel e guarda a aliança feita com ELE

  2. Sl.145.20 – ELE guarda a todos o que o amam

  3. 1 Co.2.9 Porém, como dizem as Escrituras Sagradas: “O que ninguém nunca viu nem ouviu, e o que jamais alguém pensou que podia acontecer, foi isso o que Deus preparou para aqueles que o amam.” Nós seremos recompensados com toda a sorte de bênçãos que esta preparada nos céus: galardões, coroas, vida eterna...

  4. 1 Co.8.3. Nós somos conhecidos dele.

  5. 1 Jo – Nós passamos da morte para a vida,

UM CAMINHO MAIS EXCELENTE:


E agora, passo a vos mostrar um caminho ainda excelente, escreveu Paulo.

Em 1 Co.13, Paulo fala do amor ágape, o amor que vem de Deus, o amor sacrificial. Nós vemos o amor fraternal e sacrificial de muitos se esfriarem, por causa das iniquidades, das provações e privações, pelo embaraço com as coisas desta vida. Mas o que vemos aumentar é o amor sensual, o amor pelo dinheiro, o amor interesseiro, o amor pelos bens desta terra, o amor pelo poder, que cresce muito dentro das denominações religiosas.

Amar a Deus sobre todas as coisas e de todo o nosso coração e ao próximo como a nós mesmos ( MT 22.37-40), não pode ficar em segundo plano .

É comum em algumas denominações disciplinar os membros por desobediência a “doutrina” da igreja, talvez o certo fosse disciplinar por este dois motivos : a falta de amor sacrificial e fraternal. Se isto fosse colocado em prática quantos membros restariam nas igrejas, nas tribunas e nos púlpitos, ?


Ainda que eu fale as línguas dos seres humanos e dos anjos, se não tiver amor, serei como o sino que ressoa ou como o prato que retine”.
Um peixe ao ser retirado da água, ele pula, pula, pula muito. Aparentemente para um olhar despercebido ou infantil, ele estaria pulando de alegria, ou estaria demonstrando vitalidade, mas na verdade ele está morrendo. Quando muitos estão falando em línguas, fazendo aviãozinhos, um barulho tremendo, mas não demonstram o amor sacrificial, na verdade poderão estar pulando para a morte e não para a vida eterna. Muitos dos que estão pulando, poderão estar pulando para o inferno e está faltando coragem para dizer-lhes.

SEM AMOR NÃO ENTRAREMOS NO CÉU. Estaremos desobedecendo os dois mandamentos de Cristo. A falta de amor demonstra que ainda estão reinando em nós as obras da carne, contra as quais, disse Paulo, vos advirto, como já vos preveni antes, os que as praticam não herdarão o Reino de Deus.



Mesmo que eu possua o dom de profecia e conheça todos os mistérios e toda a ciência, e ainda tenha uma fé capaz de mover montanhas, e não tiver amor, nada serei.

Escrevendo aos gálatas, Paulo ensina sobre o fruto do Espírito, que é o amor, alegria, paz, paciência, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio.

Estas são as principais razões para a frieza espiritual nas igrejas, está faltando o ensino e a busca das virtudes do fruto do Espírito.

Pelos seus frutos os conhecereis, disse o Senhor Jesus, em MT. 7.16.

A palavra perfeição também significa maturidade espiritual, então devemos buscar esta maturidade, e o Espírito Santo nos acrescentará o fruto do Espírito, mas temos que ensinar a igreja a buscá-lo.

Os que pertencem a Cristo Jesus crucificaram a carne com as suas paixões e seus desejos.


O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, nem é arrogante.

Não se porta de maneira inconveniente, não age egoisticamente, não se enfurece facilmente, não guarda ressentimentos.

O amor não se alegra com a injustiça, pois a sua felicidade está na verdade.

Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

Nós vemos a humanidade se esvaziar totalmente do amor fraterno, quem diria do amor sacrificial, conforme fala a palavra de Deus isto é devido a iniqüidade reinante na face da terra , pelo crescimento do mau, pela aproximação do aparecimento homem da iniqüidade (homem de satanás) que reinará por cerca de sete anos , conhecido biblicamente pela besta. Pela televisão e pelas nossas redondezas vimos o desamor frutificando, o ódio e principalmente o egoísmo, a violência,e as leis legalizando o pecado.

Biblicamente no princípio o diabo foi chamado de uma serpente, já no livro de apocalipse é chamado de dragão, cresceu. Da mesma forma nestes tempos difíceis Deus requer de nós, de sua igreja o crescimento do amor sacrificial e fraternal para contrastar o desamor da humanidade. Do mesmo modo que em determinado momento Deus requereu do povo de Israel o aumento da caridade hoje também as condições nos levam ao mesmo chamado de caridade no sentido de ajudar ao próximo e ao amor no sentido bíblico. Não adianta rejeitar e não fazer a caridade por causa das falsas caridades que vimos ao nosso redor pregado e ensinado como salvação, mas o crente fiel, salvo pela fé precisa demonstrar as obras da fé, isto é, as atitudes cristãs, mesmo que a humanidade esteja em sentido contrário. A bíblia fala que fé sem obras é morta. Atentemos primeiramente dentro da própria igreja e depois para o resto da humanidade. Não nos contaminemos pelo desamor, pelas falsas obras ou pela salvação pelas obras, mas não abandonemos o AMOR , CARIDADE E A RETIDÃO. Quanto mais cresce a iniqüidade na humanidade mas devemos demonstrar amor e caráter de Cristo.Esse talvez hoje seja o nosso maior desafio como igreja .

Pelos frutos os conhecereis.

As pessoas insistentemente tem se perguntado por que tantas provações e privações, talvez a principal resposta esteja aqui, é uma poda de Deus para que dêem mais frutos e para adquirirmos o verdadeiro caráter de Cristo.

TESTE- ANÁLISE CRÍTICA :


Observando o que já estudamos sobre a doutrina de igreja, na matéria a Doutrina da Igreja I, comente em grupo as doutrinas da denominação abaixo:

  1   2   3   4   5


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal