A besta dos mil anos



Baixar 0,9 Mb.
Página1/20
Encontro31.01.2018
Tamanho0,9 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   20


A BESTA DOS MIL ANOS

CAPÍTULO 1

A maior e a mais impressionante tapeçaria do mundo foi o tema da palestra do curador do Castelo de Angers, na 21a edição do Festival de Jornalismo, promovido

anualmente pela prefeitura da histórica capital de Anjou, situada no Vale do Loire, na França, com seus majestosos castelos e deliciosos roses.

— Meus amigos, tenho a honra de estar aqui, no Palácio das Artes, para lhes falar da grandiosa tapeçaria inspirada no último livro do Evangelho, ou melhor,

no Apocalipse, segundo São João. Uma obra belíssima que transcende os valores feudais e a imaginação, e era somente exibida nas grandes ocasiões festivas da

realeza para mostrar o poder e o luxo dos príncipes de Anjou. Também tenho orgulho de lhes falar do Castelo de Angers, essa inexpugnável fortaleza militar, construída

por uma mulher guerreira, a regente Blanche de Castille. Atualmente, o castelo abriga a tapeçaria do Apocalipse e o Museu de Armas Medievais, que reúne a mais

completa coleção de bestas de guerra da França, esta abençoada terra de François Villon, Pierre de Ronsard e Joachim du Bellay...

A partir daí, inicia-se, na noite de 13 de outubro de 2006, uma longa viagem através do tempo feita pelo renomado historiador e curador Ferdinand Rochemont de

Sailly, auxiliado pelo padre Antoine Duvert, ambos palestrantes no auditório do Palácio das Artes. Inicialmente, apresentou-se uma explanação sobre como se deu

a anexação da província de Anjou ao reino da França, em 1204, e como a regente Blanche de Castille, que reinou de 1221 a 1244, mãe de dez filhos, mandou construir

uma colossal fortaleza, com as dezessete torres, para resistir às ameaças e ambições do então rei da Inglaterra, Henrique III. O curador teceu loas à beleza

e sabedoria da regente, celebradas em versos e cantigas medievais, pois ela possuía a mesma autoridade e determinação soberana de Catarina II, da Rússia, conhecida

como Catarina, a Grande.

Depois, o curador, de blazer e gravata borboleta, resgatou a tumultuosa vida de Luís I de Valois, duque de Anjou e Touraine, rei de Nápoles (Napoli), Itália,

e conde de Provença (Provence), França, o segundo filho do rei João II, o Bom, e irmão de Carlos V, o Sábio, ambos reis da França, dinastia de Valois. Contou

que durante o período de dominação inglesa e da Guerra dos Cem Anos, Luís I, mesmo residindo pouco tempo no Castelo de Angers, encomendou, em 1373, a famosa

tapeçaria do Apocalipse aos ateliês parisienses de Nicolas Bataille, que levaram nove anos para concluí-la. Projetou então diversos textos e fotos para ilustrar

a saga do nascimento e da destruição e ressurreição das cinzas da mais famosa tapeçaria medieval francesa. Não se intimidou em censurar o filho de Luís II,

Renê, o último duque de Anjou, a morar no castelo, também conhecido como Renato I de Anjou, duque de Lorena (Lorraine), França, e rei de Nápoles, o Bom Rei

Renato (Le Bon Roi Renê), que doou a tapeçaria, em testamento, aos dignitários eclesiásticos da Catedral de Angers, dedicada a São Maurício, padroeiro da cidade.

— Foi um verdadeiro sacrilégio o que fizeram com a tapeçaria de haute lisse doada à catedral. Em consequência desse gesto impensado, ela foi retalhada e posta

à venda.


Após o comentário, em tom emocionado, Ferdinand de Sailly explicou que, durante a Revolução Francesa, os objetos sacros foram destruídos. No caso da tapeçaria,

algo extraordinário aconteceu. Em vez de as peças desmembradas desaparecerem, elas foram milagrosamente reagrupadas e conservadas na Abadia de Saint-Serge.

O curador, percebendo que o padre Antoine não parava de se mexer na cadeira, demonstrando visível impaciência, autorizou-o, com um sinal de cabeça, a ler um

documento, datado de 1806, que acabara de retirar de sua pasta e descrevia o estado deplorável da tapeçaria, jogada "num lugar úmido, onde se esburacava e se

rompia ao simples contato das mãos".

Mas o padre não se deu por satisfeito com apenas a leitura e expressou também sua opinião sobre a vitalidade cromática da obra religiosa.

— É muito importante ressaltar que a tapeçaria conserva nos dias de hoje, no lado do avesso, toda a força de suas cores originais: vermelhos quentes, azuis

profundos, alaranjados dourados e verdes arrebatadores. Essas cores se mesclam nas esplendorosas imagens dos vinte e quatro anciões, nos quatro cavaleiros do Apocalipse,

nos anjos trombeteiros da Anunciação, nos adoradores do Anticristo, nas bestas fantásticas de sete cabeças, nos eleitos, nos baldaquinos e nas igrejas góticas.

Tomando novamente a palavra, o curador ressalvou que nem sempre os resultados, sobretudo das mais recentes restaurações, foram bem-sucedidos, porque as modernas

tinturas químicas, com o passar dos anos, se revelariam impróprias no restauro das obras de arte tecidas por magistrais artesãos medievais, que utilizavam tintas

naturais, extraídas das plantas.

Ao término da conferência, seguiu-se uma saraivada de perguntas, algumas descabidas, como a primeira, de uma jovem, provocando risos no público:

— Gostaria de saber, senhor curador, se a regente Blanche passava a tropa em revista como fazia a rainha Catarina?

Foi esta a resposta do curador à pergunta capciosa:

— Mademoiselle, como as muralhas do castelo eram espessas, surdas e cegas aos amores de seus donos, não há nenhum registro sobre o que a regente Blanche, viúva

de Luis VIII, morto em 1226, fazia da sua disponibilidade de tempo, após revistar a sua guarda de honra. Curiosamente, sua pergunta me faz lembrar o famoso episódio,

contado pelo menestrel de Reims, em que um gesto extravagante dessa rainha serviu para silenciar as calúnias do bispo de Beauvais e de outros vassalos.

A regente dirigiu-se ao Parlamento, onde tinha assento.

Entrou, vestindo um longo casaco, e exigiu silêncio e atenção.

Subiu numa mesa central e gritou para o bispo: "Olhem bem e vejam se estou grávida", enquanto deixava cair o casaco até aos pés. Foi girando nua em todas as direções

sob os olhares embevecidos da assistência, tudo para provar ser falsa a acusação de estar esperando outro filho. Todos se precipitaram até ela com respeito e

admiração, cobriram-na com o casaco e a conduziram aos aposentos reais. Não se sabe até hoje se agiram assim por devoção à sua beleza ou à sua coragem.

— Poderia explicar o porquê da venda? — indagou uma senhora no fundo do auditório.

— O padre Antoine Duvert, que conhece bem essa fase nefasta da tapeçaria, vai responder à senhora.

— Bem, após a doação, em 1474, a tapeçaria ficava exposta na nave da catedral, no dia de São Maurício, no Natal, na Páscoa e no domingo de Pentecostes.

Por mais que a considerassem

"absolutamente magnífica", os padres se queixavam do grande trabalho de suspendê-la na abóbada e dos gastos para conservá-la intacta. Reclamavam também porque

ela abafava os cantos e tornava os sermões inaudíveis. Decidiram colocá-

la à venda em 1783, às vésperas da Revolução. Ninguém quis comprá-la! Mas o pior estava por vir. Como sua conservação se tornou um estorvo, ela foi recortada

e passou a ter as mais inusitadas utilidades. Serviu de proteção em estufas de produtos hortigranjeiros, de cortina, de pelego para selas e até de capacho. Foi

uma afronta o que fizeram com essa grandiosa obra de arte sacra.

— Poderia nos dizer quando se iniciaram os trabalhos de restauração? — indagou uma jovem, comovida com a descrição.

— O cónego Louis-François Joubert, nomeado custódio da catedral, foi quem teve a ideia genial de criar um ateliê para restaurar a tapeçaria. Os trabalhos

começaram no dia 1º de fevereiro de 1849 e continuam até hoje. Recuperaram-se as seis peças que contêm 14 quadros cada uma e mais as cenas com os "grandes personagens".

Ao todo, tem 103 metros de comprimento por quatro e meio de altura. Não há como não ficarmos impressionados com as quatro figuras gigantescas restauradas, no

meio do dossel sustentado por colunas, em que somos convidados à contemplação e reflexão sobre as cenas bíblicas.

Os expositores foram submetidos a uma série de perguntas sobre as cenas desaparecidas.

— Bem, senhores — expôs o curador. — Eu tenho muita esperança de recuperar alguns quadros perdidos. É um sonho que acalento com fé religiosa. Conto com

a ajuda dos alunos do Liceu Saint-Serge; lançamos um aviso internacional pela internet a todos os centros culturais, historiadores, diretores de museus, antiquários

e pesquisadores de arte sacra e também às famosas casas de leilões, buscando localizar a obra.

Esse excelente trabalho foi coordenado pelo nosso querido padre Antoine Duvert da Abadia e do Liceu Saint-Serge. Ele tem me ajudado a desfazer equívocos e desmanchar

pistas fraudulentas, que sempre ocorrem em relação às obras de arte.

— Realmente, sou um fa incondicional da comunicação virtual — confirmou o padre Antoine, ainda irrequieto na desconfortável cadeira, após ser elogiado pelo

curador. —

Tenho desenvolvido um trabalho de rastreamento com um grupo de jovens alunos que praticam a informática no liceu.

Os meninos têm me ajudado muito nas pesquisas pelo mundo inteiro.

— Obtiveram algum resultado? — perguntou um rapaz barbudo, com ar de estudante universitário e uma tatuagem no pescoço, que estava sentado na segunda fila.

— Infelizmente nada de positivo até agora. Há um boato que uma cena da tapeçaria possa estar na Polônia — ressalvou o curador. — A notícia está sendo

analisada. Onde houver um indício, usarei de todos os meios ao meu alcance para recuperar pelo menos um dos quadros perdidos. Não vou desistir.

Sem mais perguntas para responder, após passar a mão pela calvície frontal, o curador concluiu a palestra:

— Meus amigos, todos estão convidados a visitar o Castelo de Angers, um dos mais importantes museus do glorioso patrimônio histórico da França. Visitem o Museu

de Armas e a tapeçaria reveladora do Apocalipse, que traz esperanças de um mundo sem miséria e violência quando descer do céu a Nova Jerusalém. Encantem-se

com a beleza da maior tapeçaria do mundo, antes do início das obras de reforma da galeria para a instalação da nova iluminação, prevista para o início do

verão.

Muito satisfeitos com os aplausos que se habituaram a compartilhar, os dois velhos amigos saíram sorridentes do prédio reformado na Praça Michel Debré, a poucos



metros da prefeitura. Viram todas as luzes da fachada branca do Palácio das Artes acesas, tal como o prefeito exigira que ficasse durante o 21º Festival de Jornalismo.

Queria que o maior evento sociocultural daquele ano de eleição municipal fosse intensamente iluminado pelas luzes do saber para uma platéia francesa sempre ávida

de conhecer a grandeza de sua história.

— O que mais me impressiona no festival é a vontade dessa gente de respirar cultura — exaltou o padre Antoine, sorridente. — Isso é muito bom.

— Breve, serão recompensados. A galeria está ficando uma beleza! Resolvi reaproximar mais as telas e acabar com os enormes espaços vazios entre elas. Não haverá

mais o impacto negativo causado pelas cenas que faltam. Deixei apenas um espaço vazio para o sonho não acabar.

— Deixou onde? — perguntou o padre Antoine, curioso.

—Vai descobrir, amigo, quando fizermos juntos a inspeção final para a reabertura da galeria — provocou o curador Ferdinand, sorrindo e estendo-lhe a mão em

sinal de despedida.

— Vou aguardar. Pode deixar que vou descobrir tudo que anda escondendo de mim — disse o padre, como se, por trás do sorriso irônico do curador, desconfiasse

de algo demoníaco que o misterioso vazio na parede quisesse ocultar.

