2013 – Ano em que o grupo completa 25 anos. Festas de comemoração, shows e espetáculos o ano todo, em Campinas e Goiânia, e diversas outras cidades do estado de São Paulo e de Minas Gerais



Baixar 31,94 Kb.
Encontro27.09.2018
Tamanho31,94 Kb.
2013 – Ano em que o grupo completa 25 anos. Festas de comemoração, shows e espetáculos o ano todo, em Campinas e Goiânia, e diversas outras cidades do estado de São Paulo e de Minas Gerais. Também participou novamente do projeto “Teatro nas Escolas”, da Direção Cultura, apresentando a peça “O Treco da Pata Choca” em 11 cidade de São Paulo e uma de Minas Gerais, sob patrocínio da Cutrale.

2012 – Com “Cordão Animambembe”, animou uma das tardes de carnaval no SESC Campinas, homenageando Carlos Gomes. Foi selecionado pelo Edital de Chamamento Local para 8 unidades do SESI do estado de São Paulo: Santos, Itapetininga, Rio Claro, Cotia, Piracicaba, Botucatu, São José dos Campos e Mogi Guaçu. Realizou mais de 60 apresentações de seus espetáculos para crianças em escolas de diversas cidades brasileiras, como Curitiba, Belo Horizonte, Campinas, Jundiaí e Goiânia, através dos projetos “Reciclando a Cena”, “Teatro nas Escolas” e “Sons e Cenas”. Teve o projeto “Trem Republicano” aprovado pelo PROAC para captação de recursos. Iniciou a gravação do CD “O Treco da Pata Choca”.

2011 – Na Campanha de Popularização do Teatro de Campinas, apresentou “O Treco da Pata Choca”. Obteve o patrocínio da Volvo para o projeto “Reciclando a Cena”, aprovado pela lei Rouanet do MINC. Realizou no SESC Pompéia um espetáculo inédito: “Animambembe de Carnaval” com uma seleção de marchinhas para divertir crianças e adultos. Com o espetáculo “O Livro de Rebeca” foi selecionado no edital “Projeto Local” do SESI SP para quatro unidades, sendo Campinas, Itapetininga, Piracicaba e Santos. Foi citado no artigo de Pedro Marques (Revista E) “Grandes Fábulas para Pequenos Leitores” como grupo que compõe músicas inteligentes e sensíveis para o público infantil. Recebeu o prêmio por melhor trilha sonora do filme de animação “Os Hai-Kais do Príncipe”, de Maurício Squarisi, nos festivais: 8º Festival Guaçuano de Vídeo em Mogi Guaçu/SP e 6º Locomotiva em Garibaldi/RS.

2010 – Participou da 25ª Campanha de Popularização do Teatro de Campinas, com “Cirque du Chulé” e “As Cigarras e A Formiga”. Aprovado projeto “O Treco da Pata Choca” pelo PROAC, e leva o espetáculo para Indaiatuba, Campinas, São João da Boa Vista, Boituva e Espírito Santo do Pinhal. Através do projeto “Arte nas Escolas” levou “Circo de Latão” para mais de 7.000 crianças em Campinas. Com o projeto “Teatro nas Escolas” levou o mesmo espetáculo para mais de 8.000 alunos de Pindamonhangaba. Iniciou um projeto de oficinas de Teatro na cidade de Ourilândia do Norte/PA e apresentações do seu repertório de espetáculos, para o projeto “Viver Bem”, da companhia Vale do Rio Doce, entre 2010 e 2011. Em outubro monta com estudantes do Colégio Pitágoras o espetáculo “Socielândia do Norte” e ainda leva 5 de seus espetáculos para aquela cidade. Outras cidades como Varginha, Marília e São Paulo também foram palco para o Último Tipo naquele ano.

2009 – Realizou uma mostra de seus espetáculos infantis no espaço Cultural CPFL em Campinas. Gravou o DVD do espetáculo “O Livro de Rebeca” junto com a Universidade Anhanguera, para o projeto biblioteca aberta. Levou o espetáculo “Outra Festa no Céu” para escolas de Curitiba, Salvador, Santa Bárbara D’Oeste, Campinas e Americana, através do projeto “Teatro Nas Escolas”, patrocinado pelas empresas Bosch e Goodyear. Comemorou os 21 anos do grupo no SESC Campinas, apresentando no mês de junho todo seu repertório. Em novembro estreou “O Treco da Pata Choca”, espetáculo premiado pelo Fundo de Investimentos Culturais de Campinas (FICC) para montagem e circulação.

2008 – Levou o espetáculo “Cirque du Chulé” para as cidades de São Paulo, Araras-SP e Itabira-MG. Atuou nos seguintes projetos: “Circolando Escola”, da Secretaria Municipal de Educação de Jundiaí-SP; “CEDUCA”, da Secretaria de Educação de Goiânia; “Recreio nas Férias”, da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo; “Teatro nas Escolas”; da produtora Direção Cultura, patrocinado pelas empresas Arjowiggns e Ripasa, através do PAC (Programa de Ação Cultural da Secretaria de Estado da Cultura – SP). Comemorou os 20 anos do grupo com uma exposição de fotos de espetáculos seus produzidas por Laysa Vasconcelos e cartazes alusivos à data criados por alunos do SENAC de Goiânia.

2007 – Teve seu projeto “Reciclando a Cena” contemplado pelo FICC (Fundo de Investimentos Culturais de Campinas). Foi selecionado pela Associação Paulista dos Amigos da Arte para ocupar o auditório Cláudio Santoro em Campos do Jordão e Teatro Estadual de Araras. Reestreou “Cirque du Chulé” no Teatro do Centro Cultural Goiânia Ouro, em Goiânia. Realizou, através da Direção Cultura, os projetos “Circuito Villares de Teatro nas Escolas” e “Histórias Fabulosas”, apresentando-se em shoppings.

2006 – Iniciou o projeto para a gravação do CD “Mamando a Caducando” direcionado ao público infantil. Iniciou a trilha para o primeiro longa metragem do Núcleo de Cinema de Animação de Campinas, “História de uma História”. Estreou “A Geringonça”, espetáculo para crianças. Foi selecionado pela Secretaria de Cultura da prefeitura de Goiânia para o projeto CEDUCA, para apresentar “Circo de Latão” em escolas da rede municipal.

2005 – Participou mais uma vez do “Recreio nas férias” com “Circo de Latão”. Realizou três de seus espetáculos para crianças, em janeiro, no SESC-CAMPINAS. Foi selecionado para o Festival de Inverno de Amparo com o espetáculo “O Livro de Rebeca”. Junto com o Núcleo Ovo Novo de Arte-Educação realizou por 6 meses o projeto “Domingo Novo” no Espaço Cultural Garagem, com a finalidade de divulgar a música autoral feita em Campinas. Participou do evento “Folclore em Cores”, da Fundação Cultural de Ponta Grossa/PR com o espetáculo “Música Animada”. Participou do “Projeto 20&20”, da Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer de Campinas.

2004 – Mais uma vez participou das duas edições anuais do “Recreio nas Férias na capital paulista, desta vez com os espetáculos “O Livro de Rebeca” e “Outra Festa no Céu”. Iniciou sua participação no projeto “Circolando Escola”, da prefeitura do município de Jundiaí, apresentando vários espetáculos de seu repertório para crianças, o que se repete em 2005 e 2006. Foi convidado a participar dos projetos: “Sarau”, no café filosófico, e “Módulo Brincando com Arte de Teatro Infantil” do espaço Cultural CPFL. Em junho estreou “Cirque du Chulé” dentro do festival “Rota de Fuga”, do Laboratório do Ator, em Campinas, ao lado de grupos como Lume, Boa Companhia e Confraria da Dança, representando a mistura música-teatro.

2003 – Em janeiro e julho repetiu a sua participação no projeto “Recreio nas Férias” com “Circo de Latão”. Estreou seu novo espetáculo para adultos no SESC-Belenzinho (SP) “Música Animada”. Circo de Latão foi selecionado para o Festival de Inverno de Amparo-SP. Lançou o CD “Último Tipo” no SESC-CAMPINAS. E participou do “Projeto AMA” (Arte Lixo e Meio Ambiente), em Campinas, com o espetáculo “Outra Festa no Céu”. Estreou “As Cigarras e a Formiga”, dirigido por Carlos Arruda – Puruca (indicado ao prêmio “Maria Clara Machado” pela direção de “Bonequinha de Pano”). Participou ainda do projeto “Criança Cidadã”, na cidade de Goiânia, apresentando “O Livro de Rebeca” nas creches municipais.

2002 – Foi selecionado por Edital para realizar 8 shows para a Secretaria Municipal de Cultura de Campinas. Lançou o CD Último Tipo em Campinas, ensejando uma matéria na revista americana BRAZZIL, edição de março. Foi convidado pela Secretaria de Educação Municipal de São Paulo para o projeto “Recreio nas Férias”, com 10 apresentações do espetáculo “Circo de Latão”. Montou o espetáculo para crianças “O Livro de Rebeca”. Participou do projeto “Criança, Palco e Picadeiro” em Campinas. Fundou o Núcleo Ovo Novo, juntamente com outros artistas, para a realização de projetos artísticos de interesse social em Campinas.

2001 – Realizou um carnaval para crianças na casa de eventos Aerokidis (Campinas), cantando marchinhas tradicionais. Atuou nas campanhas publicitárias “ABCs”, da Saneago, e “Dia do Motorista”, para o DETRAN-GO. Em convênio com a secretaria de Educação de Atibaia, iniciou o projeto “Reciclando a cena”, que tem o objetivo de levar arte às escolas mais carentes da rede pública de educação. Concluiu o CD “Último Tipo”. Inaugurou seu site: www.ultimotipo.com.br.

2000 - Montou “Máquina da Preguiça”, musical infantil, com canções inéditas.

Iniciou a gravação do CD “Último Tipo”, com direção musical de Roberto Magrão.



Foi convidado a participar da Hortitec (feira de tecnologia agrícola, em Holambra/SP) pela empresa Asgrow, quando criou um jingle para a marca e cantou pelos quatro cantos da feira, causando enorme repercussão diante de um público muito eclético. Cantou em um passeio pelas ruas do centro de Campinas comemorando o dia do trabalhador, pelo SESC-Campinas. No SESC-ARARAQUARA apresentou “Circo de Latão”. Produziu a trilha sonora para o desenho animado “Flash”, junto com o Núcleo de Cinema de Animação de Campinas, no projeto “Correio Escola”. Apresentou-se no estádio Serra Dourada, em Goiânia, para 20 mil pessoas na chegada do Papai Noel.

1999 - Estreou o infantil “Outra Festa no Céu”, baseado em “A Festa no Céu”, na versão da coleção “Era uma vez...”, os famosos disquinhos, que foi apresentado pelo interior do estado de São Paulo e Goiânia. Apresentou-se no SESC Santo Amaro com “Use a Imaginação”.

1998 - Estreou “Circo de Latão”, com texto e participação especial de Velú Carvalho, que é apresentado para 18.500 crianças da rede pública municipal de Limeira. Gravou seu primeiro CD Demo no departamento de multimeios da Unicamp, produzido por André Batalha, com as músicas do espetáculo “O Fio da Meiada”. Este espetáculo foi selecionado pela FUNARTE para apresentar-se na sala Guiomar Novaes em São Paulo. Foi convidado para fazer uma participação especial no espetáculo vampiresco “Cativo”, de Adolfo Mazzarini. Estreou o espetáculo “Tipo” no projeto SESC EM CENA – Campinas, no teatro interno do Centro de Convivência Cultural, quando foi ovacionado por mais de 600 pessoas.

1997 – “Use a Imaginação” foi solicitado para um convênio com as prefeituras de Limeira, Rio Claro e Mogi Mirim, quando se apresentou para toda a rede pública. Fez mais de 140 apresentações deste espetáculo.

1996 - Transferiu-se para Campinas-SP, quando iniciou um projeto de espetáculos dentro da própria casa/sede do grupo, o que ensejou diversos convites para apresentações como a de “Use a Imaginação” no “I Simpósio de Educação Infantil” de Rio Claro. Em outubro apresentou-se no SESC-Itaquera e no projeto “Artes nas Ruas” na capital paulista. Ao final do ano montou o espetáculo “O Fio da Meiada”, só com composições próprias, para o Instituto Cultural Itaú de Campinas.

1995 - Estreou no Teatro Goiânia a opereta “A Noiva do Condutor”, de Noel Rosa e Arnold Glukman, dirigida por Nilton Rodrigues, sendo o primeiro grupo do Brasil a levar à cena este espetáculo, composto em 1935. O grupo mudou-se para Belo Horizonte, onde levou o infantil “Use a Imaginação” para dezenas de escolas da capital mineira. Apresentou-se ainda em projetos da UFMG, como “Sexta Sintonia” e “Quarta 12:15h”. No parque das Mangabeiras apresentou-se nos Projetos “Manhã Menino” e “Música de Domingo”. Foi convidado por Toninho Horta para fechar um de seus shows no bar “Aqui ó”, onde o grupo posteriormente fez diversas apresentações. Apresentou-se ainda com grande sucesso nos pocket shows do lendário “Bar do Lulu”.

1994 - Fez participação especial na montagem de “Aurora da Minha Vida”, de Naum Alves de Souza, produzida por Luiz Roberto Pinheiro e apresentada para 8.300 estudantes da Capital Goiana.

1993 - Ainda com o grupo Camaleão, ganhou o II Festival de Teatro de Goiás com “O Camaleão fez Palhaçada e o Último Tipo Achou Graça”. Foi convidado pelo diretor Hugo Zorzetti para executar a trilha de seu espetáculo “Morreu Mas Passa Bem”. Atração especial do “I Festival Nacional do Humor de Goiás” foi intimado pelo público a se reapresentar no final do concurso.

1992 – Realizou com Rodrigo Alencar os shows: “O Último dos Tipos”, “Subindo o Morro”, e “Cabaça Mágica”, quando o grupo apresentou ao público o penicocabaçofone (instrumento musical composto por uma cabaça, uma panela de ferro e um penico de alumínio). Realizou ainda mais de 20 quadros para televisão e rádio para a coligação que elegeu em Goiânia o prefeito Darci Acorssi, tornando os personagens “É e É” um dos carros chefe da campanha. Participou ainda do espetáculo “Empilhando Horrores de Brincadeira” ao lado do grupo Camaleão. Iniciou uma temporada, que durou 2 anos, no Marupiara Café, com a missão de não repetir nenhuma vez o figurino, tendo sido este o grande laboratório e a definição de seu estilo.

1991 - Mais uma vez o Último Tipo foi considerado destaque musical pela imprensa local. Em junho realizou, no Teatro Garagem do SESC de Brasília, o espetáculo “Alice no País do Ó”. Montou o musical para crianças “Use a Imaginação” junto com o violonista Ney Couteiro.

1990 - Marisa Damas deixou o Grupo e entrou Lóra Brito, dando mais irreverência e teatralidade ao trabalho. Realizou o espetáculo “Caryocar Cuneatum”.

1989 - Participou de diversos festivais em Imperatriz – MA, Monte Carmelo-MG, Ilha Solteira-SP, São José do Rio Preto-SP, Inhumas-GO, Rio Verde-Go, Jataí-Go, Cascavel-PR, Carrefour, UFG, UCG, dentre outros, quando conquistou mais de trinta prêmios. Foi agraciado com o troféu “O Corujão” como melhor grupo musical de Goiás de 89.

1988 - Em Goiânia, no mês de maio, o Grupo Último Tipo foi criado por Déo Piti, Jara Carvalho e Marisa Damas, que mais tarde daria seu lugar para Lóra Brito, após o trio vencer o XIII FEMUPI (Iporá – GO) na área de interpretação. Sua estréia oficial foi no projeto “Segunda Aberta” da Secretaria Estadual de Cultura.


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal