1 paredes exteriores – paredes elevadas



Baixar 36,39 Kb.
Encontro25.04.2017
Tamanho36,39 Kb.
1 - PAREDES EXTERIORES

1.3. – PAREDES ELEVADAS

1.3.5. PEE11 - PAREDE ELEVADA DE ENVOLVENTE EXTERIOR EM ALVENARIA SIMPLES DE BLOCO CONFORTO® LECA® E REVESTIMENTO CERÂMICO

I. UNIDADE E CRITÉRIO DE MEDIÇÃO

Medição por metro quadrado.



II. DESCRIÇÃO DO TRABALHO E CONDIÇÕES DA OBRA EXECUTADA

Refere a todos os trabalhos e fornecimentos necessários à boa execução e aplicação de uma parede térrea, baseada em alvenaria tipo Bloco Conforto® Leca® com aplicação de reboco isolante térmico exterior, salientando-se os abaixo indicados:



  1. O fornecimento de blocos do tipo Bloco Conforto® Leca® e o respectivo assentamento com argamassa tipo weber.tec AM5;

  2. O fornecimento e execução da ligação dos panos de blocos à estrutura resistente em betão, realizada com ligadores metálicos adequados, se necessário;

  3. O fornecimento e execução da ressalva dos vãos;

  4. O fornecimento e aplicação de revestimento da superfície interior da alvenaria, realizado com reboco cimentício do tipo weber.rev ip e acabamento liso do tipo weber.rev liso;

  5. O fornecimento e aplicação de revestimento da superfície exterior da alvenaria, realizado com reboco cimentício do tipo weber.rev dur e acabamento em revestimento cerâmico do tipo XXX, incluindo o cimento-cola do tipo weber.col flex M / weber.col flex L / weber.col flex XL (escolhido em função do tamanho da peça cerâmica a colar) e argamassa de betumação de juntas do tipo weber.color premium;

Nota: A abertura e tapamento de roços para redes de instalações serão considerados e medidos nos projetos respectivos.

A aplicação de tacos ou outros dispositivos adequados para fixação de guarnecimentos de vãos, rodapés ou equipamentos indicados no projeto, serão considerados nos respectivos capítulos.



III. CONDIÇÕES TÉCNICAS DOS MATERIAIS A APLICAR

Entre as condições a que deve obedecer o trabalho referido neste artigo mencionam-se, como referência especial, as seguintes:



  1. As alvenarias terão as ESPESSURAS indicadas nas peças do projeto;

  2. Os BLOCOS de alvenaria, do tipo Bloco Conforto® Leca®, deverão satisfazer as prescrições regulamentares aplicáveis (ver parágrafo V), e ainda:

    1. Serem constituídos por betão leve de agregados de argila expandida Leca® com marcação CE segundo a norma EN771-03:2010, com massa volúmica nominal de 1200kg/m3;

    2. Marcação CE segundo a norma EN771-03:2010;

    3. Terem uma massa por unidade de aproximadamente 19,2kg;

    4. Terem textura superficial homogénea, cor uniforme, e serem isentos de quaisquer corpos estranhos;

    5. Terem forma e dimensões regulares e uniformes;

    6. Terem uma idade mínima de 6 semanas após produção;

  1. A argamassa de assentamento de blocos de alvenaria do tipo weber.tec AM5 deverá satisfazer os requisitos previstos na norma EN 998-2 e as propriedades definidas pelo fabricante, nomeadamente as seguintes:

    1. Massa Volúmica endurecido: 1500kg/m3

    2. Resistência à compressão: ≥ 5N/mm2 (Classe M5)

    3. Aderência Inicial: 0,15N/mm2 (valor tabelado)

    4. Conteúdo de cloretos: < 0,1 %

    5. Reação ao fogo: Classe A1

    6. Absorção de água por capilaridade: ≤ 0,90kg/(m2.min1/2)

    7. Permeabilidade ao vapor de água: μ 15/35

    8. Tempo de vida do amassado: 60 min.

    9. Condutividade térmica (λ10,dry): 0,54W/m.K (Valor médio tabelado; P=50%)

  2. A argamassa de revestimento e regularização da superfície do revestimento interior da alvenaria, do tipo weber.rev ip, deverá satisfazer, entre outros, os seguintes requisitos:

    1. Massa volúmica endurecido: 1400 kg/m3.

    2. Resistência à flexão: > 1,0N/mm2

    3. Resistência à compressão: > 2,0N/mm2

    4. Retração: < 0,8 mm/m.

    5. Permeabilidade ao vapor de água (μ): < 15

    6. Módulo de elasticidade dinâmico: < 8000 N/mm2

    7. Aderência sobre tijolo: > 0,25 N/mm2 (rotura coesiva)

    8. Reação ao fogo: Classe A1

  3. A argamassa de acabamento liso do revestimento interior da alvenaria, do tipo weber.rev liso, deverá satisfazer, entre outros, os seguintes requisitos:

    1. Massa volúmica endurecido: 1200-1300 kg/m3.

    2. Resistência à flexão: > 1,2 N/mm2

    3. Resistência à compressão: > 2,0N/mm2

    4. Retração: < 2,0 mm/m.

    5. Permeabilidade ao vapor de água (μ): < 15

    6. Módulo de elasticidade dinâmico: < 6000 N/mm2

    7. Aderência sobre betão: > 0,5 N/mm2 (rotura coesiva)

    8. Reação ao fogo: Classe A1

  4. A argamassa de revestimento e regularização da superfície do revestimento interior da alvenaria, do tipo weber.rev dur, deverá satisfazer, entre outros, os seguintes requisitos:

    1. Massa volúmica endurecido: 1500 kg/m3.

    2. Resistência à flexão: > 1,5N/mm2

    3. Resistência à compressão: > 3,5N/mm2

    4. Retração: < 0,8 mm/m.

    5. Absorção capilar: < 0,1 kg/(m2.min1/2)

    6. Módulo de elasticidade dinâmico: < 10000 N/mm2

    7. Aderência sobre tijolo: > 0,3N/mm2 (rotura coesiva)

    8. Reação ao fogo: Classe A1

  5. A argamassa de colagem do revestimento cerâmico (cimento-cola) do tipo weber.col flex M deverá satisfazer, entre outros, os seguintes requisitos:

    1. Aderência inicial: ≥ 1,5 N/mm2 (1,5 MPa)

    2. Aderência após imersão em água: ≥ 1,0 N/mm2 (1,0 MPa)

    3. Aderência após ação do calor: ≥ 1,5 N/mm2 (1,5 MPa)

    4. Aderência após tempo aberto de 30 minutos: ≥ 1,0 N/mm2 (1,0 MPa)

    5. Aderência após ciclos de gelo-degelo: ≥ 1,0 N/mm2 (1,0 MPa)

    6. Capilaridade: ≤ 1,5 g/dm2.min1/2

    7. Deformação transversal: 2,0 a 2,5mm

    8. Classificação segundo a norma EN 12004:2008: C2TE

  6. A argamassa de colagem do revestimento cerâmico (cimento-cola) do tipo weber.col flex L deverá satisfazer, entre outros, os seguintes requisitos:

    1. Aderência inicial: ≥ 1,5 N/mm2

    2. Aderência após imersão em água: ≥ 1,0 N/mm2

    3. Aderência após ação do calor: ≥ 2,0 N/mm2

    4. Aderência após tempo aberto de 30 minutos: ≥ 1,0 N/mm2

    5. Aderência após ciclos de gelo-degelo: ≥ 1,0 N/mm2

    6. Capilaridade: ≤ 1,5 g/dm2.min1/2

    7. Deformação transversal: 2,5 a 3,5mm

    8. Classificação segundo a norma EN 12004:2008: C2TES1



  1. A argamassa de colagem do revestimento cerâmico (cimento-cola) do tipo weber.col flex XL deverá satisfazer, entre outros, os seguintes requisitos:

    1. Aderência inicial: ≥ 2,9 N/mm2

    2. Aderência após imersão em água: ≥ 1,3 N/mm2

    3. Aderência após ação do calor: ≥ 2,5 N/mm2

    4. Aderência após tempo aberto de 30 minutos: ≥ 1,7 N/mm2

    5. Aderência após ciclos de gelo-degelo: ≥ 1,4 N/mm2

    6. Capilaridade: ≤ 1,5 g/dm2.min1/2

    7. Deformação transversal: ≥ 5mm

    8. Classificação segundo a norma EN 12004:2008: C2TES1

  2. A argamassa de betumação de juntas entre peças cerâmicas weber.color premium deverá satisfazer, entre outros, os seguintes requisitos:

    1. Resistência à compressão 28 dias: ≥15 N/mm2

    2. Resistência à compressão após ciclos de gelo-degelo: ≥15 N/mm2

    3. Resistência à flexão 28 dias: ≥3,5 N/mm2

    4. Resistência à flexão após ciclos de gelo-degelo: ≥3,5 N/mm2

    5. Resistência à abrasão: 1000 mm3

    6. Absorção reduzida de água após 30 minutos: ≤2g

    7. Absorção reduzida de água após 240 minutos: ≤5g

    8. Retracção livre: ≤2 mm/m

IV. CONDIÇÕES TÉCNICAS DE EXECUÇÃO

A execução da parede obedecerá à seguinte sequência de trabalhos:



  1. Execução da alvenaria

Os Blocos deverão apresentar-se secos, a não ser no verão com temperaturas ambiente elevadas, em que será aconselhável humedecer ligeiramente a superfície de contato com a argamassa de assentamento.

Os Blocos deverão ser assentes com argamassa seca, pré-doseada, do tipo weber.tec AM5, preparada com controlo de quantidade de água da amassadura respeitando as especificações do fabricante. Não será autorizado o emprego de argamassas pré-doseadas cujas características não possam ser garantidas. A argamassa de assentamento será aplicada apenas na junta horizontal, que deverá ter cerca de 1cm de espessura; as juntas verticais serão secas e não levarão argamassa (a menos que algo em contrário seja especificado nestas Condições Especiais ou o bloco utilizado não apresente encaixe), com exceção das duas juntas contíguas à ligação entre paredes que serão assentes com argamassa.

O assentamento das alvenarias deverá ter especial atenção à verticalidade das paredes, não sendo de aceitar um desvio superior a 20mm, e ao alinhamento, não sendo de aceitar um desvio superior a 10mm em um metro e 50mm em dez metros.

O Bloco Conforto® Leca® deverá ser disposto em fiadas de junta contrafiada de modo a conseguir-se um bom travamento. Deverá ser posto o maior cuidado na execução da primeira fiada, para que a parede cresça desempenada e perfeitamente alinhada. A primeira fiada deverá ser assente com meio fio perfeitamente nivelado e os blocos dessa fiada deverão ficar muito bem alinhados e nivelados.

Antes do arranque da parede deverá ser efectuada medição do número de fiadas de forma a garantir uma fiada de bloco inteiro no topo. Caso haja necessidade de fecho, este deverá ser efectuado ao nível do pavimento.

A argamassa de assentamento das paredes deverá ser distribuída de forma contínua e uniforme em todos os leitos ao longo da fiada, em camadas mais largas do que o necessário a fim de que, comprimidos os blocos contra as juntas e leitos, a argamassa ressuma por todos os lados. A espessura dos leitos e juntas não deverá ser superior a 10mm.

Os panos de parede confinados em estruturas de betão armado ou compreendidos entre paredes de alvenaria deverão ser bem ligados e travados nos seus encontros. Para isso, os panos serão bem apertados nos extremos de encontro para o que se embeberão, a maço, lascas de pedra na última junta, estando a anterior ainda fresca.

Nos panos que formam cunhal, as fiadas serão executadas de forma denteada, garantindo o travamento do conjunto; nos panos que topam em paredes, o travamento será garantido pela inserção denteada das fiadas. Na ligação com estruturas de betão armado, principalmente em paredes exteriores, deverá ser executada toscagem ou picagem da superfície do betão para melhorar as condições de aderência da argamassa de assentamento; os pilares, muros de suporte, paredes e quaisquer elementos de construção de betão armado ou ciclópico com intercepções verticais ou oblíquas com panos de alvenaria, serão providos de pontas de varão de 6mm de diâmetro, com tratamento anti-alcális, ancoradas no betão cerca de 20cm, ficando salientes no mínimo 20cm para serem embebidos nas juntas da alvenaria de três em três fiadas, após conveniente dobragem.

A abertura de roços para instalação de tubagens nas paredes deverá ser efectuada preferencialmente com abre-roços eléctrico, devendo reduzir-se ao mínimo as dimensões dos roços e o número de septos dos blocos que são afectados. Os roços horizontais deverão ser evitados.

Para se obterem meios blocos e peças de remate, os blocos serão cortados com serra eléctrica de disco, caso o sistema de blocos em causa não disponha de peças específicas para o efeito. A manipulação dos blocos deve limitar-se ao mínimo indispensável e será feita com os cuidados necessários para evitar a formação de rachas ou falhas. Os blocos deverão ser armazenados em locais abrigados e empilhados de modo que a sua furação fique orientada na vertical.



  1. Execução de revestimento interior

A superfície interior da alvenaria será revestida com reboco cimentício de regularização, do tipo weber.rev ip.

O suporte deverá encontrar-se plano e limpo. Em caso de calor ou tempo seco, deve humedecer-se previamente antes da aplicação do revestimento. O reboco será aplicado com máquina de projeção mecânica ou manualmente. No caso de aplicação manual, cada saco deve ser amassado com 4 a 4,5 litros de água, até obter uma mistura homogénea. Quando projetado, realizar a aplicação com o bico de projeção perpendicular à superfície, afastada 15 a 20 cm da parede, formando cordões encostados, contínuos e paralelos. Alisar e apertar a superfície com régua metálica e deixar endurecer. Quando a superfície tiver endurecido o suficiente, raspar a película superficial com a régua metálica, nivelar e talochar (arear a superfície suavemente com esponja humedecida, para pintar). Deixar endurecer no mínimo 15 dias antes de revestir.

Para acabamento liso, aplicar um acabamento de textura lisa do tipo weber.rev liso, em duas ou três camadas, afagando com talocha metálica até obter superfície lisa; lixar cuidadosamente a superfície antes de pintar.


  1. Execução de reboco exterior

A superfície interior da alvenaria será revestida com reboco cimentício de regularização, do tipo weber.rev dur.

O suporte deverá encontrar-se plano e limpo. Em caso de calor ou tempo seco, deve humedecer-se previamente antes da aplicação do revestimento.

Realizar uma camada prévia de aderência tipo “chapisco” sobre a camada de impermeabilização junto ao terreno, aplicando o reboco weber.rev dur com incorporação de aditivo de aderência weber.latex, deixando textura rugosa sem apertar.

O reboco será aplicado com máquina de projeção mecânica ou manualmente. No caso de aplicação manual, cada saco deve ser amassado com 5 a 6 litros de água, até obter uma mistura homogénea. Quando projetado, realizar a aplicação com o bico de projeção perpendicular à superfície, afastada 15 a 20 cm da parede, formando cordões encostados, contínuos e paralelos. Alisar e apertar a superfície com régua metálica e deixar endurecer. Quando a superfície tiver endurecido o suficiente, raspar a película superficial com a régua metálica e nivelar e talochar. Deixar endurecer no mínimo 15 dias antes de revestir.



  1. Aplicação do revestimento cerâmico

Será verificado que o suporte se encontra resistente, plano e limpo antes da aplicação das peças cerâmicas. É essencial que o suporte tenha tido o tempo de cura necessário, que todas as retrações se efetuaram e que se encontre estável. Será realizada a verificação do teor de humidade no suporte para garantir que está seco, sendo tolerável uma humidade máxima de 10% antes de colar cerâmica (os suportes húmidos potenciam o aparecimento posterior do fenómeno de «babamentos» através das juntas).

Após amassadura do cimento-cola do tipo weber.col flex M / weber.col flex L / weber.col flex XL com a quantidade de água recomendada, a mesma será estendida sobre o suporte em barramento fino e apertado para garantir a uniformização de absorção de água e consequentemente a hidrofugação. Logo em seguida, a cola será estendida sobre o barramento com talocha denteada adequada ao formato da peça cerâmica. Realizar colagem dupla, ou seja, aplicar cola também no tardoz da peça cerâmica usando o mesmo método que no suporte. Aplicar a peça sobre a cola esmagando bem os cordões e levantar a peça para garantir que não existem áreas sem contacto desta com a cola. Deixar juntas de colocação entre peças cerâmicas usando cruzetas distanciadoras para facilitar o trabalho. Da mesma forma, serão deixadas juntas de fraccionamento (a cada 3m na horizontal e a cada 5m na vertical) e respeitadas as juntas estruturais do edifício. Terminada a colocação do revestimento, será respeitado um prazo de pelo menos 48 horas antes da betumação das juntas.

A betumação de juntas será realizada amassando a argamassa do tipo weber.color premium com a quantidade de água indicada no saco. A utilização de água a mais na amassadura provocará a diluição dos pigmentos, e consequentemente o aparecimento de manchas, e prejuízo da resistência superficial comprometendo a durabilidade. A aplicação deve ser realizada nas condições meteorológicas especificadas na Ficha Técnica do produto, preenchendo as juntas com uma talocha de borracha dura e pressionado a argamassa para que não existam espaços vazios. Aguardar entre 15 a 30 minutos antes de iniciar a limpeza.

A primeira limpeza deverá ser realizada com uma esponja ligeiramente humedecida, devendo usar-se o mínimo de água possível para evitar que o seu excesso possa provocar manchas na superfície da argamassa. Realizar a limpeza final com um pano seco após 24 horas de secagem da argamassa.

Para garantir uma maior resistência à penetração de água, será realizada a aplicação do agente hidrofugante weber.hydrofuge B sobre as juntas, após 7 dias de secagem da respetiva argamassa de betumação.

V. NORMATIVAS APLICÁVEIS

NP EN 771-3 (2010) – Especificações para unidades de alvenaria. Parte 3: blocos de betão de agregados (agregados correntes e leves).

EN 998-1 (2010) - Especificações para argamassas de alvenaria. Argamassas de reboco interiores e exteriores.

EN 998-2 (2010) - Especificações para argamassas de alvenaria. Argamassas de assentamento.

EN 1996-1.1 (2005) - Euro code 6: Part 1-1: General rules for buildings. Rules for reinforced and unreinforced masonry.

EN 1996-2 (2006) – Euro code 6: Part 2: Design, selection of materials and execution of masonry.



DL n.º 80/2006 de 4 de Abril de 2006 - Regulamento das Características de Comportamento Térmico dos Edifícios (RCCTE).

DL n.º 129/2002 de 11 de Maio de 2002, alterado pelo DL n.º 96/2008 de 9 de Junho 2008 - Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios (RRAE).


©bemvin.org 2016
enviar mensagem

    Página principal