O padre Antoine Duvert, de repente, silenciou e ficou com o semblante grave, aflito, de quem estava prestes a orar.

Reconhecia como legítima e saudável a ambição do curador do castelo em recuperar pelo menos um dos sete quadros perdidos da sequência da Revelação Divina;

em especial, a recuperação a qualquer preço da cena desconhecida do Diabo enjaulado por mil anos. Na verdade, temia que esse quadro desaparecido significasse

que o dragão de sete cabeças estivesse solto e fosse o grande responsável pela atual desordem no mundo. Onde estivesse, estaria semeando a discórdia, incentivando

a aids, a pedofilia, o aborto e a clonagem humana, instigando a violência, a ganância e a corrupção.Tudo indicava que os homens teriam perdido a batalha do bem

contra o mal. Essa foi a visão aterrorizante que sua mente teve, pairando sob as imensas torres circulares do Castelo de Angers. Mais do que nunca acreditou ser

fundamental, do ponto de vista religioso ou cultural, encontrar esse quadro perdido da tapeçaria do Apocalipse, cujas telas ilustravam as visões recebidas por

São João, de Jesus Cristo, por intermédio de um anjo.

A busca do quadro da Besta deveria ser intensificada em qualquer ponto do mundo. Portanto, mãos à obra, senhor curador.

CAPÍTULO 2

O curador Ferdinand Rochemont de Sailly nunca imaginara o que estava por acontecer, ainda mais no Brasil. O curador fora sincero na profissão de fé perante a platéia

do auditório do 21º

Festival quando disse que faria tudo para recuperar qualquer uma das cenas desaparecidas da tapeçaria, não fosse a mais famosa delas. Nunca imaginara que ela se

entrelaçaria de forma misteriosa e venturosa com o destino de Leonardo e de uma astróloga, ilustres desconhecidos do além-mar.

Naquele 13 de outubro de 2006, mesmo dia da palestra do curador Ferdinand de Sailly, Leonardo Marcondes recebera, pela manhã, no Rio de Janeiro, a boa notícia

do banqueiro americano. Tudo evoluía como previsto na primeira consulta com a astróloga Lisa.

— Parabéns, senhor Leonardo, a diretoria autorizou o aumento de sua linha de crédito. O banco nunca concedeu valores tão altos a um cliente brasileiro.

O

telefonema



matutino

não


deixara

dúvida


do

reconhecimento internacional de que Leonardo tinha se tornado um todo-poderoso membro da privilegiada sociedade financeira internacional, acima da lei dos homens

comuns. O

acontecimento haveria de merecer uma comemoração quando chegasse em casa.

Dito e feito, já era bem tarde, à noite, quando Leonardo, deitado na cama do apartamento de Lisa, decidiu se levantar, de repente, e convidá-la solenemente, sem

nenhum romantismo.

Não havia nada de anormal no convite, já que sempre era ele quem tomava a iniciativa, desde a memorável primeira vez.

Lisa continuou fazendo o sudoku, majestática, até concluir a sequência certa. Após marcar a página com a caneta Mont Blanc, fechou o livreto e o colocou debaixo

do abajur na mesinha de cabeceira. Seus olhos rasgados se fixaram no corpo de Leonardo, que já estava nu. Ela começou a liberar os pequeninos botões das casas

da camisola, e o belo colo apareceu com seus seios generosos. Puxou a borda da camisola acima da cintura, deixando o umbigo aparecer. Puxou mais ainda. As auréolas

salientes dos seios ficaram à mostra em toda a sua sensualidade.

Só que naquela noite não quis se delongar. Após a primeira estocada, ouviam-se gemidos, suspiros, palavras obscenas, respirações ofegantes, cada vez mais descontroladas.

Cinco, sete, doze, sabem-se lá quantos minutos, até Leonardo perder o controle e deixar a torrente jorrar indomada. Seguiu-se o silêncio restaurador dos que flutuam

no nirvana. Ficaram abraçados até as respirações se acalmarem. Após emitir um profundo suspiro, Leo se ergueu preguiçosamente ainda, virou-se de lado e reassumiu

o seu lugar à esquerda da cama.

Ao lado, na mesinha de cabeceira, repousavam os dois celulares, temporariamente desligados.

— É bom, é muito bom — suspirou Lisa, com os olhos adormecidos por um delicioso langor.

Leonardo gostava de ouvir a sua voz agradecida. Às vezes, permanecia estatelado na cama, meio de bruços, fitando as persianas fechadas, por onde, através de duas

pequenas frestas da janela, penetrava uma brisa refrescante, propícia à vinda do sono. Porém, naquela noite de comemoração foi diferente.

Custou a dormir. Seus pensamentos, turvados por datas, cifras, mortes, contabilizavam angústias e temores. Só voltaram a se aquietar quando foram substituídos

por boas lembranças e as emoções da tarde memorável em que conheceu Lisa na sua intimidade com os astros. Acudiram recordações difusas de visões proféticas

e da Via Láctea tracejada no seu ombro bronzeado. Reconhecia que sua vida mudou após a leitura do seu mapa astrológico, quando fora tomado pelo feitiço do amor.

Leonardo presenciou surpreso, subitamente, se incorporarem na mulher desconhecida, na quase penumbra da sala, as

"entidades" advindas de misteriosa luz cósmica.

— Senhor Leonardo, vou falar um pouco de astrologia.

Quando o homem começou a olhar para o céu, isto há mais de dez mil anos, ele se deu conta de que estava integrado ao universo. Passou a perceber que a trajetória

da vida, os dons e talentos, e até o humor sofrem a influência do movimento dos astros.

Leonardo olhou para os gestos harmoniosos de suas mãos.

— Foi quando descobriu que era possível conhecer o seu destino por meio do mapa natal, que é a fotografia do céu na hora exata, no dia e no lugar do nascimento.

É a certidão cósmica da pessoa que passa a existir para o universo.

Neste momento, ganidos de cachorros se tornaram mais intensos no cômodo ao lado, mas a astróloga prosseguiu, sem perder a concentração, tendo de elevar o tom

de voz:


— Vamos começar a leitura do seu mapa pelas doze casas do zodíaco, cada uma representando uma área de sua vida. Aqui, bem no alto da mandala está a casa dez,

que é o local da vida profissional. Pelo que me disse quando me telefonou, essa é a sua grande preocupação no momento. Bem, o senhor tem quatro planetas dentro

dessa casa: Um stellium formado por Urano, Sol, Plutão e Mercúrio. Com essas energias reunidas, o senhor tem todas as ferramentas para alcançar o sucesso nos

seus objetivos.

Completamente hipnotizado pelas palavras, e a beleza de Lisa, Leonardo acompanhava a complexa dança dos dedos dela sobre o mapa dos planetas.

— Está vendo esta grande quadratura aqui no seu mapa. Ela representa os desafios que terá de romper para conseguir obter o que deseja. Ninguém foge ao seu destino.

A astróloga fez uma pausa. Bebeu um gole de Coca-Cola, olhou fundo nos olhos verdes do consulente e continuou:

— Esta sua Lua na casa quatro, em Aquário, indica que o senhor é uma pessoa voltada para as raízes familiares. Mas os muitos aspectos desafiadores do seu mapa

indicam que pode ter sido separado delas.

Lisa bebeu outro gole de refrigerante e retomou a leitura, em transe com suas divindades:

— Eu fiz os trânsitos de trás para a frente do seu mapa, estudei o que aconteceu durante algumas etapas de sua vida. Está tudo aqui: o primeiro baque que teve

foi em torno dos seus 25 anos, quando Urano fez uma conjunção exata com seu Sol. Aí houve a perda de uma pessoa muito querida, correto?

Leonardo estremeceu e concordou, balançando a cabeça de modo positivo. Quis falar alguma coisa, mas ela fez um sinal com a mão que não a interrompesse, lendo

o mapa numa voz emocionada:

— O mapa mostra que o seu pai não teve uma morte natural.

Isso marcou muito você, sobretudo porque foi um fato abrupto e inesperado. O trânsito astral mostra que tudo ruiu em torno de seu pai, e, quando ele partiu desta

vida, você foi tomado por uma raiva tremenda contra o mundo. Sua mãe morreu tempos depois. Está aqui na quadratura de Netuno com sua Lua. Foi de uma doença incurável.

Lisa viu os olhos dele se acinzentarem, carregados de dor e sofrimento.

Decidiu

então


dispensar

tratamento

cerimonioso.

— Para você, seu pai era tudo. Ninguém entendeu sua raiva contra o mundo! Aí você se casou com a moça que estava namorando. Quando houve o primeiro retorno

de Saturno, teve um filho. Tem uma Lua na casa quatro. Isto é muito bom.

Quer dizer que mesmo com todos os seus afazeres, sempre encontrará tempo para cuidar dele. Vocês têm muitas afinidades. Como é o nome dele?

— Lucca — respondeu, baixando levemente a cabeça.

— Bonito nome. Terá sempre nele um aliado dentro de casa.

— Lisa bebeu outro gole de refrigerante e prosseguiu: — A sua revolução solar mostra que vai estar muito agitado este ano, porque, quando Plutão faz aspectos

com os planetas pessoais, ele vem com uma força transformadora incrível.

Aquilo que não serve mais é eliminado para dar lugar a coisas novas. Plutão está entrando na sua casa doze.Vai levar para fora todas as coisas reprimidas. E

como se fosse um terremoto.

Leonardo continuou ouvindo por mais meia hora o relato com os olhos fixos nos símbolos coloridos do seu mapa.

— Tudo indica que chegou a hora de aprender a lidar com as coisas que andam travando este momento decisivo da sua vida. Você é uma pessoa ambiciosa e saberá

usar de todos os meios para atingir os fins. A previsão é que vai conseguir tudo que deseja. E impressionante o poder que vai ter nas mãos, se souber usar a energia

transformadora de Plutão, o deus das trevas, para evoluir. Tome muito cuidado com os subterrâneos e o fogo.

Ouvem-se os arranhões e ganidos mais intensos dos cachorros, talvez esfomeados. Lisa não se perturbou e continuou:

— Muitas coisas boas e promissoras estão para acontecer.

Posso estar errada, mas, neste ano de transformações, você tem tudo para se tornar um grande chefe. Já existe até uma determinada época para elas se realizarem.

Vai pagar um preço que só você sabe dizer se é alto ou justo. Bem, é tudo que posso ler do seu mapa.

— Senhora Lisa, me desculpe, mas sinto que me está escondendo alguma coisa da minha vida atual — protestou, percebendo certo constrangimento, após uma hora

de consulta, encerrando assim uma sessão que parecia apenas esboçada na astrologia e na sedução.

— Eu não escondi nada. A leitura de um mapa não é adivinhação. Por favor, senhor Leonardo, sua consulta terminou.

Após o aviso, ele a viu inclinar o fino pescoço e arquejarem os seios, que se delinearam na blusa fina, antes de um longo e misterioso suspiro.

— Com licença — murmurou a astróloga, levantando-se, como se quisesse burlar o tempo numa pausa estratégica. Da porta da cozinha, perguntou: — Aceita um

copo-d'água? Uma água tônica?

— Não, obrigado. Queria continuar a consulta, por favor.

Lisa não veio logo, mas quando se aproximou, trazia mais refrigerantes na bandeja de prata, sinal que estava disposta em retomar a leitura com mais informações,

e foi o que fez por mais meia hora com outras revelações, concluindo:

— Entenda, senhor Leonardo: eu não tenho como mudar o seu mapa. Estará mexendo com coisas muito profundas de sua interioridade. Se tomar as decisões certas,

as coisas vão fluir e sua vida vai se transformar para melhor. Viverá momentos muito tensos porque passará por uma fase de muitas mutações.

— Prometo que não vou ficar parado.

— Aqui está Júpiter, o planeta do otimismo, sinalizando um período de grande expansão. Sua vida vai se transformar.

Claro que será testado para se tornar o homem rico que seu pai queria ser.

Ele a encarou, trincando os dentes, à menção do pai.

  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   20


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal