3 ficha de compreensão da leitura nome



Baixar 39,75 Kb.
Encontro19.07.2017
Tamanho39,75 Kb.

3




FICHA DE COMPREENSÃO DA LEITURA
















NOME: ___________________________________________________ N.O: _____ TURMA: _____ DATA: _______________

Leia o texto seguinte.



A FARSA DE INÊS PEREIRA PELO TEATRO A BARRACA NA MOSTRA DE TEATRO VICENTINO

5

10


15

20

25


30


Uma das primeiras peças levadas à cena pelo Dr. Fernando Amado no teatrinho da Casa da Comédia foi A Farsa de Inês Pereira. Estávamos na década de 60. O espetáculo era constituído pela Farsa de Inês Pereira e pelo Auto da Índia. Eu estava lá e era a Inês e estava também o Vítor Pavão dos Santos que fez o cenário e os figurinos e estava o Mestre Amado/amado mestre que encenou e o Diogo Ary dos Santos que fez um admirável Pero Marques e estava a Valentina que saltou da costura para o palco de um dia para o outro e ninguém sentiu a falta da atriz que se fez substituir. O espetáculo era alegre, rigoroso e empenhado.

Mais tarde, nos anos 80, voltei à Inês, agora com direção de Hélder Costa. O espetáculo foi É menino ou menina? e a nossa história mostrava uma jovem vítima do sexismo produzido por um ambiente familiar retrógrado com uma mãe que envolve a filha numa cadeia de servidões. O resultado foi uma abordagem rigorosa, empenhada, mas não muito alegre.

Mais uma década e mais uma viagem. No princípio dos anos 90 A Barraca leva à cena Uma Floresta de Enganos, antologia de textos vicentinos feita pelo Hélder Costa e por mim, em que o pouco que se sabe da vida de Gil Vicente era entrelaçado com a sua circunstância histórica e a sua obra. E lá volta a Inês Pereira. Desta vez eu já era Lianor Vaz e o espetáculo é dos mais belos trabalhos sobre Gil Vicente em que participei. Do nascimento do príncipe D. João III em 1502, a romper num parto simbólico e festivo com a primeira obra de Gil Vicente, ao desencantado "inverno" de um filósofo com o pé amarrado a ou por um parvo (...)

E eis-nos num novo século e eis-me desta vez a encenar Inês Pereira. É a primeira vez que me cumpre estudar a carpintaria da peça, excelente aliás. Interrogo-me se será uma farsa e agora que já não é a palavra ou a emoção das personagens que me habita, mas o sentido geral da obra, descubro que estou perante uma obra absolutamente misógina. Afinal a Inês já não me aparece como a rapariguinha, objeto de opressão que tanto defendi ao interpretar. Inês, ingénua malgré soi, quer casar à força e o que aprende com a sua desventura é tão pouco e tão pobre como o que a mãe lhe ensinou em solteira. É ela agora que perpetua e recria as suas servidões (1).

Depois de tanto abordar esta obra não sei se lhe trouxe alguma coisa de novo. Mas diverti-me com a misoginia do autor. De facto, foram precisos bastantes séculos e bastantes ruturas para que a mulher pudesse sair da capoeira em que a meteram.



Diverti-me dando mais recorte judaizante aos judeus casamenteiros. Diverti-me com o sarau impossível com que as mulheres vibram ao ritmo sefardita e adormecem indiferentes perante o «sublime» da balada ibérica. Diverti-me também com o sonho de cavalaria de Brás da Mata e sua mulher Inês. Só tenho a esperança que o público se divirta também e que os jovens que pela primeira vez virem a farsa de Inês Pereira colham dela a imagem de um trabalho rigoroso e divertido que tenta contar-lhes uma história de que não quisemos abusar com extrapolações incompreensíveis e absurdas. E que voltem ao teatro porque este espetáculo os divertiu.

Maria do Céu Guerra

(1) A peça é misógina porque recebe influência dos fabliaux franceses cuja ideologia era retrógrada e que usavam como fonte do cómico a diabolização da mulher.

http://dupond.ci.uc.pt/tagv/2002/11/t_farsa.htm, consultado a 1 de novembro de 2014 (com adaptações).


1. Para responder a cada um dos itens de 1.1 a 1.10 selecione a opção correta. Escreva, na folha de respostas, o número de cada item e a letra que identifica a opção escolhida.

1.1 As referências no título à Mostra de Teatro Vicentino indicam que a peça foi

(A) produzida pela companhia A Barraca especialmente para a Mostra de Teatro Vicentino.

(B) adaptada pela companhia A Barraca a convite da Mostra de Teatro Vicentino.

(C) produzida pela companhia A Barraca e exibida na Mostra de Teatro Vicentino.

(D) adaptada pela companhia A Barraca durante a Mostra de Teatro Vicentino.

1.2 A forma verbal «Estávamos» (linha 2) e o pronome pessoal «eu» (linha 3) são

(A) exemplos de marcas autobiográficas no texto.

(B) formas de demonstrar a participação da autora na peça.

(C) exemplos de marcas biográficas no texto.

(D) exemplos de marcas de discurso memorialístico no texto.

1.3 A repetição da expressão «e estava» (entre as linhas 3 e 5)

(A) imita o discurso oralizante que está presente em todo o texto.

(B) enfatiza a enumeração dos melhores atores do espetáculo referido.

(C) enfatiza a enumeração dos melhores participantes do espetáculo referido.

(D) enfatiza a seleção de participações consideradas memoráveis pela autora.

1.4 A referência que a autora faz ao «Mestre Amado/amado mestre» (linha 4) demonstra

(A) a superioridade do encenador e a sua condição de discípula.

(B) a disciplina imposta pelo chefe e o mérito artístico que lhe reconhece.

(C) o seu respeito e a submissão devida ao encenador.

(D) o mérito daquele líder artístico e o afeto que sente por ele.

1.5 No segundo parágrafo, alude-se ao espetáculo É menino ou menina?, concluindo que este foi semelhante ao encenado por Fernando Amado no que diz respeito

(A) à alegria, ao rigor e ao empenho da equipa de atores.

(B) à gravidade com que os atores encararam o trabalho.

(C) ao interesse e ao esforço dos participantes na peça.

(D) à situação em que se encontra a protagonista.

1.6 No terceiro parágrafo, a autora alude à sua participação na peça Uma Floresta de Enganos. As frases «E lá volta a Inês Pereira. Desta vez, eu já era Lianor Vaz [...]» (linhas 14-15) estabelecem

(A) uma relação de continuidade com os factos narrados nos parágrafos anteriores.

(B) uma relação de consequência com os factos narrados nos parágrafos anteriores.

(C) uma relação de dependência com os factos narrados nos parágrafos anteriores.

(D) uma relação de causa com os factos narrados nos parágrafos anteriores.

1.7 A repetição da expressão «E eis» (linha 19) pretende

(A) separar a ideia central dos dois parágrafos.

(B) introduzir uma oposição entre o que é narrado nos dois parágrafos.

(C) destacar a relação de adição entre os acontecimentos dos dois parágrafos.

(D) explicar o contraste existente entre os dois parágrafos.

1.8 O quarto parágrafo apresenta uma reflexão da autora sobre

(A) a repulsa que sentiu quando estudou a «carpintaria da peça».

(B) o sentido geral e a ideologia preconceituosa desta farsa vicentina.

(C) a dificuldade de encenar uma peça como a Farsa de Inês Pereira.

(D) a dificuldade de classificar a peça referida como uma farsa.

1.9 A nota de rodapé introduzida pela autora tem como objetivo

(A) referenciar as fontes utilizadas para construir a sua apreciação da peça.

(B) prestar um esclarecimento sobre a protagonista Inês Pereira.

(C) inserir informações complementares sobre a protagonista da peça.

(D) justificar a sua visão sobre a mentalidade preconceituosa da peça.

1.10 Na linha 28, a expressão «sair da capoeira» é

(A) uma metáfora do processo de emancipação da mulher.

(B) uma metáfora do processo de submissão da mulher.

(C) uma metonímia para a noção de «casa».

(D) uma metáfora para a noção de «casa».

1.11 No último parágrafo, a autora utiliza a repetição de formas verbais do verbo «divertir» para

(A) explicar a dimensão lúdica que a encenação e o visionamento da peça devem ter.

(B) analisar a dimensão lúdica que a encenação e o visionamento da peça devem ter.

(C) realçar a dimensão lúdica que a encenação e o visionamento da peça devem ter.

(D) justificar a dimensão lúdica que a encenação e o visionamento da peça devem ter.


ENTRE NÓS E AS PALAVRAS • Português • 10.o ano • © Santillana


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal